Gabriel Matos/Senado Federal

Como a CPI pretende avançar na investigação sobre hospitais federais do Rio

20.06.21 15:15

O depoimento do governador cassado do Rio Wilson Witzel abriu um novo flanco de investigação na CPI da Covid: a gestão de hospitais federais localizados no estado. A apuração deve se dividir em pelo menos três eixos. Passará pela deficiência de leitos destinados ao atendimento de pacientes infectados pelo coronavírus, por eventuais irregularidades em contratos e pela suposta ação de milícias nas unidades de saúde.

Na última semana, o senador Humberto Costa (foto), do PT de Pernambuco, protocolou requerimentos de informações endereçados aos seis hospitais federais fluminenses. Os pedidos devem ser aprovados pela CPI nos próximos dias.

Nos documentos, o petista questiona quantos leitos de internação e de UTI voltados a pacientes diagnosticados com Covid-19 funcionaram de 1º de janeiro de 2020 até hoje e quantos mais poderiam ter sido habilitados. Além disso, indaga por que os hospitais não abriram novos espaços para o tratamento de pessoas infectadas pelo novo coronavírus e se o Ministério da Saúde agiu para ampliar as habilitações.

Humberto Costa apresentou os requerimentos após Witzel alegar na quarta-feira, 16, que teve os pedidos de ampliação do número de leitos ignorados pelo governo Jair Bolsonaro durante a pandemia. “Eu, no início de 2019, pedi a administração dos hospitais, obviamente com os recursos. Acredito que são mais de 3 bilhões de reais. Para esses hospitais, dá e sobra para abrir os leitos. E, em 2019, nós já teríamos esses leitos abertos. Não fui atendido, e, durante a pandemia, também não fomos atendidos, com o objetivo exatamente de asfixiar a gestão da pandemia”, declarou.

As justificativas foram as mais estapafúrdias: que os leitos estão sucateados, que os leitos não estão em condições de serem operados. Sim, mas, entre construir um hospital de campanha, o que é uma grande dificuldade e um grande problema, e reformar rapidamente leitos, a medida que seria salutar seria reformar os leitos”, emendou.

A CPI ainda vai pedir a relação de todos os contratos firmados desde 2017 entre os hospitais e empresas “fornecedoras de serviços assistenciais, de apoio diagnóstico e terapêutico, reforma e manutenção predial e de equipamento, limpeza, lavanderia e alimentação, vigilância, insumos e de mão de obra”. O pedido baseia-se nos relatos de que houve corrupção durante a celebração dos contratos.

Outros caminhos para as apurações devem ser apresentados por Witzel em uma “reunião secreta” com a CPI. O requerimento para a realização dessa sessão sigilosa também tende a ser aprovado na próxima semana. No depoimento de quarta-feira, o governador cassado afirmou que os hospitais “têm um dono”. Depois, em privado, disse a congressistas que se referia a Flávio Bolsonaro, que, segundo ele, interfere nos contratos das unidades de saúde e nas nomeações de dirigentes.

Os senadores querem saber se Witzel tem indícios ou provas concretas das denúncias para, então, propor novas convocações e quebras de sigilo telefônico, telemático, bancário e fiscal.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Senadores, investiguem sim os hospitais federais aqui do Rio. Há várias reportagens dos jornais locais do Rio falando sobre isso. Hospitais que fecharam leitos e emergências sem explicação.

  2. Faltou o Witzel abrir o jogo sobre a aliança do Bozo com os chefes da milícia. Ele sabe de tudo. O resultado será um estrondo no Bozismo. Aguardem!

  3. Flávio Rachadinha vai voltar a tomar remédio pra dormir, após abafar de forma vergonhosa, com muito conchavo e grana o caso Queiroz ! O filho zero um escrúpulos tava muito nervoso no bate boca com o Witzel, tem caroço nesse angu , o clã dos Bolsodelinquentes são bandidos de longa data.....

    1. O ardo está se ardendo todo por causa do zurro do Joãozinho. Não entendo a razão? Os dois não são companheiros de genocídio?

    1. Que bom q ele está em ação. Alguma vez na vida tem de fazer algo para o bem do Brasil.

  4. Agora vai aparecer de onde vem o lucro dos imóveis , vários casamentos só para ter muitos cpf das mulheres e parentes, os filhos nascidos já corria no cartório pra fazer cpf dos milicianinhos, até os novos maridos tem imóveis e cpf emprestado, tudo quadrilheiro , vagabundagem, pior que trouxe toda corrupção de volta e junto no pacote a turma do lulaladrao !!! É mole!!!!

  5. Cada vez fica mais cristalino, que Bolsonaro não é apenas um genocida, é também um corrupto. O que Witzel aponta é algo lógico. Em vez de construir hospitais de campanha, é muito mais racional reformar um aparelho do Estado que já existe. FB parece que evoluiu nas suas maracutaias. De loja de chocolates para hospitais com 3 bilhões de orçamento.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO