Carlos Magno/Governo do Estado do Rio de Janeiro

O calo de Witzel

O inquérito aberto para investigar o governador do Rio avança a passos largos e arrasta mais uma primeira-dama para a ribalta dos escândalos no estado
29.05.20

Quando as viaturas da Polícia Federal cercaram o Palácio das Laranjeiras, na manhã da última terça-feira, 26, o governador do Rio, Wilson Witzel, já sabia que tinha sido eleito alvo prioritário da Procuradoria-Geral da República nas ações de combate ao desvio de dinheiro destinado à Covid-19. Na semana passada, Crusoé revelou as coincidências que haviam entre as suspeitas que embasaram a abertura do inquérito contra Witzel pela PGR e o teor de um dossiê que circulou dias antes pelo gabinete do presidente Jair Bolsonaro, inimigo do governador. Despertaram a atenção não só a celeridade, mas também o empenho da equipe de Augusto Aras, sabidamente alinhado a Bolsonaro, na apuração dos sinais de fraudes que vinham do Rio.

Àquela altura, havia rumores de que estava sendo gestada uma operação mirando o governo fluminense, como desejava o presidente. E estava mesmo. Na terça, Witzel foi acordado na residência oficial do governo pelos agentes federais que cumpriam doze mandados de busca e apreensão determinados pelo Superior Tribunal de Justiça a pedido da PGR. Os elementos trazidos pela Operação Placebo escancaram duas circunstâncias: 1) as suspeitas sobre o governador do Rio são muito mais fortes do que a própria Procuradoria imaginava inicialmente, ao instaurar o inquérito; e 2) a origem da investigação teve uma clara conotação política.

Os indícios mais robustos contra Witzel até agora estão em um contrato de consultoria jurídica no valor de 540 mil reais assinado em agosto do ano passado pela primeira-dama, Helena Witzel, com uma das empresas do grupo de Mário Peixoto, preso há duas semanas pelo Ministério Público Federal do Rio acusado de fraudar contratos com o governo fluminense. Esse documento foi apreendido pelos procuradores regionais na Operação Favorito, realizada no dia 14, e depois compartilhado com a PGR por envolver a mulher do governador, que é advogada. O escritório dela foi um dos alvos das buscas na terça. Segundo os investigadores, Helena já recebeu 105 mil reais. O caso traz a inevitável lembrança de um dos expedientes utilizados pela organização criminosa comandada pelo ex-governador Sérgio Cabral: o uso de contratos fictícios de fornecedores do governo com o escritório de advocacia de Adriana Ancelmo, ex-mulher do emedebista, para escoar a propina do casal.

Reprodução/TwitterReprodução/TwitterUm contrato assinado pela primeira-dama, Helena, complica o governador
Na decisão que autorizou a operação, o ministro Benedito Gonçalves, do STJ, destacou ainda o fato de o nome de Witzel ter sido mencionado em uma interceptação telefônica na qual dois operadores de Peixoto mencionam que “o zero 1 do palácio” havia revogado uma medida que desqualificava um instituto de saúde pertencente ao grupo, o que de fato ocorreu. Ou seja, paralelamente aos repasses para a primeira-dama, o governador teria praticado um ato de ofício beneficiando o empresário. O ministro diz ainda que o MPF identificou pagamentos de 225 mil reais das empresas de Peixoto para o escritório de advocacia de Lucas Tristão, secretário de Desenvolvimento Econômico e braço-direito de Witzel no governo.

Como esses indícios só foram obtidos pelo MPF há duas semanas, eles não constavam do material que deu origem à investigação aberta pela subprocuradora-geral Lindôra Araújo, escolhida por Aras para atuar em nome da Procuradoria-Geral nos processos que correm no STJ. Crusoé teve acesso ao pedido de abertura de inquérito sobre Witzel que Lindôra enviou à corte. O documento traz mais um indicativo das digitais do Palácio do Planalto na origem da investigação do inimigo do presidente. Nele, a subprocuradora diz ter recebido uma representação do deputado federal Otoni de Paula, do PSC do Rio, pedindo para investigar o governador por supostas irregularidades na contratação do Instituto de Atenção Básica à Saúde, o Iabas, para construir sete hospitais de campanha destinados a pacientes com coronavírus, pelo valor atualizado de 835 milhões de reais, além de outros contratos menores suspeitos.

Coincidentemente, o Iabas também era citado no material levado ao Planalto por pessoas muito próximas de Bolsonaro. Otoni, o deputado bolsonarista citado no expediente que inaugurou a apuração oficial, já estava mergulhado de cabeça na história. No dia 13 de abril, ele mandara um papelório para Aras com algumas informações sobre os contratos firmados pelo governo do Rio. Doze dias depois, na manhã de 25 de abril, um sábado, foi a Brasília para uma reunião de 25 minutos com o próprio presidente no Palácio da Alvorada. A conversa ocorreu no dia seguinte ao pedido de demissão do ex-ministro Sergio Moro. Abordado por jornalistas na saída do encontro, o deputado foi enigmático. Disse ter tido uma conversa particular com o presidente “sobre o futuro”. Naquele mesmo dia, Bolsonaro teve duas reuniões com o delegado Alexandre Ramagem, o diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência, a Abin, que ele tentou colocar no comando da PF após demitir Maurício Valeixo.

CNJCNJA subprocuradora Lindôra Araújo foi quem abriu a investigação sobre Witzel
As desconfianças de que por trás da necessária investigação sobre o governador do Rio pode estar a mão invisível do Planalto aumentaram na véspera da deflagração da Operação Placebo. A deputada Carla Zambelli, do PSL, uma das parlamentares mais fiéis ao presidente, disse em uma entrevista à Rádio Gaúcha que operações relacionadas a gastos dos governadores com o coronavírus que “estavam ali na agulha para sair, mas não saíam” iriam ocorrer em breve. No dia das buscas, enquanto Witzel bradava que a operação “oficializava” a interferência de Bolsonaro na PF para perseguir adversários políticos, o presidente, perguntado sobre a ação, riu e parabenizou a corporação. No dia seguinte, anunciou que “vai ter mais”. Ele nega que tenha informações privilegiadas sobre o cronograma dos policiais e procuradores.

Se na cena nacional a operação fez Bolsonaro se regozijar com o apuro do governador que, segundo ele, persegue sua família, no Rio ela atingiu Witzel de forma ainda mais acachapante. Parlamentares de oposição já protocolaram pedidos de impeachment e o presidente da Assembleia Legislativa do Rio, André Ceciliano, do PT, já sinalizou que deve dar encaminhamento às ações que podem cassá-lo. Mas o alcance das investigações iniciadas pela PGR pode ser ainda maior, como antecipou Crusoé na semana passada. Isso porque entre os alvos das buscas e apreensão autorizadas pelo STJ está o escritório do Iabas em São Paulo, onde o instituto que tem o lobista Roberto Bertholdo como consultor mantém contratos milionários com a prefeitura da capital, incluindo um emergencial de 75,2 milhões de reais para gerir um hospital de campanha durante a pandemia.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Incrível como ultimamente as inversões de valores se intensificaram. Witzel está enrolado até a cabeça. Tem que investigar mesmo. Mas a ideia da matéria é criminalizar a ação da PGR. Como se o Planalto estivesse plantando provas a uma pessoa inocente. LAMENTÁVEL! Não sei aonde está a imparcialidade de Crusoé. Ultimamente, o que vejo é ataque sobre ataque ao PR. Que tal investigamos ao inversões de valores da esquerda.

  2. Crusoé definitivamente não é pra gados que não toleram críticas e citam Oeste porque é uma revista alinhada ao pensamento do presidente. Só querem ler o que querem ouvir e não o que não gostariam de ouvir.

  3. Essas primeiras damas, advogadas, são um perigo. Já vimos esse filme há bem pouco tempo. Será que Witzel irá fazer companhia ao perdulário, Sérgio Cabral, lá em Bangú? Como moradora da cidade do Rio de Janeiro, me sinto revoltada e envergonhada com tanta corrupção acometida no nosso estado.

  4. Interessante, qdo Witzel, Doria e Cia, atuam para desestabilizar, utilizando até de ilicitudes para desestabilizar o Gov Federal, tá tudo certo mas, qdo vem o troco, mesmo usando-se das regras legais do jogo, aí aparecem os "jornalistas" medíocres para reverberar os mimimis dos corruptos e ladrões do dinheiro público. Ilha de apoio à corrupção. Sai pra lá, Crusoé!

    1. Ah, aposto que o robô preferiria a ""Faroeste""!..... rsrsrsrsrs....

  5. Cancelei minha assinatura, pois esta revista faz parte da grande midia que tenta impor sua ideologia de esquerda. Quem quiser uma revista de qualidade, faça como eu, vá pra Revista do Oeste.

  6. Se o governo sabe de algum malfeito, tem que denunciar, se não o faz, prevarica. Agora o monopólio da denúncia e dos antas?

  7. Isso é só o começo do Estado de exceção que está se criando na mão desse ditador disfarçado de homem de Deus. Pegadas claras junto à PF e PGR como arma de agilizar aquilo que lhe convém... A Venezuela está logo ali...

    1. Concordo com vc em um ponto, Sr. Marco, a Venezuela é logo ali! Só não entendi ainda, o porquê da esquerda não ter se mudado para lá.

  8. Que matéria inconveniente. Até parece que Witzel é santo! O Rio de Janeiro e a cidade mais linda do País e a maior VITMA da corrupção. Ela não merecia isso! FORA WITZEL

  9. Queria saber pq a Crusoe não fala nada de Doria, eita a revista tá mamando nas tetas do governo de São Paulo, pq witzel perto de Doria é fichinha. Crusoe como assinantes querendo uma posição independente, foi para isso que assinamos e não aceitamos palanque eleitoral e matérias que denigrem a imagens de pessoas com o suposto argumentos de que a fonte tem que ser preservada, isso se não for vocês mesmo que inventam matérias a mando de Doria.

  10. Vocês conhecem o conteúdo das reportagens do excelente jornalista investigativo Ruben Berta. Sabem que ele não publica fofocas. Está tudo lá e não é de hoje.

  11. Pelo visto a roubalheira, nesta matéria, ficou em segundo plano. Não importa como originou denúncia o que importa é rapidamente para com a roubalheira.

    1. Concordo. A reportagem está dando mais importância ao que menos importa. Não entendo como essa revista se tornou mais uma entre tantas depois de ter criticado tanto a Veja por sua mudança de "rumo".

  12. O jornalista Fábio autor desse texto, demonstra que não sabe o que escreve. Ao mesmo tempo ele quer vitimizar o claro ladrão e corrupto do governador Wilson Wiltizel e esposa, e colocar a culpa no colo do Balsonaro. Texto truncado com idas e vindas sem mérito no fato, em pouco mais de um ano Wiltizel já coloca suas garras nos cofres do combalido caixa carioca! Crusoé melhore enquanto é tempo de se tornar uma "Ilha", sem qualquer credibilidade, o que está muito, muito próximo!!!!

    1. 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

  13. É muita desfaçatez! Nem chegou à metade do mandato e já disse ao que veio: roubar, roubar e roubar! Em plena pandemia, com milhares de infectados e nenhuma infraestrutura para receber quem quer que seja! Os hospitais de campanha não saíram do papel! Se houvesse cadeira elétrica para crimes de corrupção e malversação do dinheiro público nos livraríamos de pessoas deste tipo! Alterem a constituição! Tenho certeza que isso acabaria logo!

  14. A reportagem mais critica a suposta ação política da investigação do que a participação notório do Governador e sua família no suposto envolvimento de corrupção em seu governo. Mais uma vez, a imprensa com suas ações de impor uma crítica ao Governo Federal deixa para o segundo plano a corrupção que até hoje continua do Governo do Rio de Janeiro. Haja hipocrisia!!!

  15. Pobre Rio de Janeiro, até um ex-Juiz Federal, eleito pelo povo fluminense, não se controla diante da facilidade de surrupiar o erário daquele importante e belo Estado brasileiro. Até quando irá essa "pandemia" de roubalheira e corrupção no Rio de Janeiro?

  16. Embora eu seja seguidor do presidente Bolsonaro, querelas política dele com o Governador do Rio de Janeiro, não guardam relação com as prováveis e possíveis atos de corrupção praticados pelo governador, que havendo comprovação seja a força da lei aplicada a ele e seus asceclas.

  17. " Preso há duas semanas pelo Ministério Público Federal do Rio acusado...". Ô Fabio Leite, erro besta: o Ministério Público não "prende" ninguém. Quem prende, cumprindo ordem judicial, é a polícia.

  18. Pra falar em mutreta/maracutaia, em que oé anda a construcao do autódromo do Rio? Pelo que me lembro o Bostonaro e o witzel estavam de mãos dadas na ocasião em oposição ao Porrinha no Dória.

  19. A rapidez e eficiência apresentada pela PGR e PF para enterrar o Witzel, não ocorrerão quando chegar a vez do aliado Crivella.

  20. O Witzel já está acabado. O que eu quero ver é se as investigações serão tão rápidas e eficazes com o capacho do Bozo, o bispo da Universal Crivella.

    1. Moro não blindava o Witzel, ele apenas não interferia no andamento do processo, como o Presidente fez ao trocar o Superintendente do Rio de Janeiro para usar a Polícia Federal para atacar seus opositores políticos. Isso se chama interferência. O witzel tem mais é que pagar pelos seus crimes, mas o Presidente não pode usar do seu poder de autoridade para acelerar andamentos de processos do seu interesse. A Polícia Federal não é polícia particular do Presidente.

  21. Por esta reportagem, parece que a Crusoé está mais preocupada com a origem das denúncias do que com os graves crimes praticados contra o povo fluminense, que ficam cada vez mais claros.

    1. Mais uma vez, sinto-me enganado ao ser assinante desta porcaria. A revista tomou um viés de crítica ao Presidente, aliando-se ao corporativismo que tomou conta da imprensa brasileira. Há um fator determinante nessas críticas que é o financeiro. Empresas de famílias oligopolistas da imprensa nacional, que sempre mamou no dinheiro público, estão perdendo bilhões de reais .

    2. Também achei, está igual a rede Globo, sempre procurando brechas para atacar Bolsonaro.

    3. Se vc é parcial ao julgar como o Bolsonaro atua não vai ver nada de mal ele interferir em processos e agilizar atuação de agentes publicis contra inimigos ou proteger o filho ou amigos impedindo ação da justiça e polícia!

    4. nossa que decepção essa crusue quando assinei essa revista ela era de direita não sei o preço que custou deve ter sido barato porque não disfarçou virou xiita de esquerda vergonha vai pra ponte que caiu tô fora

  22. O que é triste mesmo é ver pessoas morrendo e um grupo de ... ganhando dinheiro em cima dessas mortes por falta de atendimento. Dinheiro não faltou, tanto que estão roubando descaradamente. O que faltou de verdade foi o governador ww cumprir suas promessas de campanha é tirar o estado da falência, se preocupar com as pessoas e não com sua carreira política se lançando candidato Presidente 6 meses após assumir o governo do Rio. Fiz campanha para o eleger e só tenho uma palavra - decepção.

    1. Vergonhosamente, o brasileiro é hors-concours na arte de roubar, corromper...

  23. Homúnculo ridículo, que se ajoelhou aos pés do jogador do Flamengo (Gabriel) e foi rejeitado de forma humilhante (ele, o jogador, deveria ter cuspido em cima). Agiu como se fosse um verme, canalha, patife! Juiz e acusado de roubo. No Judiciário do país existem ladravazes e calhordas?

  24. Inobstante eventual cunho político na investigação, a própria reportagem da Crusoé afirma que se encontrou mais indícios de fraude do que se esperava. Assim, demonstra-se que, às vezes, se faz necessário a interferência da política para desmascarar as ilegalidades existentes.

  25. Os crimes contra o patrimônio público, praticados por políticos corruptos, DE QUALQUER EXTRAÇÃO ou FACÇÃO, precisam e devem ser apurados com rigor ! Os crimes, na área da saúde pública, deviam ser considerados HEDIONDOS ! Por sua vez, aparelhar criminosamente os órgãos do estado, para perseguir os desafetos políticos ou garantir a impunidade dos mandatários de plantão, é igualmente asqueroso . SÉRGIO MORO, mais uma vez, corajosamente, ajuda a expor as entranhas podres do Brasil atual.

  26. No Rio , o calor é escaldante, os bueiros explodem,há mais de duas mil favelas,a agua é podre, o mar e a lagoa cheios de esgotos, TODOS os politicos, TODOS são desprezíveis, MAIXX O CARIOCA É IXXXPERTO !

    1. Rio deveria ser um país independente. Seria um Paraguay litorâneo. E o Brasil, livre de tudo de ruim que esse Estado gera, seria um país com indicadores bem mais qualificados.

  27. Ter mulher mais nova em idade, de boa aparência, leva a pessoa a não procurar outros atributos nela. É isso tem o seu preço. Taí o estrago feito na vida do Witzel.

    1. Que opinião bizarra! Quer dizer que a culpa pelo fato de um homem ser desonesto é porque é casado com uma mulher jovem?

  28. Parece que fizeram uma macumba contra o Rio de Janeiro. Não é possível um lugar com tanta gente cretina por metro quadrado. E, infelizmente, não é só na política.

  29. Para quem aprecia a clareza e a simplicidade das coisas, o que realmente importa é saber se o crime aconteceu e em caso positivo, enquadrar os envolvidos na forma da lei. O resto é encher linguiça apenas.

  30. Gravíssimo caso desse governador e vocês com insinuações sobre o presidente! Futuro desta revista e carta capital! Sem credibilidade e falida!

    1. Bozomerda, os números não dizem isso. Petralhas odeiam a Crusoé. Bozomerdas odeiam a Crusoé. Avante Antagonistas !!!

  31. O jornaleco, meu Deus. Querem fazer crer que a PGR só começou a investigação do Witzel por que são alinhados ao Presidente? Que lixo de revista.

  32. Confesso que, neste caso, meu desejo é que se fizesse uma matéria sobre a cleptocracia carioca e os atos criminosos do Witzel. Este é o tema que precisa ser abordado e aprofundado. Quando ao envolvimento do Bolsonaro, também merece ser investigado, mas usem outra matéria - como vocês tem feito. Misturar as duas coisas tem trazido dúvidas ao assinante se, apesar dos pesares, a Crusoe continuará a fazer jornalismo isento.

    1. O nome da matéria é "O calo de Witzel " portanto o conteúdo é compatível. Talvez , no futuro , com as investigações mais adiantadas , apareça uma matéria " Os desvios de Witzel ".

  33. Deixa eu entender: a matéria é sobre as falcatruas do Governador ou para incriminar a Presidência da República? Desculpe a pergunta é que sou meio burrinho sobre o tema.

    1. Ah! Crusoé... Como gosto de você! Tem gente que cria e não cria mais! Eu sempre cri, ainda crio e sempre criarei. Serei eu um Cri cri?

    2. Excelente matéria! Vou, com prazer, renovar a assinatura.

    3. Esse rapaz pueril, Ney fala muito palavrão, parece até filho Bolsonaro.

    4. Cancela nada. Bozomerdas não passam sem a Crusoé, a exemplo do jumento bozo

    5. Como faço para cancelar minha assinatura da CRUSOÉ ? Decepção total.. jornalismo esquerdista. Muito triste. Quando assinei a revista, cria na isenção dos seus articuladores...

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO