Maurício Tonetto / SECOMNão há absolutamente nada de errado com a declaração do governador Eduardo Leite sobre pequenos comerciantes

Um alerta sensato num país histérico

Doações, por melhores que sejam as intenções de quem tenha doado, podem sim causar consequências indesejáveis a longo prazo
17.05.24

Em 1849, o historiador escocês Thomas Carlyle rotulou a economia de ciência triste” (“dismal science”), fama que não deixou o estudo dedicado à alocação de recursos escassos até hoje. Hoje já se entende que a economia não é um jogo de soma zero, que riqueza se cria e se transforma, mas falar de escolhas difíceis em meio à escassez segue tabu, em especial nos momentos de crise.

O azedume causado por uma discussão econômica madura foi a grande surpresa com que o jovem Eduardo Leite (PSDB; foto), que antes dos quarenta anos já governa o Rio Grande do Sul pela segunda vez, teve que lidar nos últimos dias, com uma declaração perfeitamente defensável e que ele, devido à histeria ideológica que causou, achou por bem retirar num constrangido pedido de desculpas.

Disse o governador gaúcho, em entrevista à rádio Bandnews FM: Quando você tem um volume tão grande de doações físicas chegando ao estado, há um receio, que nós observamos em outras situações, sobre o impacto que isso terá no comércio local. O que pode ter, na verdade, é uma cidade que foi impactada, o comércio local impactado também, e o reerguimento desse comércio fica dificultado à medida que você tem uma série de itens que estão vindo de outros lugares do país”.

Não há absolutamente nada de errado com a afirmação e há evidências suficientes para sustentar o argumento. Após o devastador terremoto de 2010, o Haiti recebeu tantas doações de alimentos do exterior que a agricultura local se tornou economicamente inviável. O resultado, na prática, foi uma migração em massa de camponeses haitianos para a capital Porto Príncipe, multiplicando exponencialmente a favelização da cidade, um problema social sem solução aparente até o momento.

Doações, por melhores que sejam as intenções, podem, sim, causar consequências indesejáveis a longo prazo. Mas é uma conversa de adultos que nem todos estão preparados para ter. Até a ONU sabe disso. Durante a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), em 1968, surgiu um movimento com o ótimo nome de “Trade, Not Aid”, que defendia que a maneira sustentável de ajudar países pobres é pelo comércio e não por doações.

Não faltam exemplos de ditaduras africanas que ficavam ainda mais fortes e sanguinárias desviando o dinheiro enviado pelos ocidentais cheios de boas intenções, assim como não se imagina a China comunista e seu entorno tendo o vigoroso desenvolvimento econômico das últimas décadas sem o bom e velho capitalismo.

A reação desproporcional e leviana ao comentário do governador Eduardo Leite revela outro problema, o viés elitista e alienado de parte da classe falante brasileira, que tem verdadeiro horror ao livre comércio, ao empreendedor, ao profissional liberal, ao motorista de Uber e à classe média em geral. Os candidatos a aristocratas sonham sempre com um mundo dividido entre muito ricos e muito pobres, os ungidos morando em seus castelos com serviçais escolhidos a dedo. Aos outros, no máximo, esmolas.

A situação no Rio Grande do Sul é evidentemente crítica, lembrando um clássico do Gaúcho da Fronteira: “que pampa é essa que eu recebo agora / com a missão de cultivar raízes, / se desta pampa, que me fala a história, / não me deixaram nem sequer matizes?” Não há, por parte do povo local ou do próprio governador, qualquer recusa em aceitar donativos, como ele mesmo esclareceu, mas a discussão sobre os impactos econômicos da tragédia fica para depois.

Se a ajuda é urgente e necessária, a confiança na força e resiliência do bagual é também imperativa. Como termina a mesma música regionalista desse uruguaio de nascimento que virou símbolo da música gaúcha, “se for preciso, eu volto a ser caudilho / por essa pampa que ficou pra trás / Porque eu não quero deixar pro meu filho, / a pampa pobre que herdei do meu pai!”.

 

Alexandre Borges é jornalista 

 

As opiniões emitidas pelos colunistas não necessariamente refletem as opiniões de O Antagonista e Crusoé

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Creio que o problema do comentário do governador é a sua extemporaneidade. Quer-se crer que as doações estão sendo canalizadas para as áreas devastadas. Neste caso e nesses locais, que comércio funciona? Que setor produtivo não foi também arrasado? Num momento em que há milhares de cidadãos sem nada e precisando de tudo, a fala dele soa descabida e insensível

  2. Eu ainda acho, que os gaúchos tem uma cultura, que os fazem fortes e unidos, pela própria descendência. E tbm acredito que o Eduardo Leite, é um dos poucos governadores no Brasil, que poderia suportar tamanho caos e destruição de um estado.

  3. No primeiro momento as pessoas não tem nem dinheiro para pagar ada. A inundação não poupou ninguém. Mas, depois de passado esse momento é claro que a sociedade civil volta a lutar para o seu próprio sustento. E, nessa hora concordo plenamente com Leite. Só temo é saber que LULA vai começar suas falcatruas com empreiteiras, com infiltração dos amigos para dominar áreas de interesse, e isso é sim moinha preocupação. Em médio prazo uma LAVA-JATO Gaúcha precisará ser montada.

  4. O RS tem um bom líder, tem falhas como todo ser humano. Mas sem dúvidas Eduardo Leite está liderando o estado de forma que nem o lulismo e nem o Bolsonarismo conseguiriam.

  5. Eduardo Leite tem boas intenções e faz um governo razoável. Melhor seria se se livrasse das más influências tucanas...

  6. É uma emergência, não é a mesma coisa que no caso da África, onde as doações são constantes e contínuas. Até porque a economia local está debaixo dágua tb. Quando o pior passar, duvido que se acomodem e continuem dependendo de doações.

Mais notícias
Assine agora
TOPO