US-Mexico barrier at Nogales via Wikimedia CommonsÀ esquerda está Nogales, no estado americano do Arizona. À direita está Nogales, no estado mexicano de Sonora

Quase todo o mundo vai ao México atrás da sua fronteira com os Estados Unidos

18.06.24 14:35

Nos cinco primeiros meses de 2024, o governo do México identificou 1.393.683 pessoas viajando em condição irregular no país — a maioria absoluta em direção ao extremo norte do país, rumo à fronteira dos Estados Unidos. Os dados foram apresentados pelo Instituto Nacional de Migração, nesta segunda-feira, 17.

Os dados do governo mostram que o mundo todo tenta a travessia ilegal: pessoas de 177 países diferentes foram apreendidas pelas autoridades mexicanas (para comparação, a ONU tem 192 países membros). A maior parte deles eram venezuelanos (377,4 mil apreendidos), seguidos por cidadãos da Guatemala (209,5 mil), Honduras (144,4 mil) e Equador (136,6 mil), país afetado por uma crise de violência com o crime organizado.

O Brasil é o 15º país com mais apreendidos, sendo 11.058 pessoas presas por estar em situação irregular no país. Em um dado surpreendente, o número de chineses (13.780) que foram abordados no país segue em alta, que ainda viu um surto de senegaleses e guineenses tentando a travessia.

Há ainda o registro de 2.992 menores desacompanhados na fronteira, todos de um grupo de oito países: Venezuela, Guatemala, Honduras, Equador, El Salvador, Colombia, Haiti e Nicarágua. Neste caso, eles permanecem no México, em espaços de tutela do governo. Nem todos os 1,3 milhão de ilegais foram deportados — alguns conseguiram asilo no México.

Biden em modo ‘morde-e-assopra’

O maior interessado no reforço do controle migratório mexicano é o governo de Joe Biden nos Estados Unidos, que tem adotado uma postura ambígua no tema. Em um ano eleitoral onde a imigração é o tema mais importante para o eleitor americano, o democrata tenta equilibrar medidas mais severas de controle de imigração com posições mais progressistas no tema.

Nesta terça-feira, 18, Biden anunciou que deve garantir medidas facilitadas para a cidadania de ilegais que estão casados com pessoas americanas, em uma medida que poderá beneficiar cerca de meio milhão de imigrantes irregulares no país. A medida poderá beneficiar outros 50 mil menores de 21 anos cujos pais também estão casados com americanos.

Na semana passada, no entanto, Biden foi mais duro — e assinou um decreto bloqueando o direito a asilo da maior parte dos pedidos que chegam à fronteira do país. A medida, aplaudida por parte dos democratas, foi tomada como resposta à pressão dos republicanos  para uma ação do governo sobre a imigração.

Leia mais em Crusoé: Imigração ilegal vinda do Canadá explode nos EUA

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
Mais notícias
Assine agora
TOPO