Marcos Corrêa/PRBolsonaro em culto evangélico: ele dá agora para receber daqui a dois anos

A bênção para 2022

O presidente da República escancara o esforço para continuar contando com o apoio das igrejas evangélicas ao governo e a seu projeto eleitoral
18.09.20

De olho no apoio do rebanho evangélico, o presidente Jair Bolsonaro adotou a velha e surrada estratégia política do “é dando que se recebe”. A máxima franciscana foi colocada em prática distorcida no último domingo, 14. Depois de vetar parcialmente os dispositivos que perdoavam dívidas de até 1 bilhão de reais das igrejas, alegando ter sido “obrigado” a fazê-lo para evitar “um quase certo processo de impeachment”, o chefe do Planalto deu sinal verde para que próprio veto fosse derrubado por sua base de apoio. “Confesso que, caso fosse deputado ou senador, por ocasião da análise do veto que deve ocorrer até outubro, votaria pela derrubada do mesmo”, afirmou.

Em almoço com a bancada evangélica na última quarta-feira, com leitoa à pururuca e feijão tropeiro no cardápio, o aval do presidente à suspensão do próprio veto foi reiterado. Entre os líderes do segmento, não há mais dúvidas de que a imunidade tributária será uma realidade. A questão é saber como e quando – uma segunda alternativa é a aprovação, com a bênção do governo, de uma PEC no Congresso por meio da qual seria criada uma verba extra, provavelmente a partir da criação de um novo imposto para os brasileiros pagarem, que isentaria as igrejas de uma vez por todas de taxas e contribuições.

Independentemente do caminho a ser trilhado para alcançar o perdão tributário, o acordo costurado com o Planalto já assegurou um agrado aos evangélicos. Bolsonaro anistiou as multas dos pastores que sonegaram impostos e isentou-os para sempre de taxas previdenciárias que incidem sobre a chamada “prebenda”, remuneração direta ou indireta dos pastores, o que, por si só, já representa uma anistia milionária. Por exemplo, a Igreja Internacional da Graça de Deus, do bispo R.R. Soares, pai do deputado federal David Soares, um dos articuladores da emenda jabuti aprovada em julho na Câmara, terá ao menos 37,8 milhões de reais em dívidas perdoadas.

Os gestos na área fiscal, no entanto, são apenas parte de um plano ambicioso do presidente da República. Aos poucos, Bolsonaro embala a estratégia para fidelizar o segmento evangélico, que também é alvo do assédio da esquerda petista. O desejo acalentado pelo chefe do Planalto é ter as igrejas ainda mais ao seu lado na corrida pela reeleição. Para alcançar o objetivo, o presidente ensaia até indicar para o posto de vice, em 2022, uma notória liderança evangélica.

Em 2018, um dos líderes dessa bancada, o então senador Magno Malta, já teria sido o vice de Bolsonaro se não tivesse desistido para concorrer novamente ao Senado – ele imaginava que, reeleito, seria alçado a presidente da casa. Deu tudo errado. Agora, entre os cotados para compor uma possível chapa com Bolsonaro estão o deputado Marco Feliciano, do Republicanos de São Paulo, e a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves.

ReproduçãoReproduçãoEm almoço, os bispos Estevam Hernandes e Bispa Sônia entre os convidados
Conquistar essa fatia expressiva do eleitorado torna-se cada vez mais estratégico eleitoralmente. Uma pesquisa recente do Datafolha mostra que 31% dos brasileiros são evangélicos. E a curva é ascendente: segundo o mesmo levantamento, em 2032 a proporção de evangélicos irá ultrapassar o percentual de católicos no país. No governo há uma torcida tácita para que Damares assuma o posto de vice em 2022. A popularidade da ministra impressiona os mais fiéis bolsonaristas. Pesquisas em poder do Planalto mostram que ela teria quase 50% de ótimo e bom em recentes avaliações. No Datafolha que mediu a popularidade dos ministros de Bolsonaro, Damares foi a única entre os integrantes do primeiro escalão que recebeu uma aprovação maior entre os mais pobres do que entre os mais ricos.

De acordo com entusiastas da candidatura da ministra a vice de Bolsonaro, a grande qualidade dela está na comunicação direta com as pessoas. Sua mensagem é captada pelo eleitorado como simples e honesta, segundo pesquisas qualitativas do governo. Os anos de pregação nos púlpitos lhe conferiram tarimba e uma certa eloquência. Ao contrário do que ocorre com discursos dos políticos tradicionais, as palavras dela não precisam de tradução e as camadas mais carentes da população a enxergam como uma “igual”, daí a forte penetração nesse público. O fato de ser mulher também pesa a favor da ministra – o eleitorado brasileiro hoje é majoritariamente feminino. Já Feliciano teria o apoio de setores do Congresso. O próprio trabalha pela vaga há mais de um ano. Feliciano vende-se como o único capaz de unir todas as correntes evangélicas, como a Assembleia de Deus, a Universal, a Batista e a Quadrangular. “São 60 milhões de evangélicos. Bolsonaro precisa de um vice querido por eles. Vou somar”, afirmou recentemente o pastor.

Enquanto não sacramenta a dobradinha com os evangélicos para 2022 – os mais pragmáticos do Congresso ainda fazem lobby para emplacar nomes fora desse espectro, como Paulo Skaf, da Fiesp –, Bolsonaro cultiva a vertente religiosa com toda a sorte de afagos, para além da questão da anistia tributária. No mais recente deles, Bolsonaro escalou o ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, para atuar contra a criação da figura jurídica do abuso de poder religioso e sua inclusão na lista de hipóteses que poderiam levar à cassação de mandatos, tese discutida no Tribunal Superior Eleitoral, o TSE. Funcionou. Coube ao ministro, membro da Igreja Presbiteriana Esperança de Brasília, argumentar aos integrantes da corte que as regras existentes eram suficientes para regular as ações de lideranças religiosa no período eleitoral, entendimento que prevaleceu no julgamento finalizado no mês passado. O resultado foi muito comemorado entre os representantes da bancada das igrejas no Congresso.

A lista de mimos vai além. No mês passado, Bolsonaro enviou uma carta ao presidente de Angola, João Manuel Lourenço, para pedir proteção a pastores da Igreja Universal do Reino de Deus em atuação no país africano. Ele atribuiu a ex-integrantes da congregação a responsabilidade por denúncias que culminaram com operações policiais contra membros da entidade e disse que religiosos brasileiros da IURD tinham sido agredidos. Assunto de competência do Ministério das Relações Exteriores, a intervenção passou a ser tratada pelo Planalto devido à pressão da bancada evangélica. Antes de ser despachada para Luanda, uma minuta da carta escrita por integrantes do Itamaraty foi encaminhada à Presidência, onde passou por alterações.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéDamares é cotada como possível vice evangélica na chapa de 2022
Comandada pelo bispo Edir Macedo, a Universal do Reino de Deus é ligada ao Republicanos, partido agora umbilicalmente associado ao Planalto. Em março, a sigla passou a abrigar em seus quadros o senador Flávio Bolsonaro, o vereador Carlos Bolsonaro e Rogéria Nantes, respectivamente filhos 01 e 02 e ex-mulher do presidente. A legenda ainda acomoda o próprio Feliciano, o líder da Frente Parlamentar Evangélica, Silas Câmara, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, a quem Bolsonaro acompanhou em algumas agendas nos últimos meses, e Celso Russomanno, candidato à prefeitura de São Paulo com o apoio do presidente. Integrante do chamado Centrão, aquele grupo de partidos fisiológicos versado na prática de trocar votos por verbas e cargos, o Republicanos tem dois senadores, 31 deputados federais, 49 deputados estaduais e distritais, 155 prefeitos e 2 636 vereadores, além de 597.637 filiados.

Presidente da legenda, o bispo licenciado da Universal Marcos Pereira foi apresentado a Bolsonaro ainda em 2017 pelo advogado Frederick Wassef, o mesmo que escondeu o ínclito Fabrício Queiroz em sua casa em Atibaia, que foi recebido pela PGR a pedido do presidente da República, que recebeu 9 milhões de reais da JBS, conforme revelou Crusoé, e que foi alcançado na última semana pela Operação E$quema S, suspeito de integrar um esquema que desviou cerca de 355 milhões do Sesc, do Senac e da Fecomércio- RJ. À época em que os dois se conheceram, Pereira ainda estava no PRB. Com a ajuda de Wassef, hoje o presidente do Republicanos se tornou bolsonarista de carteirinha. Advogado, Pereira é uma das pessoas que auxiliam o presidente juridicamente toda vez que ele quer oferecer alguma benesse às igrejas.

São essas concessões que figuram como pontos da articulação para atrair o público evangélico. Este ano, por exemplo, o governo ampliou de 1,2 milhão para 4,8 milhões de reais o piso de arrecadação a partir do qual torna-se obrigatória a entrega pelas igrejas da Escrituração Contábil Digital, um documento que reúne movimentações financeiras diárias. Além disso, a Receita Federal dispensou a inscrição de CNPJ a templos que “não tenham autonomia administrativa ou que não sejam gestores do orçamento”. Segundo o Ministério da Economia, as ações “simplificam” o sistema tributário. A publicação das medidas no Diário Oficial da União ocorreu um mês após uma reunião entre Bolsonaro, Paulo Guedes e integrantes da bancada evangélica.

Como a agenda de costumes aproxima o grupo do governo, Bolsonaro decidiu tentar emplacar no Congresso, ainda neste semestre, pautas como a flexibilização do porte de armas e a educação domiciliar. O homeschooling, no qual pais ou tutores assumem o processo de aprendizagem das crianças, é uma demanda antiga dos evangélicos. Eles entendem ser uma oportunidade de os valores ensinados pelos pais prevalecerem na educação. Embora avaliem que as propostas enfrentarão resistência na oposição e mesmo entre legendas de centro, articuladores políticos do Planalto acreditam que o momento é ideal para tratar dos temas – depois do toma lá dá cá com o Centrão, a base governista nunca esteve tão coesa como agora. A bênção para a aprovação da proposta, mais uma entre tantas em favor das igrejas, já foi dada pelo presidente da República. No que depender dos esforços do governo, que cada vez mais se guia pelo pragmatismo eleitoral, até o final do ano o projeto vira lei. A fé move montanhas e votos.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O Brasil deveria ser laico .Não é. Há vários feriados católicos desde Natal, Semana Santa , Nossa Senhora ...Outras religiões não são contempladas. Deveríamos trabalhar para manter o conceito laico. Em tempo: sou católico

  2. O Brasil é laico e portanto o Presidente deveria manifestar sua crença de forma reservada, Mas pensando em reeleição, não existe gado melhor e mais fácil de arrebanhar que os evangélicos, pois seguem o que o pastor manda. O pastor pede dinheiro para comprar TV eles dão, vende terreno no céu ele pagam. Lamentável, a que nível chegamos!!!

  3. Ana Viriato, queria muito discordar de você, dizer que você está equivocada. Mas, infelizmente não posso. O povo evangélico em geral não distingue um palmo diante do nariz e segue a cartilha dos seus líderes o que evidentemente não tem nada de seguidores de Cristo. O ensinamento de Cristo é que pelos frutos conheceremos uns aos outros. Pois bem, em Gal. 5.22ss Paulo diz que o fruto do Espírito é o Amor. Na sequência nos ajuda a identificá-lo mais: paz, bondade, mansidão, domínio próprio etc.

    1. Sim. É lamentável. A fé cega a serviço da corrupção, do obscurantismo e, o melhor, da criação de pastores e bispos com fortunas milionárias. E quem paga a conta de tudo? Nós contribuintes, é claro!

  4. Os evangélicos são muitos, valem muito votos. Tem uma coisa que admiro nesses pastores e bispos. Eu não acredito em Deus, mais eles tem certeza que não existe.

  5. Mesmo nao sendo marxista, quase chego a concordar que " a religião é o ópio do povo ". Isso explicaria essa fidelidade a mentores que promovem sectarismos retrógrados, que usam a fé como ferramenta de dominação. Pouco difere de ideologias políticas extremas, ditatoriais, com vezo patológico de perpetuação no poder. Levamos séculos para nos livrarmos das ingerências políticas e sociais da igreja católica , para cairmos sob o jugo desses pentecostais também sedentos de poder e fortuna.

  6. Ana Viriato, o pasquim que deu espaço para você, deve ter errado ao te convidar. Acredito que deva ser a última oportunidade que terá. Com duas palavras, provavelmente bem rebuscadas no seu estreito dicionário consegue manchar seu diploma de repórter e rotular a milhões de brasileiros do bem, como REBANHO EVANGELICO. Você com suas convições de ateísmo e maucaratismo se da a liberdade de insultar a pessoas de bem. Evidentemente a Direção é conivente com você já que não fez a revisão.

    1. Esse povo que segue os macedos, malafafas, vardomiros e soares (falsos profetas) são praticamente rebanhos sim, só falta começarem a dizer meeee meeee meee meeee. Infelizmente.

  7. Templos evangélicos são, na maioria, "lojinhas" para arrecadar em nome de DEUS sem prestar contas a ninguém. São piores que o PCC, pois esses, pelo menos não prometem nada e ainda ajudam a comunidade onde atuam.

    1. Me perdoe mas não dá para concordar com algo positivo no PCC, eles só atuam mediando algumas coisas dentro da comunidade para evitar que os moradores acionem a polícia. Já com relação as igrejas evangélicas, algumas são sérias sim, mas infelizmente as igrejas de "massa", com forte atuação na TV, são sim para arrebanhar fiéis para juntar dinheiro ou lavar para tráfico ou políticos corruptos (vide caso do Cunha com o Malafafa) e ter massa de manobra política para fins escusos.

    2. Viva o PCC. Os benfeitores. seria bom assistir uma reunião do PCC e outra da igreja evangélica. Veria a diferença.

    1. Bolsonaro só pratica o que acredita. Não tenho dúvida. LOL!

  8. porque a midia vai atrás? pra ter matéria para criticar? se ninguém o perseguir ele vai professar sua fé incógnito onde cada um tem seu direito, ou não? experimentem deixá-lo um final de semana no ostracismo. Não dão sossêgo pro cara. Impressionante.

  9. Ver um idiota levantar os braços, como se fosse um ser superior, para aprovar um governate, é uma palhaçada. A administração Bolsonaro não passa disso: uma palhaçada.

    1. Valeu Virgínia, mas pasto não é minha praia não.

    2. Acho que sentirei certa falta das figuras chiliquentas , palhaços tristes e deprimentes ,dos comentários dessa revista ...Apareçam lá na Oeste ..

    3. Sim, palhaçada é equilibrar a economia, fazer estradas, fazer as reformas, acabar com a corrupção, promover o crescimento do agronegócio, socorrer 52 milhões de trabalhadores com o coronavaucher, isso em ano e meio. Infelizmente palhaços são os esquerdistas que querem fazer do nosso Brasil, uma tirania igual a Cuba, Venezuela seguindo o programa do Foro de SP.

  10. Bem melhor do que queimar igrejas cristãs como tem ocorrido no planeta por “laicos”. O que deve existir é um acompanhamento melhor do uso do próprio dízimo, uma apresentação das contas e do que vem sendo realizado em benefício dos fiéis, em especial, mais necessitados.

  11. A Igreja virou um comércio e os políticos pseudo-cristãos rasgaram o NT, esquecendo que Jesus manteve-se distante da política. Vergonha!!!

    1. Será que estou enganado, nós não éramos um país de maioria católica ?

  12. Misturar o pretendo sacro com corrupção, milícia, filósofo de 6a. série da Virgínia, familicia Bolsonaro e um judiciário, com raríssimas exceções, podre resulta em um país tóxico

  13. Confesso. Não consegui ler a matéria até o fim. Engasguei com meu próprio vômito. Quanto à foto da matéria, ela está desfocada. Os que estão de joelhos somos nós...

    1. Quanto mais laico mais fácil de controlar. Somos cristãos, e respeitamos quem não é.

    1. Exato, as igrejas, de uma maneira geral, cristãs ou não, não tem absolutamente nada com as “igrejas” no comunismo. Vejam que TODOS nossos exemplos, de comunistas bem sucedidos financeiramente, NÃO serão encontrados em Cuba ou outro exemplo de comunismo, que ao contrário do que nos querem fazer crer, existe com outra roupagem. Procurem saber a respeito. Onde, a maioria, tem residência. Seria a Flórida, aquele capitalismo terrível ?

    2. Não tem melhor em nenhum dos casos, pois são grupos com claros interesses escusos e mesquinhos.

  14. Essa jornalista, além de demonstrar sua má educação ao classificar como rebanho , e olhe que não sou evangélico torna-se a mais nova mãe DINÁ, adivinhando o futuro.

    1. vejam os mercadores do diabo. Pastor... VALDOMIRO, R.SOARES, MALAFAIA, EDIR MACEDO. Base de apoio do MITO. O inferno esta esperando bem quentinho.

  15. Todas as religiões devem ser respeitadas! Mas qdo o Estado brasileiro usa dos que se utilizam das " igrejas" pra atender interesses " políticos, nada republicanos " o Inferno será ,com certeza , a premiação pra todos esses " pseudo líderes " e infelizmente, seus descendentes pagarão mto caro por tal desvio de conduta !!

  16. A Igreja Evangélica Brasileira é, hoje, uma caricatura. Sei que no nosso meio (falo como evangélico há 30 anos!), a maioria é de gente séria e temente a Deus; mas, como movimento, traímos o nosso chamado. Em nosso tempo, Natan se associa a Davi, e ambos conduzem o povo às trevas. A IEB não resistiu à cultura de massas e acabou por transformar a fé em mais um produto de consumo. Em nome de Cristo, hoje vemos Lobos ungindo Raposas pelo Reino dos Homens.

  17. O Brasil de 2020 é evangélico? O Estado deixou de ser laico? O brasileiro que não é evangélico será expulso do Paraíso? Foi nisso que nos transformamos, afinal?

  18. Algumas pessoas deixaram de ler a matéria porque se incomodaram com termos empregados. Quem vive no seguimento há algum tempo sabe que o interesse político passou a ser uma realidade em muitas igrejas. O interesse só existe porque os pastores, de fato, encaminham o rebanho para melhores PA$TO$ VERDE$. Então, não adianta se incomodar com palavras, elas só descrevem a realidade que se tornou o meio: curral eleitoral é fonte de enriquecimento às custas do Estado.

    1. Correto. Bem claramente, as igrejas (com "i" minúsculo) são os maiores antros de corrupção, proteção à classe privilegiada dos pastores contra tudo e todos. Usam o mesmo surrado e ameaçador argumento utilizado pela igreja na idade média, o "não toquem no ungido do Senhor" que se tornou mantra de uma famosa celebridade entre eles.

  19. O estado é laico, mas em questão de poder só mudou a roupagem das religiões todas estão no mesmo balaio de gatos, quem vai precisar de ópio, quando tem religião com a palavra os líderes das seitas, o parlamento e o nosso presidente.

  20. Clamando por Deus , um “cristão “ com as costas carregadas de rachadinhas, lavagem de dinheiro público, estelionato eleitoral, $89mil na conta da esposa, Queiroz e Márcia dois amigos do peito e para qualquer “serviço”, um “anjo “ corrupto , uma gripezinhas com mais de 135 mil mortos e quase 5milhoes de contaminados fora a devastação da Amazônia e do Pantanal nunca dantes vistas. Reconhecer os erros nunca, afinal é Messias. Hipocrisia pura.

    1. Eu ainda tenho fé ,que o povo vai acordar desse sono profundo e vomos pra rua grita fora Bolsonaro e Augusto aras ! Lena

  21. Desculpe, mas tive que parar na primeira linha. Achei o termo "rebanho evangélico" extremamente ofensivo, mesmo que dizer: "rebanho de afrodescendentes, nordestinos, homossexuais". Mais tato, pois tu representas a Crusoé e não apenas tuas idéias.

    1. RENNE, para de vomitar asneiras, como você pode ser contra o Foro de SP e ao mesmo tempo defender a política desastrosa e autoritária do presidente Bozo? Tem que ser muito tapado para não ver que ele insiste num estilo de governar muito parecido ao do Hugo Chaves, só não conseguindo copiá-lo na sua integralidade por causa das Forças Armadas que não embarcaram na canoa furada de auto-golpe. Ainda temos uma democracia, apesar dos petralhas e bozistas torcerem contra.

    2. João, em comentário anterior eu falei sobre a igreja Batista e fiz uma correlação com a 1ª dama, procure e verá. Existem instituições religiosas sérias sim, mas tmbm existem os vendilhões do templo e falsos profetas, infelizmente Bolsonaro preferiu se aliar a esses últimos.

    3. Palhaço Bozó, em qual REBANHO você pasta? Sabe ou se informou da cartilha do Foro de São Paulo? é essa sua man tilha? Conhece o Movimento Mundial para desestabilizar os governos democráticos? Objetivo, implantar a tirania de esquerda? Não tem consciência que está trabalhando para isso? Se informe com profundidade só te o que te falo.

    4. Encerro meu comentário por aqui sem carregar mágoas mas com algum desencanto dado o conteúdo dos comentários. Os amigos parecem ignorar o passado de perseguição contra a Igreja Protestante e até mesmo alguns de seus membros ilustres, como o ex-procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, que frequenta a Igreja Batista. Boa sorte no discurso de ódio, infelizmente terá que encontrar algum outro ouvinte.

    5. Muito Hilário ver os gadinhos brigando por coisas tão bestas...rs... mas ficou claro que não gostaram de ter de dividir o o espaço de rebanho bolsonarista com os seguidores dos falsos profetas. Particularmente, nao consigo enxergar muita diferença nesses dois rebanhos.

    6. De fato , Joao. A jornalista notadamente usou do termo “rebanho” com duplo sentido . Mas o rebanho daqui aplaude tudo que detona o governo federal . Dia 26 acaba minha anuidade e já tirei do débito automático. Até lá aproveito para fazer propaganda da OESTE.

    7. Porque a primeira linha bastou, meu caro. Há críticas muito válidas sobre a cúpula das igrejas evangélicas e o oportunismo e corrupção que lá existem. Mas não se faz ouvir iniciando sua argumentação com "rebanho evangélico" ou "matilha judaica".

    8. João você não havia comentado que parou de ler na primeira linha? Como então julga que a matéria flerta com o preconceito? 🤔

    9. Não irei defender quanto a "nada entender de cristianismo", pois reconheço que nada ou muito pouco entendo, embora me pareça isso sinal de que entenda um pouco mais do que você. A palavra "rebanho" quanto citada na Igreja é utilizada em sentido bíblico, que muito difere do sentido cínico da matéria. Há pessoas que não pensam em todas as áreas. Quando se discrimina por raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional, isso é crime. A matéria não discrimina, mas flerta com o preconceito.

    10. Logo se vê q nao entende nada cristianismo, principalmente do segmento evangélico. Amigo, os fiéis dessas agremiações se auto intitulam rebanho, pois Jesus é o pastor. Mas foi sabiamente usado para retratar o eleitorado que não pensa, apenas segue as vontades e desejos do líder. No caso, da vontade do lider religioso picareta q direciona o voto dos fiéis para barganhar benesses com o meio político.

  22. As igrejas (todas) já têm imunidade fiscal, está na Constituição. Nada há p/legislar nessa questão. As igrejas protestantes históricas cumprem fielmente c/as suas obrigações c/a Receita, e publicam seu movimento financeiro. Algumas igrejas ditas evangélicas, c/doutrinas muito frágeis (ou nem as têm) e c/governança incipiente, sem transparência, têm "donos" q misturam os seus "negócios" c/os "negócios" da igreja (sim, algumas têm "negócios"). As merecidas multas recaem sobre essa "misturança".

    1. Sim, é absurdo, naturalmente, sequer assinaria esta revista se meu voto não fosse pela retidão. Há (sempre houve) corrupção em todas as igrejas, não é exclusivo dos evangélicos, mas agora está atrelada ao poder. Nas redes sociais há este movimento de estereotipação e aviltamento da comunidade evangélica e julgo preocupante. Ver isso em um meio renomado, que se destaca pelo jornalismo investigativo e pela presença do nosso querido Sérgio Moro, é realmente triste e vulgar.

    2. João, deixa eu ver se entendi. Vc achou um absurdo o uso do termo rebanho, mas nao disse uma palavra sobre o perdão da sonegação de 1 bilhao de reais em impostos. Quem vai pagar esta conta somos todos nos. Vc acha q os beneficiarios sao pobres, famintos? O q estamos vendo é a compra de apoio usando o dinheiro q falta na ponta pros pobres, miseráveis. JB é um traidor. Moro22.

    3. Leia na CF, a imunidade é sobre impostos. Impostos é um tipo de tributo, CSSL é um tributo e não um imposto. Taxa é tributo, não imposto. Estude um pouco de direito tributário e entenderá o que estou falando. Além disso, a celeuma é sobre CSSL, contribuição sobre 'lucros', coisa que justamente uma igreja não deveria auferir.

  23. Ser 'agraciado' com o suporte do Papa não tem problema. Quando parte da CNBB divulga uma nota indecente, faz parte da liberdade religiosa. Mas se é para apoiar o presidente ...

  24. Minhas desculpas à autora da matéria, Ana Viriato. Confesso que não consegui chegar ao final da leitura, os engulhos foram demasiadamente fortes. Como chegamos a esse estágio de desgoverno, de ignorância, depois de lutar tanto nas ruas contra anos de corrupção? Desalentador.

  25. eu concordo com o colocado abaixo, apesar das pesquisas mostrando que o Bolsonaro venceria em 2022, não acredito que ele ganhe. Nos inconformados com o PT colocamos ele lá, e nos vamos tira-lo

  26. É IMPRESSIONANTEMENTE ESCANDALOSA, ESPANTOSA, CHOCANTE, ACACHAPANTE, REVOLTANTE A QUANTIDADE DE SUBESPÉCIES DE SEM VERGONHAS DE TODOS OS GÊNEROS QUE ASSOLAM O BRASIL!!!!!

    1. OS ANTICORPOS CONTRA ESSA PATOLOGIA INFAME, SÃO OS VOTOS LOGICAMENTE MAJORITÁRIOS DOS CONSCIENTES, DOS DECENTES, DOS LÚCIDOS, DOS HONRADOS, QUE NÃO TÊM NEM ACALENTAM BANDIDOS DE ESTIMAÇÃO, OS MESMOS VOTOS ANTI-PRAGA PETRALHA QUE CONSEGUIRAM ELIMINÁ-LA E QUE ELIMINARÃO TAMBÉM A PRAGA-BOÇALNALHA. PURA LÓGICA ESTATÍSTICA. PODE-SE APOSTAR!!!!

    2. MAS TAMBÉM OS CIDADÃOS BRASILEIROS, IGNORANTES OU NÃO, ESCOLARIZADOS OU NÃO, POBRES OU NÃO, QUE SE FIZEREM CEGOS, SURDOS, MUDOS E DE NARIZES ENTUPIDOS 'POR OPÇÃO', OS EMBOTADOS QUE SE FIZEREM AVESTRUZ E QUE *DIANTE DE TANTA INFORMAÇÃO* VOTAREM NESSA CAMARILHA INSANA, SÃO IGUALMENTE SEM-VERGONHAS INOMINÁVEIS E, OS QUE NÃO O SÃO, NÃO DEIXARÃO QUE TAIS INSANOS IRRECUPERÁVEIS, DESTRUAM O PAÍS!!!!

    3. SÃO BANDIDOS QUE SE AJOELHAM AOS PÉS DE BANDIDOS, NA TENTATIVA DE COLOCAR SOBRETUDO O *BRASIL* DE JOELHOS!!!!

    4. É UMA VERDADEIRA HORDA DE CRÁPULAS, DE MARGINAIS, DE IGNORANTES, DE DISSIMULADOS, DE FARSANTES DE TODOS OS NAIPES E NÍVEIS DA VIDA PÚBLICA E PRIVADA, A ENXOVALHAREM, A TRIPUDIAREM, A AFRONTAREM DIARIAMENTE O SANGUE E O SUOR DO CONJUNTO DOS BRASILEIROS, PATROCINANDO E PROTAGONIZANDO UM TEATRO SINISTRO DE ENCOBRIMENTO DOS GOLPES QUE APLICAM NO PRÓPRIO POVO QUE OS SUSTENTA!!!!

  27. hallelujah..!!!!!!!!!!!! nossa.. os bispos casal.. como são bem cuidados, não? Já damares é um susto. wooo!! Esse tipo de aparência cuidada requer bastante grana.. o q faz pensar q vale mto mais ser bispo desse tipo q ministro de bozo. Hallelujah..!! Hallelujah.!!

  28. A linha evangélica batista costuma ser bem crítica a essas linhas evangélicas televisivas que se misturaram com a política (macedos, soares e chapelões), fico imaginando o que eles devem estar pensando ao ver a 1ª dama ajoelhada e fazendo parte desse picadeiro dantesco da foto. Pois todos sabemos que, embora reunidos para glorificar a Deux! (as linhas evangélicas televisivas), sabemos que a preocupação com o povo brasileiro passa bem longe.

  29. Bolsonaro não conseguirá se reeleger em 2022 nem com 10 facadas! Seu eleitorado do 2º turno de 2018 foi basicamente de anti-petistas e pró-lavajistas e essa turma não acredita mais no MINTO (gloria a deux!). Se em 2022 formos agraciados um um 2º turno entre "Bolsonaro x e um petista qualquer", será um record histórico de votos brancos e nulos.

    1. Na região onde vivo, é predominante as vozes neste mesmo pensamento. O povo não aguenta mais as enganações. Antes da eleição e após, há distâncias no propõem e no que fazem. O povo não é mais joguete para oportunismo através do voto.

  30. Pois é Crusoé. Mais uma vez vocês arrasando. É inaceitável o perdão de 1 bilhão de dívidas das igrejas que exploram abertamente seus fiéis. Seja em dízimo, seja vendendo artefatos "ungidos" para os fiéis mais desesperados e até feijão para plantar. Que país é esse onde o pobre que deve para a receita uma quantia ínfima, recebe processo judicial, enquanto que essas igrejas, cada vez mais ricas, tem suas dívidas milionárias perdoadas? Talvez Jesus Cristo precise descer à terra e acabar com isso.

  31. Triste! Infelizmente, firmas disfarçadas de igrejas, estão se enriquecendo cada vez mais e inúmeros fiéis continuam pobres, morando em favelas imundas e tendo uma vida miserável. Enquanto isso, os lobos devoradores e os cães gulosos estão passeando de helicópteros, aviões, iates, lanchas, morando em mansões, tendo sítios, chácaras, fazendas e tudo o que o dinheiro sujo puder comprar. Raça de víboras, assim definiu o Senhor Jesus Cristo sobre os vendilhões do templo. Triste Obrigado pelo espaço!

  32. Me desculpem...Brasileiro é masoquista? Nunca, mas mesmo nunca, vão conseguir ter uma democracia se continuarem assim. É muito triste...

  33. Bando de bandidos travestidos de santos. Santos do pau oco.Se existisse inferno queimariam nele!! Hipócritas, vendilhões, bandidos, psicopatas.

    1. Por sinal, até o seu batismo no rio jordão é emblemático, batizado por um pastor que atualmente está preso por corrupção relacionada ao enfrentamento da pandemia, pasmem. (antes que os gadinhos destilem seu ódio irracional pestilento, tmbm afirmo que o outrora pastor aliado, agora é desafeto do atual presidente. Por isso mesmo disse que é uma situação emblemática).

    2. Só evangélico para acreditar que o BolsoLula é evangélico...rs...

    3. Me diga se vale a pena ter uma religião? O pior é que os evangélicos vão votar no Bolsolula só porque ele é evangélico. Não importa se o desgraçado está se dando bem com esses pastores milionários que usa a fé dos bestas para fazer fortunas. Não vêem porque não querem.

  34. Que sina de país, aqui nem a fé consegue se desvencilhar do toma lá dá cá ou sendo mais clara, da corrupção mesmo, pois é disso que se trata. Enquanto isso quem trabalha com carteira assinada é o único que tem que arcar com todos os custos do país. até na nossa parca aposentadoria querem meter a mão. tempos de desespero total para o eleitor que não tem corrente nenhum, não temos a quem recorrer a quem pedir para que nos represente. Eu me recuso a ter político de estimação.

  35. Que bando de descarados. Políticos corruptos e pastores do demônio explorando os pobres e imbecis que acham que igreja resolve os problemas de alguém. Não resolve. É você, e só você, que pode resolver o seu problema. Os mercadores fa fé estão aí somente para vender falsas ilusões.

  36. Eu conversei com Odin ontem e ele confessou: não quer mais saber do Brasil, pois usam o seu nome em vão a cada momento para fazer falcatruas. Ele disse que cansou. Além disso, ele considera o Brasil uma combinação de Sodoma e Gomorra, onde os valores que ele tanto ensinou foram parar no esgoto. Por fim, ele disse que o país pode se preparar para as sete pragas. Ele já mandou duas: Bozo e a pandemia. As pragas seguintes serão piores, muito piores.

    1. Essa roubalheira para beneficiar igrejas é imoral roubar do povo para dar a esses bispos que na maioria para ñ dizer na totalidade moram em palácios e tem robustas contas bancárias em bancos estrangeiros. Acorda Brasil esse é BOLSOLULALADRAO

Mais notícias
Assine
TOPO