Wallace Martins/Futura Press/Folhapress

CPI: relatório paralelo de senador tucano associa Ciro Nogueira a esquema na Saúde

20.10.21 07:01

O senador Izalci Lucas, do PSDB, apresentou à CPI da Covid um relatório paralelo em que detalhou investigações sobre suspeitas de irregularidades em contratos firmados pelo Governo do Distrito Federal durante a pandemia. No documento, que o parlamentar chamou de “complementação de voto”, o senador apontou a participação do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, em um esquema de fraudes na capital federal.

Ciro, que é presidente nacional do Progressistas e foi um dos integrantes da CPI antes de ser nomeado ministro palaciano, é apontado como um dos responsáveis por comandar a saúde do Distrito Federal e por indicar pessoas que teriam conduzido esquemas em contratos para a compra de testes superfaturados e para a construção de hospitais de campanha.

“Há dois anos e meio, a saúde do Distrito Federal é comandada por pessoas indicadas pelo Progressistas, partido de Ricardo Barros, Arthur Lira e Ciro Nogueira, com a anuência do governador Ibaneis Rocha”, aponta o senador. “Nesse período, houve dezenas de irregularidades identificadas que resultaram, inclusive, na prisão da cúpula da Secretaria de Saúde”, acrescenta Izalci.

O nome de Ciro Nogueira é citado 16 vezes no relatório paralelo elaborado pelo tucano. O documento de 347 páginas cita investigações da polícia e do Ministério Público, além de um organograma do suposto esquema, com nomes de empresários, agentes públicos e políticos que teriam contribuído com o esquema.

Segundo Izalci, o empresário João Kennedy Braga, que foi alvo de uma operação policial, seria a “ponte” entre o ex-secretário de Saúde do DF Francisco Araújo Filho e o meio político. “Braga representou algumas empresas da área de saúde e atendeu aos interesses do senador Ciro Nogueira, notadamente, na Fundação de Seguridade Social”.

O relatório informa ainda que João Kennedy Braga “operou” para Ibaneis Rocha e para Ciro Nogueira “com o apoio do parceiro de crime Francisco Araújo Filho, líder da organização criminosa instalada na Secretaria de Saúde”. Ainda segundo o documento elaborado por Izalci, Ciro Nogueira foi decisivo para a indicação de Osnei Okumoto, que comandou a saúde por duas vezes durante a gestão Ibaneis.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Coitados de nós. A bandidagem reinando no país de vento em popa, mas a Lava-Jato foi culpada pela derrocada da economia, segundo ministros do STF.

  2. Sásinhora... que cambada de marginais da pior espécie associados, uma orcrim à solta, com cargos e funções à vontade para cometerem crimes tenebrosos e sucessivos contra os BRASILEIROS!!!! A nossa faxina nas urnas terá que ser absolutamente drástica e radical!!!!

    1. Para esta corja , o Brasil está virado em torcida de futebol, os contra Bozobosta e os a favor ao Molusco Ladrao , e o país vai sendo consumido por esta gente “FIEL”, a velha política !!E o Povo, que é o povo????

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO