Itamaraty faz alerta à CPI sobre sigilo de documentos

15.06.21 19:46

O Itamaraty sinalizou preocupação com a derrubada do sigilo de documentos encaminhados à CPI da Covid. O órgão sublinhou que as informações repassadas aos senadores não se submetem somente à legislação brasileira, mas também a compromissos assumidos junto a empresas e governos estrangeiros.

O ofício encaminhado ao colegiado nesta terça-feira, 15, dá destaque aos ditames das Convenções de Viena sobre Relações Diplomáticas e Consulares, que estabelecem a “inviolabilidade dos arquivos e documentos das missões diplomáticas e repartições consulares, onde quer que estejam“.

O Ministério das Relações Exteriores manifestou-se seis dias depois de a CPI derrubar determinar o fim do sigilo de documentos provenientes de variados órgãos. Na ocasião, o presidente da comissão, Omar Aziz, reclamou da postura do governo federal.

Estão mandando todos os documentos como se fossem sigilosos. Vamos fazer uma quebra hoje. Não tem documento sigiloso. Por exemplo, Ministério das Relações Exteriores tudo vem carimbado sigiloso quando não é nada sigiloso. Tem documentos que estão no Portal da Transparência que a Secom mandou para cá como sigiloso. Então vamos acabar com esse negócio. A pessoa quando mandar um documento sigiloso para cá tem que dizer por que, qual a razão para ser sigiloso. Se não vier, nós vamos abrir“, disparou o senador.

O Itamaraty, porém, pede cautela. O órgão relatou ter enviado à CPI cerca de 5 mil documentos e fez um apelo pela atenção às suas atribuições, que incluem a proteção de informações que possam “prejudicar ou pôr em risco negociações ou as relações internacionais do país, ou as que tenham sido fornecidas em caráter sigiloso por outros Estados e organismos internacionais“.

Recorda-se que, na documentação fornecida à CPI, estiveram compreendidos documentos que, embora não classificados, podem conter informações pessoais sensíveis, que se enquadrem nas demais hipóteses de acesso restrito previstas no ordenamento jurídico interno, como dados de natureza fiscal, bancária, de operações e serviços no mercado de capitais, comercial, profissional, industrial e em segredo de justiça, ou que estejam protegidas pelo direito internacional“, emendou.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Documentos gerados no âmbito de uma diplomacia internacional que converteu o Brasil em pária perante o mundo, não podem e nem devem ser reconhecidos e tratados como SIGILOSOS!

    1. Concordo. O dano causado ao Brasil é imenso. Quase imensurável. Todos precisam saber o que aconteceu.

  2. Ao carimbarem os 5 mil documentos como sigilosos obrigarão os senadores a lerem cada um para verificar se são ou não sigilosos. Se retirarem o sigilo em bloco, ou delegarem a terceiros a leitura, correrão riscos de prisão em um simples passeio internacional.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO