Divulgação

Após rejeição da Sputnik, Congresso quer obrigar Anvisa a aprovar vacinas chanceladas no exterior

03.05.21 17:44

Líderes partidários no Congresso discutirão na manhã desta terça-feira, 4, a possibilidade de derrubar o veto de Jair Bolsonaro a uma lei votada em fevereiro que trata da aprovação de vacinas. O trecho, vetado pelo presidente a pedido de Antonio Barra Torres, diretor-presidente da Anvisa, dá à agência prazo de cinco dias para autorizar o uso de vacinas já aprovadas por autoridades estrangeiras, caso da Sputnik V, que foi rejeitada na semana passada.

O artigo excluído por Bolsonaro havia sido inserido pelos parlamentares em uma medida provisória editada pelo Planalto para confirmar a adesão do Brasil ao consórcio Covax Facility, liderado pela OMS. A articulação para incluir o texto na MP foi conduzida por Ricardo Barros, líder do governo na Câmara, em conjunto com deputados do PT.

O texto diz que “a Anvisa concederá autorização temporária de uso emergencial para a importação, a distribuição e o uso de qualquer vacina contra a Covid-19 pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal e pelos Municípios, em até cinco dias após a submissão do pedido, dispensada a autorização de qualquer outro órgão da administração pública direta ou indireta, desde que pelo menos uma das seguintes autoridades sanitárias estrangeiras tenha aprovado a vacina e autorizado sua utilização”.

Se derrubado o veto, a Anvisa será obrigada a dar aval a vacinas aprovadas por Estados Unidos, União Europeia, Japão, China, Canadá, Reino Unido, Coreia do Sul, Rússia e Argentina.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Os políticos que se recolham à sua insignificância. Não entendem patavina do assunto e querem meter a colher. A sociedade confia na Anvisa, já do congresso, só se espera o pior.

  2. Só queria saber como aprovaram a coronavac se a Europa e os estados unidos não aprovaram. muito esquesito isso não? Sputinik está em 60 países, inclusive Argentina.

    1. Simples, a coronavac ofereceu ofereceu toda a documentação pedida, e nela não se encontrou nada que desabonasse o seu uso. Alguém acredita que os pesquisadores do renomado instituto gamaleya, têm total independência em seu trabalho?

    2. Mas não foi feito todas as pesquisas necessárias a terceira fase não foi feita.

  3. Parece que o orgão competente pra decidir neste caso, é a Anvisa., ela está correta, se não aprova, certamente tem problemas, cada qual na sua função.

  4. Se a ANVISA ,autoridade maior em autorizar ou não um medicamento , o Congresso deve se omitir e não se intrometer em assunto que não lhe compete. Casa macaco em seu galho ,esse ditado é muito pertinente

  5. Isso é uma vergonha! Descaso com a saúde pública! Temos uma agência com especialistas de primeira linha para nos assegurar a qualidade e segurança das vacinas aprovadas e esses maus representantes querem nos tirar essa segurança! Um absurdo

    1. MITO MITO MITO MITO MITO MITO !!!!!!! EU. A. U. T. O. R. I. Z. O. !!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  6. Quando tivermos um problema com doença teremos de nos consultar com um político, jornalista ou juiz de direito, menos com o profissional de medicina, formado e autorizado a cuidar da nossa saúde..

  7. Claro, Claro! Vacinas "chanceladas" por qualquer Estado, como China, Rússia, Venezuela, Coréia do Norte...esses gastos querem evitar que a ANVISA faça seu trabalho e proteja os brasileiros dos picaretas internacionais.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO