MarioSabino

Sejamos lúcidos sobre o nazismo

05.04.19

IO chanceler Ernesto Araújo insiste em dizer que o nazismo foi um movimento de esquerda — ou seja, o contrário do que pensam até mesmo os neonazistas. Ele afirmou em Jerusalém, durante a visita presidencial a Israel, que “a associação do nazismo com a direita foi usada para denegrir movimentos que são considerados de direita e que não têm nada a ver com o nazismo. Quero que as pessoas estudem, leiam a história de uma perspectiva mais profunda”. Perguntado sobre a opinião de Ernesto Araújo, Jair Bolsonaro disse concordar com ele: “Não há dúvida, não é? Partido Socialista, como é que é? Da Alemanha. Partido Nacional Socialista da Alemanha”.

Também concordo com Ernesto Araújo: é preciso ler a história de uma perspectiva mais profunda. Na história factual do nazismo, acho que não existe nada de mais profundo do que as 1249 páginas de The Rise and Fall of the Third Reich, do americano William L. Shirer. Já citei o livro aqui, para criticar aquela besteira chamada Quando as Democracias Morrem, dos igualmente americanos Steven Levitsky e Daniel Ziblatt, que foi usada pelo pessoal da esquerda para tentar deslegitimar Jair Bolsonaro durante a campanha. Tenho poucos portos seguros.

Shirer trabalhava como correspondente em Berlim da Universal News Service e da CBS, quando Hitler ascendeu ao poder. E voltou à Alemanha no momento da sua queda. Era jornalista, o que certamente causará muxoxos, e historiador de peso – o que produzirá mais muxoxos, uma vez que o estudo da História é outra área associada a esquerdismo. Sugiro que, antes de sentenciá-lo, o leiam. The Rise and Fall of the Third Reich não é um livro de ocasião, publicado logo depois da guerra. Foi lançado em 1960, porque demandou extensa pesquisa, para além do testemunho ocular do seu autor – um americano, diga-se ainda a favor de Shirer, daqueles de antigamente, muito benquisto no Departamento de Estado dos Estados Unidos.

Adolf Hitler permanecia militar, em setembro de 1919, quando recebeu a ordem da escritório político do Exército Alemão para espionar um grupelho autointitulado Partido dos Trabalhadores Alemão. Ao participar de uma reunião do grupelho, Hitler conheceu Anton Drexler. Um ano antes, conta Shirer, esse sujeito fundara um “Comitê de Trabalhadores Independentes”, para combater o marxismo dos sindicatos e lutar por uma “paz justa” para a Alemanha – o Tratado de Versalhes havia imposto indenizações pesadas ao país derrotado na Primeira Guerra e imerso numa crise econômica que aumentaria exponencialmente na década seguinte. Esse comitê acabou resultando no tal PT Alemão.

Drexler entregou-lhe um panfleto chamado O Meu Despertar Político, fato relatado por Hitler em Mein Kampf. Conta Shirer que, para surpresa de Hitler, o panfleto continha muitas das ideias que ele próprio cultivava. O principal objetivo de Drexler era construir um partido baseado na massa de trabalhadores, mas que, ao contrário do Partido Social-Democrata, fosse fortemente nacionalista. Hitler acabou convidado a fazer parte do PT Alemão, cujo ideário era um verdadeiro pastiche. Havia quem defendesse, por exemplo, que a Bavária se separasse da Alemanha e se fundisse com a Áustria – o que despertava a indignação de Hitler.

De espião do Exército, ele viria a se tornar dirigente do grupelho e, em abril de 1920, o PT da Alemanha se tornou o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães. O seu programa ideológico foi feito sob medida para atrair e cooptar assalariados e desempregados propensos a ouvir o canto da sereia dos comunistas. Shirer escreve que o item 11, por exemplo, propunha a abolição de ganhos que não fossem provenientes de trabalho; o item 12, a nacionalização de companhias monopolistas; o item 13, a divisão de lucros da grande indústria com o Estado; o item 14, a abolição do arrendamento de terras e da especulação com propriedades rurais. Esses pontos foram colocados no programa por insistência de Anton Drexler e Gottfried Feder, um engenheiro diletante em economia que dizia que o capital “especulativo”, em oposição ao capital “criativo” e produtivo, era a causa dos problemas econômicos da Alemanha. Como diz Shirer, ao contrário de Hitler, ambos realmente pareciam acreditar que o “socialismo” do Nacional Socialismo era para valer.

O economista e filósofo austríaco Ludwig von Mises, apóstolo do liberalismo econômico, viria a formular a ideia de que, embora o nazismo não tivesse se apropriado dos meios de produção, ele guardava semelhanças com o socialismo, porque era o governo alemão que exercia o poder de proprietário das empresas. Desse ponto de vista, Ernesto Araújo parece ter alguma razão. Mas os fatos descritos por Shirer – e por muitos outros historiadores — durante o período em que Hitler dominou a Alemanha mostram que os donos das empresas do país não perderam as suas posições de comando. Associaram-se ao líder nazista não só para ajudar a catapultá-lo, a fim de deter o avanço do comunismo entre mineiros e operários, como para cobrar a sua fatura anos mais tarde, usufruindo inclusive de mão de obra escrava, depois que Hitler pôs em marcha o seu maior programa: a subjugação e exterminação dos judeus e demais minorias que maculariam os “arianos”.

Quem fez a ponte entre os grandes industriais e banqueiros e os nazistas, em 1931, dois anos antes de Hitler chegar ao poder, foi Walther Funk, que viria a se tornar ministro da Economia e presidente do Banco do Reich. No julgamento de Nuremberg, Funk declarou:

“Naquela época, a liderança do partido mantinha visões completamente contraditórias e confusas sobre política econômica. Tentei cumprir a minha missão (confiada por grandes industriais e banqueiros) de convencer o Fuehrer e o partido de que a iniciativa privada, a independência do homem de negócios, os poderes criativos da livre iniciativa etc. deveriam ser reconhecidos como a política econômica básica do partido. O Fuehrer pessoalmente ressaltou algumas vezes, durante conversas comigo e líderes industriais que lhe apresentei, que ele era inimigo da economia estatal e da chamada ‘economia planificada’ e que considerava a livre iniciativa e competição absolutamente necessárias para que se pudesse obter a maior produção possível.”

Com esse discurso, ele obteve financiamentos vultosos para o Partido Nacional Socialista, enquanto deixava partidários como Joseph Goebbels, futuro ministro da Propaganda, encantar a massa de manobra com a conversa de que os nazistas eram realmente socialistas. Às vezes, as coisas fugiam de controle. Em 1930, quando o flerte com os grandes capitalistas começava, Hitler ficou horrorizado, escreve Shirer, com um projeto de lei nazista, apresentado ao Parlamento, que instituía o teto de 4% para a taxa de juros e a expropriação da fortuna dos “magnatas da banca e da Bolsa de Valores”. Para ele, tratava-se não apenas de bolchevismo, como de suicídio financeiro do partido. Mandou retirar o projeto. Quando os comunistas reapresentaram a mesmíssima proposta, Hitler mandou que os nazistas votassem contra. No mesmo ano, nazistas que levaram a sério o “socialista” do nome do partido, como Otto Strasser, apoiaram greves comandadas por sindicatos socialistas e defenderam a estatização da indústria – heresias para Hitler, nas palavras de Shirer. O Fuehrer exigiu que parassem com a brincadeira e, ao ouvir a negativa, os expulsou. Hitler nunca duvidou de que o nazismo ocupava um lugar à direita no espectro político.

Com o poder nas mãos, a partir de 1933, ele lançou-se à caça de comunistas internos e externos, como já deixara claro que o faria em “Mein Kampf”. Caçar comunistas era também um dos esportes preferidos de Joseph Stalin, mas de comunistas que não eram comunistas como ele. No livro The Bloodlands – Europe Between Hitler and Stalin, Timothy Snyder, professor em Yale, relata a tragédia que, nos anos que precederam a Segunda Guerra e durante o conflito, abateu-se sobre a área que compreende Polônia, Lituânia, Ucrânia e Belarus, espremida entre os totalitarismos nazista e comunista. Ao longo de 12 anos, sob o jugo de uns e outros, 14 milhões de pessoas morreram executadas ou de fome. Num único dia do outono de 1941, Hitler conseguiu matar mais prisioneiros de guerra soviéticos do que prisioneiros britânicos e americanos durante toda a guerra. Stalin não foi menos medonho. Na Ucrânia, com terras coletivizadas e forçada a enviar a quase totalidade dos grãos colhidos para a Rússia, houve episódios de canibalismo. Dizia-se que “o socialismo é vitorioso e, por isso, há fome”. As “Bloodlands” foram marcadas na carne pela ferradura cujos extremos eram nazismo e comunismo.

Voltando a Ernesto Araújo, eu diria que o nazismo foi um totalitarismo à direita, assim como o fascismo italiano, porque nele os capitalistas serviam-se do estado e o estado servia-se deles. Essa relação propiciou o reerguimento econômico da Alemanha de cima para baixo e serviu para forjar e manter em funcionamento uma espantosa e lucrativa máquina de destruição. Já o comunismo difere do nazismo porque elimina completamente as relações capitalistas, pelo menos as formais, e transforma o estado em único patrão. E quanto à China atual?, poderia perguntar alguém. Na minha opinião, o “modelo chinês” é um totalitarismo que combina comunismo e fascismo: o patrão é o estado e a iniciava privada é uma espécie de franquia a apaniguados que se servem do estado e servem ao estado. É um modelo que só funciona para chineses.

O dado que realmente importa é que o autoritarismo e o seu corolário, o totalitarismo, são a essência da esquerda e a sua visão de que a classe operária representa o fim da história ou a grande finalidade de toda a trajetória humana. Marx não poderia ter sido mais evidente, ao adotar o termo “ditadura do proletariado”. É por isso que o comunismo soviético, cubano e norte-coreano continuam a arrancar suspiros das tchutchucas do petismo e adjacências, enquanto elas juram amar a democracia. Já a essência da direita — ou do capitalismo — são as liberdades econômica, política e pessoal (nada a ver, portanto, com “regimes democráticos de força”), das quais o fim é somente o início das liberdades do outro, sob o império da meritocracia — que é, em si mesma, a finalidade que empurra as sociedades para a frente. O nazismo é uma aberração no capitalismo, porque capturou e deformou a sua essência, ao privilegiar as relações de mutualismo entre poder totalitário e patrões, eleger uma “raça” como protagonista exclusiva do progresso humano e levar a cabo o genocídio de etnias em nome dela. A “solução final” matou também a concorrência. Penso que encarar o nazismo dessa forma só torna mais lúcido quem está do lado certo – como você e eu, presumo.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Muito pueril a visão de esquerda ou direita do Nazismo, um regime ditatorial é em si seu próprio propósito que por si desconsidera a democracia como solução!

  2. Só aproveitando o embalo. Diz-se que Shirer pesquisou e tudo mais. Com certeza. Mas é preciso frisar que muito do que ele fala em seu livro não há comprovação qualquer. Não sou eu quem digo, mas Volker Ulrich em seu fabuloso livro "Hitler - Os Anos de Ascensão 1889 - 1939", onde 1/3 dele se trata de referências bibliográficas.

  3. Estão focando apenas na economia. Dentro daquele contexto, com o avanço do comunismo pelo mundo, a Igreja Católica apoiou o regime nazista. Hitler e muitos dos nomes destacados do regime eram católicos. O famoso Índex não incluiu "Minha Luta" na lista. Até hoje Hitler não foi excomungado. A praga do ódio aos judeus (antissemitismo) foi fomentado e fermentado por décadas pela Icar. Somente em 1961 ela revogou o deicídio (a culpalização coletiva dos judeus pela morte de Cristo).

    1. Não briguem comigo, briguem com os fatos. Assim como o regime de Franco era de direita, o de Hitler também o era.

  4. O comunismo é uma espécie de capitalismo de estado, o estado explora o trabalhador. O Nazismo e o Fascismo também são uma espécie de capitalismo de estado. Os três são totalitários. Para mim parece tudo a mesmo coisa.

  5. Engraçado que em uma parte do texto, parecia que estavam descrevendo o PT brasileiro, ao escolher algumas empresas e lançá-las ao céu com sua politica de campeões nacionais...

  6. O socialismo é comum:partido único,totalitarismo,culto a personalidade,execuções sumárias,etc.De direita por ter mantido a propriedade privada dos meios de produção(capitalismo).Embora sobre controle total. E a supremacia nacionalista.De esquerda, por ter o estado como detentor direto de todos os meios de produção ou não.E a pretendida supremacia sobre todo o "mundo do proletariado e operários".Um modelo da sociedade de inseto.

  7. resumindo, mesma coisa que no Brasil.... o "estado" financiou alguns empresários, escolhidos por eles, compraram a concorrência. Socialismo é isso, fazer de conta que distribui riqueza, até distribui, mas entre os amigos do rei.

  8. Caro jornalista. Será possível distinguir os Antonios dos comentários. Existem por ora três. Um com letras maiúsculas, e dois outros nos quais me incluo com minúsculas. Fica difícil comentar sem misturar. Não que eu não os respeite, mas fica parecendo que comentei algo que não concordo, o que não é bom. Peço entrar em contato para definirmos se vai ficar assim mesmo ou posso colocar meu nome completo, pois não me assusto em fazê-lo e sou responsável.

  9. Excelente análise, li Ascenção e queda do III Reich, é um dos maiores livros já escritos, o autor escreve com raiva, com emoção por ter vivido pessoalmente aqueles anos na Alemanha. Preciso reler.

  10. "Na Alemanha nazista", disse Mises, Os proprietários dos meios de produção eram chamados de dirigentes comerciais, ou 'Betriebsführer'. O governo dizia a estes supostos empreendedores o que produzir, como produzir, em quais quantidades e a que preços. O governo também determinava de quem eles deveriam comprar, a quais preços e a quem poderiam vender. O governo decretava os salários que deveriam ser pagos para cada trabalhador. Artigo em Mises Brasil.

  11. Voce percebe que a porta de entrada é o comunismo e que o produto final é a tirania e o genocinio? a critica que vale nas argumentações é o produto final, terrivel para o povo e para a humanidade.

  12. Mario Sabino, Só gostaria de esclarecer que o citado "Capitalismo de Estado", em que existe essa relação nefasta entre empresários sanguessugas e políticos corruptos passa longe do "Capitalismo" de mercado da direita. Seria como dizer que a relação da JBS com o governo foi de direita, pois incentivava empresários privados, quando na verdade se tem uma competição desleal, monopolista e protegida pelo Estado. Trata-se do oposto do que prega o liberalismo de mercado em todas as suas vertentes.

  13. Nao sei.. e as liberdades individuais? Se o estado era hegemônico entao o cidadao era um nada .Ainda acho que era uma variante socialista como o PT foi aqui.

  14. Sabino, boa análise. Obrigado pela dica do livro de Shirer. Na sua descrição do ideário do Partido Nacional Socialista de Hitler, percebi uma forte semelhança com o que foi o Brasil na era PT. Aliás, consultando o Mein Kampf, nota-se uma convergência com o programa do PT e de outros partidos da dita esquerda do Brasil. Embora o ministro tenha sido parcialmente correto, sua análise foi mais abrangente.

  15. Sabino..prefiro a explicação de Olavo de Carvalho sobre nazismo ser de esquerda: marx considerava a classe operaria como centro da teoria mas quando de trata de paises não existe classe operaria transnacional dai nazismo considerar estados nacionais como aplicação da teoria marxista em nivel nacional..

    1. O Olavo de Cavalo,na minha opiniao , e tambem do comunista Prof Villa, e um boçal

  16. Corretíssimo mais uma vez. Seus textos são admiráveis, e têm conteúdo. Nada a comentar a não ser elogiar. Talvez seja difícil para alguns lê-lo pelos termos utilizados, mas não há como escrever sobre a matéria a não ser levando a escrita. Maravilha.

  17. Aí depreendo - os extremos guardam muitas semelhanças entre si. Todo extremo, todo radical , é nefasto. Daí a polêmica- dois extremos querendo estigmatizar seu oponente, a partir de uma semelhança. Muita contradição de parte a parte. Abomino autoritarismo. É revoltante. Nada mais desagradável do que alguém querendo nos impor seus dogmas como única verdade. Vemos isso diariamente nas redes sociais. Dá engulhos tanta agressividade e desejo de supremacia. Vade retro extremistas!

  18. Para mim, um leigo desinformado, é tudo uma questão de semântica. Sei o que presta e o que não presta: Amor/ódio. Até hoje não sei classificar o período 1964/1985. Ditadura não foi. Ou foi? Tenho 71 anos

  19. Mário, se você sair do Centro e caminhar para a extrema esquerda, você encontrará umaSer de direita é defender a diminuição da participação do Estado na sociedade como forma de reduzir a corrupção, garantir a liberdade individual e promover o desenvolvimento econômico ditadura feroz, um domínio total do partido via estado. se você partir do Centro para a extrema direita, você encontrará o que? uma ditadura feroz, um domínio total do estado. É óbvio que os extremos se encontram.

    1. Completando. Se o conceito de esquerda remete a coletivismo e direita remete a individualismo e nos extremos eles se encontram no coletivismo total, podemos concluir que essa ideia de extrema direita é completamente antagônica ao próprio conceito de direita. Se individualismo é a tônica da direita, o que deveria ser um conceito de extrema direita seria, ou é de fato, o Anarcocapitalismo. Conclusão o Chanceler tem razão e seu texto por mais erudito que seja é só enrolação.

  20. alguém no banco dos réus de Nuremberg quer associar-se a qualquer um que pareça menos mau aos olhos dos julgadores. em tempos de guerra, Hitler precisava dos grandes conglomerados. o que teria acontecido depois, nunca se saberá. dizer que HitlerHitler a favor

    1. continuando... dizer que Hitler era pró mercado me parece ir longe demais...

  21. Caramba, que coisa tão importante ficou sendo decidir se o nazismo é dextro ou canhoto! KKKKKKKKK! Tudo muito ridículo. O que é que vai melhorar na vida dos brasileiros essa lide? Nada!

  22. O problema se o nazismo era de esquerda e sim que tem muitos que se dizem de esquerda que defendem teses nazistas como o apoio ao lider iraniano que negou o holocausto. Ainda prefiroa definição anarquista de ireita e esquerda: "A direita estão os totalitários e a esquerda os libertários"

    1. Verdade, Stalin, Pol Pot, Mao e outros genocidas eram libertários kkkkkkk

  23. Outras épocas, momentos completamente diferentes, acredito mais que nem eles naquele momento sabiam onde iria dar a coisa toda, vão surgindo oportunidades e para cada problema q surge, tem outros dois absurdos que são incitados, para solucionar a confusão que acaba se instalando dá nisto bostança generalizada e ainda querem encontrar direita ou esquerda, q nada é cocô no ventilador mesmo..

  24. Obrigado Mário, bom texto. Uma coisa não está muito clara na sua “lógica”, onde estão as evidências de que era de direita? Pelo que li no seu texto sobram evidências de que era, ou em determinado momento foi, de esquerda, porém dizer que foi de direita porque, mesmo contrário ao que pregou, acabou aderindo ao grande capital e matou comunistas que antes de naus nada eram inimigos russos??? Não tem lógica, não consegui ver esta sua clareza para afirmar isto, muito pelo contrário.

    1. condordo, houve uma distorção para a conclusão descabida!

  25. Texto brilhante. Sim, é o que eu penso e é a visão que todos deveríamos cultivar para evitar qualquer forma de autoritarismo e totalitarismo.

    1. O texto do Sabino serve, sobretudo, para desnudar as preferências do... Sabino. Um viés esquerdista que, como tiririca, se recusa a deixar o coração dele. A sua conclusão segundo a qual os empresários aliados de Hitler caracterizam o Nazismo como sendo de direita foi uma forçação de barra daquelas! Mas o importante é que a cabeça do Sabino está do lado certo e tem prestado inestimável serviço ao Brasil desmascarando o PT e satélites e fazendo jornalismo de excelência.

  26. Mario, artigo bem explicativo. Porém, o mesmo me gerou algumas dúvidas. No seu ponto de vista a iniciativa privada se associou ao nazismo, e vice versa, numa relação simbiótica para ambos progredirem e neste caso você sugere que o espectro político é o da direita (mas é sabido que não era uma economia liberal, ou seja, alguns eram privilegiados, o que vai em desacordo com a "direita"). O Lula se associou a alguns empresários p/ estabelecer o seu governo corrupto e o Lula é sim um ser da esquerda

    1. Exatamente. Este seu raciocínio lógico é que não está claro, Mário. Por tudo que expôs pude ver que começou como um movimento meio perdido mas de esquerda e acabou se tornando um regime autoritário, totalitário e genocida, mas não vejo suas evidências de que tenha se tornado de direita apenas porque alguns banqueiros e empresários, tipo JBS, Eike, Odebrcht, se aproximaram do poder e usaram e foram usados pelo poder. É uma economia dirigida e nada tem de comum com a economia liberal de direita.

  27. Engraçado o Sabino considerar lúcido apenas a opinião dele, baseada em um jornalista americano que voltou à Alemanha após o fim da guerra e presumidamente teve boas e confiáveis fontes. O que Hitler disse e escreveu não conta, o que vale é a opinião do jornalista. Esse comunistas não se emendam nunca...

    1. Segundo o Sabino e a turma dele, há controvérsias ....

  28. Excelente. Aprendi muito. Sou simples. Vejo com simplicidade sem liberdade sem respeito sem cidadania e sem progresso temos desemprego,violência, morte de inocentes, fome e doenças tudo isso é ruim todo o oposto disso será bom. O Estado deve fazer as Leis e garantir os direitos cobrar os deveres e deixar a economia para o povo amadurecer e desenvolver.

  29. Eu acho que uma maneira de analisar a questão é comparar : quem é mais parecido com o nazismo ? A Inglaterra de churchil ou o união soviética de Stálin ? Afinal, é isso que importa nesse debate, para onde iria nos levar o capitalismos e o comunismo.

    1. Excelente observação. A única que me leva a reconsiderar as velhas posições quanto ao tema. Obrigado.

  30. Bravo. Entre os extremos há uma série de matizes que a definição esquerda e direita não capta. A desonestidade, desde a de caráter até a intelectual, pode ser vista quando os indivíduos defendem seu espectro ideológico como forma de se colocar em uma posição de superioridade. Ao invés de evoluir e reconhecer os erros, passam a justificá-los e a glorificá-los, se tornam "puros", sem prejuízo de ideologia, que é o que os torna superiores, portanto, defendê-la é questão de honra e de superioridade.

  31. Nada como uma boa conversa para aguçar essa discussão, difícil e polarizada. Mas pinço uma joia de frase em seu artigo: " .... um programa ideológico feito sob medida para atrair e cooptar desempregados propensos a ouvir o canto da sereia dos comunistas...". Todo petista deveria ler essa frase mil vezes, se informar direito e tentar avaliar sua conduta. Tem sido, todos, tolos nas mãos do espertalhão maior e seus Goebels assessores.

  32. Quer dizer então que, como nos governos do PT 'os capitalistas serviam-se do Estado e o Estado servia-se deles', na verdade, todos os partidos de esquerda do Brasil são, na verdade, de 'direita'. Mas que "gênio" é esse articulista! E tem mais: Como a China é hoje uma economia de mercado fortemente comandada pelo Estado, como a Alemanha em 1930, então o PC chinês e os dirigentes comunistas são de direita! Esse Sabino consegue definir um regime complexo só com análise econômica e conclusão errada.

  33. Bolsonaro e o chanceler estão certos. São democratas e não nazistas. Acreditam na livre concorrência e a defendem, contra é claro os comunistas petistas, oportunistas que detestam trabalhar, e só pensam em surrupiar o produto do suor alheio.

    1. " Hitler era pedofilo" . em q essa "descoberta" muda o curso da história??? PQP Tenham Santa paciência!!!!

    1. qual a contribuição à história se discutir se houve ou não golpe ou revolução no Brasil de 64 ou se o nazismo era ou não de esquerda??? Mário me desculpe, mas seu texto poderia ser aplicado a coisa muito melhor. A discussão interessa a que? em q muda a história?

  34. Se for bem na origem de direita e esquerda a direita seria monarquista. Então nós termos originais seria difícil encaixar os movimentos atuais, assim como os de 1930. Na visão de hoje o nazismo seria a esquerda canalha de hj. Que beneficia os escolhidos e ferra os inimigos. A direita atual é pro liberdade, pró democracia e pró mercado. Entao a extrema direita seria zero leis e zero estado. Cada um por si.

  35. Este troço academicamente claro e ou confuso dum cara ser de Direita OU de Esquerda, na política, só se define numa boa, quando um dos defensores de tais papagaiadas ideológicas, uma vez no Poder, rouba com a mão direita OU ... é canhoto.

  36. Caro Mário, pela sua descrição final o PT se assemelha muitíssimo ao nazismo, com algumas diferenças na escolha de seus alvos. Com a devida distinção o PT fez o mesmo com "seus" empresários, enganou o povo com a quase idêntica propaganda, e se apropriou do Estado. Logo se o nazismo não é de esquerda, por usar o capitalismo para lhe patrocinar o PT implementou um regime similar ao nazismo, não sendo, também, de esquerda. o nazismo,penso,se apropriou dos capitalistas apenas para gerir os negócios.

  37. Resumo, classificar um regime como o nazismo e o fascismo simplesmente como direita ou esquerda não passa de uma simplificação que não define esses regimes, até porque o uso desses termos ( direita e esquerda ) são muito pobres para definir a complexidade do nosso mundo "moderno"

  38. O lema da direita americana é "indivíduos livres, países livres e mundo livre" (o ordem não é inversa). A constituição americana de 1787 guarda mais sabedoria que o plágio de 1789, "liberté, egalité e fraternité"! A primeira, seguiu princípios cristãos e dura até hoje. A segunda lançou o mundo no hábito francês do amor não resolvido, da sofisticação neurótica, do equívoco. O foco no indivíduo de bons valores morais é o mais importante! Depois nações, depois mundo (a ordem importa).

    1. Marcos: pensamos igual. A verdadeira revolução e a verdadeira liberdade brotam do indivíduo para a sociedade, não o inverso. De que adiantou os comunistas abolirem as fronteiras, transformando todos os países satélites numa URSS imposta, se na primeira oportunidade os povos e etnias se rebelaram - vide os Balcãs, após 1990. Já Hitler conseguiu adesão de todos os segmentos, apelando para o nacionalismo exacerbado, ínsito aos alemães. E, sim, todo totalitarismo precisa de zumbis obedientes.

    2. Quando o foco é em "soluções" abstratas baseadas no exercício de poder de cima para baixo, a moral (que só o indivíduo pode possuir) é relativizada ao invés de ser respeitada e contextualizada. É isto que acontece no "socialismo". Para "funcionar", se impor, tem que destruir o indivíduo moral, consciente, tem que criar uma espécie de zumbi idiotizado. Este é o terreno da psicopatia. (O "mercado" também adora consumidores idiotizados. A direita de verdade, que busca a Verdade, é mais que isto.)

  39. Caro Sabino, como sempre, uma lição de cultura em cada texto. Inacreditável que nossas universidades e nossas redações de jornais não tenham, quiçá na melhor das hipóteses, uma ou duas pessoas que tenham um mínimo de leitura para entender do que você está falando. A propósito, já que você mencionou o W.L.Shirer, aproveito para mencionar sua outra obra-prima, "The Collapse of the Third Republic - An Inquiry into the Fall of France in 1940", publicado em 1969.

    1. Obrigado, Rubem. Shirer deveria ser leitura obrigatória nos cursos de história da Europa no século XX. Abs.

    2. Quanto ao Timothy Snyder, obrigado pela dica.... Falando de nazismo, ainda, faço referência a "Korruption!", de Frank Bajohr (2001), cuja tradução francesa traz o subtítulo "Au coeur du sistème nazi". Quanto a sistemas em que o estado é o patrão e a iniciativa privada é uma forma de franquia, acredito que não se limita à China: este é o modelo da maior parte dos países africanos (incluindo os da África do Norte, com seus "Makhzens"), assim como entre os países do Golfo e na Ásia Central.

  40. Você tentou mostrar alguma coerência no discurso do Araújo, mas acabou pendendo para o lado dos Socialistas. Deveria ter feito uma definição melhor sobre o que é a direita atual ( democracia, liberdade de expressão e imprensa, estado mínimo, etc). A partir desta definição, tente encaixar o nazismo no conceito de direita. Não conseguirá.

    1. Tenho que concordar. O Diogo, mas, no time do Santos do Pelé, o Sabino seria o rei, o Diogo no máximo o Dorval.

  41. Sabino, o seu artigo está bem equilibrado, como deve ser. Mas os comentaristas deram um banho no seu texto, no que tange ao espectro de conhecimentos e a contraposições dificilmente contestáveis.

  42. Parabéns pelo texto. Vê-se que foi muito trabalhado: leituras, pesquisas, estudos e uma reflexão fundamentada e imparcial. É assim que se diferem para mim, as leituras. Há aquelas que a gente lê, e aquelas que a gente sente prazer em ler.

  43. Gostei da sua aula, comparando os regimes, tendências e como sempre, os ditos esquerdistas empunham a bandeira da democracia para camuflar o comunismo na sua forma de governo patrão.

  44. Sabino, não adianta!! quando a pesquisa histórica for feita não por alguém que antes da guerra e retornou depois da guerra, mas sim por quem viveu todo o período. É Como falar de 64 depois de 1990 sem considerar os antecedentes e o próprio periodo. Para mim Nazismo e Fascismo seguem de perto todos os ideais de esquerda, buscando - eventualmente - o Capital para sua sobrevivência. vale a discussão.

  45. Muito complexo o assunto, sendo que o artigo no seu detalhamento nos aponta plausível o entendimento do Ministro Ernesto Araújo, porém no desenrolar da história percebe-se a mudança de rumo de sua essência quando da criação do Partido na Alemanha, tal qual ocorreu com o PT no Brasil. Todo entendimento que difere do sacramentado pode gerar polêmica em uns e escárnio de outros. Vale refletir.

  46. Sabino, a tentativa de separar o Nazismo da esquerda sob um aspecto técnico purista do Socialismo é exatamente a mesma desculpa que os esquerdistas utilizam para continuar alimentando o sonho socialista, já que o "socialismo real" jamais foi capaz de simular o verdadeiro socialismo. Os proletários nunca foram ditadores, nem na Rússia, na China, ou lugar algum. Seu texto parece querer dizer mais que Hitler e Mussolini anteviram melhor que chineses e o LULA certos problemas técnicos do socialismo

    1. Ademais, na questão Nacionalista e de temor aos "comunistas" é sempre bom lembrar que a revolução socialista somente era não-nacionalista fora do território russo, o que se alinhava somente aos interesses imperialistas russos, que nunca deixaram, de fato, de alimentar a ideia da grande mãe Rússia, ou seja, as repúblicas soviéticas sempre foram adendos à Rússia e nunca um conjunto de repúblicas. Que líderes totalitários fossem contrários aos comunistas é apenas reflexo dessa expansão imperialista

  47. Na Alemanha e na Itália, como no Brasil, houve fraude. Desde Getúlio aplicou-se a fraude de chamar os trabalhadores para chegar ao poder. Com o PT e em Cuba também foi assim. Sentados no trono viram capitalistas e o povo se dana. Quantos mais farão a mesma coisa. Ciro vem aí.

  48. Sabino, torce a histporia e a esta altura do campeonato não entendeu que o fato de empresarios aderirem ao nazismo, este não o tornou de direita, como se observa na china onde o PC escolhe seus campeões nacionais e mesmo empresas estrangeiras devem ter membros do PC junto aos trabalhadores. É como no Brasil: a 30 anos com uma constituição socialista, 25 anos de governos socialistas, oligopolios industriais, de serviços e financeiros mamando mas como capitalismo de estado. Crusoé esquerdando...

    1. Concordo! Para ilustrar e ratificar seu comentário, é só ler a opinião (com link) do leitor, DAVI, anteriormente.

    1. No segundo parágrafo, o jornalista foi habilmente irônico.

    2. O próprio Sabino, no segundo parágrafo, afirma que concorda com Ernesto.

  49. Obrigado Mario. Eu não tenho tempo para fazer a pesquisa, por isso escolho bem o que leio. Texto esclarecedor e não politizado.

  50. Se Deus colocou o Diabo na Terra, este provavelmente é Hitler. Poucas são as oportunidades de ler uma análise lúcida do fato histórico que envolve Hitler e o Nazismo. Obrigada Sabino por sua narração imparcial e valiosa.

  51. "O Nazismo é uma aberração do Capitalismo" diz o texto. Mas deve ser lembrado que o Capitalismo, sob o Comunismo, não morre. Passa a ser um Capitalismo de Estado. Neste sentido dizer "o Comunismo-socialismo é uma aberração do Capitalismo" também faz sentido. Nazismo, Fascismo e Comunismo-socialismo são aberrações do Capitalismo. Por isso faz sentido situá-los à esquerda. Hoje temos muitos países de tendência Fascista e o Fascismo se tornou estratégia prévia para modelos totalitários.

    1. A Lava-Jato acabou com a cartelização de empresas eleitas do governo e a reforma trabalhista com a cartelização de sindicatos. O congresso barrou o Decreto 8243 da Dilma que tentava impor um modelo de participação de "pelegos de grupos sociais", burlando instituições republicanas. Sob o PT as empresas eleitas e os sindicatos ganharam muito dinheiro. Se essa estratégia tivesse obtido sucesso, tais medidas Fascistas seriam o meio para instituir o Comunismo-socialismo de fato. Seria o fim.

    2. Apenas complementando. A China não é o único caso de país de tendência Fascista. O Brasil também se tornou um país Fascista sob o PT, pois este implementou um modelo tipicamente fascista: cartelização de empresas e sindicatos de trabalhadores e medidas para burlar as instituições republicanas de mediação. Então o PT estava adotando medidas Fascistas como prévias a um Comunismo-socialismo de fato.

  52. Parece que artigo confirma mais o ponto de vista do ministro do que a narrativa histórica que você tenta comprovar. Você lista árvores para que leitores não observem a floresta. Descrição feita por você do nazismo só nos faz lembrar dos campeões nacionais, da utilização do MST e semelhantes, do uso do BNDES e demais bancos e instituições governamentais que vimos durante desgoverno petista. Será que você quer nos convencer de que PT é de direita?

    1. Excelente comentário. Só para reforçar, no Brasil desde a redemocratização, houve o capitalismo de laços entre governo e empresariado, conforme dito por Rodrigo Constantino, livro Privatize já, encaixando perfeitamente no que foi dito neste artigo, ou seja, mesmo método usado pelos nazistas.

    1. Muito lúcido e elucidativo,mas a esquerda no Brasil nem disso tem noção, só sabem gritos de guerra pois são muito burros e não gostam de estudar

  53. Ou seja, o Nazismo foi igual ao "capitalismo" petista. Estado associado a grandes empresas corruptas e ataque a grupos da sociedade taxados de "elite privilegiada", que foram os judeus do petismo. China e Rússia idem, mesmo modelo. O Nazismo foi um socialismo ligth.

    1. Simples assim! E tem gente escrevendo que o artigo foi esclarecedor?! Sério?

  54. “Se alguém quiser estudar um sistema mental que funcione inteiramente dissociado dos fatos e elimine imediatamente qualquer informação que contrarie sua visão de mundo deve estudar a mente dos comunistas. São laboratórios insuperáveis”. Jean François Revel , em A GRANDE PARADA. Não se deixe enganar, caro leitor, por intepretações fáceis e pré-digeridas; procure outras fontes de informação.

  55. Ainda Hitler:"Aprendi muito com o marxismo como não hesito em admitir… A diferença entre [os marxistas] e eu é que realmente pus em prática o que esses vendedores ambulantes e timidamente começaram. Todo o Nacional Socialismo é baseado nisso. Veja os clubes esportivos dos trabalhadores, as celas industriais, as manifestações em massa, os panfletos de propaganda escritos especialmente para a compreensão das massas: todos esses novos métodos de luta política são de origem marxista."

  56. Trechos do artigo de IVOMAR COSTA DE 8 DE JUNHO DE 2018 " A DÍVIDA DE ADOLF HITLER PARA COM KARL MARX, por Augusto Zimmermann do movimentofederalista.org.br

  57. Resumindo e concluindo a Crusoé ou alguns de seus articulistas são socialistas, mas não querem em hipótese alguma que o nazismo também o seja.

  58. ...com o pedigree racial apropriado. Em um de seus pronunciamentos centrais, Hitler prometeu “a criação de um estado socialmente justo”, uma sociedade modelo que “continuaria a erradicar todas as barreiras sociais”. Portanto é fazer pouco da História e tentar impingir que o Nazismo era de Direita. Por favor tenha dó de pessoas que não são bem informadas.

  59. ...formas do wellfare state: o nacional socialismo. Diz o Historiador e cientista Político Gotz Aly: " O Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães estava propagando dois sonhos antiquíssimos do povo alemão: unidade nacional e de classe. Essa era a chave para o popularidade nazista, da qual derivam o poder de que precisam para perseguir seus objetivos criminosos. A idéia do Volkstaat- um estado DE e PARA o povo- era o que chamaríamos de um estado de bem estar para os alemães com...

  60. Hitler no dia 1º de maio de 1927 declarou em seu duscurso:" Nós somos socialistas. Somo inimigos do sistema capitalista de hoje para exploração dos economicamente fracos, com seus salários injustos, com sua avaliação imprópria de um ser humano de acordo com a riqueza e a propriedade , em vez de responsabilidade e desempenho, e estamos determinados a destruir este sistema sob todas as condições". Foi o colapso do modelo estatista criado por Bismarck que introduziu a mais opressiva de todas as...

  61. Perfeito mas permita simplificar Tanto Nazismo como Comunismo são as faces da mesma moeda Nada de povo Ditadura Luxo e Podridão de Princípios e as mulheres e LBGT que tanto defendem o Lula e aceclas deveriam se informar melhor de como esses dois podres sistemas agiam e agem sobre essa parte da população.

  62. Caro Mário, vc como sempre Ponderado e Focado. Na Minha Modesta opinião, de tudo que li, inclusive algumas fontes citadas por vc, todo Tipo de Domínio Populista e que por força (intelectual, Bruta ou Monetária) se apoderaram das “Elites” econômicas e ENGANAM o povo Pobre e sem acesso a nada. Todos esses regimes foram, são e serão de Esquerda. Portanto , como disse o Diogo “ Lula foi um retirante sabido que queria ser José Sarney” , Hittler era um Soldadinho revoltado que queria ser General!.

  63. O autor parece achar que esquerda é apenas Marxismo. É óbvio que o Nazismo era anti-marxista, mas isso não o faz de direita, até porque era anti-capitalista. Por seu controle Estatal, discurso populista, pela sua estética (alguém sabe diferenciar uma apresentação militar da URSS e dos Nazistas sem olhar para as bandeiras?), pelo desrespeito às liberdades individuais, etc estava sim no espectro da esquerda. Leiam “O Caminho da Servidão” de Hayek. Aliás, os campeões nacionais é coisa da esquerda.

    1. Valeu Bruno e Guilherme. Pena que o espaço aqui é pouco para responder. Taxar o nazismo de direita é fazer tábua rasa da História focado em apenas um autor. Assim como é uma total falta de respeito às vítimas do comunismo comemorar os 200 anos de Marx como fez aqui a União Européia descaradamente. Hitler era sim socialista, e só depois de assumido o poder é que deu início ao seu descalabro racista e superioridade da "raça" ariana.

    2. De acordo com esse texto o governo do PT seria de direita. kkkkk

  64. o PT Alemão do Hitler sofreu uma transmutação semelhante do PT do Lula: pregavam o socialismo, mas acabaram na cama com os Joesleys e Odebrechts da vida, em um estado controlador, paquidérmico e corrupto. Pode chamar do que quiser, mas capitalismo não é.

  65. Que surpresa, também li em 1965 os 3 volumes de Ascensão e Queda do III Reich, e a primeira vez que vejo comentário tão correto desta importante obra.Recomendo buscas nos sebos

  66. Aliança espúria entre grandes empresários e governo = extrema direita? Isso não tem nada a ver com a direita - é uma afronta a liberdade individual. É o que estava ocorrendo aqui no Brasil, aos poucos, com os campeões nacionais. E o controle de preços que ocorreu na Alemanha? E o racionamento? A própria destruição do capitalismo.

  67. Esquerda, direita, qual a diferença? Lembro quando na Faculdade, em plena vigência do AI5, toda última sexta feira do mês vinha um oficial superior do exército fazer uma palestra. Numa delas o Major palestrante bateu muito na tecla que a "revolução" existia para não permitir o comunismo. Um aluno perguntou por que o comunismo era ruim. O Major explicou que o povo não tinha direitos, só de feres, que podiam ser presos e executados sem julgamento. Perguntei "igual vocês fizeram com o Herzog?"

    1. Corrigindo: não é "de feres" é deveres. Complementando: fui fichado como comunista. Coisa que nunca fui.

  68. Apesar de todo o seu relato, partes da premissa de que há esquerda e direita, isso é um conceito baseado ma revolução francesa mas lá, apesar de sentarem à direita e à esquerda eram todos revolucionários. Então temos os comportamentos sociais conservadores e os revolucionários. A ideologia nazista saiu.de um movimento revolucionário. Sugiro você assistir aula do Lucas Ferrugem no Brasil Paralelo sobre o assunto.

  69. Sabino, resta a pergunta: o lulopetismo comprometido com um projeto socialista de esquerda igualmente viveu uma simbiose corrupta com o empresariado brasileiro. Esta característica você definiu como típica do nazismo de Hitler... O se encaixa, portanto, o lulopetismo?

  70. Nossa!!!... Voltei aqui para ler os coments dos curtidores desta Ilha e estou orgulhoso, por constatar o elevadíssimo nível de todos os que se aprofundaram nos arrazoados feitos aqui, sobre esta matéria de nível idem, como todas do Sabino. 👏👏👏👏👏✌️✌️👏👏👏👏👏

  71. Faltou especificar o dado histórico de que a Plutocracia Judaica (1,2 % dos judeus alemães) detinha o controle da indústria, comércio e bancos, além de serem os senhores feudais que detinham 60% do território alemão. Eles eram poder real na Alemanha. Quando notaram que Hitler seguiria um caminho ditatorial, migraram para Inglaterra e USA (aqui fundaram o Banco Mundial). Resumindo: o socialismo hitleriano era de esquerda (ódio e usurpação) e os judeus do Holocausto ñ eram os plutocratas.

  72. Classificar o nazismo como de esquerda, como o Presidente declarou, foi um erro, pois o próprio Hitler era contra os comunistas da época na Alemanha. O Nazismo foi em suma um partido totalitário feito para e pelo Fuehrer , para dominar a Alemanha em 1933 e daí em diante. O maior erro depois veio com a invasão da Polônia, que começou o desastre da filosofia nazista, com a consequente guerra aos judeus. O Aurélio define o nazismo como movimento de direita alemão nos moldes do fascismo.

    1. Concorda com quem, Maria? Com o Werner ou com o Juliano?

    2. Só porque o Nazismo era contra o movimento comunista, não significa que eles não eram farinha do mesmo saco. Era uma questão hegemônica. Os dois movimentos queriam o mundo para si.

  73. Esquerda: mais interferência do Estado. Direita: menos interferência. A simbiose entre público e privado no Nazismo me fez lembrar dos governos PTista. O autor considera o PT de direita? Ou o nazismo era de esquerda!

  74. Que belo artigo, Mário. Claro, sóbrio, profundo.Mas, principalmente, isento de rótulos reducionistas que são a praga de todo debate ideológico rasteiro. Parabéns.

  75. Parabéns, jornalista Mario Sabino! Excelente texto: sério e competente. Infelizmente a maioria da mídia brasileira (e internacional) não possui esses predicados.Rotulam tudo de forma pejorativa e não conseguem discutir idéias e princípios com argumentos válidos. É o reflexo da educação brasileira! Penso que não há rótulos menos criativos do que aqueles impostos à população. Neste país não podemos rotular nada: são aproveitadores de recursos públicos(1) e pagadores de impostos escorchantes(2)!

  76. Excelente texto! Claro e objetivo. Os dois livros citados são clássicos que todos deveriam ler. Um, para não cometer erros históricos, dois para ampliar a capacidade de análise das sociedades.

  77. Boa pesquisa. Hitler foi um comunista dissidente. Queria criar um comunismo diferente de Lênin, para não ser caracterizado de seu discípulo; e fazer um socialismo nacional, interno, apropriado à Alemanha. Leu O Capital e seguiu Marx e Engels nas mais importantes vertentes: genocídio, limpeza étnica, liberdade individual vetada, totalitarismo. Em discursos ele afirma ser do “verdadeiro” socialismo, criado por ele mesmo.

    1. OK Guilherme, mas você deu a resposta. Ele utilizava a revolta dos trabalhadores alemães (raça superior) contra os patrões JUDEUS. O inicialmente descrito socialismo, no manifesto original do NSDAP de Drexler em 1920, foi usado pelo führer apenas como trampolim para sua verdadeira meta racial que era o extermínio dos judeus. Prova ainda, que ele nunca hostilizou os grandes industriais, que compraram seu discurso nacionalista - por isso que se diz que era de direita - e se integraram no projeto.

    2. Drusius, como não incorporou luta de classes? O Nazismo utilizava o ódio do trabalhador alemão contra o patrão judeu. As propriedades do judeus foram confiscadas! Onde isso é de direita? Quanto estatização dos meios de produção, não precisa fazê-lo para ser de esquerda. Ou seja, concordo que não era marxista, mas era de esquerda sim.

    3. Correto Lúcia. Mas as grandes diferenças, adotadas pelo cabo austríaco, por influência de Himmler e de olho nos industriais alemães, foi a não incorporação da luta de classes, a não estatização dos meios de produção (e sim a subserviência dos empresários) e a fidelidade ao que chamava de uma "kultur" alemã, que remontava às origens das tribos germânicas, com sua determinação de supremacia sobre todas as demais. Berço da superioridade ariana, defendida por filósofos como Nietzsche e Treitschke.

  78. Vejamos se a censura continua... Nesta discussão em torno da afirmação do Chanceler brasileiro está uma grande má vontade pela lenda criada de que ele foi indicação de Olavo de Carvalho. Mas fiquemos com os diários de Goebbels onde ele revela sua devoção por Karl Marx, que começou a ler pelas "Cartas do Cárcere", de Rosa Luxemburgo. O PT alemão incluiu o "socialismo" no nome em 1925, por orientação de Goebbels, que pedia um combate sem trégua aos liberais e aos "filhotes da burguesia"

  79. A Alemanha já tinha fortes aspectos socialistas antes mesmo de Hitler. Bismark inventou o estado de bem estar social, assistência, etc. Hitler apenas energizou. Seu problema com o marxismo era com o fato de ele ser internacionalista e o nazismo nacionalista. A economia nazista, mesmo depois de Funk era muito parecida com a era do PT com a JBS. Mesma coisa. Leiam as memórias de Albert Speer, está tudo lá.

  80. Parto do princípio que direita é conservadorismo, como é na Europa e nos EUA, mesmo que com diferenças entre eles. Capitalismo é uma abstração, não uma teoria ou ideologia. Capitalismo de compadrio é capitalismo? É liberal? Não. Se não o PT é de direita também. Eu prefiro a análise inversa. Se o nazismo é de direita, então onde em Burke, Kirk ou, se quer liberalismo, em Mises, encontramos pontos de semelhança entre nazismo e conservadorismo, ou nazismo e liberalismo? Eis a pergunta que importa.

  81. Peter Longerich, em J.Goebbels - Uma Biografia, toda baseada nos seus diários, destaca que sua frequente releitura de Cartas da Prisão, de Rosa Luxemburgo. A primeira "brigada do Führer foi criada em 1929 por um funcionário nazista, Reinhold Muchow, adotando o modelo do Partido Comunista. O sistema previa a criação de células de rua, que no início de 1930 já somavam mais de 900 em Berlim. Sob o comando de civis, essas unidades substituiam o trabalho das SA, que se tornariam grupos de assalto.

    1. o problema do nazismo com os comunistas era o internacionalismo. Rosa de Luxemburgo caiu muito antes do nazismo.

  82. Shirer nunca teve uma visão distante, ele odiava o povo alemão, apesar de ser casado com uma austríaca. Para uma visão mais imparcial, a trilogia de Richard Evans é mais recomendada. Nela fica mais aparente a ojeriza de Hitler em relação ao comunismo e em especial à social-democracia.

    1. Achei mesma semelhança ao ler a reportagem. Parece que o PT nazi inspirou os petralhas daqui.

  83. Embora repugnante, a maior maldade do fascismo não é a ideologia e sim a prática política: a intolerância, o totalitarismo, o censura, o extermínio dos contrários, a censura. Quem inventou isso no mundo moderno foi Lenin e não Hitler. Vai daí que, apesar da histeria, o ministro pode estar certo.

    1. Seja como for, não há maniqueísmo que dê jeito nessas lambanças históricas.

  84. Apesar de não considerar o nazismo um movimento de esquerda, seu texto não considera suas semelhanças com os regimes totalitários de esquerda quando repetem as desvirtuacões ocorridas desde a URSS até o caso brasileiro, passando por Cuba, Venezuela e até a China. De que forma: todos doutrinam o povo para ascender, mancomunam-se com lideranças corruptas da sociedade e privilegiam suas cúpulas e sócios para manter o poder sob a sociedade.

    1. Concordo com sua observação. O método do PT nazi e do PT brasileiro contem muita semelhança de procedimentos

  85. Em resumo, tanto lá como cá e mal comparando (porque um se matou e o outro tá preso), o alemão, sem ser torneiro mas sendo militar de baixa patente, igualmente, lá no INICIO de sua carreira política era de ESQUERDA. E aí, como o apoio dos comunistas, assumiu o Poder! Já no convivio com as elites deles lá, deu uma guinada para a Direita, partiu para o Nos Contra Eles e fudeu a Alemanha. Lá no fundo não veja diferença que justifique um grande debate ideológico, mesmo porque esta “coisa” dá empate.

    1. Gostei do comentário. Métodos semelhantes unem os dois PTs

    1. Compre os livros e leia antes de sair falando besteira.

  86. Muito bom. Muito lúcido! será que o Ernesto Araújo vai ler? Por favor providencie rápido tradução para o inglês, alemao, hebraico e esperanto!

  87. Que aula. No todo, melhor edição da Crusoé. Por favor, mantenham esse nível. Certamente, a satisfação dos atuais assinantes e a adesão dos futuros aumentarão de forma proporcional.

  88. O Sabino, é um rolo só, que ninguém entende. Pra mim o regime mais socialista que existe é o regime capitalista, por que ele gera 35% de impostos, destinados ao SOCIAL...

    1. Compre os livros e leia. Sabino não escreveu o texto do nada, como se o assunto fosse abordado pela primeira vez na história. Vc tem direito a sua opinião mesmo que ela não faça nenhum sentido ou tenha embasamento.

  89. Vejo algum prurido em confirmar que o nazismo era de esquerda, ou não desagradar a "INTELIGENTSIA". Leia então a Biografia de Hitler por Ian Kershaw. Comunismo e nazismo são siameses, o mesmo lixo de forma diferente.

    1. Fala besteira. Tenho os livros e recomendo que leia novamente. Acho q vc não entendeu nada. Se é que leu ou só está dando uma de esperto citando o que na verdade nunca leu.

  90. Parabéns, Mario Sabino! É sempre um prazer ler os seus textos. Porém, continuo achando que o lado do nazismo é apenas o lado errado, mau uma mutação mais intensamente patogênica de outas ideologias de direita ou de esquerda, igualmente patogênicas .

  91. Que importância isso tem? Eh o ponto de vista deles. E dai? Essa questão não se compreende no preto e branco e sim nas nuances. E aí eh c cada um. Vamos ficar no q importa p o país. No mundo real.

    1. Ler é sempre bom, aprender com a leitura . . . inestimável. Ajuda a não cometer os mesmos erros do passado ou, pelo menos, alertar. Esta é a importância. Os regimes de extrema da 2 passados não tinham nuances . . . eram afro-no-nórdico.

  92. O que os bobos daqui tem a dizer sobre a ditadura brasileira? Estatista, capitalismo de compadrio, com reservas de mercado, controle e monopólio sobre diversas áreas, acordos que beneficiaram grandes famílias que até hoje dominam estados inteiros da nação? Pela definição pueril das Olavetes, foi uma ditadura de esquerda. Então os defensores do "não-golpe" de 64 e da repetição dele em 2019 querem, na verdade, que o Brasil vire uma ditadura de esquerda sob o comando de Kim Jair-Un. Vão se tratar.

  93. A economia sob o nazismo era livre? Por favor, não vamos forçar. O empresariado alemão e os bancos eram controlados pelo estado. Algum capitalista alemão podia tomar alguma decisão de abrir ou fechar fábricas em contradição com os interesses do partido? Sem ordem do partido?

  94. O que a maioria ainda não entende é: modelos de esquerda e direita tem aos montes. Não dá para simplesmente colocar em uma caixa e pronto. Mas se for na linha do artigo, eu diria que a China é de direita. O Estado chinês se serve do capital e do empresariado. Não dá somente para dizer que um país ou regime que preservou algum capital nas mãos de empresários que é de direita, ou que é de esquerda. Foi baseado somente no capital para se basear a conclusão: totalitarismo à direita.

    1. Continuando: mesmo que havia empresários não quer dizer que eles controlavam as empresas. Hitler controlava dizia o que iria produzir, para quem iria produzir e a que preço. Não era controle estatal das empresas mas era controle estatal dos empresários. Que diferença faz.

  95. O nazismo começou como um movimento de esquerda e mudou do ponto de vista econômico sob Hitler. Porém, no que toca o formato de obtenção e manutenção do poder, é muito semelhante à esquerda. O PT fez exatamente igual com as grandes empresas.

  96. QUANTA BESTEIRA ESTA CIRCULANDO NO CRUSOé! Estou ate arrependido de ter feito assinatura dessa revista. Vamos e venhamos O NAZISMO é coisa da historia que não pode ser esquecida para que não se repita e só foi citada na visita a Israel por causa do holocausto. Em lugar de se preocupar com banais comentários a CRUSOé deveria se preocupar com destacar fatos que realmente importam ao Brasil como os muitos que foram conquistados nesta viagem. Deixem os fuxicos para a Globo, a folha de SP e outras

  97. Agora sim, Mário, a imprensa entendeu que isso é um debate, e não um revisionismo. Apesar de se apoiar em poucas fontes e de abordar apenas uma visão, parabéns pelo artigo.

  98. Antes de mais nada, a China funciona para quem? Outra, todo regime socialista desembocou em economia fascista de empresas sócias do Estado, controladas pelo estado e trabalhadores também controlados! Mas concordo que o fundamental é totalitarismo (concentração de poder na mão do estado) x democracia (poder disperso na mão dos indivíduos). Os fascistas ou nazistas são socialistas pragmáticos, se adaptaram, como Rússia e China fazem hoje. Por isto, a revisão é válida, só por levar à reflexão vale.

    1. Mascos, a questão é que democracia baseia-se na liberdade, mesma base do liberalismo- econômico e social. Já uma ditadura baseia-se no ímpeto do controle absoluto, controle que é a base dos regimes socialistas e que fatalmente descamba para a subtração das liberdades, quando não em banhos de sangue. Em resumo, democracia x ditadura é, na essência a mesma escolha entre direita x esquerda, respectivamente.

    2. Neste jogo, vamos com as democracias ou vamos com as ditaduras?

    3. Direita e esquerda são conceitos subjetivos, cada um adota segundo suas referências e todos vão estar certos. A revisão leva à reflexão do que cada um entende por direita e esquerda, faz pensar, ou deveria, desmancha velhas narrativas. Até que enfim alguém, o Mário Sabino, chama atenção ao fundamental. Para onde vai o mundo? Para o grande irmão de George Orwell ou para um ambiente em que os indivíduos possam crescer? É democracia x ditadura! O resto é cortina de fumaça.

  99. Mario, me considero um zero quando tenho a oportunidade de discutir esquerda e direita. Mas, sempre entendi que tanto um como o outro estão longe de pensar no cidadão, estão sempre a pensar em como ter o poder. O poder se conquista com armas, armas se conquista com dinheiro, dinheiro se conquista com o capital e o trabalho de alguém.

  100. Há alguns meses li um artigos do Sabino: um monólogo enfadonho com um palavreado rebuscado, sem nenhum sentido senão "encher linguiça". Parece que mudou, é o segundo artigo que leio e vejo um jornalista culto, centrado, apresentando opiniões que realmente podem ser levadas em consideração e analisadas... Havia prometido que leria mais publicações do Sabino, tenho que reconhecer que ele mudou e junto mudo também minha opinião. Nesta revista vejo hoje dois jornalistas TOP, Duda e Sabino. Parabéns.

  101. Como diz Olavo, Mises já provou há muito tempo que o comunismo é economicamente impossível. Ele é só uma cenoura de burro para enganar o povo e trocar os meios de produção de mãos. O Estado é uma ficção. Portanto esquerdismo é justamente os meios de produção nas mãos dos camaradas e seus amigos e aliados. Portanto, capitalismo de Estado, de cartas marcadas, de falsa concorrência. Direita é a livre concorrência mais preservada possível. Com Estado pró livre concorrência.

  102. Como diz Olavo, Mises já provou há muito tempo que o comunismo é economicamente impossível. Ele é só uma cenoura de burro para enganar o povo e trocar os meios de produção de mãos. O Estado é uma ficção. Portanto esquerdismo é justamente os meios de produção nas mãos dos camaradas e seus amigos e aliados. Portanto, capitalismo de Estado, de cartas marcadas, de falsa concorrência. Direita é a livre concorrência mais preservada possível. Com Estado pró livre concorrência.

  103. Mario, você diria que o nazismo foi um sistema revolucionário ou conservador? Um sistema que rompe totalmente com as estruturas sociais em busca do novo homem, que almeja cunhar? Essa é a definição raiz de esquerda, meu caro. Um abraço

    1. Mas por outro lado, o nazismo é reconhecidamente ultranacionalista, almejando mostrar ao mundo a perfeição e poder da raça ariana. O que importava era a tradição milenar do povo alemão; não por acaso, Hitler se auto-proclamou líder do terceiro Reich. Na minha visão isso é bastante conservador. Já o comunismo sempre foi reconhecidamente anti-nação; para o comunismo/marxismo só a luta de classes importava - eles promoviam revoluções do proletariado não importando as barreiras nacionais ou tradição

  104. Ótimo artigo, mas definir de esquerda ou de direita regimes opressores é simplista, os dois extremos tem muitos pontos em comum, e devemos repudiar ambos, e, sem preguiça mental, entender que ambos são igualmente nocivos, e pregam o ódio, no caso do comunismo, o inimigo é a burguesia, e no caso do nazismo, o estrangeiro. Ambos merecem o mesmo destino, a sarjeta da história.

    1. Hitler e Stalin se entendiam. Nazistas e comunistas querem roubar poder e dinheiro em nome do povo. Tanto que os comunistas roubaram muitos judeus. Mas nenhum deles criou algum sistema não capitalista. Comunismo foi pura pirataria, não foi um novo sistema econômico. É cenoura de burro para idiota útil e jornalista. Não é possível na prática, é lenda e pretexto.

  105. O socialismo só existiu como discurso. Desapropriação foi só desculpa para roubo. Para tornar meta capitalistas os aliados. Tanto que o muro caiu e a Rússia estava cheia de bilionários. Tanto que as famílias de Fidel, Putin, Chávez e Diosdado são milionárias. O mercado nunca acaba, vira mercado negro. Só há capitalismo. Capitalismo de esquerda e capitalismo de direita. Mais ou menos planificado/estatização. Leia Olavo!

  106. esse embate ideológico é a estupidez de soma zero. mania de reescreverem a história de acordo com suas vontades. independente da corrente ideológica, todos são uns preguiçosos que não querem trabalhar o presente. nosso futuro ainda ficará preso a 1964 ??? obrigado por sua lucidez !

  107. Se Hitler é de direita então o PT também é. Economia fascista é de esquerda. Impossível não retornar sempre a Olavo de Carvalho. Como vocês são teimosos. Só faltou dizer aí que o PT é direita, pois descreveu seu próprio modus operandi. Acorda, Mário! Tá na sua cara.

    1. Retornar a Olavo de Carvalho é o que a torna uma tonta repetindo as besteiras professadas por alguém que ninguém leva a sério a não ser seus seguidores fanáticos. O dia que você perceber que o Olavo é um encantador de burros e burras com suas teorias falaciosas e sem comprovação nenhuma a não ser para quem as toma como dogma de fé, volte a discutir com adultos.

  108. Fascismo também é de esquerda. Há muitos anos os esquerdistas já entenderam que a estatização dos meios de produção não funciona, destrói o mercado e paralisa a economia. Esquerdismo é economia estatização e direitismo é liberalismo, autêntico. Capitalismo de apaniguados não é e direita. Direita é menos Estado e mais concorrência verdadeira. Hitler apenas entendeu então o que vocês não entenderam até hoje. Desapropriação é ideia de ponta de lança, de idiota útil. Os líderes sabem que é fachada.

  109. Era um pt disfarçado? O que importa mesmo é que se apresentou como de esquerda. O resto são tergiversações de historiadores e jornalistas de esquerda. O chanceler está certo. Só falta dizer que o pt também é de direita. No futuro, quem sabe, algum maluco vá escrever isso.

    1. Uma característica dos petistas é não aceitar argumentos, mesmo que sejam válidos!

  110. Vocês sabiam que nos Estados Unidos, o Partido Democrata defendeu a escravidão, provocou a guerra civil, fundou a Ku Klux Klan e lutou contra toda legislação importante dos direitos civis na história dos Estados Unidos?

  111. Mussolini declarou: "Em toda a sua parte negativa, nós [fascismo e comunismo] somos iguais. Nós e os russos somos contra os liberais, os democratas, o parlamento ". (Em Richard Pipes, Rússia sob o regime bolchevique, 1993)

  112. Mussolini também era um homem de esquerda (o que torna os fascistas homens de esquerda, não extrema direita). Os líderes fascistas defenderam o coletivismo, a nacionalização da indústria, o protecionismo e os sindicatos de trabalhadores.

  113. Lucidez pífia a sua.... Mal sabe a diferença entre o Socialismo de More e o Marxismo "Nutella".... A diferença entre a Esquerda e Direita depende do ponto de referência de onde é observado... O Nazismo é a Direita do Comunismo e a Esquerda do Liberalismo.... Simples assim... Negar isso é negar a própria inteligência... Por isso não renovarei a "assinatura" da Crusoé... Estão embarcando no mesmo bote da "história mal contada"....

    1. Muito bom sua clareza de idéias Alex, também não gosto do posicionamento dos Antagonistas e da Crusoé, infelizmente cairam na vala comum da mídia atual....

  114. Quem pronunciou?: "Somos inimigos, inimigos mortais, do atual sistema capitalista com sua exploração dos economicamente fracos ... e estamos determinados em todas as circunstâncias a destruir este sistema. " Marx? Stalin? Trotsky? Não! Esta declaração é de Gregor Strasser, teórico do Nazismo.

  115. Hitler era realmente um homem de direita, como quase todos os historiadores progressistas afirmam? De fato, não, ele era um verdadeiro socialista. Seu partido não era chamado de: Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, por engano...

  116. Finalmente um artigo de Sabino que não afronta o pudor de direitistas inteligentes. Mas 90% foi decalcado na obre de Shirer - "Ascensão e Queda do Terceiro Reich", um clássico do assunto. As colocações trazidas confirmam vários comentários sobre a fala do chanceler Araújo, detalham a colocação do termo "socialista" na denominação do NSDAP, criado por Drexler e Eckmann e a intrujice vitoriosa do cabo austríaco que afinal assumiu o "partidei" (e quase assumiu metade do mundo). (cont.)

    1. Marcio, concordo. Citou no original em inglês. E concluiu lucida e desapaixonadamente. Prova de que quando quer, é jornalista de verdade. (Só que mais das vezes não quer...) Tintin Sabino, você tem salvação. Só mais uma curiosidade sobre os regimes totalitários em testilha: só deram certo e se criaram, sabem por que? Ambos nasceram no ambiente mais contestador, mais guerreiro, mais pródigo em gerar ideias e ações que impactam no mundo, desde 2000 anos atrás. Um perigoso lugar chamado Alemanha.

    2. Mas o Sabino citou a fonte. E, pelo jeito, não há nada mais bem escrito sobre o assunto.

    3. Afirmações sobre esquerda ou direita relativas aos rapazes da suástica, ou são confusão por causa da terminologia original, que como dito, pretendia cooptar os trabalhadores, que o comunismo também tentava a todo custo, OU poderiam ser uma tentativa, mas muito bisonha, de associar os males do nazismo à esquerda mundial e brazuca no agora. Como se a esquerdalha nacional precisasse de deméritos. Os pontos comuns e as dissonâncias, estão no artigo acima. Ao fim e ao cabo duas faces da mesma moeda.

  117. cara tudo isto para chegarmos a conclusão mais racional que Nazismo nunca foi nem de esquerda e nem de direita, simples assim. O ponto que vocês não entenderam é que a esquerda usava a questão do Nazismo como uma "bala de prata" para acabar com qualquer debate e agora parte da direita quer equilibrar o jogo o que é normal. Nestas horas temos que ser neutros, ouvir e julgar por conta própria, mas não podemos tirar o direito de opinião de ninguém. Isso é a mesma patrulha que vcs já sofreram.

  118. Sabino não tenho espaço aqui nos comentários pra rebater "votre pensée". Apesar de todo seu esforço pra colocar um ponto final na discussão, eu leio outros livros, por isso continuo a pensar como muitos: O NAZISMO É DE ESQUERDA!

    1. E todos esses livros incluem o nazismo como uma corruptela do comunismo?

    2. Thierry Wolton na trilogia: "Une histoire mondiale du communisme." (2015-2017

    3. Stéphane Courtois (Direção): "O livro negro do comunismo" é um livro escrito por um coletivo de acadêmicos, publicado em 1997

    4. "Sou um socialista e um socialista mais genuíno que seu amigo rico, conde Reventlow", disse Hitler a Otto Strasser em 21 de maio de 1930, em Berlim.

    5. Claro, e a bandeira da CUT é um decalque da suástica. Cite seus livros pra gente conhecer tamanha cultura

  119. Direita e esquerda são conceitos confusos, mas se pensarmos em movimentos revolucionários ou conservadores não há dúvidas em qual o comunismo, fascismo e nazismo se encaixam. Todos têm em comum a supressão ou escravização do mercado em prol dos interesses do estado, sendo essa escravização parecida com as ideias do socialismo fabiano que prega a taxação e controle dos meios de produção mantendo a aparência de livre mercado. Parecem irmãos siameses mascarados de socialismo, nacionalismo e racismo

    1. Olá Drusius. O que eu tentei dizer é que os 3 regimes só se diferenciam na propaganda que fundamenta sua ideologia: a luta de classes, o nacionalismo e o racismo. Em todos o fomento ao ódio é usado para manipular massas e tomar o poder. Abraços fraternos.

    2. Correto Cristiane. Só um reparo, se me permite; sua última palavra. Os nazistas não se "mascararam" de racistas. Eles foram a maior expressão de puro racismo que o planeta conheceu. Nem em Roma houve tanto ódio aos "não arianos", "não superiores". Aliás, as duas grandes idiotices de Hitler, foram tentar extinguir fisicamente os judeus e invadir a Rússia. Se não tivesse feito essas asnices e seguido os conselhos de seus generais da Wehrmacht, talvez hoje você se chamasse Helga e eu Frantz.

  120. No Brasil o PT também fez este relacionamento com grandes empresários . Na verdade o nazismo era um tipo de socialismo mais que capitalismo . Muito bom o artigo .

    1. Hitler condenou a social democracia, o comunismo, e o capitalismo, ele aceitava um capitalismo subordinado ao Estado. De fato durante algum tempo o grande empresariado exerceu influência no governo, mas alguém realmente acredita que algum grupo empresarial tinha qualquer influência depois de 1939? Um Estado ditatorial é assim, durante algum tempo em negocia, mas tendo o poder absoluto ele negocia apenas consigo mesmo, sempre em nome de um mundo melhor.

Mais notícias
Assine
TOPO