Adriano Machado/Crusoé

Emenda de líder do governo facilitou compra de vacinas indianas na mira da CPI e do MPF

22.06.21 18:01

Uma emenda apresentada pelo líder do governo Bolsonaro na Câmara, deputado Ricardo Barros, do Progressistas do Paraná, abriu caminho para a autorização pela Anvisa da importação de imunizantes aprovados pela agência sanitária da Índia.

A mudança na medida provisória favoreceu as negociações com o laboratório indiano Bharat Biotech para a aquisição de 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin pelo Ministério da Saúde. As tratativas entre o governo federal e a Precisa Medicamentos, representante do laboratório indiano no Brasil, estão na mira da CPI da Covid.

A MP foi editada por Jair Bolsonaro em 5 de janeiro deste ano. A emenda de Ricardo Barros, segundo O Antagonista, foi incluída no texto após reunião com representantes da Precisa Medicamentos na embaixada do Brasil em Nova Déli, em 7 de janeiro. No dia seguinte, Jair Bolsonaro informou, por carta, ao primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, que a Covaxin estaria entre as vacinas escolhidas pelo governo brasileiro para a imunização contra a Covid.

Segundo informou Crusoé mais cedo, a Procuradoria da República no Distrito Federal encontrou indícios da prática de crime no contrato firmado entre o Ministério da Saúde, na gestão Eduardo Pazuello, e a Precisa Medicamentos para a compra de 20 milhões de doses da Covaxin por 1,6 bilhão de reais.

A constatação ocorreu no âmbito de um inquérito civil público que apura a prática de improbidade administrativa por membros do governo federal diante da pandemia do coronavírus.

A procuradora Luciana Loureiro entendeu que o contrato da Covaxin precisa ser averiguado num processo à parte, na esfera criminal. Assim, os autos foram remetidos ao 11º Ofício de Combate ao Crime e à Improbidade Administrativa.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
    1. Émas o gado diz ,no PT tbm roubava , aí quando era PT , o FHC tbm roubava , assim vamos sendo enrolado por estes políticos vagabundos , ladroes , o que não entendo como alguns conseguem ter ladrao e miliciano de estimação!!!!!

  1. Os detratores do PR sifú. O problema é que a vacina é cara mesmo, tanto que mais 12 países compraram essa mesma vacina nesse mesmo preço. Os traíras do MITO, incluso os ANTAS, só descobriram isso agora.

    1. Esta vacina Covaxin não transformou os brasileiros em jacarés. Ela transformou os brasileiros, em verdadeiros trouxas.

    2. Uma vacina que tem o mesmo mecanismo de ação da Coronavac, é muito mais cara por quê? Para mim não interessa se outros países, com os seus políticos corruptos como os daqui, pagaram um determinado preço. Eu pago o meu imposto no Brasil. Bolsonaro desdenhou da vacina da Pfizer, que tem uma eficácia de 94%, ridicularizou a Coronavac e comprou a Covaxin por um preço absurdo. Qual a lógica disso, a não ser a velha corrupção? Essa corrupção com uma agravante. Matou pessoas.

  2. Em janeiro de 2020, BioNTech e Moderna, direcionaram os seus esforços na busca de vacinas, utilizando o RNAm. A BioNtech fez uma parceria com a Pfizer. A Moderna contou com o apoio do governo americano. QUEM NO BRASIL ESTAVA MONITORANDO ISSO? A UE, USA, Canadá, todos fazendo o follow-up das vacinas em desenvolvimento. Israel teve um Primeiro Ministro ativo na busca de vacinas. Aqui no Brasil, agora vem à tona, o governo Bolsonaro estava procurando negociatas, com os seus corruptos de estimação.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO