Adriano Machado/CrusoéAlckmin, o emblema da derrocada: desempenho muito abaixo do esperado

A agonia tucana

Tomado há anos por disputas personalistas, o PSDB está diante da maior crise de sua história. Conseguirá sobreviver a si mesmo?
12.10.18

Há dois anos, tudo parecia certo: Geraldo Alckmin emergia das eleições municipais como um estrategista ímpar, que havia imposto ao PSDB a candidatura de João Doria a prefeito de São Paulo, e com ela havia derrotado o prefeito petista Fernando Haddad ainda no primeiro turno. Na semana que passou, tudo era incerto: o ex-governador de São Paulo foi o primeiro candidato tucano a presidente a ficar fora de um segundo turno na disputa desde 1994. Ficou com menos de 5% dos votos. Depois do vexame, em reunião da executiva do partido, ainda sugeriu que seu ex-pupilo Doria era  “traidor”.

O PSDB encolheu e sairá desagregado desta eleição. A bancada na Câmara caiu de quarta para oitava no ranking, passando de 49 para 30 deputados a partir do ano que vem. No Senado, os tucanos continuam tendo a segunda bancada – mas agora com oito, e não mais 12 representantes. Nos estados, o PSDB ainda tem chance de fazer governadores em seis estados no segundo turno: São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Roraima e Rio Grande do Sul. Mas a questão é: o PSDB vai conseguir sobreviver a si mesmo?

A discussão em que Doria teve de ouvir a indireta bastante direta de Alckmin — “traidor eu não sou” — resume as visões opostas que dividiram o partido e tornam incerto o seu futuro. O ex-governador de São Paulo quis inculpar o ex-prefeito por ter sido associado ao impopular presidente Michel Temer, por causa da participação do PSDB no governo federal. Doria lembrou que na reunião estavam dois tucanos que participaram efetivamente do governo, José Serra e Bruno Araújo, sem contar o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira.

O candidato ao governo de São Paulo havia sido interrompido justamente quando pedia uma autocrítica do PSDB e ao seu discurso. O ex-prefeito parece ser o que mais tem a ganhar com o resultado fraco do partido nas urnas: será a chance de ele dirigir a legenda para uma plataforma mais liberal na economia e conservadora nos costumes, afastando-se do pensamento social-democrata do núcleo original do PSDB. Os adversários do PSDB, especialmente os petistas, sempre quiseram estigmatizar os tucanos como “a direita” no Brasil, mas agora que estão prestes a serem derrotados na disputa presidencial por um candidato que não teme defender a redução da maioridade penal, o porte de arma e denuncia a infiltração ideológica nas escolas, os petistas parecem finalmente estar descobrindo o que é exatamente ser de direita. E ainda: que o povo gosta dela. É para conquistar esses votos que Doria quer inclinar os tucanos para o lado que o vento sopra.

Fábio Vieira/FotoRua/FolhapressFábio Vieira/FotoRua/FolhapressJoão Doria foi acusado de trair seu mentor: crise sem fim
Numa polarização, “o mero centro não se sustenta”, para usar a frase do poeta irlandês W.B. Yeats em “A segunda vinda”, lamento sobre a Europa desolada pela I Guerra Mundial. O discurso moderado dos tucanos teve pouco eco na campanha, quando foi entendido: mesmo quem não votou em Ciro Gomes, Fernando Haddad ou Jair Bolsonaro, os três que chegaram na frente de Alckmin, sabia o que eles queriam na presidência. Respectivamente, tirar os brasileiros do SPC, voltar à Era Lula e botar bandido na cadeia. Alckmin queria reduzir os impostos, aumentar a competitividade, gerar mais empregos e… não apresentava uma ideia central com que pudesse ser identificado facilmente.

O presidenciável tucano tentou mais mostrar o que não era – Haddad ou Bolsonaro – do que o que realmente era. Se era, de fato, alguma coisa. E, pela retaguarda, foi atingido por um vídeo do presidente Michel Temer que lhe trouxe uma lembrança tão incômoda quanto eleitoralmente desastrosa: o PSDB está no governo com as piores taxas de popularidade já registradas na história. Com o discurso de centro do PSDB se esboroando, as defecções começaram. Doria, por exemplo, deixou que seu nome fosse associado a Bolsonaro na campanha de São Paulo. Nada fez para impedir o voto “Bolsodoria” no estado em que Alckmin fora eleito quatro vezes governador. A “traição” não chegou, porém, a ter a clareza algo lenta do gesto do ex-chefe de gabinete de Fernando Henrique Cardoso, Xico Graziano: já às vésperas da eleição, o ex-deputado federal anunciou pelo Twitter sua adesão a Bolsonaro e a saída do partido, contrariado com a aliança de Alckmin com os partidos do Centrão – 75 dias depois de a união ter sido selada.

Winston Churchill dizia que a diferença entre a guerra e a política é que na guerra você só morre uma vez. Ainda é muito cedo para anunciar a morte do PSDB. Mas não resta dúvida de que o tucanato está com o bico na cova e não há ressurreição à vista.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Felipe Moura Brasil, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. As ferramentas digitais mudaram a forma das relações. Em especial, as relações políticas! Aquele ditado "pode-se enganar poucos por muito tempo, muitos por pouco tempo, mas não pode-se enganar a todos por todo o tempo", nunca foi tão atual.

  2. Há um dito popular que diz o seguinte:"Quanto maior o coqueiro maior o tombo". esse partido em que só há caciques e faltam índios, seus membros tem a certeza de serem deuses. Esqueceram que a fila anda. O seu narciso mor efeagá, com a sua adoração da própria imagem, esqueceu que partido é uma equipe. Afundou o partido e agora será muito difícil para recuperar-se.

  3. Há um dito popular que diz : "Quanto maior o coqueiro maior o tombo". Não é de hoje que os tucanos tem a certeza de que são deuses, enlevados por seu narciso-mor , o efeagá. Deixaram de perceber que a fila anda, e andou depressa. Não se adaptaram aos novos ventos como várias indústrias que não adaptaram--se à tecnologia e faliram. Agora não é a industria, mas um partido que de tão orgulhoso e altivo, evaporou-se. Agora é olhar para a frente e tentar mudar o discurso. Não será tare tarefa fácil.

  4. Um partido que nao soube a que alvo tentar derrubar para se lancar nao merece chegar na final! atacar o alvo errado foi sua derrocada!!!Alem da falta de decisao no episodio aecio ajudou muito!!

  5. Na ausência de outra identidade que personificasse minha posição na urna votei nesses frangos inúmeras vezes. Nada como um dia depois do outro pra que aécios, richas e serras vejam a lei lhes darem justo destino.

    1. Aécio gravado e o Fernando Henrique fazendo declaração de amor ao PT, pra mim deu. PSDB nunca mais

  6. A nova direita é liberal na economia, conservadora nos costumes, acredita no livre mercado, e que a geração de empregos virá da abertura do nosso mercado interno ao capital internacional. O que é melhor, emprego sem jabuticaba, ou desemprego com a manutenção de jabuticabas? Todos querem ir para os USA, e lá o empresário não gira com o dinheiro do trabalhador, o ano inteiro, e devolve como 13o, no fim do ano, sem remunerar o dinheiro do trabalhador. Porque não pagar por semana o empregado?

  7. Os tucanos estão longevos demais...um partido que nunca teve opinião de nada, e hoje o povo quer opiniões firmes e sólidas! Não importa se de direita ou esquerda! Mas que se tenha opinião, os tucanos abocanharam grande parte do eleitorado á direita pois não existiam representantes, só que agora não e pecado dizer que vc e liberal e de direita , mais conservador e os tucanos perderam o bonde na história, ninguém mais aguenta discursos de centro de Marinas, Geraldos, ou sem noção de Ciro

  8. É por isso e muito mais que saltei do PSDB para o Novo. O Partido Novo está bem próximo dos ideais iniciais do PSDB e espero que não siga o mesmo caminho trilhado pelo PSDB, que deu nisso que está aí. Pensei até que, com a eleição do Dória para prefeito o PSDB se encorparia, mas se deu o contrário, dada à disputa de egos. Ninguém se preocupou com o partido, mas com o acervo político pessoal e a política também cobra o preço. O Dória que se cuide porque a sua eleição em São Paulo periga. Vinga?

    1. Amigo. Fui dos primeiros filiados ao NOVO. Saí, e posso te garantir que o "novo" (neo) é na verdade a nova versão e refúgio do tucanato. Gustavo Franco que o diga.

  9. FHC e Lula eram parceiros, só que um da elite e outro da plebe. Mas os princípios eram os mesmos. Chega os dois estão indo muito tarde. Fizeram muitos estragos.

    1. Concordo plenamente. FHC e Lula estão associados desde a origem dos dois partidos e manipularam o eleitorado sem nenhum escrúpulo. Tramaram e jogaram com a manutenção do poder, com o apoio da grande imprensa num arranjo em que os três ganhavam sempre. Embevecidos com o domínio arquitetado esqueceram-se o mundo continuava a girar. Acordaram com o eleitor revoltado "como nunca antes na história desse país" com o saque econômico. cultural, religioso, e dos seus valores mais caros. Era tarde !

  10. Nossa justiça omissa, está deixando o povo fazer justiça com as próprias mãos.Acho perigoso. É impressionante a falta de responsabilidade destes muleque s. Gostam de ver o circo pegar fogo. Eles podem fugir a qualquer momento, tem muita, muita, muita grana.

  11. Não expulsaram o Aécio, e ainda, ao invés de atacar o PT, preferiram atacar o Bolsonaro... Sou ANTI-PT, e agora, ANTI-PSDB também.

  12. FHC expoente do PSDB, camufladamente, em 2002, adotou estratégia política para eleger Lula; e, conseguiu. Agora, nada mais justo que, PSDB e PT caiam juntos. Já vão tarde.

  13. O psdb começou a morrer de covardia quando lula foi flagrado no mensalão. Apesar de que hoje, com o distanciamento dos anos e a observação dos tucanos, acho que mais que covardia era uma admiração incontida pelo criminoso. Seja como for, milhões de brasileiros depositaram suas esperanças no psdb e ele os ignorou. O pt deve, tem de acabar, pelo bem do Brasil. O psdb pode ser enterrado, sem lágrimas ou lamentos, na cova vizinha.

    1. Adorei a ideia de enterrar o psdb na cova vizinha! FHC tem muita culpa nesta desgraceira que assola o país, demorei para entender isso.

    2. PSDB protege cinicamente o PT. Começou a mostrar a cara no mensalão, e foi se revelando no petrolão, no impeachment da inominável e culminou no ataque a Bolsonaro é FHC querendo apoiar Haddad. A farsa PT vs PSBD enganou os brasileiros por muitos anos. Odeio o PT e ainda mais PSDB por essa enganação. Era um "telecatch", um combate de luta livre com encenação teatral.

  14. Achou muito difícil o PSDB sobreviver com o mesmo porte que tinha, eles se tornaram "mercenários" como o MDB, muita ambição e nada para os eleitores...assim é demais, né?

  15. Eles me enganaram duas vezes. Votei no FHC para nos livrar do PT, agora vejo que são dois lados da mesma moeda. Não valem nada. Hoje sou PSL e Bolsonaro 17. Votei no Major Costa e Silva, agora resta o Doria fujão do mandato de Prefeito de SP. Pelo menos ele está pro Bolsonaro.

  16. O PSDB menchevique... o PT bolchevique.... ambos sucumbiram diante de um povo que não quer nem um e nem outro... afinal de contas ambos querem a mesma coisa na essência.

  17. Lamentavelmente, para os paulistas, não teremos solução para o preço escorchante dos pedágios de SP (ganhe quem ganhar o governo do Estado). Continuaremos (nós paulistas, ou quem quer que transite por SP) a ser escorchados, explorados, aviltados, humilhados, pelos valores cobrados nos pedágios de SP. Sobre isso, os dois candidatos estão calados. Por outro lado, fala-se, há muitos anos, sobre o "esquema do pedágio" em SP. Talvez seja por isso que não falam do assunto.

  18. Não vai sobreviver. É é até romântico, vai morrer abraçado com seu grande parceiro de delícias. Nunca mais teremos que votar nestes só para fugir dos outros.

  19. PSDB precisa realmente sair de cima do muro e ter clareza no que defende não somente na eleição. Alckmin ficou anos em SP, teve as contas em dia, mas qual o seu legado? Dele e dos antecessores.

  20. Acredito que a ideia era: Doria na Prefeitura; França no Governo; e Geraldo Alckimin Presidente com apoio dos dois. Dória quebrou o trato, e deu no que deu. E agora, cairá do cavalo, pois certamente perderá: Nem Prefeito, nem Governador.

    1. Uma coisa é dizer que apoia Bolsonaro, outra é o retorno. Pelo discurso do Major Olimpio, Doria estará só...

    2. DORIA, será o governador, sem qualquer dúvida. E, fará uma ótima administração, forte apoio do Presidente Bolsonaro

  21. Quem cravou a bala de prata no coração do PSDB foi Joesley. O resto foi mera consequência do marasmo, cujo ápice se chama Aécio. O centrão o salvou e achou que a vitória estava garantida, mas esqueceram de combinar com o eleitor. Tudo como acidente de avião, um erro após outro. Só falta o enterro depois do velório. Tchau queridos.

  22. Pois eu acho que o PSDB, irmão siamês do PT, morreu junto com este e vai ser enterrado definitivamente, para sorte do Brasil de bem! Caciques dos 2 partidos e seus adeptos mais anacrônicos, além de mortos para a política, ao morrerem, de verdade, pagarão todo o mal que fizeram no FOGO DO INFERNO! Creiam.

  23. Para o PSDB só tem uma saída , reformular seu Estatuto dando enfase ao Social , a fastar TODOS os que estão sob Investigação e expulsar os condenados , sem estas medidas e candidaturas impostas não tem jeito a não ser se filiar ao PT .

  24. O PSDB começou a perder a sua identidade, quando o cacique-mor FHC, como sociólogo, acusou sua admiração acadêmica pelo operário inculto, mas extremamente perspicaz na política - o Lula. Na corrida eleitoral de 2002, e em razão do “risco-lula”, Lula lançou a “carta aos brasileiros”, minimizando o medo do mercado financeiro. Foi uma jogada de mestre de Lula, que seduziu não só o mercado financeiro, mas também FHC, que nada fez para que Serra fosse eleito. Ali começava a derrocada do PSDB.

    1. Acredito que FHC não tinha muita saída. Ele até tentou alavancar o Serra mas faltava a ele o “carisma essencial” que permeia TODAS as eleições pra presidente. Além disso havia desgaste natural dos dois mandatos previos. Acho que FHC fez uma aposta que o partido voltaria brevemente e mais forte ja “refeito das feridas” após uma temporada como oposicao. Na conclusão, concordo contigo. Lula comprou o congresso e alí foi o começo do fim.

  25. Tá demorando muito. O psdb e o pt deveriam ser extintos para sempre da política brasileira. Se quiserem se transformar em sindicatos do crime é questão de foro íntimo.

    1. Extinguir Partidos políticos não modificaria o política podre brasileira. Tão logo se extinguissem criariam novas legendas com as mesmas figurinhas carimbadas. A resposta tem que partir do povo como ocorreu no primeiro turno...nas urnas.

  26. É aquela história: Quem tem um pouco de sensatez enxergou o que o PSDB fez com o Aécio depois das gravações do Joesley, nada! Como os históricos eleitores do PSDB não tem QI de mortadela, a coisa coalhou ao ponto de se dar um voto de confiança ao capitão. Se o Aécio e outros que foram claramente expostos à corrupção tivessem sido expulsos do partido, talvez a situação das urnas fosse outra, só que o eleitor, interpretou que o partido se curvou à sujeira e seus eleitores bolsonaram.

    1. Exatamente! Flecha certeira no alvo. Eleitor do PT, a essa altura do campeonato, é doente. Já o ex-eleitor do PSDB, consciente.

    2. PURA VERDADE! Isso aconteceu comigo. Votei no Aécio mas após a revelação de que ele era tão podre quanto o PT, não posso mais compactuar com corruptos. Hoje sou Bolsonaro desde criancinha!

  27. Alckmin, com o apoio do pior cabo eleitoral dos candidatos a presidente do próprio partido, FHC, ficou o tempo todo da campanha batendo no cara errado. Ficou parecendo Dom Quixote combatendo os cataventos. PSDB, FHC, se deixou morrer desde o primeiro mandato de Lula. O PT literalmente comeu o PSDB num processo lento de fagocitose.

  28. Ao longo dos mandatos de Lula e Dilma ficou manifesto que o PSDB não fazia clara oposição. A grande enxurrada de votos nos tucanos nas eleições municipais pós-Lava Jato, mascarou a verdadeira posição do eleitorado anti-petista. Na sequência, veio a eleição presidencial e a população percebeu a existência de Bolsonaro. Os tucanos, então, perceberam tardiamente que o partido não era mais atraente para aqueles mesmos que lhe concederam os votos municipais. PSDB e PT eram farinha do mesmo saco.

    1. Políticos, oportunistas que são em sua maioria,reiventam-se. Tem até Sarney no PV!!! Não sou Ptista, longe disso, mas acho que é partido ideologico e vai sempre sobreviver em cima das mazelas de seu antagonista.

    2. Tb acho.... O centro-direita enxerga mais que a esquerda cega....

  29. o PSDB sempre foi visto como antipetismo. não era uma pecha e sim um clamor de quem votava neles. poderia estar aliado a isso a competência d Gestão FHC, somando a uma vontade popular, e com exceção à primeira disputa que Serra levou uma surra nos próximos com a impopularidade também sentida pelo PT levou o Aecio a um embate quase vencedor na última eleição. aqueles quase 50 mil de votos eram de Aecio..NÃO. eram os mais de 50 mi da Dilma. NÃO. Era Lula x Contra Lula. Bolsonaro enxergou isso.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO