Fernando Frazão/Agência BrasilMarx Beltrão, deputado e ex-ministro de Temer: ele tem 1,2 milhão de reais em espécie

O clube do colchão

Mais de 2 mil candidatos declaram guardar, ao todo, 300 milhões de reais em dinheiro vivo. Trinta e oito dizem ter mais de 1 milhão em espécie. A lista inclui deputado, senador e ex-ministro. A soma que Dilma Rousseff afirmava guardar em casa desapareceu na declaração à Justiça Eleitoral
31.08.18

Em setembro do ano passado, a Polícia Federal atingiu uma marca sem precedentes até para os padrões da corrupção no Brasil. Depois de 14 horas de trabalho usando sete máquinas de contar dinheiro, os policiais chegaram à incrível cifra de 51 milhões de reais em dinheiro vivo, apreendidos em um apartamento vazio em Salvador. A montanha de cédulas levou à prisão de Geddel Vieira Lima, ex-ministro de Michel Temer e uma das estrelas do MDB que até hoje segue no presídio da Papuda sem conseguir convencer a Justiça sobre como era possível ter esse patrimônio às escondidas. Mas o bunker de Geddel parece não ter melindrado políticos a seguirem na prática arcaica (e estranhíssima) de guardar fortunas em espécie. Um levantamento feito por Crusoé mostra que cerca de 2.400 candidatos nas eleições deste ano guardam um total de incríveis 300 milhões de reais em espécie, o que dá uma média de 125 mil reais por cabeça. Se as “malas de Geddel” fossem uma unidade de medida, seriam necessárias 53 delas para guardar todo esse dinheiro — o ex-ministro usou nove.

Guardar dinheiro em espécie, vale dizer, não é crime. Mas, em 2018, com os inúmeros casos de corrupção e as operações de busca e apreensão da Lava Jato mirando políticos envolvidos em transações ilegais, o que levaria alguém a manter valores tão elevados em casa? E, mais do que isso: por que declarar ser portador de tanto dinheiro vivo? Uma das “vantagens” para os enrolados que se enquadram nessa situação é que, em caso de flagrante, é possível sempre dizer que a bufunfa estava devidamente informada à Receita. Outra é ter sempre uma margem para justificar a movimentação de recursos sem deixar rastro. Não há, obviamente, registro de quando um valor desses entra ou sai – nem de sua origem ou destino.

O registro da posse é feito, geralmente, na declaração de imposto de renda. No caso dos políticos, como a lei obriga que eles informem seu patrimônio à Justiça Eleitoral, esses dados são tornados públicas. Assim, de quatro em quatro anos, é possível saber quem nutre o estranho hábito de guardar dinheiro debaixo do colchão. Nessa turma há alguns que chegam ao paroxismo de declarar a posse de mais de 1 milhão de reais em espécie. O clube do milhão congrega 38 candidatos. Entre eles há empresários, agricultores e também alguns políticos de longa data. O campeão é Juraci Carvalho, conhecido com Juraci da Tesoura de Ouro, dono de uma rede de lojas de confecção no Distrito Federal. Ele quer ser deputado federal pelo PTB e registrou guardar 5,3 milhões em cash. Seu patrimônio é de 7,1 milhões — ou seja, 74% de tudo o que declara é dinheiro vivinho. O potentado é um ilustre desconhecido. Mas há excelências mais ilustres no clube. Como Marx Beltrão, deputado federal pelo PSD de Alagoas e ex-ministro do Turismo de Michel Temer.

DivulgaçãoDivulgaçãoJuraci Tesoura de Ouro, de Brasília, é o campeão do dinheiro em espécie
Beltrão declarou guardar 1,2 milhão de reais. Detalhe: na eleição anterior, em 2014, o deputado havia declarado possuir 40 mil reais em espécie. Ao informar o salto de 3.000%, ele procura explicar: diz que o dinheiro vem da venda de propriedades, entre elas uma casa e um apartamento, e de dois veículos Land Rover. O catarinense Edinho Bez (MDB), deputado federal há 23 anos, informou ter quase 1,4 milhão de reais. Ele não oferece na declaração mais explicações sobre a origem da dinheirama. Políticos envolvidos na Lava Jato também informaram guardar dinheiro vivo. Acusado de receber caixa dois da Odebrecht, o senador Romero Jucá, do MDB de Roraima, diz ter 150 mil. O igualmente notório Ciro Nogueira, presidente do PP e senador pelo Piauí, afirmou ter 180 mil reais. Ele foi denunciado por tentar comprar o silêncio de uma testemunha que o acusava de receber propina. Aníbal Gomes, deputado pelo Ceará e um dos escudeiros fiéis de Renan Calheiros, é outro que cultiva o hábito de guardar fortunas: 700 mil em espécie. Ele é réu no Supremo Tribunal Federal, suspeito de receber dinheiro do petrolão.

O levantamento de Crusoé mostra ainda uma situação curiosa. Valdir Raupp, do MDB, é senador e um dos políticos mais influentes de Rondônia. Candidato à reeleição, ele empobreceu desde 2010, última vez que declarou bens ao Tribunal Superior Eleitoral. Somando todo o seu patrimônio, ele tinha 728 mil reais, dos quais 412 mil eram em espécie. Neste ano, o total do patrimônio do senador caiu para quase um terço – e o dinheiro em espécie desapareceu de sua declaração. Mas Raupp está longe de passar por algum tipo de crise financeira. A bonança segue em família, mas com a mulher dele. Marinha Raupp, deputada federal, aumentou seus bens em 40% desde 2014. Só em dinheiro vivo, são 620 mil reais em 2018 – ou seja, ela tem em cash o triplo de todo o patrimônio do marido e principal fiador de sua candidatura. Achou estranho?

No passado, a ex-presidente Dilma Rousseff também guardava valores em espécie. Eram 152 mil reais. Certa vez, indagada sobre o assunto, ela gaguejou e disse que dava dinheiro para a filha viajar, mas não fazia transferência eletrônica, e vez ou outra acabava depositando na poupança. Agora candidata ao Senado, ela não mais declara ter valores em casa. Além de imóveis, Dilma diz ter cerca de 500 mil reais no banco – parte na poupança e parte em uma conta corrente.

Roberto Stuckert Filho/DivulgaçãoRoberto Stuckert Filho/DivulgaçãoDilma em campanha: agora ela declara ter 500 mil reais. No banco
Quem decide ter valores em espécie está literalmente perdendo dinheiro. Com um milhão de reais, por exemplo, já daria para obter algum ganho pelas vias mais tradicionais. Na poupança, teria um rendimento de quase quatro mil reais por mês. João Altair Caetano, do Conselho Federal de Contabilidade, observa que as regras válidas a partir deste ano tentam endurecer o controle para essas operações, sobretudo aquelas acima dos 30 mil reais. Uma loja que receber esse valor, por exemplo, terá de declarar à Receita o CPF de quem comprou e discriminar que o pagamento foi com dinheiro vivo. No caso de campanhas, o contador vê outras dificuldades (obviamente, excluindo aqueles que deliberadamente partem para o caixa dois). Caetano coordenou uma cartilha do Conselho Federal de Contabilidade justamente sobre as prestações de contas dos candidatos. Ele explica que o dinheiro vivo tem que ir para a conta de uma pessoa física — que, então, deve doar para a conta da campanha. “Qualquer transação tem que ser pela via bancária”, diz.

Presidente da Unafisco, a associação que reúne os auditores da Receita Federal, Kleber Cabral diz que o dinheiro vivo “deve ser causa de suspeição porque pode ser para esquentar recursos e ter respaldo em operações futuras. Muitas vezes o dinheiro nem existe”. Ele acrescenta que a Receita tem como verificar a existência dele ou não, mas, como a ênfase é na arrecadação, “muita coisa acaba passando, vira caso policial e só depois vamos atrás”. Não é preciso ir longe para encontrar exemplos. Propinas da Lava Jato, por exemplo, circularam em dinheiro vivo e ficaram por anos fora do radar das autoridades. Mas havia também as consultorias de fachada, utilizadas para esquentar os valores e justificar a entrada e saída das contas. Com direito a nota fiscal, o imposto era recolhido e tudo ficava em paz.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Felipe Moura Brasil, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Crusoé deveria instar uma resposta dos gestores da Receita Federal às declarações do presidente da Unafisco atestando negligência, na mais ingênua das hipóteses, ou conluio em prováveis casos de corrupção envolvendo tais candidatos. Competência e cuidado para rastrear qualquer centavo do cidadão comum a Receita Federal parece ter de sobra...

    1. Eu jogaria os gestores corruptos da Receita Federal na mesma fogueira!

  2. Não deveria a Receita Federal cruzar as informações do deputado federal Marx Beltrão quanto as vendas que diz ter feito. Bobagem né? Tanta coisa estranha para ser checada...

    1. VOU CONTAR JA Ei, oh, PCC : A POLITICALHA TÁ GUARDANDO GRANA EM CASA. TOMA DELES VIU ?

  3. O dinheiro não existe. Trata-se de um crime antecipado: eles declaram valores para depois não precisar justificar desembolsos sem fonte...

    1. Com certeza, mas a RFB deveria averiguar a fonte já neste estágio.

    2. É impressionante a cara de pau de GALINHEIRO de nossos políticos CLOACAIS. É FIM DE LINHA

  4. Mas se um cidadão comum for em um banco com mais de dez mil em dinheiro vivo perde muito tempo dando explicações. Politico andam com milhões sem nada explicar.

  5. Ora, ora. Todo o cidadão de bem tem dinheiro vivo em casa. Olhando minha carteira, devido a hoje ser 6ª feira, eu tenho R$ 175,00, para o picolé dos meus 7 netos e o pão de queijo do café de amanhã. Portanto, nada demais ter R$ 51.000.000,00 (eu tive de ler 5 vezes para ver se não errei no número de zeros antes da vírgula).

  6. Bom mesmo é deixar nos Bancos para ajudá-los a obter maiores lucros e poder já quase ilimitado. Se alguém precisar de uma forcinha urgente, eles têm lá um tal de cheque especial para quebrar seu galho, na hora .

  7. Essas coisas precisam acabar neste país. Essas pessoas que não respeitam a Nação precisam ser punidas e banidas do cenário político. Antes devem devolver o que roubaram.

  8. Só idiotas para acreditar nesses bancos domésticos. Depois da lava jato, querem lavar dinheiro nas eleições. E quem gasta fortunas em campanhas, pretende recuperar esses valores como? Não precisam responderem.... já sabemos!

  9. Se a mala de Geddel continha R$ 51 milhões, os R$ 300 milhões em posse dos atuais candidatos correspondem a +- 6 malas de Geddel, e não 53.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO