Cubanos vigiados

30.11.18

Logo após o governo Dilma Rousseff lançar o programa Mais Médicos e espalhar cubanos pelo país afora para atender em postos públicos de saúde, setores do Exército levaram a sério a suspeita de que entre os enviados de Havana poderia haver espiões e militantes políticos que usariam o trabalho para fazer proselitismo em favor da esquerda. No Comando Militar da Amazônia, a seção de inteligência recebeu ordem para acompanhar de perto o dia a dia dos médicos enviados para a região. Passou meses a fio dedicada à tarefa, mas não encontrou sinais que confirmassem a suspeita. A determinação para que os militares fossem a campo partiu do general que, àquela altura, chefiava o comando, sediado em Manaus. Era Eduardo Villas Bôas, atual comandante do Exército.

Alan Marques/FolhapressAlan Marques/FolhapressMédicos cubanos chegam ao Brasil em 2013: Exército acompanhou trabalho

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. A dificuldade para se detectar se está havendo proselitismo é que há o momento em que ficam só o médico e o paciente no consultório, resguardados naturalmente pelo sigilo do ambiente. Além do que, após algumas consultas se cria um vínculo transferencial com o médico, se a relação é boa entre ambos, o que dificulta uma fiscalização ou uma denúncia. Às vezes o próprio paciente nem nota que está sofrendo esse tipo de “catequização”.

  2. A "discrição" em determinados assuntos,sob controle e sem maiores consequências para o país, em geral,deve ser preservada.Sob pena de promover o inimigo,dando-lhe espaço.

    1. Concordo, faltou linkar com aquela da denúncia de vigilância do retorno dos cubanos nos aeroportos por agentes cubanos.

  3. Alguns médicos que conviveram com os cubanos dizem ter havido proselitismo político. O que o Villas Boas esperava, um cubanos pegando revolução imediata pelas armas?

  4. No Guaruja 4 médicos cubanos foram trabalhar no mesmo posto, colocaram os jalecos nas cadeiras e desapareceram. Ninguém ouviu falar deles. Por que esse tipo de atitude. Claro que fugiram e com medo de que, fingindo que estavam trabalhando e desapareceram?

    1. Aqui no interior de SP, onde a proporção médico por hab. é altíssima , há muitos médicos cubanos. Numa cidade de 15 mil hab. perto da minha há 4 médicas cubanas, que já trataram de casar com brasileiros. Mas não era para os rincões do Brasil?

    2. Guarujá não é exatamente um lugar ermo e sem atendimento médico, que era o objetivo declarado do famigerado Mais Médicos da Dilma. O que faziam lá os cubanos?

  5. E aí ??? Fiquei com gosto de “quero mais”. A matéria não concluiu. Acabou o parágrafo, mas a informação parece incompleta!

    1. e... A matéria tem início e o começo do meio, cadê o resto?

Mais notícias
Assine
TOPO