Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Inquérito da Lava Jato sobre ex-presidente do Corinthians foi parar no limbo

07.03.21 14:20

Depoimento de delator da Odebrecht relatando caixa 2 para campanha eleitoral. Planilha da empreiteira vinculando cifras milionárias à Arena Corinthians e ao codinome “Timão”. Mensagens de Skype indicando entregas de dinheiro vivo no apartamento de um assessor. Gravação telefônica com doleiro acertando a entrega da “encomenda”.

Todo esse material está atrelado a um inquérito aberto em 2016 no Supremo Tribunal Federal para investigar Andrés Sanchez (foto), que deixou recentemente a presidência do Corinthians. Ex-deputado pelo PT, ele foi acusado de receber 3 milhões de reais na eleição de 2014, via caixa 2 da Odebrecht, empreiteira que construiu o estádio corintiano por influência do ex-presidente Lula.

Em 2018, o então ministro Celso de Mello, do STF, enviou a investigação para a Justiça Federal de São Paulo. O caso chegou a avançar na força-tarefa da Lava Jato paulista mas depois caiu no limbo. Investigadores que acompanharam os casos relacionados à delação, inclusive na Justiça Eleitoral, desconhecem o paradeiro da investigação. O próprio advogado do cartola corintiano, João Gomes, diz que o inquérito virou um “esqueleto no armário”.

“O Andrés foi ouvido nesse inquérito lá em Brasília, há mais de quatro anos. Depois mandaram o caso para São Paulo e até onde eu sei ele continua na Justiça Federal. Nenhum dinheiro chegou no Andrés a não ser o que ele declarou na campanha. Não tem nenhum elemento material contra ele. Esse inquérito está fadado ao arquivamento”, afirmou o advogado.

Documentos obtidos por Crusoé mostram, porém, fortes indícios de que pagamentos relacionados ao codinome “Timão”, atribuído a Andrés Sanchez, foram feitos. Na própria planilha da Odebrecht, aparece como intermediário do repasse o nome de André Oliveira, mais conhecido como André Negão, ex-assessor de Andrés e dirigente corintiano.

Nas conversas de Skype trocadas por funcionários da Transnacional, a transportadora de valores usada para executar os pagamentos da Odebrecht, aparece uma entrega de 1 milhão de reais no apartamento de André Negão, na zona leste de São Paulo, com mesmo valor, data e senha usados na planilha do departamento de propinas da empreiteira ao lado do codinome “Timão”.

Na data da entrega, uma gravação telefônica feita pela agência de câmbio do doleiro Álvaro José Novis, que coordenava as entregas de dinheiro da Odebrecht, mostra André Negão conversando com um funcionário do doleiro sobre a entrega de uma “encomenda”. André Negão, que chegou a ser detido pela Polícia Federal em 2016, por portar uma arma sem registro durante uma busca e apreensão relacionada à investigação sobre a empreiteira, nunca mais foi importunado, assim como seu ex-chefe.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Felipe Moura Brasil, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O país onde roubar muito é legal. O bandido pode até comprar um juiz, desembargadores ou até um ministro do supremo. Povo de merda. País de merda.

  2. Mataram a mais limpa operação de combate a corrupção no Brasil. Executivo, legislativo e tribunais superiores, todos jogaram contra, e o povão calado e sendo tosquiado como carneiro que é.

  3. 1.1 - Eu acho que foi um erro, denominar este esquema de corrupção sistematizada e endêmica no Brasil, de MECANISMO. Mecanismo remete a uma máquina não biológica. Acho que é uma criatura, uma espécie de Leviatã. Uma máquina tende a ficar obsoleta com o tempo. Já o Leviatã, se enfraqueceu com a Lava Jato, e se fortaleceu com a eleição do Bolsonaro. Como combater o Leviatã, se agora mais do que nunca, está praticamente tudo contaminado, na política e na justiça?

    1. 1.2 - A imprensa, os bons que sobraram e a população, podem enfraquecer o Leviatã. Temos bons hackers, que podem trazer ao público, às negociatas desses corruptos. Às pessoas no seu dia a dia, nas suas atividades habituais, podem perceber esses homens públicos, se articulando para cometer os seus crimes. Temos que instigar o comportamento vigilante e atento em todos. O futuro do nosso país está em jogo. Todos temos computador e celular. Está na hora de usá-los pelo Brasil.

  4. A impunidade dos corruptos venceu. Bolsonaro foi ponta de lança da orcrim, escalado a dedo para acabar de vez com a sanha dos órgãos de investigação contra os corruptos da orcrim. Verdadeiro estelionato eleitoral e tapa na cara dos lavajistas.

    1. Verdade PB, verdade! Bozismo = Petralhismo. Besta foi quem acreditou que plantando urtigas colheria rosas!

  5. Podres poderes - preparando o terreno para o golpe da orcrim- se as altas cortes de justiça servem aos bandidos, o que esperar da justiça eleitoral?

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO