O esporte, a guerra e a política

13.09.19

“Há o tempo de observar e o tempo de agir”. Essas foram algumas das muitas sábias palavras que ouvi de um querido mentor logo no início da minha carreira. Foram 24 anos defendendo o Brasil nas quadras e nas areias, e, apesar de ter sido treinada por vários técnicos de estilos diferentes, nunca me esqueci dessa frase. Talvez aos 17, 18 anos, quando escutei essa frase pela primeira vez, eu fosse nova demais para perceber a sua serventia por uma ótica mais objetiva e menos romântica. Hoje, no entanto, entendo sua aplicação e real dimensão não apenas no esporte, mas em um mundo extremamente polarizado onde aponta-se muito o dedo e raramente o lápis.

No vôlei de quadra, onde há doze jogadoras, há também um time grande por trás de toda a equipe distribuído em várias funções, como estatísticas e análise das melhores atletas em quadra, por exemplo. Toda informação ou estratégia de jogo nos é passada pelo técnico sem que tenhamos muito poder de questionamento ou opções de “correções de rota”. Se algo dentro de quadra não sai como é esperado, peças são trocadas e mudanças na equipe são feitas em curso, para que a estratégia escolhida pelo técnico e seus auxiliares seja melhor executada.

Já no vôlei de praia, a dinâmica é bem diferente quando o assunto é estudo e estratégia. Não há todo o aparato tecnológico que há na quadra e a “voz da razão e sabedoria” dos técnicos auxiliando não existe, uma vez que no vôlei de praia eles não podem ficar no banco. Costumamos  dizer que o vôlei de praia é “o mais individual dos esportes coletivos” e talvez seja exatamente por essa individualidade que somos praticamente forçadas a amadurecer como estrategistas. Não há muitas janelas para erros quando o assunto é uma batalha contra times com grande arsenal de jogadas e você tem que abrir mão de alguma peça, algum movimento, para não levar xeque-mate. No esporte, há muito trabalho, suor, vontade, dedicação e também muita matemática. Não importa o quão bem preparada fisicamente você esteja, não existe a possibilidade de conseguir neutralizar absolutamente todas as jogadas contra um bom time. Nessas ocasiões, é preciso observar, estudar, afunilar o poder de ação e saber onde o adversário é mais forte nos momentos decisivos. No esporte, guerras são praticamente impossíveis de serem vencidas apenas com ações, por mais fortes que sejam, sem observação lógica e detalhada.

Batalhas esportivas à parte, foi durante uma guerra real, a Segunda Guerra Mundial, que a humanidade foi apresentada a um dos maiores matemáticos do mundo, Alan Turing, o inventor da Máquina de Turing, o conceito precursor do computador moderno. Nossa dívida e gratidão a Turing, no entanto, vão muito além de seus esforços pioneiros em ciência da computação. Turing serviu as forças aliadas quebrando códigos militares usados pela Marinha alemã, criando um método chamado “A Bomba” — um dispositivo eletromecânico que podia decifrar as criptografias da máquina alemã Enigma, desenvolvida na Alemanha logo após a Primeira Guerra Mundial para codificar e decodificar mensagens. A tecnologia usada pelos alemães era alterada durante a guerra, quase que diariamente, tornando muito difícil o desafio de quebrar os códigos dos nazistas.

Sem os esforços de Turing e os de sua equipe, os Aliados continuariam enfrentando uma séria desvantagem contra a tecnologia superior das Forças Armadas alemãs, e, embora seja impossível quantificar o impacto exato das contribuições de Turing, alguns historiadores estimam que a guerra teria continuado por pelo menos mais dois anos e que mais 14 milhões de vidas teriam sido perdidas. Diante de números tão impactantes, o que muitas vezes é deixado de fora de textos e artigos sobre o matemático e sua invenção é como as forças aliadas tiveram que usar, de maneira extremamente estratégica, as informaçãoes providas pela máquina de Turing, que em questão de minutos informava a localização e a estratégia de ataque das forças alemãs no mar. Alguns navios das forças aliadas não foram poupados de ataques para evitar que os nazistas suspeitassem que suas mensagens criptografadas tinham sido finalmente decodificadas. Observação, estratégia e ação. (Não deixe de assistir ao filme O Jogo da Imitação que conta, com alguma licença poética, a saga de Alan Turing e sua equipe para quebrar os segredos da supermáquina de mensagens alemã).

Esporte, guerra e política. Eventos que podem parecer distintos em suas atuais essências, mas que podem mostrar similaridades na conjunção de estratégias, códigos, inteligência, batalhas e bombardeios. Muitos bombardeios. Ah, Brasil… Durante esta semana, o campo minado que se tornou a política nacional não foi poupado de mais uma explosão. A indicação de Augusto Aras como novo procurador-geral da República caiu como uma bomba para boa parte da base eleitoral  do presidente Jair Bolsonaro. Aras já criticou supostos excessos da Lava Jato e mostra certa proximidade com investigados da operação, além de ter um conhecido histórico de declarações polêmicas de apoio a pautas mais à esquerda no espectro político, o que o torna ainda mais controverso para a base político-ideológica que elegeu Jair Bolsonaro. Para contornar o clima polemizado envolvendo seu nome, Augusto Aras já convidou para integrar sua equipe procuradores com perfis mais conservadores e alinhados com a Lava Jato, como Thaméa Danelon e Ailton Benedito.

Outra crítica sofrida pelo presidente na escolha do novo PGR foi o fato de Bolsonaro não ter escolhido um nome da “sacrossanta” lista tríplice para o cargo, a mesma que muitos insistem que garante à sociedade a independência do Ministério Público Federal, e que nos deu Raquel Dodge — que, recentemente pediu para arquivar preliminarmente trechos da delação do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, que envolviam o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e o irmão de Dias Toffoli, presidente do STF. Dona Raquel…da lista tríplice para a nossa lista negra.

Que o indicado à Procuradoria-Geral da República mostre compromisso com o Brasil através da manutenção e proteção da Lava Jato, patrimônio nacional. Depois de anos sequestrado por um projeto cleptomaníaco de poder que dinamitou a economia, minou as instituições e dividiu a sociedade como nunca se viu, o país tem a chance rara de discutir um novo rumo fora das respostas fáceis e erradas para problemas muito difíceis. Não podemos desperdiçar mais uma vez a oportunidade de repensar o país além de nomes. Senhor Augusto Aras, não temos mais tempo para decifrar códigos, já fomos bombardeados demais. O país da MP da Liberdade Econômica, da reforma da Previdência (passada em seis meses na Câmara), da queda nos índices de assassinatos e de outros ganhos em tão pouco tempo já está com seus bravos soldados no fronte. Chegou a sua vez de mostrar suas armas a favor do Brasil (desengavetar as delações que Raquel Dodge engavetou seria um excelente começo).

Em tempos de extrema dicotomia e imediatismo, as palavras de meu mentor no início da minha carreira soam como um alento, e é nelas que atualmente me refugio, ignorando os jargões e rótulos vazios das redes sociais que insistem em colocar o pensamento livre e independente em balaios com etiquetas: “Há o tempo de observar e o tempo de agir”. Em 2012, pouco antes de seu falecimento, recebi uma ligação de aniversário do meu inesquecível mestre. Conversávamos sobre outras guerras, figurativas e reais, quando ouvi pela última vez uma das vertentes de sua célebre frase, que até hoje se faz presente em outros campos da minha vida: “Ação sem observação não é determinação, é estupidez. Histeria não é coragem”. Que suas palavras e sabedoria nos guiem na eterna vigilância que o Brasil precisa, e nas ações que o verdadeiro progresso demanda. Salve, mestre! Grande estrategista da vida.

Ana Paula Henkel é analista de política e esportes. Jogadora de vôlei profissional, disputou quatro Olimpíadas pelo Brasil. Estuda Ciência Política na Universidade da Califórnia.
Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Que diferença. Depois de ler o "artigo" pavoroso escrito pelo Diogo Mainardi, somos presentiados por esse texto da Ana Paula! 👏👏👏👏👏

  2. "Há o tempo de observar e o tempo de agir"... poderia estar escrito em Ec 3:1-11. Na verdade está, no primeiro versículo "tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu". Isso teria dito o verdadeiro Mestre (não posso confirmar tais palavras, eu não estava lá)... mas aproveitando a porta da liberdade poética já aberta, há o tempo de ter esperanças e o tempo de pegar um avião para o Canadá, só de ida. Quem nunca?

    1. Melhorar o Brasil leva tempo, quando jovem não acreditava que venceríamos a inflação, hoje acredito que vamos reduzir a corrupção

  3. Ana Paula mostra mais uma vez que está aprendendo pouco na Califórnia. Ela deveria saber que o Turing, apesar de tudo que fez pelo Reino Unido, morreu envenenado (suicidio? Assassinato?) depois das acusações de homossexualismo. Somente recentemente o governo britânico resolveu pedir desculpas oficiais à memória do célebre cientista. Se Turing morasse hoje no Brasil bozista, ele seria perseguido por sua opção sexual, dada ao ranço homofóbico demonstrado pelo presidente e seus buldogues.

    1. Até parece. Quem quer dar o rabo continua dando, independente de quem for o presidente.

    2. o caro jose ta fora do eixo,senti cheiro de mortadela.

    3. Caro Gilnei — O artigo não tem foco algum. Ela continua misturando alhos com bugalhos. Não ë o primeiro artigo que ela faz isso. Como escritora, ela não segue o que ela praticou a vida toda no volley: cortadas rápidas, lineares e diretas ao ponto. Aparentemente está se tornando uma verborrágica. Que pena!

  4. Aqui no sertão profundo também existem pensadores e guerreiros. Forjar conquistas leva tempo e nem toda competição termina apenas com a entrega de uma medalha de ouro.

  5. Muito bom! Mas é uma pena que tenhamos tantos incompetentes (e "pés de chinelo") ocupando cargos em nossas instituições públicas, seja por indicação ou pelo voto. Muitos safados corruptos de "rabo preso" com seus padrinhos, compadres, amigos, etc. pela indicação, além de familiares que "mamam" por tabela em alguns escritórios de "adevogados que esquentam e lavam grana". Estamos fritos!

  6. É melhor esperar sentada esta convicção de que Aras vai proteger e ecpamdur a lavajato. Ele foi escolhido a dedo para blindar tida a clã bozonaro e está afinado com os maiores ecpoentes da ORCRIM. O traira quer ficar os 4 anos pars destruir todo o progresso contra a impunidade e a corrupcao que sao a causa fundamental dos nossos problemas.

  7. Parabéns Ana! Mais um artigo fantástico! Quando você estará de volta? Assim poderemos contar com você para a renovação na política de que tanto precisamos.

    1. Seria uma grande conquista na política partidária com excelente oxigenação no ambiente político. já conversou com a Ana Paula, João Amoêdo?! O Partido Novo seria u ma boa opção Ana? Sou apenas um entusiasta das principais idéias e bases do Partido.

    2. Ela está no tempo de observar e nao6 de agir. Excelente texto Ana Paula!

  8. Infelizmente nos falta, nessa saga, a parte do bem. Não a temos, os mocinhos são poucos e estão sob forte ataque das peças do “mecanismo”. A grande massa é corrupta e manipuladapelo lado negro.

  9. Querida Ana: que belo artigo. Amei. Sincero. Verdadeiro. Aprendi sobre o tempo de esperar e sobre o tempo de agir com o Raduan Nassar em Lavoura Arcaica. Aprendi ali que palavras são como sementes: tem casca e tem gema. Que a gema de tuas palavras fecunde e inspire muitas mentes pelo bem de todos nós pelo bem da verdade pelo bem do Brasil. Grande abraço.

    1. Qto tempo foi levado para nos presentear com sabedoria e bom senso.Triste é ainda termos pessoas amargas q não possuem discernimento e presença de espírito para se alinhar.Como nosso País pode ir em frente, se temos Comentaristas aparentemente preparados se mostrando incapaz de deixar a famigerada ignorância pelas reais necessidades q assolam nosso Povo.A política raivosa,nos leva à pequenez e nos deixa sem ação.

  10. Belíssimo artigo. Embora não acredite, torço como todo brasileiro de bem que a decência seja implantada nesse país. Que a justiça prevaleça para todos, presidente e filhos, inclusive.

  11. OTIMO COMENTARIO ANA PAULA . O esporte , a guerra e a política são artes , não existe uma estratégia única para se chegar ao resultado desejado . Da mesma forma que Turing desvendou a máquina enigma para os aliados tomarem suas decisões na guerra , nós devemos desvendar as intenções de Aras para tomarmos nossas decisões políticas . 🇧🇷

  12. Nesta ilha de suspeições e intrigas, Ana Paula é um oásis de inteligência sadia e análises perfeitas. É exatamente isso que venho dizendo aos afoitos em enforcar JB. Como Turing, temos que sacrificar alguns soldados, algumas ações de combate, fingir passividade, para mais além, contornarmos os códigos inimigos e salvarmos milhões. Acreditem leitores (os honestos), JB sabe muito bem o que está fazendo. Não se pode ganhar na força bruta agora. Aras é um agente duplo, mas gosta mais do lado de cá.

    1. Também acho que as vezes é melhor o inimigo nao saber do nosso proximo passo.

    2. Bozistas zurrando aqui ao ler um texto que mistura alhos com bugalhos para defender um governo que certamente teria expulsado o Turing do país. Bozistas, vocês são uma vergonha!

    3. Perfeito, Drusius. Ana Paula, sutil e inteligentemente, coloca as coisas no devido lugar. Com tanta torcida contra, com uma imprensa militante fustigando o governo, o momento é de serenidade em vez de jogar gasolina na fogueira.

    4. Fábio: ele deve ter lido "A Arte da Guerra", e "A vida de Napoleão"na Academia Militar e assimilado as táticas.

    5. CONCORDO DRUSIUS . JB finge que está do lado do congresso e do STF sem se comprometer com nada . Cede pouco e consegue apoio para as reformas da previdência e tributária , para o pacote anti crime , para a MP da liberdade econômica , para a PEC da desvinculação e descentralização das receitas , para o acordo Brasil UE , para o acordo bilateral com os EUA . Recupera a economia e depois parte pra cima dos inimigos do Brasil . 🇧🇷

    6. Obrigado Ana Paula. Ótimo texto como sempre. Você é uma ilha no meio do jornalismo da Crusoé Antagonista. JB está sendo o único Presidente brasileiro de verdade. Honesto, patriota, quer resolver o passado e que se preocupa no futuro do pais. Os outros seis aos quais eu sobrevivi (Sarney, Collor, Itamar, FHC, Ladrão e Dilmanta) foram tragédias nocivas ao pais. Nos jogaram em um abismo moral, social e econômico. Vamos com fé e habilidade seguindo em frente no jogo.

  13. É lamentável assistir o presidente recorrendo a práticas antigas neste país,de conchavos conforme suas necessidades familiares.Todos sempre têm uma justificativa plausível para eles para transgredir.Ele não está sendo nem original.

    1. Também acho, Rosalva. Parece que no governo da Dilma a Lava Jato (Policia Federal, Receita, COAF, procuradores e juízes) estava mais intenpendente e o STF menos ditatorial!

  14. Ana Paula, a esperança é a última que morre, mas isso está tão esquisito.....Mudando de assunto, voc~e poderia comentar sobre as últimas notícias dos Estados Unidos?

  15. Ana, sou seu seguidor e entendo a sua determinação de guerreira. Não deixo de ver as coisas boas que estão acontecendo, mas elas não me cegam sobre o que acontece no backstage. Toffoli resolvendo os problemas de Flavio e de uma boa parte da esquerda com uma canetada e, o presidente, que tem sempre uma lembrança do PT, não tem olhos para o que acontece no presente. Não tenho ladrão ou político de estimação. Votei no Bolsonaro pelo discurso direto e pelo passado. Mais 4 anos de decepções.

  16. É o que tenho feito: esperar, observar, analisar. Me alegro quando leio um bom texto como este, bem escrito, bem estruturado, com as idéias no lugar, muito diferente dos sambas do crioulo doido que são as pretensas análises políticas que a Crusoé insiste em publicar todas as semanas. O meu momento de agir será por ocasião da renovação da assinatura.

  17. Esperamos que em breve tenhamos uma estrategista em Brasilia para q faça coro com outros para decifrar os códigos criptografados só q estes todos sabemos : limpeza do judiciario e legislativo : eles Não deixa o executivo trabalhar : outra constituição : lixo aquela produzida pelos " o retorno " Não há filme

  18. Ok. Vamos ficar observando e ver o que acontece. Quando chegar a hora de agir talvez seja tarde. Não acredito que o novo PGR torpedeará a lavajato. Usará a tática aliada, poupará alguns navios para não dar na vista. A lista de navios que não serão afundados já foi acordada com o PR. Um deles se chama Senador FB. Outros pertencem a esquadra com bandeira STF e um, agente codinome Botafogo, tentará editar salvo-condutos para muitos outros navezinhas. Quanta ingenuidade!!

  19. Desculpe, mas não entendi bem a ligação que você quis estabelecer entre Alan Turing e Augusto Aras. Tuning era homossexual , opção ilegal na Inglaterra em 1952, e acabou aceitando o tratamento com hormônios femininos e castração química, como alternativa à prisão.Acabou morrendo 2 anos depois, com apenas 42 anos por auto envenenamento por cianeto. Acho que no atual governo ,apesar de passados mais de 60 anos, não teria muitas chances! Talvez uma castração mental pela bancada evangélica

    1. Ou não suspeitavam ou preferiam não suspeitar . Poderia ter vivido mais e dado mais contribuições ao mundo através de sua genialidade, mas infelizmente, foi derrotado pelo homofobia!

    2. Não foi bem assim. Enquanto Turing trabalhava com sua equipe para a inteligência britânica, ninguém sequer suspeitava que fosse homossexual. Inclusive noivou com Joan Clarke, uma aluna de mente privilegiada como ele, que respondera a um anúncio de emprego, na verdade uma seleção para analistas de contraespionagem. Sua condição íntima foi descoberta bem depois do fim da guerra, em 1950. De lamentar sim, a falta de reconhecimento dos britânicos, condenando o homem que salvou 14 milhões de pessoas

    3. Num dia 11 de setembro de 2009 , o primeiro ministro Gordon Brown apresentou publicamente um pedido de desculpas em nome do governo britânico pela forma preconceituosa e desumana como Turing foi tratado no pós-guerra e que o teria levado ao suicídio.As posturas mudam conforme os interesses que estão em jogo. Não se importaram com a homossexualidade dele enquanto era útil, depois usaram isso para descartá-lo! É assim que ainda funciona aqui e agora ,seja qual for o argumento!

    4. Também não entendi bem o lance do Turing. Deu a impressão que iria justificar ações de espionagem / contra-espionagem para justificar invasão de privacidade por hackers e os cuidados que devemos ter para não sermos vítimas.

    5. Ou talvez esta outra: que passado o aperto, quando a pessoa- chave não tiver mais utilidade ,ela é frita e descartada sem dó nem piedade!

    6. pudesse salvá-lo! Diante desse paralelo, não sei bem qual a conclusão a ser tirada: talvez de que seja mais fácil um esquerdista entrar no reino do céus da ultra direita do que um homossexual!

  20. Pra quem estava acostumada a encantar as torcidas, se relegar ao papel de Cheerleader de torcida deve ser triste. Se reduziu ao papel daqueles que diziam ser estratégia a aliança do PT com os caciques da velha política, e não adesão à cleptocracia já existente (e que seria aperfeiçoada por eles).

    1. Perdoe os incultos, eles não sabem o que falam. Ela sabe.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO