Kevin David/A7 Press/Folhapress

O financiador oculto da Precisa

26.07.21 07:30

Um relatório do Coaf enviado à CPI da Covid no Senado revela a identidade de um financiador oculto da Precisa Medicamentos, empresa que intermediou a compra da Covaxin pelo governo Jair Bolsonaro e também está na mira de investigadores por supostas fraudes na venda de testes ao governo do Distrito Federal. Trata-se de um empresário com longo histórico de contratos com um plano de saúde de servidores públicos federais dominado pelo Progressistas.

Segundo o relatório, em maio do ano passado, o dentista e empresário Mauricio Camisotti foi ao banco tentar fazer uma operação de câmbio no valor de 18 milhões de reais em dólares para a compra de testes de Covid. No entanto, o fez em nome da Precisa Medicamentos, da qual não era sócio nem procurador. O banco rejeitou o pedido, mas achou por bem informar ao órgão de controle.

Camisotti afirma que foi ao banco apenas para “endossar” um empréstimo à Precisa, que não teria condições de contrair um valor nessa monta. Com o insucesso da operação, diz ter emprestado os 18 milhões de reais a pedido de Francisco Maximiano, o Max, dono da Precisa. “Foi feito um contrato de mútuo registrado pelo advogado Nelson Willians, e foi feito isso aí, e foi financiado para eles comprarem o teste, porque eles tinham um contrato com o GDF e toda a entrega programada“.

O contrato de 20 milhões de reais entre o governo do Distrito Federal e a Precisa para o fornecimento de testes de Covid é investigado na Operação Falso Negativo, do Ministério Público do Distrito Federal. Segundo as investigações, mesmo oferecendo um preço mais alto, a Precisa foi contratada. Em razão desta investigação, Camisotti diz que a Precisa não pagou de volta a dívida.Meu negócio com ele só foi esse aí que do GDF que deu essa zebra aí. Inclusive, eles tinham que ter acertado comigo, porque já venceu a dívida deles e agora eu vou ter que fazer essa cobrança, né?“, diz Camisotti.

Financiador oculto da Precisa, Camisotti é dono de empresas na área de odontologia, e tem um histórico longo de contratos milionários com o Geap, plano de saúde dos servidores públicos federais, cuja diretoria é indicada pelo Ministério da Saúde, pela Casa Civil e o INSS. Durante os anos em que o empresário firmou contratos, o Geap era um feudo do Progressistas, e a própria Polícia Federal chegou a investigar pagamento de propinas a Ricardo Barros, Ciro Nogueira e Aguinaldo Ribeiro – os inquéritos nunca andaram. Atualmente, sua empresa não é diretamente contratada pelo plano, mas é subcontratada pela Prevident, que prestou serviço ao Geap até o fim de 2019, após a rescisão do contrato. Segundo o Coaf, entre 2016 e 2020, Camisotti e um sócio da Prevident fizeram transações que totalizaram 26,4 milhões de reais.

Também foram comunicadas ao Coaf transações de 12 milhões de reais entre Camisotti e o escritório do advogado Nelson Willians, contratado pela Geap sob a influência de um advogado indicado por Ricardo Barros – que, à época, era ministro da Saúde do governo Michel Temer, do MDB. Camisotti afirma que as transferências se tragam de um “mútuo particular“. Atualmente, tanto a Prevident, que subcontrata a empresa de Caomisotti, quanto Nelson Willians são alvos de ações movidas pelo próprio Geap, cuja atual gestão, indicada pelo ministro Onyx Lorenzoni, do Democratas, acusa irregularidades e cobra valores milionários na Justiça. Com a volta de Ciro Nogueira à Casa Civil, o Progressistas deve voltar a ganhar força dentro do plano de saúde.

Além de Camisotti, o próprio Francisco Maximiano tem pendências na Justiça relacionadas a esquemas em fundos de pensão. No caso de Max, a Polícia Federal investiga supostos desvios no Postalis, dos funcionários dos Correios, que fizeram aportes no FIP Saúde, que, por sua vez, investiu 36 milhões de reais na Global Gestão em Saúde, que pertence ao empresário. Nesta frente, os investigadores suspeitam de repasses de 9 milhões de reais da Global a uma empresa de Milton Lyra, contador apontado como operador do senador Renan Calheiros, do MDB.

Procurada, a Precisa não se manifestou. A defesa de Maximiniano também não se pronunciou. O advogado Nelson Willians afirmou que Mauricio Camisotti é seu “cliente“, e “dos bons“, “além de amigo“. “Em tempo, Maurício e todas as empresas dele. São várias empresas“, disse. O advogado também afirma que nunca teve “nenhum envolvimento com políticos“. “Nossa contratação foi técnica e sempre prestamos ótimos trabalhos para a GEAP, tanto que, quando esses imotivadamente resolveram rescindir nossos contratos, perderam até hoje todas as ações na Justiça”.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O último parágrafo é uma pérola, evidência que a teia da corrupção vai longe. O judiciário é parte importantíssima disso. Está tudo dominado.

  2. Vou fazer uma abstração. Bolzo achou que tudo estava dominado, então deu carta branca para o seu líder na Câmara, RB, prospectar alguma negociata. RB, como estava tudo dominado, foi atrás de um velho comparsa de trambique, o tal Max. Mas Max, é um vigarista com poder de fogo limitado. Não tinha caixa para entrar nessa jogada da Covaxin. Negociata certa, mais sem dinheiro em cx, pois o fluxo de caixa para tal empreitada, era negativo. Por isso se fazia necessário os 45 mi de dólares adiantados.

  3. Esse Nelson Willians e aquele que sempre pública matéria paga na Folha de São Paulo???Aquele jornal que foi comprado da família Frias pela esquerda brasileira,assim como a Veja? À imprensa está toda a serviço de partidos políticos!!

  4. Há quantos anos isso acontece?E importante saber quais políticos estão envolvidos!O eleitor tem que saber para votar direito

  5. É um mar de lamas. Tudo como antes, ou pior. Sabe qdo vamos ser um país desenvolvido, com estes bandidos agindo, nunca. Acorda Brasil!!!🇧🇷🇧🇷🇧🇷

  6. Os contratos com a Prevident e Nelson Willians foram rescindidos em 2019, logo que a gestão teve conhecimento das irregularidades e os serviços que eram prestados pelas empresas foram internalizados, gerando milhões em economia. A empresa Nelson Willians perdeu inúmeras causas por interesse ou negligência . Atualmente estamos cobrando, na justiça, todo os prejuízos causados pelas duas empresas.

    1. A Geap está em ótimas mãos agora. O Gen Figueiredo é um homem muito sério e competente. Com o Centrão no comando da Casa Civil, temo que a gestão dele à frente da Geap vá se encerrar em breve...

    1. Ambos têm visões corretas sobre as causas da corrupção no Brasil.Acrescento a organização do Estado,a falta de Educação Moral e Cívica,a falta de uma visão de País por todos os cidadãos.Partidos, ONGs,Sindicatos e Veículos de Mídia,tirando as exceções de sempre,vivem de dinheiro público, fazem de sua ação sobre o povo que não pensa,a manutenção dos mecanismos de corrupção, de poder e mando eterno. 2022 será o desafio: Terceira via ou morte!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO