MarioSabino

Os maricas

20.11.20

Na cúpula dos Brics, o tirano russo Vladimir Putin elogiou Jair Bolsonaro com uma frase saída do século XVII, na minha estimativa generosa. Afirmou, que diante da pandemia, o presidente brasileiro “expressou as melhores qualidades masculinas e de determinação”. E explicou: “O senhor foi buscar a solução de todas as questões, antes de tudo, na base dos interesses do seu povo, seu país, deixando para depois as soluções ligadas aos problemas de sua saúde pessoal”. Em bom português, disse que Jair Bolsonaro vem sendo muito macho nas suas atitudes em relação ao pesadelo sanitário.

Vladimir Putin envenena os seus adversários políticos, expediente utilizado na Antiguidade por mulheres que, sem força física suficiente, recorriam à química para eliminar os seus algozes. Hoje, o envenenamento ainda é o método mais utilizado por serial killers do sexo feminino, juntamente com a asfixia, de acordo com um estudo conduzido em 2015, nos Estados Unidos, pela psicóloga Marissa Harrison, da Penn University. Ela explicou à BBC que “há teorias que dizem que elas escolhem esses métodos por serem parecidos com a morte natural e tornar mais difícil que seus crimes sejam descobertos. São menos brutais que outros. Só depois que a terceira ou quarta vítima morre em circunstâncias suspeitas é que começam a despertar desconfiança”. Desse ponto de vista, portanto, Vladimir Putin expressaria certa qualidade feminina.

Na Rússia, o envenenamento pode ser especialidade, mas não goza de exclusividade, obviamente. Os adversários do regime também podem ser mortos a tiros, que é mesmo coisa de macho, como todo mundo sabe. Um dos adversários abatidos foi a jornalista Anna Politkovskaya, que reportou ao mundo as brutalidades de Vladimir Putin e denunciou o seu objetivo (que viria a ser plenamente alcançado) de estabelecer uma ditadura no país. Ela foi assassinada no dia do aniversário de 54 anos do tirano, em 2006, executada com cinco disparos à queima-roupa, um deles na cabeça. Provavelmente foi um presente ao ocupador do Kremlin. Anna Politkovskaya expressava as melhores qualidades de um ser humano de qualquer gênero, com determinação e deixando para depois os cuidados com a sua saúde, como ficou demonstrado pelo seu assassinato. Recomendo vivamente a leitura do seu A Rússia de Putin — A Vida numa Democracia em Derrota.

O admirador de Jair Bolsonaro não é exatamente uma originalidade russa. Produto soviético, Vladimir Putin é a expressão de um país que jamais conheceu a democracia de fato, seja na monarquia, no comunismo ou depois do fim da Cortina de Ferro. Um dos que melhor definiram a Rússia foi o Marquês de Custine, aristocrata francês que viveu entre os séculos XVIII e XIX, era amigo de Honoré de Balzac e esteve por lá em 1839. Ele escreveu que “o governo russo é a ordem da cidade substituída pela disciplina do acampamento, o estado de sítio transformado no estado normal da sociedade”. As opiniões do Marquês de Custine incomodaram tanto o tzar que ele contratou gente para escrever livros que refutavam a sua visão. Quando se consegue depurar os seus escritos do racismo e da xenofobia, sobra uma verdade que vem se demonstrando irrefutável.

Se vivesse hoje na Rússia, o Marquês de Custine, só encontrável agora em alguns sebos parisienses, seria alvo de Vladimir Putin não apenas pela sua opinião, mas também por ser gay. Seria tratado como criminoso, embora a preferência não esteja configurada como delito na lei russa. Aparentemente, as melhores qualidades masculinas e de determinação do tirano não resistem à liberdade dos que expressam a sua própria homossexualidade.

Não canso de expor a minha perplexidade com a insistência desses senhores em fazer alusões de caráter sexual a tudo, de preferência ao esfíncter alheio. Já o fiz aqui na Crusoé. No caso do elogio de Vladimir Putin ao que seria a virilidade de Jair Bolsonaro, acho que a deixa foi a frase do presidente brasileiro dita dias antes, durante uma cerimônia no Palácio do Planalto: “Não adianta fugir disso, fugir da realidade (da pandemia). Tem que deixar de ser um país de maricas. Olha que prato cheio para a imprensa. Prato cheio para a urubuzada que está ali atrás. Temos que enfrentar de peito aberto, lutar. Que geração é essa nossa?”

Ao contrário de Vladimir Putin e do próprio Jair Bolsonaro, não vejo masculinidade nenhuma em negar a gravidade da pandemia. Masculinidade nesse sentido que ambos emprestam à palavra, como sinônimo de bravura, desassombro e firmeza. Pelo contrário. Acredito que se trata de covardia, como deixei claro em O Antagonista:

Voltar atrás em atitudes e opiniões erradas não é apenas demonstração de racionalidade. É ato de coragem. Em especial, da parte dos governantes. Um verdadeiro estadista é aquele que também sabe aprender com os próprios erros e, assim, visa a alcançar o bem comum. Tiranos, por sua vez, insistem em cometer os mesmos erros, porque acreditam que admitir que erraram é sinal de fraqueza e têm medo de abrir brechas para os adversários. O bem comum é a última coisa na qual pensam, quando nele pensam.

Noticiamos que o Ministério da Saúde havia publicado no Twitter uma mensagem recomendando o isolamento social e reforçando o fato de que não há remédio eficaz contra a Covid-19. A mensagem era de uma banalidade absoluta, mas útil para alertar as pessoas que, se as vacinas em testes se provaram eficazes, isso não significa que já se possa relaxar. A mensagem dizia: “Olá! É importante lembrar que, até o momento, não existem vacina, alimento específico, substância ou remédio que previnam ou possam acabar com a Covid-19. A nossa maior ação contra o vírus é o isolamento social e a adesão das medidas de proteção individual.”

Como foi o Ministério da Saúde que postou, muita gente acreditou que Jair Bolsonaro finalmente caíra em si e passara a admitir que as medidas restritivas são a única maneira de impedir a difusão do vírus da Covid-19 e que a cloroquina não funciona para curá-la, como afirmam os estudos médicos. Mas a ilusão logo se dissipou. Foi noticiarmos o tuíte e o Ministério da Saúde correu para apagá-lo.

É mais um episódio ridículo protagonizado pelo governo federal. Bolsonaro inspira medo em gente que tem receio de perder o emprego por fazer a coisa certa. E ele, na mais benigna das hipóteses, morre de medo de admitir que errou e mudar de atitude ou opinião sobre o que é evidente em direção contrária. Coisa de tiranete maricas, para colocar a situação nos termos que o presidente costuma utilizar.

Espero que ninguém tente me envenenar. Já basta o veneno moral que temos de engolir a cada dia.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Concordando c/ a opinião do autor sobre a Rússia, prefere descartar/desconsiderar a xenofobia. Mas se discordasse, certeza q a xenofobia faria parte dos argumentos para desqualificar o autor. No mais, pergunto: se nunca houver vacina, vamos viver em isolamento social p/ sempre? Menos, menos.. a covid foi politizada desde seu “nascimento”.. nunca houve qualquer sinal ou indício de q a questão estava sendo abordada racionalmente (tanto à luz da ciência - estatística em 1 lugar- qto da história).

  2. Vale para os dois, a frase do Churcill.. “Ele tem todas as virtudes que eu não gosto e nenhum dos vícios que admiro.” Churchill

  3. Parabéns, Mario pelo brilhante texto. Interessante a alienação do povo Russo com esse ditador Putin. Aqui, no Brasil, eu me pergunto como pode o ser humano ser tão fanático com este estelionatário Jair Bolsonaro. É uma doença mental, só pode ser.

  4. Valeu Mario. Esse quadro é o que nos leva a entender a verdadeira face dos maricas. Aqueles que se escondem atrás de advogados para tentar anular suas ganâncias pelo poder, pelo ilícitos e seus privilégios. Vão cair em 2022, se não o forem antes.

  5. Caudilhos, mais famosos ou nem tanto são criminosos em exaltar uma suposta masculinidade nas "atitudes heróicas" que devem ser tomadas pelos outros. Em proveito dos próprios caudilhos e dos seus próximos. “Morram pela pátria!” pois nas tetas da pátria querem os tiranos e os seus mamar pacifica e placidamente.

  6. O quê esse Sr. Putin fala os jornais não deveriam nem escrever ... até mesmo elogios ... e o elogiado deveria ficar envergonhado ...

  7. Eu fui eleitor do Bolsonaro no primeiro e segundo turno, mas, por falta de opção confiável de centro... Então votei p/ evitar as esquerdá-lhas de novo...

    1. bolsonaro apesar de não ser perfeito ainda e a salvação da Patría o problema é a mão grande o roubo roubaram tudo em qualquer lugar limparam o caixa . si pararem de roubar as coisas acomodam sozinhas . fecham as estatais já estão dando lucro vejam

  8. Sinto-me envenenada a cada dia com as declarações absurdas, com a apatia das pessoas que não querem lutar p tira-lo do poder, com o apoio do congresso e senado que não cumprem seu papel e só lutam em causa própria. Ainda não morri, mas a minha esperança já se foi. Um gde abraço

  9. Esta homofobia tonitroante é sinal de que a pessoa tem dúvidas e questões sobre sua própria sexualidade (não necessariamente homossexual, mas com dúvidas).

  10. Aqui está escrito: deixe seu comentário. Escrevo: não entendi essas elaborações, (...) "expediente mais utilizado por mulheres desesperadas que, sem força física recorriam à química para eliminar seus algozes" e, "Hoje o envenen. é o mais usado por serial killers do sexo feminino". É, foi pesquisa, mas precisa contextualizar amigo! Desse jeito não ficou legal! Falo porque gosto dos seus textos em geral. Opinião fraterna.

    1. Não preciso de desenho. Só quero pensar por conta própria sem ter que bajular, sobretudo, quem não precisa. Identidade própria. Só isso: como diz o seu xará Nelson Rodrigues: "A unanimidade é burra. Quem pensa com a unanimidade não pensa". Saudações fraternas.

    2. Uma sugestão para o Mario: mande um desenho para esse seu leitor (Scully).

  11. Mário, meu amigo, será que o Cândido de Voltaire ousaria voltar ao Brasil e aqui chegando, nestes tempos sombrios, conseguiria manter seu eterno otimismo?

  12. Esperar de Bolsonaro um mínimo de autocrítica é o mesmo que acreditar que um chefe do tráfico tenha consciência de sua responsabilidade na destruição da vida dos consumidores.

  13. Realmente meu caro colunista, o Brasil diariamente se torna um país imoral. E isso por falta de autenticidade e conhecimento dos nossos governantes(frase no plural). A pandemia requer cuidados científicos que a maioria das pessoas em todo o mundo não seguem à risca, daí a Segunda Onde do COVID-19 na Europa e nos USA de Tramp. Não adianta a politica ou mesmo a politicalha muitas vezes praticada aqui na TERRAE BRASILIS se intrometer em assuntos que cabem exclusivamente à ciência, como o COVID-19.

  14. Ouvi de um amigo russo, caminhando pela Paris de Mário , que na Rússia, três coisas sempre haverá: gelo,vodca,czar. Quem é Putin senão o chefe de uma das quadrilhas, gangues, máfias da Rússia? A mais poderosa. Imaginar China, Rússia e tantos outros países governados por um sistema democrático é ingenuidade. Pensamento de nefelibata. Quando um ditador deixa de matar é porque já morreu. Para conduzir um coelho use uma cenoura; um jumento, espiga de milho; um néscio, elogios graciosos.

  15. Disse tudo desse covarde, mentiroso e maior incendiário do meio ambiente, dessa pobre republiqueta de bananas que insistimos ser....

  16. A fixação do Bolsonero com o 'ó' dos outros é devido à amizade intensa de Carluxo Tonho da Lua com o primo. Ele não conforma de ter um maricas na famiglia.

  17. veneno é ouvir do presidente que o pessoal do campo sim tem coragem (não que eles não tenham), e que nos da cidade somos maricas.... só porque os fechamos em nossas casas e tentamos sobreviver....incrível ouvir isso

    1. Acho que ele pretendeu jogar as pessoas da cidade contra as do campo e vice versa ! Adora! Cravar fossos . Lógica tão rasa .. Pessoas do campo não vivem aglomeradas ! Que conclusão medíocre .

  18. Nós os maricas vamos nos lembrar que te elegemos fomos traidos veio uma doença séria , o sacripanta presidente rio, e nos chamou de MARICAS, velho babaca asqueroso com seu cabelo tingido "viking" com sua valentia de 10 centavos. com sua linguinha presa branca (denotando mau hálito).

  19. IRONIA ?- DIreita p'ra esquerda e vice-versa. Obama: O Cara. Putim: O Machão. No futuro aonde estarão ### ? O eleitor brasileiro é a do cara que , antes da lei do divórcio , casava pensando que a noiva era virgem. Quando via o tamanho do "buraco "... Eterna frustração ... Frase do Século XX : " O JEITO É... #M22 ".

  20. VENENO MORAL mesmo! Eu cuspo mas daí a pouco este bolsonaro solta mais um ..vergonha...sinto vergonha de te_ lo como presidente do Brasil..humilhação diária...está mancha não carrego comigo...não votei nesta coisa

  21. Esse comentário do Putin foi para enganar o presidente brasileiro que, estufou o seu peito de pombo e nem percebeu, porque, em seguida, tanto o filho de Putin, quanto Xixi Gim e Pinga, negaram ao país assento no Conselho de Segurança da ONU.

  22. Sabino ... espero que Putin escreva seu livro de memórias e cite o q pensa do Bolso assim como Obama citou o Cara como o Corrupto.

  23. O pior veneno para nosso país é a máquina de trucidar reputações, forjada por políticos de oposição e disseminada por grande parte da imprensa. Foi assim com FHC, Temer e agora Bolsonaro. Esse clima de quanto pior melhor mantém os senhores feudais, que conduzem esse país desde a proclamação da república, permanentemente no poder.

  24. Mario — Você matou a charada. Por trás do Bozo “macho” há apenas um genocida medíocre, inseguro e covarde. Putin sabe disso. Foi por isso que ele fez o elogio para atiçar a vaidade anal do Bozo contra as forças democráticas que se levantam no mundo todo contra o populismo tirânico!

  25. Considero que cada um escolhe viver a vida como quiser, desde que honestamente, inclusive em termos de orientação sexual. Recentemente o capitão cloroquina rotulou os brasileiros de maricas. Daí eu pergunto: - Esse "namoro" dele com o Putin, que fez referência aos seus músculos, não é coisa de maricas, termo infeliz que ele usa? Aliás, sugiro que leiam o artigo "Maricas é quem me xinga", do Ignácio de Loyola Brandão no Estadão de hoje.

    1. Mais uma do senador ontem, sobre o nosso mandatário. "O poder é o sexo dos impotentes".

    2. Luiz, O senador Major Olimpio, recomendou ontem, em entrevista ao Papo Antagonista, psiquiatra pro Bolsonaro. O Putin também precisa?

  26. Não confio na Rússia de Putin. Prefiro a China. Ambas "comunistas", mas a China, tão maltratada por aqui, é menos enganosa (ops!), menos venenosa!...

  27. Eu costumo chamar este ditadorzinho meia boca, de filho da Putin. Está na hora do povo russo dar um basta neste energúmeno.

  28. Parabéns Mario Sabino! Dói no fundo da alma quando os nossos políticos exaltam masculinidade e promovem sexismo, triste !!! E sempre fazem isso! Deve faltar inteligência pra argumentos melhores , é nessas horas mostram como realmente pensam! Século XVII é pouco .

  29. Todo esse ódio vindo de alguém que nunca teve suas qualidades masculinas elogiadas, nem pela própria esposa. Se o presidente é um tiranete maricas, o que dizer do jornalista que manipula palavras dos escritores do passado para fingir que suas posições foram construídas por décadas de estudo e filosofia, e não o contrário (gasta tempo buscando fontes que corroboram sua opinião rasa, como por exemplo a de que a candidatura do astro do superpop era séria)?

  30. Há uma maxima em psicologia : TODA EXALTAÇÃO (verbal) É SINONIMO DE DEFICIENCIA. sou macho macho macho meus zeros são machos machos , HUUMMMM SEI NÃO !!

  31. .. Li que o ex-juiz da Suprema Corte Americana Antonin Scalia reviu e adotou uma posição diferente em matéria que tramitara na Supre Corte. ... Foi indagado por uma colega sobre a mais nova posição, o que o mesmo respondeu com seu intelecto e nobreza sobre rever posições; corrigir, engrandecer e magnificar o pensamento. ... Ato nobre, no mínimo . (não sei descrever direito) ... Foi algo que foi noticiado quando de sua morte como um dos atos de grandeza do Magistrado.

    1. Eu não sei escrever, Ney. ... O que não me impede de pensar.

    2. Corrigir os outros exige delicadeza e consideração. Do contrário, vira coisa de gente tosca que se acha dona da verdade.

    3. Exato. Mas vai aí uma dica de português, pois parece que você aprecia o idioma: não use "mesmo" como pronome. É coisa de gente tosca que acha que sabe escrever

  32. Caro Mario: esse artigo contém uma dose bem temperada de veneno. A diferença entre veneno e tempero é uma questão de dose. A diferença entre veneno e seu antídoto também. E acho que de tanto lidar com assuntos venenosos tens imunidade adquirida. Como o cão farejador de serpentes no romance Anaconda de Horacio Quiroga, o perro negro Daboy. Tão picado que foi que nenhum veneno o paralisava que acabou com a revolução das cobras.

    1. Sorry: no conto Anaconda de Horacio Quiroga. É a hora. É a insônia da madrugada distraída pela leitura da Crusoé na sexta-feira. Abraço

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO