RuyGoiaba

Grandes momentos do empreendedorismo brasileiro

08.02.19

Adoro falar mal do Brasil. É um esporte que não requer prática nem habilidade, geralmente justificado todos os dias pelo próprio país. Mas os empreendedores brasileiros têm de ser louvados: é uma gente com criatividade, ousadia e falta de superego suficientes para pôr em prática as ideias mais erradas possíveis (Paulo Maluf chamava isso de “burros com iniciativa”). Admiro sinceramente – OK, inveja é a palavra — essa falta absoluta de senso de ridículo.

Pincei do noticiário recente três histórias reais para mostrar que o empreendedorismo também não vai salvar o Bananão – nada vai –, mas talvez ajude a tornar nossa tragédia cotidiana mais engraçada. Ou menos trágica.

1. Disneylândia na Niemeyerlândia

Quem já esteve em Brasília sabe que se trata de um parque temático do Oscar Niemeyer – uma Niemeyerlândia — que guarda vaga semelhança com uma cidade normal, habitada por seres humanos normais. E, como se sabe, está cheia de Patetas, Irmãos Metralha e Plutos (todos filhos da Pluta).

Ao que parece, não era suficiente, e o governo distrital fez saber que havia um estudo de viabilidade para que um parque da Disney fosse construído em Brasília. Bastou um dia para a própria Disney desmentir: a única coisa que a Disneylândia compartilha com Ceilândia continuará sendo a rima. A não ser que decidam enfeitar o topo do prédio do Congresso com as orelhinhas do Mickey.

(Na verdade, o “projeto” era para Sobradinho, que nem rima com “Disneylândia”. Talvez Décio Pignatari batizasse o empreendimento de “Sobradisney”.)

2. A ratazana com ketchup

No Rio, o banditismo é talvez a mais bem-sucedida modalidade de empreendedorismo. Mas a criatividade atingiu níveis surpreendentes até para padrões cariocas: o veterinário Leandro Valverde foi preso, acusado de assaltar uma clínica que ele mesmo vendera meses antes – e, para entrar no lugar, usou uma ratazana morta coberta de ketchup como se fosse um cão ferido.

Poderia ter sido pior: por exemplo, se o empreendedor desistisse do assalto e vendesse um hot-dog diferenciado à base de ratazana. Mas o caso comprova que o Rio continua sendo, como diz um amigo carioca, “o Brasil do Brasil”.

3. O open bar pornô

O site Metrópoles informa que, em Águas Lindas de Goiás, a polícia visitou um lugar com o pitoresco nome de Rancho do Patrão e acabou com a festa que oferecia “rodízio open xeca” – com convite e tudo. O ingresso, de 300 reais, dava direito a transar com quantas garotas de programa se quisesse. Ou seja, uma variante do “coma à vontade”, mas com doença venérea no lugar da indigestão.

Deixo claro que eu jamais iria a um rodízio desses: tenho certeza de que eu só pegaria o equivalente aos espetinhos de coração de galinha nos rodízios de censura livre. Como diziam aqueles grandes filósofos brasileiros, “se der uma chuva de Xuxa, no meu colo cai Pelé” (ASSASSINAS, Mamonas).

***

A GOIABICE DA SEMANA

Na primeira semana no Congresso, os novos deputados já mostraram que serão capazes de produzir goiabices em abundância e de qualidade (muito duvidosa) nos próximos quatro anos, pelo menos.

Mas, nesta semana, o troféu vai para Márcio Labre, o deputado do PSL-RJ que propôs – e depois retirou — um projeto para vetar a venda de anticoncepcionais. Labre é a cara do Curly dos Três Patetas, o que provavelmente faria Cesare Lombroso dar pulinhos de felicidade. E anticoncepcionais podem ter problemas, mas, se impedirem certos políticos de procriar, já terão cumprido seu papel.

Márcio Labre: o projeto que proibia anticoncepcionais é a cara dele

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. A história do veterinário é digna de "Pink e Cérebro" a dupla de ratos atrapalhados que querem dominar o mundo. Já esse Labre não deve comer ninguém nem quer que os outros comam

  2. Muito bom. Faltou citar os nossos "grandes" empreendedores privados que viviam (ou ainda vivem?) às custas do estado, movidos a corrupção: grandes empreiteiras(todas), empresas do grupo X, grupo BRF/JBS, OI Telecom etc..

  3. Caro Rui, espero sempre cheia de ansiedade por sua coluna. Como esperava, anos atrás, por Paulo Francis e Millôr Fernandes. É o meu banho de alma matinal, o "desopilamento" do meu fígado. Obrigada!!

  4. So desejaria saber: Ceilandia, tem agua encanada. tem sistema de esgotos tratados, tem bons hospitais, escolas, moradias, segurança, etc? e pensam em Disneylândia ? A cabeça desse pessoal deve ser repleta de esgotos para pensarem só naquilo que não soluciona os problemas da população !

    1. Décadas atrás o grande humorista José Vasconcelos sonhou e fundou um empreendimento para a construção da Vasconcelândia em Guarulhos.Não deu certo,entre outras coisas porque não havia uma rodovia pavimentada de acesso ao parque. Hoje Guarulhos abriga um aeroporto internacional! Algumas ideias chegam na frente do seu tempo!

  5. Hoje acordei sem vontade de sair da fruteira, o dia não tava pra suco, mas aí me surgiu uma hipotética justificativa para a goiabice do Labre - talvez ele seja um empreendedor que produz camisinhas.

  6. Seu goiaba, eu protesto! porquê cargas d'água sobra para Sobradinho? poderia investigar isso para mim? Moro nessa cidade, e já teve boatos de construir aqui um aeroporto (para desafogar o de Brasília ), um presídio, e agora uma Disneylândia!! queremos paz e sossego aqui na serra!

  7. Para aumentar a produtividade, o governo deve criar a bolsa burro. A condição para o empreendedor receber é não tomar iniciativa.

Mais notícias
Assine
TOPO