Divulgação TV brasil"Eu mesma vou estar nas manifestações da Paulista do dia 12"

‘Por trás dos panos quentes há vários cifrões’

A senadora Simone Tebet atribui a postura benevolente de Arthur Lira em relação a Jair Bolsonaro aos milhões de reais que o Planalto tem liberado para o Centrão. Para ela, já há provas de sobra de que o presidente cometeu crime de responsabilidade
10.09.21

A senadora Simone Tebet, 51 anos, tem duas décadas de vida pública. Foi deputada estadual, prefeita, secretária estadual e vice-governadora de Mato Grosso do Sul antes de chegar ao Congresso. Em Brasília, lançou-se duas vezes candidata à presidência do Senado – na primeira, enfrentou dentro do MDB o notório Renan Calheiros. Mas foi graças a sua atuação na CPI da Covid, da qual não é nem integrante titular (ela participa como representante da bancada feminina), passou a ser considerada até como uma opção para a corrida presidencial do ano que vem. Na comissão de inquérito, Tebet tem se destacado por pronunciamentos assertivos e perguntas certeiras. Foi ela quem conseguiu, por exemplo, depois de seguidas tentativas dos colegas, fazer o deputado Luis Miranda dizer quem era o parlamentar mencionado por Jair Bolsonaro como o personagem por trás da escandalosa negociação da vacina indiana Covaxin – Miranda, até então, resistia a mencionar o nome de Ricardo Barros, líder do governo na Câmara.

Nesta entrevista a Crusoé, Tebet é cuidadosa ao falar sobre uma eventual candidatura à Presidência da República, como cogita a cúpula de seu partido. Ela defende que, antes de tudo, haja um amplo diálogo interno. Sobre o atual presidente, afirma que não faltam evidências de que Jair Bolsonaro vem cometendo seguidos crimes de responsabilidade. Os discursos dele nos atos do Sete de Setembro, diz, são os exemplos mais recentes. A senadora acusa o presidente da Câmara, Arthur Lira, que hesita em dar seguimento a um eventual processo de impeachment, de colocar panos quentes sobre a gravidade da situação, em troca de “cifrões em forma de emenda”. Tebet diz que estará presente no protesto marcado para o próximo domingo, 12, na avenida Paulista. Para ela, é hora de as forças políticas que se opõem a Bolsonaro se juntarem. “Não estamos falando de 2022, estamos falando de defesa da democracia, que é o que temos de mais caro. Todos têm que unir esforços nas manifestações de rua, não adianta fragmentar.”

O presidente Jair Bolsonaro reuniu milhares de pessoas em atos com pautas claramente golpistas no Sete de Setembro, ameaçou ministros e disse que descumprirá ordens judiciais. As instituições não deveriam reagir mais firmemente a isso?
Esse público era esperado diante do chamamento e da estrutura montada, eu não esperava menos. O ponto fora da curva, de novo, foi o presidente da República. Ele usurpou prerrogativas, usou o aparato estatal para fazer discurso eleitoral, instigou as ruas contra um ministro do Supremo Tribunal Federal em tom de ameaça e ameaçou descumprir ordem judicial. Crime de responsabilidade é o que não falta nesse processo.

Partidos como o PSDB passaram a discutir abertamente o impeachment. A sra. acredita que as manifestações podem ser um incentivo ao afastamento do presidente?
Acho que os atos podem estimular esse debate, sim, mas não devem incentivar ações efetivas. O Arthur Lira fez um pronunciamento colocando panos quentes e, por trás disso, há vários cifrões em forma de emenda de relator. Isso serve para aquecer as ruas, os movimentos sociais. Esses, sim, vão acordar. Eu mesma vou estar nas manifestações da Paulista do dia 12, acho que a esquerda e a direita vão entender que ambas têm que caminhar juntas. Não estamos falando de 2022, estamos falando de defesa da democracia, que é o que temos de mais caro. Todos têm que unir esforços nas manifestações de rua, não adianta fragmentar. Isso pode começar a acontecer, com um amplo acordo de não ter faixa de nem um, nem outro, por exemplo.

Afinal, a sra. entrará na disputa pelo Palácio do Planalto?
Existe aquela velha e tradicional máxima de que mulher tem que ser inserida e fazer política, mas sempre é um bom nome como vice. Eu já fui vice (governadora), evidentemente não há nenhum demérito nisso, mas a mulher tem protagonizado momentos importantes da história recente do Brasil e tem mostrado, acima de tudo, coragem. Com a CPI, ficou claro que para nós, da bancada feminina, nada é dado de graça. Não adianta só bater na porta, a gente tem que ficar empurrando a porta. E temos que falar alto para sermos ouvidas, ainda que isso gere uma série de preconceitos. A mulher, quando fala alto, dizem que está gritando, que é histérica. Quando fala baixo, dizem que ela não tem força. Todos os partidos políticos têm dito que a chapa presidencial tem que ser composta por uma mulher, mas, normalmente querem a mulher na retaguarda. Essa é a verdade.

Mas a sra. será candidata?
O que posso dizer é que o MDB, como maior partido de centro, e como partido que sempre se fez presente nos momentos mais importantes da história, hoje também quer se fazer presente com uma candidatura própria. Não significa que vá lançar meu nome ou que já haja escolhidos. A política é a arte de dialogar e conversar, e, obviamente, eu não fujo de responsabilidades e missões. O MDB entende que essa polarização está fazendo muito mal ao país e que é hora de pacificação. E ninguém melhor do que o maior partido de centro para poder representar uma candidatura forte e capilarizada. Quanto ao meu nome, a minha missão neste momento é trabalhar na CPI, que tem um papel relevantíssimo. Eu diria que é a CPI mais importante dos últimos 50 anos. Ela vai ter que dar uma resposta contundente à sociedade brasileira.

O senador Alessandro Vieira, que integra a CPI, se apresentou como pré-candidato. Especulações de candidaturas de integrantes da comissão não fortalecem o discurso do presidente Jair Bolsonaro de que a CPI estaria atuando politicamente?
Acho que não, eu não me coloco como candidata ou pré-candidata, não entrei com esse objetivo. Muitos começaram a me conhecer na CPI, mas há quatro anos eu já havia ido para o embate, para tirar Renan Calheiros da presidência do Senado. Naquele momento, ele já estava em uma situação complicada, e eu o fragilizei, a ponto de ele não se eleger presidente do Senado. Recuei, à época não fui candidata, em nome de um projeto maior. Depois, fui a primeira mulher presidente da CCJ, a maior comissão do Senado. E, neste ano, disputei a eleição para a presidência do Senado, mesmo sabendo que iria perder, contra tudo e contra todos, contra uma máquina forte. O meu próprio partido não me apoiou, mas, ainda assim, eu marquei posição, porque queria ver uma mulher disputar o cargo pela primeira vez. As tentativas de politizar a CPI vêm sempre do presidente. Essa é a grande estratégia de um negacionista, para desconstruir aquilo que temos de sólido, que são as nossas instituições democráticas, os poderes, a imprensa livre, a oposição. É natural que ele venha com esse discurso. Mas é importante lembrar que eu não sou membro da CPI e nem o Alessandro é titular. Acho que isso é mais um argumento de quem hoje está fragilizado, com medo de uma terceira via sustentável, que possa tirá-lo do segundo turno.

A sra. faria uma chapa com o senador Alessandro?
É muito cedo para discutir isso, não sei nem se sou candidata ou se o senador Alessandro levará a candidatura até o final. Eu o conheço bem e sei que está muito incomodado com essa polarização e com a falta de uma candidatura de um partido grande, com sustentabilidade. Ele tem estatura para isso, é um bom nome, e se posiciona contra a polarização. Não sei nem se serei pré-candidata, quanto mais falar de uma possível chapa. Acho que isso não pode estar no radar agora, pelo menos não antes do término da CPI.

Kleyton Amorim/UOL/FolhapressKleyton Amorim/UOL/Folhapress“O Supremo está preparado, o Congresso não vai fechar as portas e nós não vamos nos intimidar”
O MDB deixou a sra. de lado na última disputa pela presidência do Senado, apoiando o senador Rodrigo Pacheco nos bastidores. Sua confiança no partido ficou abalada?
Não ficou mágoa nenhuma. Eu entrei na disputa sabendo que isso iria acontecer, era natural que acontecesse, inclusive porque minha chance era mínima. Mas isso só comprova que os 21 votos que tive foram de senadores que, por sua integridade e história, foram comigo até o final, independente do assédio de cargos e emendas parlamentares que foi feito. Os demais já haviam feito compromissos com o outro candidato. Com relação ao MDB no futuro repetir esse comportamento, isso não me preocupa. Qualquer candidatura à Presidência da República, qualquer candidatura com chance de chegar ao segundo turno, tem que ser muito maior do que o próprio partido.

A sra. acredita que será possível concluir os trabalhos da CPI até 21 de setembro, como prevê o relator?
A CPI está na reta final, mas não é por falta de elementos. Abrimos agora uma série de janelas e portas extremamente complexas. O recesso de 15 dias atrapalhou e, depois, passamos 15 dias ouvindo intermediários. Sem isso, poderíamos ter avançado no esquema de vacinas superfaturadas. Esse vácuo fez com que a gente demorasse depois para pegar no tranco. Só agora entramos realmente no caso Covaxin, do FIB Bank, e vamos entrar agora no episódio da VTCLog, que tem graves indícios de irregularidades, com suspeitas de crimes contra a administração pública. A gente viu que era um esquema sistêmico. Ele abarcava não só o contrato A ou B, mas uma série de tentativas de emplacar negócios com superfaturamento e, provavelmente, propina, corrupção, lavagem de dinheiro, tráfico de influência, advocacia administrativa e organização criminosa. Abriu-se um leque que não vamos conseguir fechar completamente. A CPI caminha para a reta final, podendo até no seu último capítulo propor a abertura de uma nova CPI para investigar um caso muito específico, relacionado ao FIB Bank.

Como seria essa nova CPI? O episódio das garantias da Covaxin isoladamente justificaria uma nova comissão?
O governo aceitou uma garantia que não era bancária, de um banco que não era banco, e não apenas para o contrato da Covaxin. Há suspeita de que esse FIB Bank tenha fornecido uma garantia ilegal, sem lastro financeiro. Se fosse preciso executar a garantia, essa empresa não teria condições de suportar. É dinheiro nosso, dos nossos impostos, que seriam mandados para a iniciativa privada, e nunca mais reaveríamos. Começamos a abrir essa caixa preta do FIB Bank, que aparece no contrato da Precisa e, segundo informações, em contratos em ao menos outros dois ministérios. É tão grave quanto os esquemas das compras de vacinas, porque estamos falando de bilhões de reais em contratos, sem saber se há garantias reais. É preciso fazer uma varredura. Se a AGU e a CGU não fizerem, é importante fazermos.

Senadores defendem que, após a CPI da Covid, a CPMI das Fake News seja retomada e incorpore parte das investigações relacionadas à divulgação de notícias falsas na pandemia. O que acha dessa proposta?
Nenhuma CPI foi tão relevante ou teve tanto resultado quanto a CPI da Covid. Talvez a CPI do Collor, porque implicou obviamente a renúncia de um presidente da República. A CPI da Covid não foi instalada para apurar crimes de corrupção, mas para saber o que aconteceu no país para que chegássemos ao ponto de faltar até oxigênio. As pessoas estavam morrendo, enquanto autoridades negavam a gravidade da pandemia e havia uma omissão dolosa no caso da compra de vacinas. Havia muitos questionamentos com relação à gestão da saúde pública no Brasil, o que já implicaria crime de responsabilidade. Mas, no caminho, encontramos outras coisas, como a questão da corrupção na compra de vacinas. Percebemos que essas tratativas não tinham como obstáculo apenas o negacionismo e a tentativa de impor a imunidade de rebanho — havia por trás também uma tentativa de tratar de forma privilegiada certas vacinas sem comprovação de eficácia, com suspeitas grandes de superfaturamento, pagamento antecipado e envio de recursos para paraísos fiscais. Dentro desse processo, havia o mesmo modus operandi para transformar uma mentira em verdade, como na questão do uso do tratamento precoce e da tese da imunidade de rebanho. E qual era a grande tática? Era preciso convencer a sociedade. E como se faz isso hoje? Através das redes sociais, da divulgação de fake news. Então, nesse cenário, a CPMI das Fake News ganha força, muita coisa terá que ser encaminhada para que ela seja reaberta o mais rápido possível, presencialmente.

Nas últimas semanas, a CPI da Covid começou a perder a atenção da sociedade, com as ameaças golpistas do presidente dominando o noticiário. Sem mobilização da opinião pública, é maior o risco de que as investigações da CPI acabem arquivadas pela PGR?
A CPI não precisa de holofote. Ela não julga ninguém, ela inquire. Nosso poder é policial, não é judicial. Temos poderes para convocar autoridades, pedir quebras de sigilo, mesmo dar prisão em flagrante por falso testemunho. É o Ministério Público que terá que analisar o relatório e, muitas vezes, investigar mais, tomar providencias em relação à denúncia. O MP pode até encontrar outros envolvidos que não identificamos e apresentá-los à sociedade.

Quais foram os grandes méritos da CPI?
Pouco antes de a CPI ser instalada, como última tentativa de impedir os trabalhos, o governo trocou o ministro (Eduardo) Pazuello. Era uma tentativa de tentar arquivar a CPI, então só isso já valeu para colocar um técnico (refere-se ao ministro Marcelo Queiroga, que é médico). Ele pode ter todos os defeitos, mas é um técnico. Mudou, né? A CPI fez com que o governo falasse mais em plano nacional de imunização, começasse a não deixar faltar insumos, a buscar doses. A CPI impediu um contrato (da Covaxin) e um pagamento antecipado de 45 milhões de dólares. Isso não é pouca coisa, são 250 milhões de reais. Graças aos irmãos Miranda também, é importante ressaltar. Tem muita coisa que a CPI já fez mesmo antes do relatório final.

Kleyton Amorim/UOL/FolhapressKleyton Amorim/UOL/Folhapress“Nenhuma CPI foi tão relevante ou teve tanto resultado quanto a CPI da Covid”
A sra. votou contra a recondução do Augusto Aras para o cargo de PGR?
Eu não gosto de declarar voto, não gosto de fulanizar. Eu não tenho absolutamente nada contra o atual procurador enquanto pessoa, enquanto jurista. Mas tenho, sim, as minhas considerações a fazer por ele ter transformado uma instituição tão séria de fiscalização e controle, aliás a maior delas, que é o Ministério Público, em uma instituição de governo em muitos momentos.  Eu prefiro não ser taxativa, mas acho que por todas as entrevistas que já dei, o meu voto ficou de alguma forma declarado.

Como a sra. avalia a imagem das Forças Armadas após a CPI?
Não há um embate da CPI com as Forças Armadas. Eu não conheço nenhum membro do G7 (o grupo de senadores que controla a comissão) que, de alguma forma, não entenda e não reconheça a importância fundamental que as Forças Armadas brasileiras têm não só na defesa da soberania nacional, das nossas fronteiras, mas também na defesa do estado democrático de direito. Há um sentimento, sim, dentro do Senado, de que as Forças Armadas ainda não se deixaram contaminar por essa escalada autoritária, populista, autocrata do presidente da República. Mas, há um sentimento majoritário a meu ver, ou pelo menos de muitos senadores de dentro e de fora da CPI, de que alguns se deixaram contaminar. Alguns se deixaram seduzir pelos holofotes da política e colocaram a política à frente do dever de servir à pátria de forma isenta e imparcial. Isso se reflete em relação a alguns nomes, como o próprio ministro Pazuello e ao ministro (Walter) Braga Netto.

Houve resistência de alguns parlamentares em convocar Braga Netto. Por quê?
Houve uma certa divisão ali: “Trazemos ou não trazemos?”. O que eu percebi da reunião é que seria prematuro naquele momento, uma vez que Braga Netto iria também falar na Câmara dos Deputados. Então ficou em suspenso a vinda do ministro, o que não significa que ele não vai constar também no relatório. Para nossa surpresa, infelizmente má surpresa, nós não esperávamos isto: ao lado do núcleo político de esquema de propina, se fez presente o núcleo militar. Repito, são personagens, são pessoas, e não a instituição. O ministro Pazuello precisa voltar. O Élcio Franco precisa voltar. Até porque a gente precisa fechar as caixinhas. O problema é a questão do tempo. Eu não consigo ver a CPI fechada sem trazer o Élcio novamente. E ele tem que voltar como denunciado mesmo, porque tudo recaía sobre ele e sobre o Roberto Dias (ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde).

O presidente Jair Bolsonaro deve ser enquadrado em quais crimes? A CPI tem provas suficientes para ligá-lo diretamente aos casos de corrupção?
Acho que em relação à primeira fase da CPI, há elementos. É o negacionismo, é crime de epidemia, crime contra a saúde pública. Isso é crime de responsabilidade, está caracterizado e tipificado, aí cabe à Câmara dos Deputados levar esse assunto adiante ou não. No caso dos crimes contra a administração pública, a única coisa que eu acho que vai aparecer no relatório é a questão da prevaricação, que está confirmada.  Não foi negado que os irmãos Miranda levaram no dia 20 de março ao presidente da República a cópia daquela invoice, que é verdadeira. Tanto Elcio Franco quanto o ministro Onyx tentaram descaracterizá-la, porque era a prova cabal de que aquele documento estava nas mãos dos irmãos Miranda. Então, no caso da prevaricação em relação a esse esquema você pode ter ali indiciamento dentro do relatório, cabendo ao Ministério Público investigar. Só não vamos esquecer que o presidente confirma que teve a conversa, ainda que diga que repassou para o ministro Pazuello. Essa história é o Ministério Público que vai ter que investigar.

Como a sra. vê o apoio de parte da sociedade e de uma parcela das forças de segurança às teses golpistas e antidemocráticas do presidente?
O Supremo está preparado, o Congresso Nacional não vai fechar as portas, nós não vamos nos intimidar. O Congresso Nacional vai estar atento, pronto para defender o tempo da nossa geração, que é o tempo da democracia. Não existe outro tempo. O tempo contrário à democracia pertence a um passado que não vai voltar. Não há só instituições, mas homens e mulheres valorosos prontos para, de forma equilibrada e pacífica, defender a democracia. Esse desgoverno cria crises artificiais, porque não tem uma palavra de consolo à dor e à saudade de quem perdeu entes queridos. Não tem um projeto de pós-crise econômica, aposta em reformas que não são reformas. Não são nem liberais, são reformas que que agradam a nichos de lobistas, como foi a MP da Eletrobras, uma vergonha. Dou esse exemplo para dizer que isso vai acontecer também com o projeto dos Correios, isso está acontecendo agora com todas as medidas provisórias que vêm (do Poder Executivo), como essa da prorrogação da suspensão dos contratos trabalhistas, onde colocaram uma minirreforma, restringindo até o direito de acesso à justiça gratuita daqueles que mais precisam.  Eu, que sou reformista, a favor de uma agenda liberal, não voto nesses projetos.

O governo tem sido pressionado a abrir mão da indicação do André Mendonça. No que vai dar a sucessão do ministro Marco Aurélio no STF?
Uma coisa é o voto de cada senador, outra coisa é o direito do presidente da República indicar um nome e esse nome ser incluído na pauta para deliberação. Há um mínimo de prazo para que nós nos organizemos, principalmente pela pandemia, mas também há um máximo de prazo. Nós temos que pegar a média dos outros ministros para ver que, no caso do André Mendonça, esse tempo já está passando da média. Uma coisa é você dizer “eu vou pautar depois do Sete de Setembro, porque não dá tempo de organizar a vinda novamente dos senadores”. Outra coisa é dizer “vou aguardar os acontecimentos”, em uma utilização indevida da presidência da maior comissão do Senado para barganha, ou qualquer tipo de negociação. São coisas distintas.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Político deveria cortar as cordas vocais p/ sequer ser tentado de falar. Teriam alguma credibilidade... mas bastam abrir a boca para vc ter certeza de q se trata de gente medíocre, inculta, ignorante, sem capacidade de elaborar um raciocínio complexo, falsa igual nota de 7, completamente “guiada” por platitudes, explicações rasas, deduções rasteiras, simplórias e preconceituosas... nada obstante, a cara de pau, a injustificável autoestima e a cegueira fazem não perceber o qto ridículos são...

  2. Senadora Simone é uma digna representante da sociedade brasileira, que está a merecer um tratamento melhor do seu partido, MDB.

  3. Essa velha mocréia se dignar a ficar do lado dessa tríade do mal já diz tudo. Se fosse uma mulher digna, mesmo não gostando do PR, jamais aceitaria fazer parte dessa vagabundagem, aí já é se rebaixar demais. BOLSONARO 2022, a última TRINCHEIRA contra o comunismo.

  4. Simone Tebet na CPI da covid parece que está a fim de punir ladrões, porém em 2017 votou a favor da manutenção do mandato de Aécio Neves, após o STF tê-lo afastado do cargo (os 2 milhões de reais que pediu à JBS). Quanto a Kássio Kopia e Kola, não se sabe se votou a favor ou contra, mas um "sim" não me surpreenderia. Quanto à prisão em segunda instância, pela qual aparentemente lutou, nada mais fala. É moralmente muito superior a Lula e a Bolsonaro, mas não é lá essas coisas.

  5. Sen. Simone Tebet, possue experiência e escopo político, moderada, e de bom senso; que muito marmanjo de longo tempo de congresso não adquiriu. Opção viável.

    1. Seu nickname já demonstra o que vc é. Um lixo insignificante.

  6. A senhora deveria se envergonhar em colaborar com o trio terror, na CPI. Caminhar junto com Renan Calheiros e Aziz, pessoas que têm um passado no mínimo questionável, demonstram que seus objetivos não são tão claros quanto a senhora faz crer!! Triste!!

    1. Diz aí, seu Celso, quem é seu político de estimação. A que grupo ele pertence? Como tem idiota comentando por aqui...

  7. 🇧🇷 *PESSOAL DO GRUPO*, 🇧🇷 *acabei de receber essa notícia...* *Todos.Precisam.Ler.us* Sobre a manifestação do dia 07/09, todos sabemos, porém, tem alguns detalhes. Uma grande e vasta Associação de Advogados, inclusive advogados que derrubaram a ex-presidente Dilma Rousseff, o Presidente da Associação do Agronegócio, o Presidente da Associação de Criadores de Gado, o Presidente da Associação dos Exportadotes de Soja,... O cabeça de toda essa mobilização é o advogado e jurista Dr. Ivis Ga

  8. Que decepção Senadora Simone, na CPI a senhora provou para os eleitores que é mais uma do mesmo, ou seja, farinha do mesmo saco do Renan, Aziz, Randolfe, Humberto Costa, tinha muito respeito e confiança na senhora mas depois do que eu vi na CPI a senhora saiu do cabo, despencou. O Sr. seu pai Ramez Tebet deve estar se virando na sepultura, não está reconhecendo-lhe pelos seus atos na CPI e no Senado.

    1. Edmilson, o Sebastião gosta mesmo é do Senador Jorginho, do Luiz Carlos Heinze, do Eduardo Girão, do empolado Marcos Rogério, do Fernando Bezerrinha, do Flavinho Rachadinha... Está muito bem acompanhado.

    2. NÃO LIGA PARA O QUE O GADO DO BOÇALNARO FALA. SABEMOS E VEMOS QUE A NOBRE SENADORA TEBET É BRILHANTE!

  9. Hipocrisia continua, golpe é tentar tirar um presidente sem provas, que está sendo perseguido desde que ganhou no primeiro turno.

  10. A senadora Simone Tebet é uma excelente opção para os brasileiros em 2022. Bons candidatos não faltam. É preciso unir forças para mudar o rumo desse combalido Brasil.

  11. Demonizar o tratamento precoce da COVID é ser tão negacionista quanto o PR. Uma cretinice não justifica outra. Milhares de médicos prescreveram o tratamento precoce e salvaram centenas de milhares de vida. As estatísticas no Brasil são feitas no joelho e por isso não são confiáveis. O fato de senadores, covardemente, constrangerem alguns médicos, não desqualifica o sucesso desse tratamento, seja com cloroquina, ivermectina ou nitazoxanida.

    1. Conta, vai, que tu toma ozônio. Por que negar, se te faz tão bem?

  12. Simone vc amanhã deve explicar a população sua atual aliança com Renan na CPI. tudo que vc falou na eleição da mesa de 2020 não vale mais? Coerência é mínimo que se espera de uma mandatária eleita

    1. vamos ver quantas pessoas ela leva pra Paulista amanha

  13. A entrevista da senadora Simone Tebet provocou vários questionamentos, mas citarei apenas os que considero mais relevantes:1.Ela citou que há quatro anos combateu a eleição do senador Renan Calheiros ,para presidente do senado. Mas não disse o que achou de sua eleição para relator da CPI, e da escolha do Presidente da referida Comissão, assunto mais atual, que despertou muito interesse. 2. Seria possível alcançar o objetivo da CPI ,citado por ela, sem a convocação de governadores e prefeitos?

  14. SIMONE TEBET E ALESSANDRO VIEIRA SÃO GRANDES SENADORES. ESPERO QUE ESTEJAM JUNTO A MORO E AOS DEMAIS EX INTEGRANTES DA LAVA JATO NA MAIOR MISSÃO DE SUAS VIDAS. VAMOS VENCER🚔⚔☠💪✌

  15. Só dois jumentos vivem de Passado , Bozobosta e Lulaladrao,; Lulaladrao ,quer voltar a dar Picanha e cerveja para o Povo!!Bozobosta, só fala dos Governos do Lulaladrao e Dilma; vocês são tão ignorantes que o inimigo de vocês , Bovinos, não é o Lulaladrao, é o Desgoverno do Dono de voces !!! Cambada de Picaretas !!! Dia 12/09 Promete!! E os bovinos só Ajudam! Kkkkkkkk

  16. O Jumentos, Bozobosta deixou de financiar os trilhões de reais para ; Globolixo, Cuba,Venezuela e o cacete a quatro , agora me digam quando começa a gastar toda esta Grana guardada , estamos na Economia , Hídrica , Precatórios e Desemprego Inflação tudo fudido????Está esperando o Lulaladrao para começar a gastar???Voces são muito Burros!!!

  17. Apareceu outro Bozobosta , será que ele nao aprendem que o contraponto dedes jumentos é só conspiração, ontem assinou a carta , mas os bovinos disseram que foi dedo da China Comunista, cambada de otario, tem maioria na câmara , tudo salafrario , só não conseguiu corromper o Pacheco , aí a senadora fala as verdades , saem no grito tentar explicar que Roubo não é Roubo !!!

  18. senadora a base de toda essa conspiração contra o Presidente Eleito pra combater o sistema que a sra veementemente faz parte e defende existem os TRILHOES que deixaram de ser desviados pro BNDES financiar os " empresarios" locais e governos " socialistas" corruptos e caloteiros aliados do lulismo Trilhões pagos a Globo e toda a imprensa e " intelectuais, ambientalistas e artistas" beneficiados pelo lulismo A Sra tem a desfarçatez de se aliar agora a Renan Calheiros e sua cpi que desrespeita ?

    1. Presidente eleito para combater o sistema? Pelo visto, com a ajuda do Centrão, do PGR, do Cassio Nunes Marques e até do Michel Temer!! Vc pediu a Deus para ser imbecil, mas abusou! Seu presidente NOCIVO é um corno frouxo! E eu não sou lulopetista, não! O Lula NEFASTO deveria estar preso!

    2. Tamanha “desfarçatez”… ótimo.. 10 - 9,5 em português kkk

    3. Há grande confusão entre o eventual desempenho de participantes na CPI, e suas prerrogativas institucionais , com possíveis “alianças” como vc insinua entre Tebet e Calheiros . Se estes são mensageiros de péssimas notícias , sinto muito ! Importa saber que notícias são estas e se estão baseadas em fatos e provas . A ponto de tipificar crimes .

    4. Bolsonaro é parte desse sistema corrupto q assola o Brasil. Rachadinhas, mansões dos filhos, gastos com cartão corporativo... Flávio Bolsonaro participar de uma festa de lobista, q serviu um vinho, cuja garrafa custa 45 mil, é ir contra o sistema? BNDES, o FB acompanhou o dono da Precisa até esse banco. Para o brasileiro ñ interessa se o PT trabalha p/ fulano e o Bolsonaro p/ sicrano. Interessa sim, um PR que trabalhe para o Brasil. Moro foi cobtra o sistema corrupto e irá de novo. Moro 🇧🇷

  19. o ACORDÃO dos DEGENERADOS MORAIS para NÃO PAUTAR o IMPEACHMENT do BOLSONARO! os EXEMPLOS EXECRÁVEIS que uma SOCIEDADE tão CORRUPTA é capaz de produzir! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

  20. Boa a entrevista e Tebet é combativa, fez algumas boas atuações mas, sempre o "mas", votou a favor de Aécio Neves e tem uma história mal contada, de interesses sobre sua fazenda e terras indígenas onde ela devia se abster por conflito de interesses. Então que continue senadora, é o suficiente.

  21. Coitada da DEMOCRACIA, sempre ela, essa senhora fez o que até agora pelo Brasil? Ficou ou fez desconto em seu salário e mordomias? pressiona o senado para votar matérias importantes para nós ou fica disfarçando? todos + todos estão é se lixando pro povão, ficam só nas palavras, eu particularmente estou e de s... cheio. Moro 2022

  22. Não sei pq Crusoé/antagonista insistem nessa senhora como bom nome. O MDB é expressão máxima do centrão e não do centro. Ela é filha de alguém que já esteve com os maiores demiurgos da política brasileira https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ramez_Tebet (basta ver a foto em seu funeral). Anos e anos na política, representante clássica da velha. Não declarar o voto no Aras é só uma das provas. Mais do mesmo, não representa mudança alguma.

  23. Simone Tebet, sempre foi combativa e eu a admirava....porém conheci ,durante a CPI da Covid, um lado sombrio e não nobre de sua pessoa. Não confio mais nela. Ela quer holofotes.

  24. A Simone tem dado bons exemplos do político que queremos ter como opção de bom governante. Se mostra como uma boa opção para a terceira via.

    1. Depois de 4 anos de misogenia agressiva, Simone poderia trazer ares novos e sábios para a governança desse país. Seu nome traria eleitores em massa se compusesse uma chapa para vice ou presidência da república, eu seria um deles.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO