Divulgação

‘É melhor termos uma lei pensada pelo Pelé do que pela bancada da bola’, diz Carla Camurati

05.12.21 14:02

A atriz e diretora Carla Camurati lançou em novembro o documentário 8 Presidentes 1 Juramento, que condensa em 145 minutos diversos momentos políticos do Brasil dos últimos 30 anos. O documentário inicia com a campanha por eleições diretas e vai até a posse de Jair Bolsonaro, em 2019. Contando apenas com a seleção e o encadeamento de cenas, sem fazer uso de um narrador, Carla evita posicionar-se ao longo da história. Com isso, traz uma narrativa poderosa sobre a Presidência da República, sem cair na polarização atual. O documentário está em cartaz em cinemas do Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador, e em breve chegará a Manaus. No ano que vem, estará disponível em streaming. Por email, a diretora de Carlota Joaquina e Irma Vap – O Retorno, respondeu a perguntas da Crusoé.

Seu documentário é emocionante em alguns momentos. O brasileiro erra em tratar a política com muita emoção e pouca razão?
Tem uma máxima do diretor Antônio Abujamra (1932-2015) que eu adoro. Toda vez que um ator se emocionava muito e acabava exagerando em uma cena, ele dizia: “Querido, querido… não se emocione tanto. Veja o que a emoção fez com a América Latina! Por favor, fique no comando!”. Acho que o brasileiro se equivoca, porque a emoção de alguma maneira tira o foco do nosso objetivo. Não discutimos claramente o que queremos para o país. Dá para perceber isso entrando durante meia hora nas redes sociais: muita grosseria, reclamações, ofensas e poucas propostas. Não conhecemos nem sequer o plano de governo proposto pelos candidatos. Ouvimos apenas frases de palanques e nos simpatizamos com o político A ou com o B. Poderíamos resolver questões básicas na engrenagem política sem muito “trelelê”, para ajudar o país. Por exemplo: deputados e senadores podem votar questões cruciais para o país na calada da noite com voto secreto? Provavelmente, todos os brasileiros responderiam que não, com exceção dos interessados.

Teve muita gente reclamando que a sra. não fez um documentário para defender o ponto de vista delas?
Quando o filme ficou pronto, promovi várias sessões com amigos e conhecidos, de posicionamentos políticos diferentes. Foi muito bom ver que ninguém achou que o filme cometeu injustiças. Como no capítulo final de uma novela de sucesso, assistimos boquiabertos à trama que se constrói e que vai decidir o nosso destino. Não tivemos ainda uma discussão em torno da defesa de pontos de vista, mesmo porque o filme não traz um ponto de vista e sim uma sequência de fatos que fazem parte da nossa história.

Um bom filme se faz com poucos personagens. Nos 30 anos mostrados pelo documentário, a impressão é de que um número restrito de políticos comandou o Brasil. Não deveria ser diferente?
Poderia e deveria ser diferente, só que grande parte das pessoas que poderiam estar oxigenando a nossa política se desanimam com o nosso cenário político atual. Acontece que, antes do voto, temos as campanhas, os palanques, os acordos com os partidos e o dinheiro que financia tudo isso. Por causa desse quadro amplo de fatores que regem uma eleição surge a tendência de “políticos do ramo” se revezarem no poder, perpetuando assim a presença deles na cúpula do país.

Os políticos falam muito em Deus. Por que nossa política precisa tanto de uma divindade? Acha que Deus tem misericórdia dessa nação?
Interessante isso, né? Acho que esse é um ponto que fortalece a sintonia entre eleitores e candidatos. A música País Tropical já diz que o Brasil é um país abençoado por Deus e bonito por natureza. Temos visto vários exemplos de misericórdia divina na nossa história. Os políticos não falam em Deus para ativar a sua misericórdia, talvez o façam para estimular a misericórdia do eleitorado, que no Brasil sempre teve um viés religioso importante.

A sra. aparece em dois momentos no documentário, em solenidades oficiais. Seu filme também mostra Pelé e Gilberto Gil envolvidos com a política. Como a sra. vê essa mistura de dois mundos? A política também é um espetáculo? 
Várias perguntas em uma mesma questão. Ambas atividades requerem uma teatralidade, mas não consigo comparar nem a forma, nem os objetivos, muito menos o conteúdo. Entretanto é a política que define os caminhos do país e, com isso, é normal que pessoas de outras áreas entrem na política com o objetivo de mudar as coisas, de melhorar o país. É melhor termos uma lei que foi pensada e liderada pelo Pelé, do que pela bancada da bola. Isso não quer dizer que o país só evolua quando um personagem da cultura ou do esporte, ou um empresário, decide se envolver com a política. Todos somos políticos, enquanto eleitores, e alguns de nós podem com certeza contribuir com a causa pública, como ministros, secretários e gestores.

Seu documentário mostra que os brasileiros dão muita importância ao cargo de presidente, mas também mostra que protestos e impeachment são ameaças constantes. O parlamentarismo poderia dar certo no Brasil?
Não sei se resolveria o nosso problema. Já tivemos duas pequenas experiências no Brasil com o parlamentarismo, e já optamos pelo presidencialismo em um plebiscito. É evidente que a troca de um governante (no caso, de um primeiro-ministro) é feita de forma mais prática e indolor no parlamentarismo. Só que os problemas que temos hoje podem se repetir em qualquer sistema. Para avançar, precisamos não apenas do presidente, e sim de todos. Precisamos melhorar a nossa comunicação durante o período de eleições. Saúde, educação, segurança e controle da corrupção vivem no desejo da nação há muitos anos  e podem ser temas para muitos documentários, mas acaba que existe uma banalização da corrupção dia após dia, durante anos, nas diferentes áreas da República.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Uma atriz e diretora de cinema que produz uma obra abrangendo aspectos politicos contemporâneos, no texto anexo, afirma que houve UM plesbicito popular para definir a implantação do Parlamentarismo no Brasil e que foi recusado pelos eleitores .Na realidade foram DOIS plebiscitos e ambos recusaram o Parlamentarismo : o primeiro quando Jango Goulart assumiu a Presidência e o segundo na elaboração da Constituição de 1988.

  2. Ela fala na entrevista de poucas caras ao longo dos 30 anos. Urgente uma reforma eleitoral que acabe com reeleição pra cargos no Executivo e limite a no máximo 1 vez os cargos no Legislativo. A legislação favorece que os mesmos permaneçam por décadas nos cargos, agravada agora com o Fundo Eleitoral, onde os caciques dos partidos manejam as verbas a seu bel prazer

  3. 1- Vou dar um desconto para a Carla Camurati e para o tal Abujamra. Ele por falar bobagem. Ela por repetir essa bobagem. Eles não entendem nada. O ser humano é emocional, todos seres humanos. Toda decisão envolve emoção. Não existe um botão que desliga a emoção. Para melhorar na tomada de decisão, temos que aprimorar nosso processamento, para quando receber os inputs, conseguir gerar output satisfatório com o objetivo.

    1. 3- Bolsonarista para calcinha apertada, traíra... Esse é o jogo. Eu não jogo papel no chão, baixo a tampa do vaso sanitário... sou um gentleman. Mas se precisar baixar o nível, chutar o saco, encher de porrada, sou o demônio. Eu não entro em jogo para perder. Moro 🇧🇷

    2. 2- E essa fala da Camurati de grosseria bla bla bla bla bla bla bla, é conversa fiada. Esse é o cenário e não vai mudar. Se quer entrar nesse jogo, pois é nesse jogo que a política é decidida, vc tem que estar disposto a dar sempre uma porrada mais forte. Mas eu sou um intelectual, eu não vou me curvar a discutir com bolsonarista e lulista. Então meu caro, minha cara, vc não presta para esse jogo, e será escravo do status quo. Lulista apelam para coxinha, juiz parcial...

  4. Pior é isso. Ver que a corrupção no Brasil está tão banalizada como a Carla disse... Precisamos acabar com esse atraso.

  5. o maior problema do Brasil é a corrupção e agora banalizada, questão que o parlamentarismo ou o semipresidencialismo não vai mudar.

  6. tai concordo aliás depois dis 7a1 o futebol brasileiro morreu . nunca mais vi um jogo da seleção mercenária européia pois me dou ao respeito.

  7. Hj no Twitter vi um cara xingando o Moro.Palavras dele:"Compara a história de Hugo Chaves c/a de Bolsonaro e Moro e veja as ações e discursos."Quando retruquei, ele afirmou q Moro e Bolsonaro querem transformar o Brasil em comunismo,mas defendeu Lula.Eu nunca vi uma salada russa como essa!O brasileiro ñ sabe o q acontece na política,mas elege os trogloditas p/ nos governar.Analfabeto funcional deveria ser proibido de votar.Político sem 2° grau ñ deveria poder candidatar-se. Dane-se a democracia!

    1. 2- CHICO cearense, o cara que defende o Bolsonaro e o Ciro Gomes, faz uma colocação dessa. Bolsonaro e os filhos adeptos da rachadinha. Ciro recebeu 1 milhão do PDT, em pouco mais de 2 anos. Vai entender a mente de alguns. Moro Presidente 🇧🇷

    2. 1- Interessante este tal de FRANCISCO. Moro era um juiz cumpridor da lei, por isso não fez fortuna como outros magistrados. Foi ser ministro e saiu após às investidas do Bolsonaro para aparelhar a PF. Como foi um ministro honesto, não teve nem condições de ficar um tempo à toa, como muitos, com isso foi trabalhar na iniciativa privada para sustentar a sua família. Agora, como é de praxe, recebe do Podemos para conseguir se manter, enquanto cumpre uma agenda de candidato.

    3. Em eleição não se pode rejeitar apoio mas Moro se apressa e totalmente comete erros .. já virou político e como Lula como Ciro como Marina e como tantos é agora funcionário do partido e recebe $25 mil por mês . é legal sim mas cadê a tal ética? não aguentou o primeiro round . pobre de nós com +4 anos no inferno da politicalha . snif snif.

  8. Ela é bem lúcida na entrevista ! Quero assistir !! 40 anos que estamos painsndo por caisa de “ políticos “!!!

  9. quão baixo chegamos !!! estamos tropeçando no sarrafo. carla camurati....who the fuck is carla camurati . aquela que fez um filminho poco melhor que pornochanchada , aquela que é versao feminina do antonio pitanga com seu chapéu branco e ninguem sabe como vive ou o que fez para dar entrevistas. PELAMORDEDEUS. candidata a abl daqui a pouco.

    1. Ninguém tem culpa da sua ignorância e desconhecimento! Carla Camurati já estava começando a dirigir filmes quando eu saí do Brasil, há 35 anos. Informe-se!

    1. Mulher inteligente!!! Gostei muito da entrevista. verei o documentário.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO