Dida Sampaio/Estadão

Depois do iceberg

26.12.19
Pedro Fernando Nery

A reforma da Previdência foi aprovada, afastando o receio de uma argentinização da economia brasileira. Sem ela, com um crescimento do gasto previdenciário de 50 bilhões de reais por ano, rumávamos para uma dívida impagável, colocando no horizonte um calote ou uma hiperinflação, passando no caminho por aumentos da carga tributária e dos juros – preço do risco dessa dívida. Com ela, esses perigos foram substancialmente reduzidos para os próximos anos, mas sozinha a reforma não promoverá forte aceleração do crescimento. No jargão: ela é condição necessária, mas não suficiente.

A diferença entre os cenários com ou sem reforma é significativa, à medida que se evita uma grande crise com sua aprovação, o que não implica dizer que voltaremos rapidamente a crescer a taxas mais robustas. Ao longo da discussão sobre a reforma, usei frequentemente a metáfora de um transatlântico para o Brasil. Um iceberg se apresentava e tínhamos que decidir se seríamos o Titanic. Uma manobra difícil tinha que ser feita, e a fizemos. A reforma assegura que não vamos naufragar, mas não nos leva ao destino final. Agora podemos continuar navegando e decidir para onde ir.

A redução na incerteza e os ganhos de confiança puderam começar a ser medidos já em julho, com a aprovação em primeiro turno na Câmara dos Deputados. O risco-país passou por sucessivas quedas e atingiu um nível historicamente baixo, compatível com a era em que tínhamos o grau de investimento (“selo de bom pagador”).

A reforma permitiu também ao Comitê de Política Monetária, o Copom, empreender reduções nas taxas básicas de juros, que contribuirão para palpáveis melhoras no consumo e no investimento. Em termos nominais, a Selic nunca esteve tão baixa.

De fato, as semanas seguintes à aprovação da reforma coincidiram com uma melhora nas expectativas para o PIB de 2020. No Sistema de Expectativas do Banco Central – Boletim Focus –, a previsão mediana para o crescimento da economia no próximo ano passou a crescer semana após semana. Trata-se uma reversão de oito meses em que o PIB esperado era sempre o mesmo ou revisto para baixo. A mediana agora está em 2,24% (era de apenas 2% em outubro).

Já a queda estrutural nos juros significa menos dinheiro entrando à procura dessa remuneração mais fácil. O dólar tenderia a ficar em um patamar mais alto: não à toa o ministro Paulo Guedes afirmara que “é bom se acostumar com o câmbio mais alto e juro mais baixo por um bom tempo”.

A reforma não acabou: após a decisão da Câmara de retirar estados e municípios, onde se encontra boa parte do desequilíbrio nos próximos anos e muitos privilégios, o Senado buscou facilitar a adesão deles à reforma por meio de uma nova PEC, a PEC Paralela. Há o temor de que, sem essa facilitação, muitos não conseguirão reformar. Em algum momento, quebrariam, trazendo a conta para a União (mais dívida).

Se é verdade que o maior desequilíbrio atuarial está no INSS – que atende muito mais famílias –, é verdade também que o desequilíbrio do regime dos servidores não é desprezível e, no caso dos estados, ameaçador. O chamado déficit atuarial (diferença entre despesas e receitas no futuro) nos estados é de quase 5 trilhões de reais. A dívida futura que esses entes contrataram com os seus servidores é muito maior do que a própria dívida que eles frequentemente renegociam com a União e, no caso de diversos estados, maior que o próprio PIB.

Além da PEC Paralela, o ajuste fiscal exige também a aprovação da chamada PEC Emergencial (apresentada pelo governo no Senado, em novembro) ou da PEC da Regra de Ouro (da Câmara). Se a reforma da Previdência foi fundamental para a consolidação fiscal em médio e longo prazo, o curto prazo ainda aperta. Por conta das regras de transição e respeito aos direitos adquiridos, a reforma tem pouco impacto nas contas do governo nos seus primeiros anos. O gasto previdenciário ainda crescerá 40 bilhões de reais na União no próximo ano. A PEC Emergencial garante o cumprimento do teto de gastos, concentrando o ajuste no funcionalismo. Vale lembrar que 2020 será o sétimo ano seguido de déficit primário (diferença entre arrecadação e gastos do governo, antes de contabilizar as receitas e pagamentos da dívida).

Um terceiro tipo de medida também é discutido pelo Congresso, buscando a sustentabilidade política do ajuste fiscal. Visando inserir uma mensagem ao conjunto de reformas, programas para reduzir a pobreza sem prejudicar o equilíbrio fiscal constam da própria PEC Paralela aprovada pelo Senado (como o benefício universal infantil) e da Agenda para o Desenvolvimento Social da Câmara. Os acontecimentos de novembro – protestos no Chile, soltura de Lula – fortalecem a tese de que a agenda reformista precisa ser conciliada com uma pauta mais fácil e simpática.

Contudo, anos pares são normalmente bem menos produtivos no Congresso Nacional, à medida que se aproximam as eleições (em 2020, municipais). A prioridade do governo não está clara, e o conjunto de propostas de sua iniciativa ainda é pouco compreendido. Muitos economistas pensam que idealmente ele deveria se reorganizar no recesso e tentar priorizar a PEC Emergencial, que traria ganhos adicionais quanto à redução de incertezas, melhora da confiança e ampliação do investimento. Agendas complexas como a reforma tributária e a reforma administrativa ficariam para depois. Sem necessidade de passar pelo Congresso, o Executivo pode continuar tocando as agendas de abertura comercial e de redução do custo do crédito (via Banco Central).

Apesar da reforma da Previdência, ainda poderemos assistir uma colisão com o iceberg e contemplar do que nos livramos: é que em dezembro assumiu Alberto Fernández na Argentina. Assumindo uma situação já difícil, em parte herdada do próprio kirchnerismo, já anunciou um calote na dívida, aumentos nas aposentadorias e congelamento de preços. O naufrágio argentino permitirá que visualizemos o que poderia ser a realidade do Brasil nos próximos anos. Que façamos uma boa viagem em 2020, depois do iceberg.

Pedro Fernando Nery é economista.
Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. "O Antagonista tinha uma proposta tão bacana, de análises independentes, racionais, imparciais, de defesa de certos valores que se perderam no jornalismo. Um jornalismo que se desprendeu da realidade, do mundo real, das pessoas reais, das demandas legítimas dos cidadãos que pagam a conta, que labutam todos os dias, que têm seus direitos negados diariamente pelo establishment. Com essa crise, perdeu sua proposta inicial e se igualou aos piores tabloides militantes."

  2. Dados do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás apontam que já existem Municípios goianos cuja contribuição patronal a seus regimes previdenciários próprios alcança patamares próximos a 50% do valor da Folha de Pagamentos. Isto vai explodir a qualquer momento e a conta será, mais uma vez, apresentada aos contribuintes pois baterão às portas da União em busca de socorro. Já se noticia que o Estado do Rio de Janeiro busca prorrogar por mais 3 anos a suspensão de pagamentos à União.

  3. Responsabilidade fiscal para todos e por todos e, mais que isso a adequação dos justos direitos adquiridos e o expurgo dos abusos cometidos.

    1. Também acho! Todas as casas deveriam pensar em emagrecer para que o povo não tenha que ser explorados! Menos carros , menos motoristas, menos verbas de gabinete, menos mordomias, menos jantares de luxo e aí continua! Se não querem ter menos saiam do governo e procurem enriquecer na empresa privada! O povo é quem paga seus salários e não está satisfeito com os resultados ! Vamos tentar melhorar, para que a conta não fique tão cara para o povo ?

  4. privatiza tudo! faz as reformas (todas) faz acordos comerciais. quanto aos políticos corruptos, serão atropelados de uma forma ou de outra. Veremos....!!!

  5. três comentaristas ALAN MARCUS WILSON, falaram acima e muito bem analisaram esse artigo Concordo com. os três. Reforma pronta. Correções, depois fazemos..

  6. Anos atrás, sem saber de minha insuportável impotência para mudar as coisas, sugeria que houvesse transparência total da previdência. Num dos exemplos eu citava que ninguém sabia quanto era arrecadado ou quanto se gastava com previdência em Caxias do Sul. Ou seja, os dados importantes para análise não estavam disponíveis. Hoje, com tecnologia seria importante colocar tudo na página oficial. Ah, quanto Caxias arrecada e quanto gasta com auxílio-doença ou aposentadoria especial, etc.

    1. Isto ajudaria bastante, não há dúvidas! Pois poderíamos ver como nosso dinheiro é gasto apenas pesquisando pela internet ! E sugerindo mudanças !

  7. Pedro Nery é um herói nacional, merece uma estátua! Refutou sozinho a quase totalidade das falácias e mentiras inventadas contra a reforma (criadas em usa maioria, para a surpresa de ninguém, pelas esquerdas). Vamos em frente pelas próximas reformas do Estado brasileiro.

  8. A Argentina já naufragou com o Macri que não teve a astúcia e coragem do Bolsonaro para a solução do seu país, porem ao contrário dos brasileiros que entenderam a gravidade do problema e elegeu o novo Presidente, os argentinos votaram apostando no caos. Coitadinhos... a vice Kirchner vai comandar como Presidente e só vai precisar o Fernandez jogar um “pouco” mais de terra nos seus ombros. Meus pêsames...

  9. 1 devemos encarar a Argentina como lugar de turismo. 2 as reformas vão acontecer sim. 3 acordos comerciais com quem for viável devemos fazê-los.4 temos de ter planos para o país de, no mínimo, 20 anos que é uma geração. 5 não podemos deixar a esquerda voltar. Com esses pré-requisitos seremos, em 20 anos uma Califórnia.OK?

    1. De acordo, principalmente com o sepultamento definitivo da esquerda e seus partidos podres...

    2. Concordo com tudo dito. Devemos esquecer a esquerda nos próximos 20 anos. Daí o Brasil tornará grande e justo.

  10. A reforma da previdência apenas postergou o problema fiscal. Como nenhuma outra reforma será aprovada, ao menos como deveria, estaremos rediscutindo a previdência a cada dez anos. Até o dia em que não exista mais previdência social. Com exceção de previdência, emprego e salário, ninguém quer cortar mais em nada. Corrupção, cabides de emprego, privilégios de toda ordem serão preservados. Quem viver verá.

    1. Edson, concordo com vc na aversão ao verme petista, mas discordo da visão pessimista da sociedade. Apesar dos corrúptos e dos políticos brasileiros, estamos evoluindo. Aprendemos a votar...vide a Argentina, que era o "modelo" de nação politizada....

    2. EDSON, parece que você é daqueles quase uma leitura superficial citada pelo Pondé (ver artigo nesta edição), acha que entendeu tudo e sai dando pitaco sem qualquer tipo de argumentação. Aprenda a se concentrar mais naquilo que ouve e naquilo que lê.

    3. falou a viúva do carniça cachaceiro. xô... urubu petralha.

    4. Antônio, você conhece o eleitor brasileiro? E o Congresso? Pare de sonhar. Aqui só se beneficia grandes empresas, o cidadão que se lasque.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO