Carlos Fernandodos santos lima

A corrupção em transformação

23.07.21

A verdade pura e simples é que boa parte dos nossos políticos não se importa realmente conosco, povo brasileiro, e a aprovação do fundo eleitoral de 5,4 bilhões de reais é a definitiva confirmação disso. Para eles somos apenas números, cabeças de gado nos seus supostos rebanhos, como na música Admirável Gado Novo, de Zé Ramalho: “povo marcado, povo feliz“. A preocupação deles com a nossa república só vai até o ponto de não a deixar morrer exangue, de não matar a galinha dos ovos de ouro. A atual classe política age como clãs de vampiros a nos encurralar — aqui no sentido de nos manter em seus currais —, usando de nossos preconceitos e medos para não nos deixar sair, enquanto entregamos nosso sangue na forma de impostos para alimentarmos suas ambições pessoais.

Isso vale para a esquerda, com seus discursos fáceis de utopias de igualdade absoluta a serem atingidas pela firme liderança de seus iluminados guias, como também para a direita, amante de utopias de liberdade plena, guiada por uma entidade metafísica chamada mercado. Nenhuma delas está realmente preocupada com a realidade, mas apenas em nos usar como massa de manobra de seus interesses. Os iluminados guias da esquerda no Brasil cada vez mais se parecem com as locomotivas da direita, pois todos justificam seus malfeitos com o mesmo bordão: roubo, mas é pelo bem do país —como se o “rouba, mas faz” da direita, ou o “rouba, mas tem programas sociais” da esquerda fossem de qualquer forma justos, corretos ou, em uma visão meramente utilitarista, realmente eficientes.

Mas nem sequer essas justificativas são verdadeiras, pois o que ambas desejam do fundo do coração é exatamente o mesmo: chegar ao poder e mantê-lo o mais longo tempo possível. Poder pelo poder, pelas benesses do poder, pelos presentes do poder, pela vaidade do poder, pela ambição do poder, apenas. A questão é: nós, povo brasileiro, merecemos isso? E talvez até mereçamos pela nossa passividade e por nossos medos e preconceitos.

Isto porque ficamos nas redes sociais arrebanhados por notícias falsas e por uma polarização sem sentido, quando tudo não passa de estratégia de marqueteiros para nos manter como cães raivosos na internet, mas passivos fora dela. Tudo o que aconteceu no Brasil, com a degeneração dos ideais da Nova República, com a substituição de lideranças históricas por caciques fazedores de dinheiro, com uma corrida para roubar mais para se eleger e eleger o máximo de correligionários possíveis — tudo isso é esquecido e substituído por discursos de ódio, de uns contra outros, que não fazem qualquer sentido.

Alguns vão dizer que nossos políticos são o reflexo da sociedade brasileira, o que não é verdadeiro, mas apenas uma forma de nos culpar para além de nossa omissão e passividade. Não somos um povo ladrão, corrupto ou desonesto. Todas as vezes que ouvimos esse lugar-comum devemos perguntar para a pessoa que afirma isso se ela se considera ladra ou corrupta, e creio que ninguém admitirá isso. O que fazem é se retirar da categoria “povo”, preferindo imaginar-se uma elite esclarecida diferente da “turba” que chamam povo. Em realidade, somos todos povo, todos passageiros deste mesmo barco chamado Brasil.

Contudo, nossas elites brasileiras, aqui incluídos os políticos, querem realmente ser algo diferente do “povo”, talvez refletindo nossa estrutura colonial hierarquizada entre nobreza e plebe, entre aqueles que têm e podem e aqueles que apenas sobrevivem, entre os que recebem as benesses da lei e os que enfrentam a sua rigidez. O que temos, portanto, é um sistema de duas castas, em que ascender socialmente significa alcançar essa elite de poder, dinheiro e influência e escapar da vida comum de trabalho e impostos.

Infelizmente, para piorar ainda mais esse sistema de castas, os exemplos que grande parte dos políticos nos passa é o de que vale a pena usar meios imorais, desonestos e até mesmo criminosos para a ascensão social e o sucesso. Diante disso, o correto é dizer que nossos políticos não são reflexo do nosso povo, e sim maus exemplos de um sucesso à custa da sociedade brasileira.

Essas colocações são a única forma de compreendermos nossa história, especialmente a da corrupção endêmica que sofremos. A apropriação do estado e do interesse público por interesses privados, que era a regra das relações no Brasil colonial e durante a monarquia, não poderia resistir aos ideais republicanos, pois república significa res publica, coisa pública em latim, sendo incompatível com ela um sistema em que todos não fossem formalmente iguais. Assim, durante a história republicana, a apropriação pessoal do interesse público migrou da luz dos candelabros da corte para mal iluminados quartos de hotel e corredores de palácios. E a quebra da confiança republicana por servidores e autoridades tornou-se a corrupção que todos conhecemos.

O que se desenvolveu durante boa parte de nossa história, entretanto, foi um sistema de corrupção atomizado, com políticos criando seus pequenos feudos em órgãos e estruturas do estado, sem uma clara hierarquia. Mesmo as grandes lideranças políticas do passado faziam vista grossa para seus correligionários que roubavam, denunciando apenas a corrupção de seus opositores políticos. A realidade era que ninguém acreditava que qualquer coisa acontecesse na Justiça, vigorando um sistema de impunidade implícito quando os crimes fossem cometidos por pessoas poderosas.

Esse sistema cresceu exponencialmente durante a Nova República, chegando alguns caciques a formar bancadas próprias de deputados federais do baixo clero. Tudo, entretanto, mudou com a chegada do Partido dos Trabalhadores ao poder federal. Esse partido, que construiu boa parte de sua justificação histórica no combate à corrupção da direita, ao chegar à Presidência da República instituiu um sistema de controle centralizado da corrupção federal por meio de seus tesoureiros. Assim, como revelado na Operação Lava Jato, em vez de se permitir negociações individuais de propina entre empresários e servidores públicos, houve a instituição de uma taxa de cerca de 3% sobre o valor dos contratos, divididos entre a “casa um”, a alta administração do órgão público, colocada ali por indicação política, e a “casa dois”, os partidos ou políticos responsáveis pelo apadrinhamento.

Esse sistema gerou fluxos regulares de valores para a classe política, em troca de apoio partidário ao governo, método parcialmente revelado no escândalo do mensalão que tramitou no Supremo Tribunal Federal. Depois disso, veio a Operação Lava Jato, que definitivamente mostrou para a população que esse esquema não somente se dava no governo federal, com a Petrobras e Eletrobras como exemplos mais relevantes, mas também em governos estaduais, como o governo do MDB no Rio de Janeiro e o governo tucano em São Paulo. De repente, aquilo que era subentendido como regra do jogo político, a impunidade dos políticos, foi subvertida por um Ministério Público Federal independente, por uma Polícia Federal autônoma e por um Judiciário realmente corajoso.

Entretanto, em um movimento de reação à quebra dessa regra implícita da impunidade, a classe política se uniu, utilizando-se não somente dos mecanismos formais de controle dos órgãos públicos, mas também de uma cúpula do Judiciário que foi lá colocada por representar os mesmos interesses, e passou a retaliar instituições, interferir em investigações, anular processos, perseguir membros do Ministério Público e destruir o arcabouço legal de combate à corrupção.

Agora, também como reação à Operação Lava Jato, surgiram os fundões eleitoral e partidário, as emendas impositivas no Orçamento federal e o orçamento secreto comandado pelo presidente da Câmara dos Deputados, tudo a revelar uma mudança nos métodos de apropriação do dinheiro público pelos políticos. Como as empresas encontram-se cada vez mais refratárias a se envolver em corrupção, o sistema político simplesmente deixou de lado qualquer pudor para se apropriar diretamente das tetas do governo. Agora pagamos sem intermediários, direto do Tesouro Nacional, a compra de partidos e correligionários, a manutenção no poder de elites políticas e o abuso do poder econômico nas eleições. Com Rodrigo Maia e Arthur Lira, finalmente a classe política chegou ao paraíso.

Podemos assistir a tudo isso, como aliás faz boa parte de nossa grande imprensa, dizendo que a política é assim mesmo, que se trata apenas uma guerra de versões igualmente válidas, ou como ignorantes dos valores constitucionais que deviam guiar nossa democracia e república. Em outros tempos, abusos como esse levavam pessoas com forcados, foices e tochas para as ruas, pois era a maneira de serem ouvidas. Agora, quando a única coisa que os políticos ainda temem é que o povo desperte de sua letargia, precisamos de faixas, buzinas e panelas nas mãos de milhões de brasileiros, nas ruas, janelas e redes sociais, para reverter esse cenário deprimente, pois de outra forma eles vão se apropriar definitivamente do sangue de nosso trabalho e da esperança de um futuro melhor.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Reflexões cada dia mais primorosas! Tanto do ponto de vista do conteúdo quanto da forma. Uma lição de competência, sensibilidade crítica e cidadania. Parabéns Carlos Fernando.

    1. Tudo que o "caminho do meio" sonha. Já até imagino o Lula bradando aos quatro cantos do mundo: "tá vendo só o que o power point do Dallagnol não mostrou? Não mostrou que era o projeto de poder dele e do Moro, foi por isso que me condenaram sem provas, queriam o meu lugar". Misericórdia, não vou ter paciência pra ouvir isso daquele sujeito. Affff... Sérgio Moro não merece isso!

  2. Como sempre excelente. Seria muito bom se decidisse se candidatar a algum cargo político. Precisamos mudar esse cenário e a presença dele no congresso seria um bom começo. Se for governador escolha o Rj por favor.

  3. Estamos diante de novas manipulações de informações em massa como através das redes sociais. O cabresto continua ser a antiga e atual maneira de condizir os rumos e interesses daqueles que se beneficiam com todo este cenário. Até quandi vamos suportar calados?

  4. Concordo com tudo o que você escreveu e que precisamos sair da apatia. Estou, aos 83 anos de idade, pronta para ir às ruas lutar contra esse estado de coisas e exigir mudanças. Para que isso aconteça é preciso que pessoas como você, Moro, Mario Sabino, Carvalhosa e outros líderes se unam e liderem um movimento para despertar e estimular grande número de pessoas, também insatisfeitas, para começar um movimento popular para exigir essas mudanças. Podemos fazer a nossa parte.

  5. É desesperador ver tudo o que o MPF, na verdade, seus representantes de Curitiba, serem perseguidos pelo bom trabalho executado. Vamos lutar para que haja uma terceira via. Ainda que não seja a solução, ao menos será melhor do que Lula e Bolsonaro, nada pode ser pior do que essas duas escolhas.

  6. Com as gangues que atuam no congresso espúrio não há reforma que mude sua essência, a corrupção, só com muita pressão da sociedade e buscando renovação de seua componentes e que um mínimo de decência volte a esse congresso e nós pararemos de sustentar quadrilhas.

  7. Este artigo é excelente mas menos gente lê artigos grandes. Se o autor conseguisse resumi-lo, ele seria lido pelo grande público como mais uma forma de alerta aos brasileiros do bem.

  8. O Brasil gasta bilhões com tribunais de contas, corregedorias e um enorme aparato de combate a corrupção para nada, basta um Gilmar Mendes para bloquear qualquer tentativa de racionalidade e punição. Realmente só nos resta voltar a época do tacape e da pedrada.

    1. Verdade fica ainda mais dificil quando se tem um STF CORRUPTO

  9. Ousaria propor uma reforma partidária profunda, com a formação de 4 partidos de cunho ideológico para representar: à direita, a centro direita, a esquerda e a centro esquerda. Portanto, a essência e identidade dos partidos políticos será os respectivos programas. Exemplo: o PT pode representar a centro esquerda; PSDB, MDB, DEM, PP, etc, unidos num só partido representar a centro direita, etc. Nas campanhas eleitorais devem apresentar propostas com nos seus programas.

    1. E acham que os deputados e senadores votariam a favor de uma reforma que diminua os poderes que tem atualmente??? As coisas só mudam a força, muita força, entendeu???

    2. Aos sábados em casa tomo um porre e sonho soluções fenomenais, mas quando o sono vem, a noite morre, o dia conta histórias sempre iguais

  10. de partidos e de parlamentares. Isso ocorre em toda a federação, ou seja, com prefeitos e governadores. A falência da fiscalização a later dos recursos públicos e os instrumentos jurídicos protelatórios aceitos por um Judiciário disfuncional que anula processos que apuram corrupção à guisa salvaguarda de direitos individuais derrogatórios de direitos e interesses públicos que afetam milhares e milhões de brasileiros, fecha o circo da nossa tragédia. Como resolver?

  11. Caro Carlos Fernando, análise perfeita. O nosso sistema partidário está falido, quando se quis limitar a quantidade de legendas, veio o STF e erradamente derrubou a cláusula de barreira. Não há democracia parlamentar que funcione bem com mais de 30 partidos, sendo cerca de 20 deles de baixa representatividade e/ou de aluguel. Como os pleitos eleitorais impossibilitam o PR da república de formatar maioria parlamentar, precisa viabilizar a sustentação do governo mediante a compra de partidos e par

  12. O ambiente de pandemia, com ações emergenciais desses governos corruptos, potencializa os roubos e dificulta as manifestações populares.

    1. E quando ocorrem, são orquestrados por partidos políticos. A saída seria a renovação da classe política. Pouquíssimos elementos merecem a reeleição, mais como fazer circular essa constatação?

  13. Muito correto,a fábula do escorpião e a tartaruga cai muito bem a nos brasileiros ,acomodados ,esses políticos são uns escorpiões que estão nos enrolando diariamente dia e noite.

  14. A LAVA JATO NÃO MORREU NO CONSCIENTE DA SOCIEDADE BEM COMO NÃO PRECISAMOS DE HERÓIS MAS DE UM SENTIMENTO REVOLUCIONÁRIO DE JUSTIÇA QUE VENHA MOSTRAR QUE AINDA SOMOS CAPAZES DE FAZER A ESCOLHA CERTA. TEMOS QUE MANIFESTAR O APOIO AQUELES QUE MERECEM TODO O NOSSO RESPEITO E VOCÊ É UM DELES, POIS NÃO PODEMOS MAIS ESPERAR DOS POLÍTICOS ATUAIS ALGO QUE VENHA BENEFICIAR A SOCIEDADE. PORTANTO MAIS UMA VEZ REITERO QUE A SAÍDA SERÁ MORO PRESIDENTE E INTEGRANTES DA LAVA JATO PARA O CONGRESSO NACIONAL🚔🚔

  15. Hoje, 24/7/2021, o povo foi novamente às ruas pelo país todo, em protesto contra esse governo e seus inglórios apoiadores no parlamento, na missão vergonhosa de enriquecer às custas do dinheiro público… Enquanto isso, em suas motos caras e possantes, o mercado e seu mito de barro exibiam a força negativa que os une! Poder em massa contra a massa popular… Texto perfeito, como sempre, Doutor Carlos Fernando!

  16. Enfim, vcs insistem em um positivismo tecnocrático e ANTI democrático (estão redondamente enganados). Como se consideram iluministas iluminados e sempre viverem em bolhas de cretinos iguais, sequer fazem ideia q há algo diferente daquilo no qual foram adestrados (e muito menos passa pelos cérebros de galinha q podem estar errados!). Em suma: vcs irão insistir em vossa ignorância até conseguirem implodir o Brasil. O justo é q, obcecados em “mudar o mundo”, entrarão p/ a história como destruidores

    1. Bom, ninguém precisa se esforçar mais para isso. O Bozo Guariba já está pondo em prática a conclusão de se raciocínio. E parece q o plano já está em estágio bem avançado. Falta muito pouco para vivenciarmos uma Brazuella Bozolulista de inflação galopante e enorme miséria reinante.

  17. Mais: se a ignorância absoluta dos egressos das “universidades” fosse só economia, até estaríamos bem. O que mata o Brasil é esse positivismo marxista e tecnocrático no qual a Nação é doutrinada. Nossa democracia não é verdadeira, mas um tosco simulacro. Democracia VERDADEIRA é a americana ONDE o cidadão realmente DECIDE por meio do voto distrital PURO e da DESCENTRALIZAÇÃO política, administrativa, legislativa e fiscal. VCS, da imprensa e do “direito”, nem tocam no assunto (má fé? Ignorância?)

    1. O que mata o Brasil é a corrupção e suas consequências. Essa câncer maligno está em estágio avançado no Brasil e vai desde a extrema esquerda lulista até a extrema direita bozista. Uma intervenção cirúrgica para tirar o câncer Bozo do poder é de extrema urgência, mas se não vier alicerçada numa terceira via decente (o que ainda não existe), a metástase será o resultado final e veremos o corpo morto e nauseabundo tomando a forma lamentável de uma Brazuella Bozolulista.

  18. “...entidade metafísica chamado mercado” —> típico “entendimento” (pausa para gargalhadas!), ou fake news mesmo, fabricado nas madrassas brasileiras (faculdades de humanas). Leis de mercado são como leis da gravidade: funcionam independentemente do contexto. Um prédio de pé, um foguete subindo, um prédio mal construído que caiu: nos 3 casos, a lei da gravidade funcionou da mesma maneira! Leis de mercado funcionavam na Babilônia, no Egito dos Faraós, na URSS, no Brasil, etc!

  19. É de mentes brilhantes como essas que o Brasil 🇧🇷 realmente precisa, não de um ex-presidiário (libertado pelos digníssimos ministros do STF) ou de um autointitulado MITO. Continuando dessa forma, com esses espécimes políticos que dispomos, brevemente teremos vergonha de nos dizermos brasileiros.

  20. Precisamos reprisar os movimentos de 2013, e invadir o Planalto, Câmara, Senado, STF, STJ, PGR, enfim todos os poderes constituídos, e mantidos com nossos impostos, antes de nossa rendição final. O rastilho de pólvora já está preparado, só falta alguém acender, e o MORO e pessoas como esse articulista assumirem as rédeas desse país.

    1. Caro Carlos, vc não está só, de fato, mas está numa irremediável e significativa minoria. O grosso da população ou é ingênua ou ignorante. 70% do eleitorado brasileiro vota por conta de programas assistencialistas manipuladores (tipo bolsa-família, minha casa minha vida etc), por tijolos, telhas e camisetas. E sabe qdo isso vai mudar? Nunca..jamais..somos um país do 3º mundo, e lá permaneceremos sabe-se lá até qdo.

  21. Excelente texto! Enquanto o povo não se posicionar firmemente, continuaremos nossa realidade-Revolução-dos-Bichos em que « alguns são mais iguais que os outros ». E as Lava-Jatos continuaram a ser massacradas para garantir que esse estado de coisas se perpetue.

  22. Os políticos são espelho da sociedade brasileira, tendo seus defeitos. Reflete os dentistas e profissionais que sonegam impostos de renda, os favelados com seus "gatos" de energia, os funcionários públicos que criam dificuldades para vender facilidades, os policiais que vendem proteção, os furadores de fila da vacina. Elegem gente semelhante a eles. Em 2018 tivemos um renovação enorme de CPFs no CN. Novos CPFs com os mesmos defeitos dos que foram alijados.

    1. Queria ter esse otimismo. Continuo acreditando que se tudo correr bem nós estamos lascados. Pra não dizer outra coisa.

    1. Talvez o povo decida sair da letargia tarde demais para voltar a ser respeitado. O povo é usado através do voto, para legalizar o que é imoral, a corrupção e o poder desses sugadores.

  23. Tristemente perfeita descrição de nossa realidade. A esperança que a Lava-jato nos trouxe está sepultada na Praça dos Três Poderes.

  24. Normalmente concordo com as sua coluna. Mas é esse povo que bateu palma para o fim da lava jato e bate palma para Lula e bozo

  25. A MELHOR coisa que aconteceu no Brasil, na minha opinião foi a Lavajato. A partir dela ficou compravado toda a roubalheira e sociopatia desses corruptos. Por isso eu só irei votar em um Candidato que NUNCA foi político, mas que SEMPRE fez o que é CERTO. TODA a minha confiança na PESSOA de vocês, Heróis Nacionais da Lavajato.

  26. Pena que a maioria dos eleitores brasileiros não têm esse entendimento, ainda acreditam em pesquisas fantasiosas.

  27. Só temos a possibilidade de ‘limpar’ executivo e legislativo. A pior corja é a elite do judiciário, indicados por bandidos a cargos vitalícios.

  28. Diagnóstico perfeito. Mas quando vamos construir a saida deste caos? A sociedade brasileira irá sucumbir aos bandidos? Só depende de nós.

    1. Concordo com o Luís e o Fernando, não basta elogiar as sábias palavras de Dr. Carlos Fernando,temos que nos indignar,cobrar reformas que nos beneficiem,nos organizarmos,sair às ruas e praticar nossa cidadania adormecida.

    2. Luiz, a juventude atual, catequizada pelo PT por meio de seus professores nas escolas e universidades, transformou-se num rebanho idiotizado incapaz de qualquer discernimento politico ou social. Não vejo saída a curto prazo, infelizmente.

  29. Bravo, muito real e verdadeiro. E sem chances de mudar. Estamos aprisionados nesse modelo e a maioria não percebe. Viver nas ruas, em protesto, o tempo todo, foi o que sobrou, mas é inviável. Una-se ou baixe a cabeça ou deixe o país.

  30. Excelente análise! É uma pena que pessoas como Carlos Fernando, Sérgio Moro, Mario Sabino, Modesto Carvalhosa e vários outros respeitáveis cidadãos não possam se unir e usar de sua condição de homens públicos para formar uma corrente que ajude o cidadão comum, que não tem voz nem influência, a sair desse atoleiro, apontando uma terceira via! Precisamos da união de pessoas honestas, sérias, competentes em suas áreas de atuação para nos auxiliar nessa tarefa hercúlea que é salvar o país!

  31. Meu caro Procurador, mais uma vez lhe aplaudo e desta vez, classifico seu artigo como fundamental em relação à nossa realidade nacional e visceral no detalhamento de fatos e circunstâncias. Vou-me permitir a imodéstia de confessar que seu artigo reflete integralmente minha concepção exata da disfunção política, social, legal e moral do nosso país e seus diferentes tópicos tem sido há muito tempo o único assunto e argumento de meus comentários. Parabéns, vamos abordar agora o problema da 3ª Via?

    1. Fernando, não é só STF que é um ponto fora da curva da normalidade democrática, o sistema todo é inoperante no sentido de promover a sobrevivência e bem estar da Nação e é por isso que tem que se discutir uma 3ª Via, não de nomes, mas de soluções, de plataformas e programas de governo.

    2. Amigo, com esse nosso stf a 3a. via seja quem for, não conseguirá governar. É isso.

  32. Pois é, pessoas capazes de mudar os rumos desse país nós temos: Carlos Fernando, Sérgio Moro e muitos outros, até mesmo já integrantes do próprio legislativo; no entanto, falta à maioria do povo brasileiro cultura e em extensão maior educação política, sem as quais ficamos à mercê desses políticos profissionais da ladroagem, apoiados, infelizmente, pela banda podre do judiciário!

  33. os EXEMPLOS EXECRÁVEIS que uma SOCIEDADE tão CORRUPTA é capaz de produzir! São DEGENERADOS MORAIS que IMPEDEM o BRASIL de AVANÇAR! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

  34. Artigo revelador e esclarecedor da situação que vivemos, passado e presente, porém o futuro depende de nós, o que será difícil, com uma grande massa semi analfabeta que grassa em nosso país, não conseguindo discernir entre verdadeiro e falso, fato ou fake, o que será de nós???

  35. Parabéns! Retrato fiel da evolução histórica da corrupção endêmica imposta ao povo brasileiro por uma classe política desprezível, por alguns canalhas transvestidos de Juízes da Suprema Corte e por traidores instalados nos mais diversos cargos do Executivo. Em fantasia, imagino às vezes, que a única saída para reverter essa situação seria o surgimento de um "Rosbepierre" brasileiro que "guilhotinasse", à guisa de exemplo, meia dúzia desses malfeitores, e depois saísse de cena.

  36. Lucidez, vc tem lucidez. É bem isso q.tb sempre comento, enquanto a educação pública estiver a serviço da promoção da ignorância do povo, será difícil uma eleição sem "mitos", corremos o risco de sermos sempre um "povo marcado povo feliz".

    1. Quaquaqua.. Escola austrîaca de Economia..aparece cada um por aqui.. insisto: o problema brasileiro é um só - a desonestidade e a afeição do povaréu pelos falsos heróis muito bem encarnados pelos milhares de Odoricos Paraguassu que continuam infestando as elites brazucas.

  37. O mercado não é uma entidade metafísica. É um processo, ordenado, que surgiu e se consolidou espontaneamente a partir de incontáveis interações entre seres humanos de carne e osso, ao longo dos séculos. E assim o foi pela sua admirável capacidade de resolver problemas reais. Sugiro ao autor beber mais da rica fonte da chamada Escola Austríaca de Economia.

    1. Não podemos nos esquecer que por traz desse mercado está nosso capitalismo de "quadrilhas"!

    2. Sobre se o mercado resolve problemas reais de moradores de favelas: certamente sim. Muito mais que o estado, que tende a causar problemas ao invés de resolver. Os empregos "informais" dos quais muitos desses moradores tiram seu sustento, por exemplo, são a solução de mercado para o problema da mão pesada do estado na tributação dos empregos formais.

    3. Sobre confundir o conceito de mercado com "prodígios de Wall Street" ou com a "mão invisível", faço a mesma sugestão que fiz ao autor: estudar a Escola Austríaca de Economia.

    4. Sobre Hayek NÃO ter defendido renda básica universal: https://www.google.com/url?sa=t&source=web&rct=j&url=http://scholar.google.com.br/scholar_url%3Furl%3Dhttps://www.independent.org/pdf/tir/tir_24_3_02_rallo.pdf%26hl%3Dpt-BR%26sa%3DX%26ei%3DtyH8YL6ULYjwmAGbxafwCQ%26scisig%3DAAGBfm3c4TFx4qHEAqjdjjPej8VtVonmVQ%26nossl%3D1%26oi%3Dscholarr&ved=2ahUKEwiguejL8_vxAhX4rpUCHY4LDGUQgAMoAHoECAMQAg&usg=AOvVaw1DBdasHL08jN1i0iYbkyPT&cshid=1627136452132

    5. Sobre como os empreendedores salvarão nossos empregos da inteligência artificial: https://youtu.be/95qNsOAIqvo

    6. 2- Ou ainda acha que a mão dos prodígios de Wall Street, resolve os problemas reais e de sobrevivência, do moradores de uma favela do Rio de Janeiro?

    7. 1- O mercado é uma entidade metafísica, sintetizada na frase de um dos seus maiores pensadores: "a mão invisível do mercado." Gostaria que vc comentasse do momento atual do Capitalismo, que com a inteligência artificial cada vez mais onipresente, gerará uma massa de pessoas sem trabalho. Que solução vc sugere para esse problema real? Hayek defendeu um renda universal. Vc acha que isso seria um caminho?

    1. A Democracia se conquista, não se ganha. Se ficarmos esperando ganha-la sabe quando vamos conseguir....?

    2. Não! Aponta simplesmente que grandes nações em momentos com esses se levantaram. A letargia do povo brasileiro é algo espantoso. Se não temos as tochas, foices e forcados, temos as redes sociais, carros,faixas e buzinas. Porém a ignorância da maioria paralisa a nação. A França que o diga.

    3. Com este Nick MC, era de se esperar um comentário CRETIHNo.

  38. Sensacional esta matéria lúcida, coerente e parabéns, tudo foi bem relatado, pessoas assim como vc deveriam compor o quadro da Crusoe. Concordo com tudo que li e acredito que vc concorde com a minha opinião a seguir: imagine o que seria o futuro de nosso país se não fosse o nosso PR Jair Messias Bolsonaro Abraços

    1. Recomendo ler o texto ou pedir alguém para ler para você, uma centena de vezes para talvez entender a dimensão do que foi tratado no artigo.

    1. Concordo. Lúcido, didático, para mim leitura essencial toda sexta feira. Expor o óbvio, nesse país, é também um ato de coragem. Parabéns!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO