MarioSabino

Vai e decifra o teu enigma

30.07.21

Na semana passada, li de uma sentada o livro Lacan Ainda, de Betty Milan, no qual a autora descreve a sua vivência como paciente — ou melhor, analisanda — de Jacques Lacan, o psicanalista francês que subverteu preceitos de Sigmund Freud, não como antípoda, mas continuador. Estamos aqui entre 1973 e 1977, numa Paris que ainda respirava os ares de 1968, entre o esquerdismo e o desbundismo. 

Sou amigo de Betty desde 2006, quando ela me hospedou num apartamento contíguo ao seu, no Marais, em Paris. Betty era amiga da minha então namorada e nos convidou para ficar lá. Eu não gosto de ser hóspede de ninguém, prefiro hotéis, mas o apartamento onde ficaríamos estava vazio, então tudo bem. Foi amizade à primeira vista, inclusive porque ela continuava paulistana — à minha maneira —, apesar de morar em Paris durante a maior parte do tempo, ser viúva de francês, ter um filho francês e viver com um francês, Jean Sarzana, amigo igualmente, que havia sido diretor da Câmara do Livro da França e, poucos anos depois, se lançaria como escritor pela editora Gallimard. Explico o que é ser paulistano à minha maneira: alguns de nós guardam o sentimento de que São Paulo é o pior melhor lugar do mundo onde se pode nascer, e isso molda não apenas a relação com a cidade, mas com todas as cidades que venhamos a conhecer ou nas quais venhamos a nos estabelecer. Betty faz parte desse grupo. Só que, à diferença de mim, São Paulo é um dos seus temas.

Quando foi fazer análise em Paris, Betty estava às voltas com a sua família libanesa, que era também a pior melhor família do mundo na qual se podia nascer: conservadora nos costumes, mas que incentivara a primogênita a estudar Medicina, até então reduto masculino; acolhedora e ao mesmo tempo castradora; inserida na sociedade pelo dinheiro, mas discriminada pela origem; estabelecida num país no qual não se reconhecia culturalmente, mas onde se multiplicara. Naquele momento, a paulistana Betty encontrava-se aprisionada como “turquinha”.

A análise com Jacques Lacan foi libertadora. Graças ao psicanalista, Betty aceitou as suas origens, a sua família, o seu país — e conseguiu ser mãe e tornar-se escritora. “Quando Lacan faleceu, em 1981, coloquei como epígrafe, no obituário escrito para o jornal, um verso de Saint-John Perse (poeta francês): ‘Me chamavam de obscuro e eu habitava o clarão’. Lacan iluminou o meu caminho, possibilitando que uma descendente de imigrantes libaneses, vítima de xenofobia e autoxenofobia, pudesse se aceitar”, diz Betty.

Os escritos de Jacques Lacan são impenetráveis muitas vezes até para os iniciados, como se fossem códigos a ser decifrados num futuro distante. Na sua prática clínica, ele delegava ao analisando (não paciente), a arqueologia e reconstrução da sua própria história. A consulta dependia do “tempo lógico”, não se estendia pelos 45 ou 50 minutos de praxe, durante os quais o discurso tanto de quem se deita no divã como de quem se senta na poltrona do analista pode ser encobridor, uma vez que quase sempre se fala para não revelar e se escuta para não ouvir. Uma frase do analisando era suficiente para funcionar como “deixa” para que a sessão fosse interrompida. Era desse modo que se vencia a resistência a descobrir o germe da neurose.

Betty relata que Jacques Lacan “cortava a sessão sem explicação alguma, confiando no analisando, na sua possibilidade de descobrir sozinho a razão do corte. Incitava o outro a se analisar. Vai e volta para me dizer o que você descobriu. Vai e decifra o enigma da tua própria história. Isso explica a substituição da palavra paciente por analisando. A posição do paciente é a de quem espera. Já a do analisando é de quem está fazendo análise, como o gerúndio indica. Nesse contexto, a cura analítica tanto dependia do analista quanto do analisando e a sessão não existia sem a rua. No meu caso, sem a caminhada do número 5 da Rue de Lille (o endereço de Lacan) até a Rue de La Harpe ou, como num lapso meu, do Quartier Lacan ao Quartier Latin. Na caminhada, eu pensava no que havia sido dito e frequentemente fazia alguma descoberta que me certificava da importância do trabalho. Com o meu eureka, a autoestima aumentava e o desejo de uma nova sessão se impunha”. Revelava-se, assim, o obscuro que habitava o clarão.

Corte.

O psicanalista francês habitou o romance O Vício do Amor, publicado por mim em 2011, como personagem terrível. Eu havia lido a autobiografia escrita por uma das suas filhas, Sybille, intitulado Un Père (Um Pai), e ficara impressionado com a sua entrega. A Rue de Lille, onde Betty Milan encontrou a redenção, foi palco de uma história dramática protagonizada por Jacques Lacan, a sua mulher, Marie-Louise, e a amante do psicanalista, Sylvia. Quando ele já estava separado da mulher, a amante instalou-se no número 3 da Rue de Lille, juntamente com as suas duas filhas, Laurence e Judith — que era filha de Lacan. Marie-Louise estava grávida de oito meses quando o psicanalista comunicou-lhe que Sylvia esperava uma criança sua. Como descrevi no romance, “o anúncio colocou um ponto final à vida dupla de Jacques Lacan, fez com que Marie-Louise entrasse numa grave crise de depressão — e foi em meio à depressão causada pelo rompimento traumático que ela deu à luz Sibylle, em novembro de 1940. Em julho do ano seguinte, nasceu Judith. Em sua autobiografia, Sybille escreveu: ‘Quando eu nasci, meu pai já não estava. Eu poderia mesmo dizer que que, quando fui concebida, meu pai já estava em outro lugar, não vivia mais verdadeiramente com minha mãe. Um reencontro no campo, entre marido e mulher, quando tudo já estava terminado, está na origem do meu nascimento. Eu sou o fruto do desespero, alguns dirão do desejo, mas eu não acredito nisso’”.

A pedido de Marie-Louise, que temia ser execrada socialmente, Jacques Lacan não contou aos três filhos do seu casamento que ambos haviam se divorciado formalmente e que ele vivia com outra mulher, com a qual tivera uma filha. Sybille (e a irmã, Caroline, e o irmão, Thibaut) só viria a saber a verdade quando completou 17 anos. As circunstâncias de seus nascimentos levaram a que ela e Judith passassem a nutrir uma rivalidade feroz, que se acirrou depois da morte de Jacques Lacan, quando Judith se apossou do legado intelectual do pai, juntamente com o seu marido, Jacques-Alain Miller, discípulo do sogro.

Corte.

Os livros de Betty Milan e Sybille formam um retrato cubista de Jacques Lacan, no qual duas faces opostas convivem em complementariedade, sem contradição. O que quero dizer é que podemos ser obscuros e habitar o clarão, bem como sermos clarão em meio à nossa obscuridão, e isso também nos torna interessantes.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Independentemente da vida de Lacan, posso afirmar que a sua teoria psicanalítica, foi o que me salvou nos idos de1992, através da condução de uma boa profissional. Lendo seu artigo me lembrei das minhas caminhadas para casa depois da sessão. Vou buscar pelo seu livro.

  2. Gostaria de saber o que o Primo Pobre, da dupla Primo Pobre-Primo Rico (Brandão F° e Paulo Gracindo) do Balança-mas-não-cai, diria sobre o assunto psicanálise. Brincadeiras a parte, Lacan só prova a minha teoria de que todos os homens são iguais quando a cabeça de baixo pensa mais que a de cima. E nem adianta análise! O grande psicanalista comportou-se como qualquer peão de obra e sequer fez análise depois. Ou fez? Será q a mulher dele procurou um outro analista? Casa de ferreiro, espeto de pau!

  3. Não sabia dessa farsa da vida de LaCan, mas ao lê, me dei conta do qual cruel esse senhor foi. Aff.Que nojo de homem.

  4. Nossa gostei muito do seu artigo Mario, pena que não consegui terminar minha faculdade, já Freud, um pouco de Lacan. obrigada por trazer texto educativo estamos Sempre aprendendo. Bolsonaro deveria fazer análise...

    1. Não só Bolsonaro , mas quem indica . Psicanálise não se indica , pois quem indica pro outro precisa primeiro da conta da sua .

  5. finalmente você voltou, mestre da digressão! estava carente! as últimas crônicas semanais foram políticas demais. elas são muito boas para o antagonista, na análise muito lúcida que faz, porém elas retratam algo que me irrita muito e me deixa frustrado que é a nossa politicagem rasteira. gosto muito quando você usa sua coluna para abordar outros assuntos e principalmente dando pinceladas com as suas vivências. por favor, faça mais crônicas assim. preciso escapar da realidade, pode me ajudar ?

  6. Procuro valorizar tudo que leio, mas sobretudo o que escapa ao meu entendimento. Lê-lo, Mário, é uma satisfação para mim e com propensão de melhorar-me como pessoa. Adoro seu estilo.

  7. Não li e não gostei. Daqui a pouco a Crusoé vai ficar igual ao antigo Manhattan Connection, cheio de assuntos culturais chatos. Assino pra ler política e alguma coisa de economia.

    1. "Assuntos culturais chatos". Mais um exemplar perfeito do Brasil do bolsopetismo.

  8. Hoje é impossível tratar um analisando pelo método lacaniano. A neurose grave está tão amplamente disseminada que parar uma terapia após uma palavra significativa ao insight pode levar o analisando a uma clínica psiquiátrica e o analista ao seu Conselho. Novos tempos, novos perfis, novo contexto, novas subjetividades. Sobre o clarão na obscuridade, a verdade é que não existe sequer um ser humano desprovido dos dois.

  9. Quando era analisando era (e ainda sou) lacaniana, lendo os seminários que podia. Seu texto, Sabino, é enriquecedor e fez-me sentir sensível. Aliás. voce é brilhante e pena que não queira ser infeliz matando seu pai, um dia. Amo os Antagonistas.

  10. Gostei do artigo Mario. Fiquei conhecendo um pouco mais de Lacan. Clarão e obscuridade em tempos de pandemia é trabalho árduo.

  11. Ler os textos do Mário é sempre uma aventura! O ser humano é muito complexo mas não há muita surpresa na distinção entre perfil profissional e pessoal. Você pode ser um ótimo profissional (mais fácil ainda se você é uma espécie de "mestre dos magos") e ainda assim ter uma vida pessoal conturbada.

  12. Sou psicanalista e norteio meu trabalho por outros autores que não Lacan, por isso não posso opinar sobre sua teoria e sua técnica, já que a desconheço em profundidade. Porém fiquei estarrecida ao saber de sua conduta na vida pessoal. Pobres Marie-Louise, Silvia, Judith e principalmente, Sibille, nas mãos de um homem assim.

  13. muito bom saber desses livros e estas histórias; cada vez gosto mais de Lacan e mais entendo meus amigos psicanalistas lacanianos.

  14. Desconfio de quem escreve enrolado. O escritor pernóstico sempre poderá ser um gênio, mas poderá também ser um impostor. Tentei ler um livro de Lacan uma vez e não consegui passar da página cinco. O interessante é que o mentor dele, o Dr. Freud, tinha uma escrita clara como a luz do sol - perdão pelo lugar comum.

  15. Lacan é um charlatão e os escritos “ impenetraveis “ não possuem nenhum sentido . Não se extrai nenhuma ideia prática e tudo se resume a “ todos os nossos problemas existem por causa dos outros , e não temos culpa de nada “ . Um típico esquerdista que não assume nenhuma responsabilidade . Tempo lógico é uma picaretagem e ele analizava entrando em um táxi .Sartre também não fazia feio no quesito culpar tudo e todos e não assumir responsabilidades .

  16. Excelente comentário sobre Lacan, mas o que tem a ver com a nossa realidade atual e o interesse dos brasileiros sobre o personagem??

    1. “Vai e decifra o enigma da tua própria história.” O povo brasileiro seria um prato cheio para o Lacan!

  17. O único que ainda salva se na Crusoé. Mas, suas resenhas litetárias estão ficando repetitivas. Parece estar lendo e ouvindo a mesma coluna de um mês atrás.

  18. Assinei Crusoé, desde o início, por causa do Diogo Mainardi. Mantenho a assinatura por causa do Mario Sabino.

    1. PQP, até na Crusoé esse bolsogado imundo "indignadinho" com o Diogo.

    2. eu Tb continuo assinante pelo Mario apesar do Diogo e do agora reduzido a blogueiro moro

    3. Pedro , o Mário é excepcional , o outro nem medíocre .

    1. Muito gratificante, aliás Mario Sabino é uma esperança atingida na intelectualidade brasileira. Buscarei os livros para lê-los , também fiz análise, Freudiana, durante nove anos.

  19. Senador Alessandro Vieira para presidente com Simone Tebet para você. Eu apoio. Não tem relação com o texto mas é uma forma para divulgar para os leitores uma sugestão de chapa alternativa para esses coisos que se apresentam como favoritos nas próximos eleições.

    1. Ambos apoiarão Moro, ajudando a construir a terceira via que nos livrará dos dois pilantras que, hoje, lideram as pesquisas.

    2. Senadora Simone Tebet para presidente com Senador Alessandro Vieira para vice. Eu apoio!

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO