Jefferson Rudy/Agência Senado

Ciro Nogueira quer pressionar Anvisa por fim das restrições à Sputnik V

22.06.21 16:48

Integrante da tropa de choque de Jair Bolsonaro na CPI da Covid, o senador Ciro Nogueira (foto) quer pressionar a Agência Nacional de Vigilância Sanitária a retirar as restrições impostas ao uso no país da Sputnik V, vacina desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, da Rússia.

Sob pressão de governadores, a Anvisa autorizou, no início deste mês, pela primeira vez, a importação do imunizante em caráter excepcional. O processo, porém, tem de seguir duras regras.

A agência estabeleceu que a importação pode ser feita somente de fábricas inspecionadas pela sua equipe técnica, ordenou a análises lote a lote que comprovem a inexistência de vírus replicantes e fixou a obrigatoriedade da notificação de eventos adversos graves em até 24 horas.

Além disso, o aval valeu apenas para os lotes solicitados por Bahia, Maranhão, Sergipe, Ceará, Pernambuco e Piauí, ou seja: outras levas só poderiam chegar ao Brasil se o pedido à Anvisa fosse refeito. Na semana passada, a Anvisa deu um novo sinal verde, nos mesmos moldes. Desta vez,  para Rio Grande do Norte, Mato Grosso, Rondônia, Pará, Amapá, Paraíba e Goiás.

Ciro Nogueira diz enxergargraves distorções” em relação ao uso da vacina, uma vez que, com base na tecnologia do Instituto Gamaleya, o laboratório União Química a produz em território nacional, em Guarulhos e em Brasília, e, em seguida, a exporta para a Rússia.

Enquanto isso, o Brasil, que poderia estar sendo amplamente beneficiado com uma vacina produzida localmente, ainda sofre com uma autorização precária da Anvisa, que liberou apenas o uso de algumas poucas doses no país, em caráter excepcional e cheio de condicionantes. Assim, o Brasil produz a vacina e exporta, somente para ter que importá-la novamente. É um verdadeiro contrassenso, uma distorção verificada em plena pandemia“, emendou.

O senador propôs, na CPI da Covid, um requerimento de informações à agência. Ciro Nogueira quer que a Anvisa apresente dados sobre a produção, exportação e importação da vacina, “especialmente no que se refere às razões que impedem a utilização interna de uma vacina produzida e exportada pelo Brasil“. O pedido ainda precisa ser chancelado pelo plenário do colegiado.

A União Química submeteu à Anvisa pedido de uso emergencial e temporário da Sputnik. A análise, porém, não andou porque estão pendentes documentos exigidos do laboratório. 

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Vacina no governo Bolsonaro, só veio com a pressão do governador de São Paulo, João Doria e da CPI. Fora isso, somente se tiver o famigerado ICM (imposto de comprador moderno). Em algumas empresas em que trabalhei, muitos compradores foram mandados embora por justa causa, por cobrarem essa propina. Nos governos petistas e do Temer, ninguém foi mandado embora por isso. No governo do Bolsonaro, isso virou expertise para contratação, ou para fazer parte da equipe. ISSO É UMA VERGONHA DESCARADA.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO