AlexandreSoares Silva

Na rede da autodestruição

11.06.21

Todos nós temos na cabeça o pensamento que vai nos destruir um dia. Ele já está lá, esse pensamento – ou pelo menos um embrião dele, dançando nas nossas mentes, crescendo como um girino num lago.

Um dia ele vai virar um pensamento inteiro, verdadeiro ou falso, inteligente ou estúpido, banal ou brilhante, mas com todo o apelo que os nossos pensamentos têm para nós mesmos. E vamos sentir a vontade ingênua de que alguém mais compartilhe desse pensamento, porque – bom, por que não?

É uma questão de tempo para que a vontade de publicar esse pensamento seja maior do que a nossa prudência. E talvez seja o caso de que a vontade nem seja tão grande, é um impulso fraquinho, fraquinho de tudo, a pessoa digita enquanto está pensando no café que vai tomar, e ela só não se deu conta de que a multidão pode destruir a sua vida toda com base nesse pensamento inofensivo, nessa piadinha, nessa banalidade, postada e assinada.

Mesmo que você se acredite fora do alcance de qualquer risco de destruição, por ser a sua alma inteira politicamente correta, essa é uma segurança falsa. O risco na verdade é o mesmo. Sendo de esquerda, as coisas em que você acredita são conflitantes e irreconciliáveis umas com as outras, formam dois lados quase opostos – e no dia que você pender um pouquinho mais para um desses lados das suas crenças, vai ser massacrado pelos fãs do outro.

Você acredita, por exemplo, que as mulheres são oprimidas, e ao mesmo tempo acredita que são guerreiras fortes e poderosíssimas. Que elas sejam oprimidíssimas e ao mesmo tempo fortíssimas não lhe parece uma contradição. As duas afirmações não podem ser verdadeiras dentro do mesmo universo, mas podem ser verdadeiras dentro da mesma cabeça, e assim elas coexistem na sua. Mas no dia em que você decidir enfatizar um lado só – que são fortíssimas e guerreiríssimas, digamos – vai ser massacrado pelo seu próprios amigos feministas por deixar de frisar que são oprimidíssimas. E se disser só que são oprimidíssimas, vai ser massacrado também por deixar de dizer que são guerreiríssimas e valentíssimas.

Lamento dizer que as suas crenças são formadas por vários pares assim de afirmações irreconciliáveis, e por isso qualquer deslize que você cometa um dia, favorecendo um lado mais do que o outro (mulheres mais que transgêneros, digamos, ou gays mais do que negros) pode ser o passo em falso que vai destruí-lo.

Pensei nisso tudo por causa do Richard Dawkins, o biólogo – imagino que um bom biólogo, embora burro em tudo que diz fora da biologia. Semana passada ele twittou uma asneira sobre Kafka, e as pessoas reagiram com fúria e desdém. Já em 2015 o jornal The Guardian escreveu uma matéria inteira para perguntar se ele não estava prejudicando a própria reputação escrevendo tolices no Twitter. “Ele pode estar estragando seu legado a longo prazo!”, disse alarmado o filósofo Daniel Dennett (sem ponto de exclamação, isso fui eu que botei, mas alarmado mesmo assim). Bem, sim, está. O que mais estamos todos fazendo na internet?

Durante muito tempo esse era o risco de quem escrevia por profissão. Fale sobre todos os assuntos, e por mais moderado e tímido que seja, ocasionalmente alguma opinião sua vai irritar todo mundo. Até eu (digo “até eu” porque tenho uma certa tolerância às opiniões alheias) me irritei na juventude com o Paulo Francis, meu ídolo, veja, quando ele falou mal de Borges ou disse que Tolstói era superior a Dostoiévski, e fiquei meses sem querer ler a sua coluna.

Era, enfim, um risco de intelectuais e jornalistas. Mas agora todos escrevem o tempo todo; até atletas escrevem frases inteiras; nossos tios, primos e sobrinhos publicam aos poucos, na internet, mais textos em um ano do que Nietzsche publicou ao logo de toda a vida; e o que era um risco dos infelizes que escreviam para ganhar a vida é agora um risco de todos.

Li uma vez sobre um santo, esqueci qual, ou talvez um monge, que dormia segurando com uma mão os genitais, com a outra a boca, para se lembrar daquilo que precisava controlar; talvez devêssemos agora dormir com as mãos firmemente presas nas axilas, para nos lembrarmos de não digitar nada além do necessário ao longo do dia.

Se uma fada tocasse na cabeça de um homem qualquer na rua, e de repente todos os seus pensamentos fossem audíveis – quanto tempo levaria a multidão para linchar esse sujeito? Na verdade já estamos vendo a resposta: pois o Twitter, o Facebook, o Substack, o TikTok, o Clubhouse, e o Instagram também, são exatamente essa miserável fada.

Já é assinante?
Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Assine a Crusoé

*válido até 30/06/2021

Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Boas considerações, diante da falta de razão que nos aflige e se instalou e nos quatro costados deste planetinha irrequieto e resistente. Dizer a verdade? Quem quer ser ajudado? Vivemos a era da repetição da mentira. Diga só o que os outros querem ouvir. E mude sempre de lado. Esqueça Dawkins, Francis, Burke, Sabino, Mainardi e até você mesmo. E viva a distribuição de ignorância. Junte-se aos intelectuais bozistas, ou aos petistas, ou aos garantistas, ou a qualquer um. Não vai dar certo mesmo.

  2. Pior do que irritar as pessoas com o que se escreve é a existência do sensor supremo chamado STF. Ninguém precisa concordar com a opinião de ninguém, mas essa opinião precisa ter a liberdade de ser expressa.

  3. o mundo agora exige mais que coragem para escrever o que se pensa; exige coragem em ser o que se supoe ser. Pensar e expressar o que se pensa nunca foi um problema real; ser aquilo que se espressa é a questao brutal da vida. medie palavras é fácil o difícil é medir a si proprio pelas palavras (audíveis ou não) cabeça baixa é para os fracos e redes sociais é o suicídio coletivo do qual estou guardando os secredos para documentar depois de alguma forma viável.

    1. ... Detesto o Politicamente Correto. ... Sou totalmente Torto. ... O que não implica desrespeitar o pensamento dos outros - NÃO concordar!! . ... Que pensem o que bem entender pensar. ... Ponto!!!

    1. ... Excelente, KEDMA !!! ... Tenho preguiça de conhecer ou de opinar sobre tudo. ... Não sou uma Biblioteca e/ou Dicionário ambulantes. ... Muito menos um Friedrich Wilhelm Nietzsche.

  4. Sou uma tiazinha, mal dou conta de dominar o watsap, garimpo o YouTube. Adorava o Paulo Francis, ainda bem que deixou uma cria...rsrsrsrs....,nunca consegui ler Jorge Luiz Borges; minha inteligência não alcança, graças a Deus!

  5. A rede social é uma miséria auto imposta. Você pode escolher não fazer parte de nenhum site de foto ou fofoca. Eu, particularmente, só volto para o Facebook, Instagram ou Tweeter, quando os fabricantes de água sanitária decidirem que não precisam mais alertar nos rótulos do produto que não é para beber. Até lá, vivo feliz com minha Crusoé, meus livros, meu chianti e um bifão de picanha. MS

  6. Adorei a coluna. Boatos, bobagens e mentira houve sempre. O segredo é separar o joio do trigo. Não tem saída: educação e prudência. Por as mãos sob o sovaco já é um gesto genial.

  7. Vivemos, infelizmente, num mundo ainda pior, o das fake news no qual ideias boas são subvertidas para agradar (ou desagradar) alguém. Lamentável.

  8. Sim, todo cuidado é pouco; eu, praticamente, só acesso o Facebook, evito meter-me em polêmicas, e participo de um grupo de colegas formados em Medicina na década de 70, todos septuagenários; e descobri que há um pequeno grupo de colegas de excelente formação, mas radicais cloroquiners bolsonaristas; andei emitindo alguns contrapontos a esses mitômanos, e um deles me ameacou: cuidado, rapaz, vc tem filhos, e Marielle não morreu de bala perdida; desisti; ah, também jamais votaria em Lula...

    1. Que bom que a Crusoé e o Antagonista não recebem dinheiro de nenhum governo. Assim, podemos contar com fatos e não torcida. MS

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO