ReproduçãoBolsonaro ruma para o topo do ranking de políticos com mais seguidores no aplicativo em todo o planeta

O Telegram vai às urnas (e isso é um perigo)

Puxado por Jair Bolsonaro, o aplicativo de troca de mensagens deverá ser o vilão das eleições de 2022 no Brasil, com espaço liberado para golpes baixos e blindagem contra decisões judiciais
19.11.21

Uma empresa criada por um russo de 37 anos, que tem entre 25 e 30 funcionários e sede em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, tem tudo para ser a arena onde ocorrerão os ataques mais baixos entre os candidatos a presidente do Brasil na eleição do ano que vem. A companhia é o Telegram, do aplicativo de envio de mensagens de mesmo nome. Seu criador é o russo Pavel Durov, que não dá entrevistas e de quem se tem pouca informação. Sua fortuna passa dos 17 bilhões de dólares. Durov se orgulha de ter criado um programa livre, que não se submete às pressões dos estados e que não pratica a censura, salvo quando há incitamento à violência. Com recursos que permitem viralizar conteúdos rapidamente, essa será, muito provavelmente, a plataforma predileta dos políticos que quiserem lançar boatos contra adversários ou espalhar teorias conspiratórias para conquistar eleitores.

O Telegram está se mostrando uma plataforma bastante atrativa para a organização de grandes grupos que querem evitar restrições, pois a empresa aparentemente nem sequer atende a pedidos de informação feitos por autoridades. É como se o aplicativo funcionasse em uma dimensão paralela”, diz o advogado Danilo Doneda, professor de direito digital e membro do Conselho Nacional de Proteção de Dados e da Privacidade.

O principal propagandista do Telegram no Brasil é o presidente Jair Bolsonaro. Sua conta oficial foi criada no dia 9 de janeiro. É uma data marcante e ilustrativa das razões que levaram Bolsonaro a avançar para o novo front. Três dias antes, Twitter, Facebook e Instagram baniram o então presidente americano Donald Trump, por entenderem que ele estimulou a invasão ao prédio do Capitólio, em Washington. Para não repetir o ostracismo digital de Trump, Bolsonaro, que ganhou a eleição de 2018 com pouco dinheiro e uma participação ativa nas redes sociais, começou a buscar uma plataforma menos sujeita a “intervenções externas”. Àquela altura, o WhatsApp, uma empresa do Facebook, agora Meta, também estava pedindo a seus usuários que aceitassem uma nova política de privacidade. Apesar de não se tratar de uma mudança substancial, isso levou grupos de extrema-direita a temer a aplicação de regras que cortassem o vínculo com os seus públicos.

Nos onze meses seguintes, Bolsonaro procurou levar o maior número possível de seguidores nas maiores redes sociais para o seu canal no Telegram. Atualmente, a primeira informação que ele traz em seu perfil no Facebook é um convite para o seu canal na plataforma de mensagens. O presidente passou a propagandear constantemente o Telegram. Segundo a consultoria Bites, que monitora os políticos nas redes, o presidente citou a palavra “Telegram” 49 vezes entre janeiro e abril. Depois de maio, o ritmo aumentou e passou a ser de mais de 40 por mês.Esses números mostram claramente que Bolsonaro está promovendo um movimento estruturado de migração de seus seguidores para o Telegram”, diz André Eler, diretor-adjunto da Bites. O esforço obteve resultados. No dia 8 de outubro, Bolsonaro ultrapassou 1 milhão de seguidores na plataforma de Pavel Durov.

O movimento de Bolsonaro não tem paralelo entre os demais pré-candidatos a presidente. Lula tem um canal no Telegram desde junho, mas só começou a fazer propaganda para valer em outubro. Mesmo assim, o petista tem hoje apenas 45 mil seguidores. Ciro Gomes, do PDT, tem menos da metade disso. Todos os outros pré-candidatos estão abaixo desse patamar. O Telegram tem prosperado mesmo é nos setores do bolsonarismo. O deputado Eduardo Bolsonaro, o blogueiro Allan dos Santos e o caminhoneiro Zé Trovão têm mais de 50 mil inscritos cada.

ReproduçãoReproduçãoPavel Durov, o fundador do Telegram: orgulho por não se submeter a pressões
O apelo do Telegram está na sua capacidade de distribuir mensagens a um público vasto, sem qualquer ameaça de censura. No seu início, o aplicativo apenas oferecia a troca de mensagens entre pessoas, nos moldes do WhatsApp, mas, com o tempo, o Telegram passou a disponibilizar alguns recursos que se assemelham aos de uma rede social. O programa não tem o “feed de notícias”, em que o usuário pode visualizar as últimas publicações feitas por amigos, empresas ou outras entidades. Em vez disso, oferece canais e grupos. Para acessar um canal, o usuário precisa fazer uma busca pelo nome da pessoa que quer seguir e então entrar na sua conta, para então poder ver tudo o que ela publica. Nos canais, o número de seguidores que uma pessoa pode ter é infinito. Os usuários também podem criar e participar de grupos com até 200 mil integrantes.

A combinação de canais e grupos é explosiva. Conteúdos publicados por canais frequentemente vão parar nos grupos e recebem centenas ou milhares de comentários. Mensagens contra as vacinas anti-Covid não são bloqueadas por princípio. “No Telegram, as pessoas podem publicamente expressar preocupações razoáveis sobre as vacinas. Os grandes canais do Telegram estão entre os poucos lugares que sobram na internet nos quais os usuários podem levantar suas vozes contra várias medidas contra a Covid, que eles acham que podem ter limitado seus direitos”, escreveu Pavel Durov, em seu próprio canal. Na verdade, ali há espaço garantido para quase tudo. Além de teorias conspiratórias sobre a pandemia, podem ser encontrados facilmente vídeos pornográficos, anúncios de produtos contrabandeados, venda de animais silvestres e assinaturas piratas de plataformas de streaming. Há mais. O grupo terrorista Estado Islâmico, por exemplo, elegeu o Telegram como seu principal veículo de comunicação. Canais foram usados para planejar e executar os atentados em Paris em novembro de 2015, que deixaram 130 mortos. Após uma explosão em uma mesquita xiita no Afeganistão, o grupo usou a plataforma para assumir a autoria do atentado. Quando um dos canais é fechado, o Estado Islâmico usa uma das funcionalidades do aplicativo que permite subir fotos e vídeos em uma nuvem de dados, para transferir o conteúdo para outro canal.

Não bastasse a falta de vontade em controlar o conteúdo, o Telegram praticamente não pede os dados pessoais de seus usuários, o que inviabiliza a responsabilização por possíveis delitos.Não é obrigatório ter uma foto ou um texto de apresentação e os usuários ainda podem esconder o número de telefone. Isso faz com que seja muito complicado alguém descobrir a identidade ou o número de telefone de outro participante”, diz Givi Gigitashvili, que trabalha na unidade de pesquisa sobre desinformação do Digital Forensic Research Lab, o DFRLab, do Atlantic Council. Escondidas pelo anonimato, essas pessoas podem criar grupos sobre qualquer tema e passar a falar com milhares de usuários. Além de seu fundador, nenhum participante de um grupo sabe quem são os outros ou mesmo quem o administra.

Para o bolsonarismo, a dinâmica fluida do Telegram funciona à perfeição. Diversos grupos foram criados sem citar o presidente Jair Bolsonaro — o que torna impossível contá-los. Exemplos são o Tempestade Conservadora e o Jornal da Cidade Online. Outros trazem nomes de personalidades bolsonaristas, como Weintraub 2022 – SP e Paulo Guedes. Esses grupos compartilham propaganda do presidente, fazem ataques a seus adversários e podem ficar ainda mais ativos na campanha. Fazem isso misturando política com diversos outros assuntos. “Em um grupo bolsonarista, é possível encontrar mensagens sobre o Holodomor, a fome que matou milhões de pessoas na Ucrânia nos anos 1930, uma teoria conspiratória sobre vacinas, ataques à maçonaria, frases religiosas, argumentos a favor da intervenção militar no Brasil e elogios a Bolsonaro”, diz Eler, da Bites. “Mais do que uma ideologia política bem definida, o bolsonarismo é um caldo de cultura, com interesses variados. É isso o que sustenta o presidente.”

Os reflexos que o Telegram pode ter na política começaram a ser mais bem estudados nos últimos dois anos. Na Belarus, controlada pelo ditador Alexsander Lukashenko, o canal Nexta, com 2,15 milhões de seguidores, foi central na organização dos protestos contra as fraudes na eleição do ano passado. Na Ucrânia, cinco canais conquistaram influência no partido do governo, o Servos do Povo. Com títulos genéricos, como “O Legítimo” e “Cavaleiro das Trevas”, ou com nomes de políticos, os canais se tornaram fortes instrumentos de pressão sobre deputados e o próprio presidente Vladimir Zelensky. Todos defendiam os interesses russos, sendo que dois deles comprovadamente estavam ligados aos serviços de inteligência do Kremlin. Em 2019, os canais conseguiram fazer com que o presidente Zelensky ordenasse a retirada das tropas do leste do país, deixando o terreno livre para os soldados russos. “O objetivo desses cinco canais era influenciar o Parlamento, os ministros e o presidente. Mas esses canais também foram bem-sucedidos em pautar a mídia tradicional em alguns momentos. Isso aumentou muito a exposição deles e gerou mudanças na opinião pública, reduzindo a aprovação do partido do governo”, diz Roman Osadchuk, também do DFRLab.

Agência BrasilAgência BrasilFernando Francischini teve mandato de deputado estadual cassado
As inovações apresentadas pelo Telegram tornam a missão da Justiça brasileira de evitar abusos na campanha muito mais ingrata. Após três anos investigando os disparos em massa pelo WhatsApp nas eleições de 2018, o Supremo Tribunal Federal entendeu, no mês passado, que não havia provas suficientes para cassar a chapa de Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão. Mesmo assim, a corte concluiu, por maioria, que houve disparos em massa organizados e executados pelo chamado Gabinete do Ódio, uma milícia digital, com o objetivo de promover Bolsonaro e atacar seus adversários. Em seu voto, o ministro Alexandre de Moraes, que vai presidir o TSE nas eleições do ano que vem, anunciou que irá prender quem fizer algo parecido em 2022. O STF também entendeu que o envio em massa de conteúdos com desinformação pode configurar abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação social.

A despeito das dificuldades previsíveis, o TSE já colocou o Telegram na alça de mira. No caso do WhatsApp, as cobranças das autoridades deram certo. Em abril de 2020, a empresa restringiu os compartilhamentos de conteúdo. Mensagens encaminhadas mais de cinco vezes passaram a ser rotuladas com a expressão “frequentemente encaminhadas”. Para as eleições municipais de 2020, o WhatsApp criou um canal para receber denúncias de contas suspeitas de realizar disparos em massa. Mais de mil números de telefone foram banidos. A companhia ainda tem processado empresas que vendiam o serviço de disparos de mensagens. No caso do Telegram, as autoridades sabem que a dificuldade será muito maior. Para começar, localizar os autores das mensagens com inverdades será muito mais complicado.

Para o próximo ano, o TSE pretende endurecer as regras para que as plataformas digitais tenham mais responsabilidade para conter a disseminação de fake news. Em resposta a um pedido feito por Crusoé, o tribunal afirmou que, “a respeito do Telegram, infelizmente não há representação do aplicativo no Brasil. Por isso, as tentativas de contato informal realizadas pelo Programa de Enfrentamento à Desinformação do TSE com o Telegram não tiveram sucesso”. Faz-se aquilo que é possível. A corte tem fechado parcerias com entidades da sociedade civil, instituições de ensino e empresas que realizam pesquisas e monitoramento de grupos públicos, com o objetivo de identificar e responder à desinformação contra o processo eleitoral. Uma parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais, a UFMG, será firmada para monitorar o Telegram. O TSE também quer que influenciadores divulguem conteúdos sobre o processo eleitoral e pretende criar uma rede de enfrentamento à desinformação com vista às eleições 2022. Uma portaria deve criar regras contra os disparos em massa.

A Justiça brasileira também espera demover, com ameaças, os políticos da ideia de fazer disparos em massa. Ministros têm dito que os candidatos que recorrerem a estratégias de desinformação poderão ter seus mandatos cassados.Para um político profissional, a possibilidade de perder o mandato e de ficar inelegível por oito anos realmente pode fazer com que ele evite essas estratégias arriscadas”, diz o advogado Renato Ribeiro de Almeida, professor de direito eleitoral. O precedente foi aberto no dia 28 de outubro, quando o TSE cassou o mandato do deputado estadual bolsonarista Fernando Francischini, do Paraná. Em um vídeo de 2018, Francischini afirmou ter provas de que as urnas eletrônicas tinham sido adulteradas para impedir a vitória de Bolsonaro. Após o anúncio da cassação de Francischini, Bolsonaro comparou a medida a “um estupro” e a considerou “uma violência contra a democracia”.

Enquanto a Justiça se prepara e faz ameaças, Bolsonaro tem publicado entre seis e treze mensagens por dia para seus seguidores no Telegram. O total de inscritos no seu canal segue aumentando. O presidente brasileiro se tornou a segunda maior personalidade da política mundial na plataforma, depois de ter ultrapassado recentemente o presidente iraniano, Ebrahim Raisi. O primeiro é Donald Trump. Como a distância entre Trump e Bolsonaro é de 34 mil seguidores — pouco mais que um Lula no Telegram —, o presidente brasileiro poderá em breve tornar-se o político com mais seguidores no Telegram em todo o planeta. Também nesse front, a eleição de 2022 promete.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Eliminem todos esses aplicativos, que só servem para tumultuar, e fiquemos, como sempre foi, com a imprensa tradicional, que podem ser monitoradas.

  2. Esse telegram está a serviço de putin q vende há algum tempo serviços de robôs produzindo Fakes interferindo no resultado de eleições, favorecendo seres pior espécie como Trump, Bertin e outros. A Moraes vai cuidar de bloqueá-los e elegeremos MORO22 pra prender esses bandidos.

    1. Que horror! Uma figura co Zé Trovão ter 50.000 seguidores denota, sem sombra de dúvida, um deserto de cidadãos INCAPAZES de fazer uma reflexão política vigorosa sobre o nosso País. É lamentável !!! José Roberto.

  3. Será q na Rússia o telegrama publica informações contra o Putin? Provavelmente não, então não é tão liver assim.

  4. Cambada de chatos ! Perseguição covarde e canalha em tudo relacionado a bolso.22. hipócritas! Meu maior sonho e ver bolso.22 de novo e me deliciar com seus desesperos! Acredito q deus vai nos ouvir! Vai ser demais!

  5. Se esse Telegram é assim, sem dispositivos que permitam ser rastreado, como é feito então o controle da "incitação à violência", citado acima? Se aceita de um tudo, acredito que por ele o tráfico de drogas faça seus negócios sem ser incomodado. Até o mercado da pistolagem deve se servir dessa boca do lixo, onde deve ter até tabela de preços atualizada. Isto é uma afronta direta e funda contra o estado democrático de direito, farçada de "liberdade de expressão".

    1. Amaury Feitosa. De onde você tirou a ideia de que eu sou "petralha"? Bem, a minha esperança é que o seu outro neurônio não esteja com defeito também para tentar lhe ajudar: você tem dificuldade de entender o que lê. Confunde liberdade com calúnia, esculhambação. Exercite mais a leitura, se bem que com um neurônio só fica difícil.

    2. Tá PAULO depois você zanga quando dizemos que no fundo você é "petralha" .. por que querem controlar as redes sociais? medo? não é o que o "poder moderador" já faz? ditadores travestidos ridículos que CAGAM no sagrado direito de opinião do cidadão .. a favor de vocês aí vale né? democratas de merda .. MAS nada na internet fica oculto não adianta a manipulação imoral e clara intimidação.

    3. No meu entender, é como uma forma legal do "deep web", o famigerado submundo da internet. Se o Telegram não se submete às leis de um país, deve ser banido imediatamente. Certamente deve ter os grupos "Marcola Livre", "Fernandinho 'de Volta' à Beira-Mar", e até o afoito "Compre Aqui o Seu Pó 100% Puro😜". Era só o que faltava, esse abrigo de crime.

  6. Não vejo o Telegram como um risco. Acho que só servirá à militância engajada de ambos lados. Estou satisfeito com o WhatsApp e não vejo porquê baixar mais um aplicativo de mensagens. Acho que a maioria das pessoas que não são bolsonaristas ou lulistas pensa como eu. Para quê baixar mais um aplicativo?

  7. É simples a resolução deste problema. Deve-se criar canais no telegrama atacando o bolsonario. Somente a paridade de armas demove o bandido Bolsonaro.

  8. Duda, reportagem excelente!! Como vocês , jornalistas do Antagonista nos ajudam!!! Quantos esclarecimentos para nos informar votar melhor e assim colocarmos esses bandidos fora do Congresso!! Parabéns, obrigada!!!!

  9. Foi muito feliz a colocação do termo dinâmica fuida. Como bem conceituou Bauman, vivemos o advento da modernidade líquida, que tenta dar conta do modo como se dão as relações sociais. Às forças de poder vão se ajustando. Acaba se tornando uma corrida de gato e rato, entre os políticos que se sustentam em narrativas falsas para chegar ou manter o poder, e às instituições, que tem que controlar à paridade de forças nas disputas eleitorais. A Democracia se acha sobre forte ameaça. Moro 🇧🇷

    1. Todos que se juntaram ao Estado Islâmico foram obrigados? No entanto eles estão fazendo um estrago no Afeganistão. Cabe às instituições não deixar o gênio sair da garrafa. Moro Presidente 🇧🇷

  10. Li no texto :”O STF entendeu “…!!! O entendimento do dos ministros que são humanos se não seguirem uma normativa( seria a constituição )seguirão mesmo é os seus interesses próprios . Portanto o entendimento é bem tendencioso. Como disse o Sr juiz Tofolli ( juiz não concursado, mas indicado pelo Lula ) o País hj tem um “governo moderador “ paralelo representado peloSTF. Assim esse ministro tem entendimento. É nauseante lê o que jornalistas escrevem

    1. PAULO um sinistro do teu amado STF admitiu de ultramar que te enraba já tempos .. você certamente gosta e muuuuuito .. eu AINDA não.

    2. O STF entendeu que o envio em massa de conteúdos com desinformação pode configurar abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação social. EU CONCORDO COM ISSO. Moro Presidente 🇧🇷

  11. Esse tipo de reportagem é partidarista. Vocês não gostavam do PT por causa da corrupção. Agora não gosta do Bolsonaro por ter estagnado a corrupção descarada como era a do PT ? Vacina para todos, rompimento para que a velha política possa acabar, infelizmente não se pode ignorar quem está no congresso nacional, para tanto qualquer um sabe como o presidente se comporta, seja qual for o partido o pessoal terá que comportar diferentemente. E vocês insistem em falar besteira, por isso perdem

    1. Quem acabou com a lava jato foi STF de bandidos ! Seu mané !ao soltar o Luladrao! Pqp vocês são chatos pra Caraí!

    2. Waldemar, não entendi nada. A Crusoé trabalha em cima de fatos. Se acha o contrário, seja específico. Moro Presidente 🇧🇷

    3. RAUL, de onde vc tirou que o Bolsonaro estagnou à corrupção. Lembra: "EU NÃO QUERO ACABAR COM A LAVA JATO. EU ACABEI COM A LAVA JATO PORQUE NÃO TEM CORRUPÇÃO NO GOVERNO." - Esquema das vacinas - Orçamento secreto - Tráfico de madeiras... Rompimento com a velha política, vc só pode estar de sacanagem, temos hj o Bolsonaro Surfistinha do Centrão. O resto é sem nexo. Moro 🇧🇷

    4. Quero lembrar que o hackeamento do sigilo da Lava-Jato e a sua distorção conveniente pelo jornalista simpático e procurado pelos socialistas PTISTAS e PCdoBistas, acessaram que plataforma ? O TELEGRAM! Logo, Pau que bate em Chico, bate em Francisco!As eleições de 2022 serão baseadas em distorções de fatos e criações de fantasias.Não se deixem levar. Inclusive pela repórter da Crusoé e sua narrativa.Pensem enquanto leem.Paciência.

  12. Todos esses argumentos poderiam ser interessantes não fossem o banimento de gente questionando as urnas eletrônicas, por exemplo. Como acreditar em vocês se o que vocês questionam ser errado é ilógico ? Achem coisas erradas e divulguem para que possamos ter a certeza de que é o Bolsonaro quem está fazendo bobagens. Vão me taxar de bolsonarista, mas a verdade é que as acusações de vocês são muito descaradamente incoerentes. Qualquer um pode ter acesso ao grupo do presidente , entre lá e denuncie

    1. O próprio Bolsonaro afirma que faz uso de mentiras. Um político que cria uma narrativa para buscar ALICIAR às pessoas sem capacidade de discernimento, deveria ser banido da política. VC RAUL, É UM EXEMPLO CLÁSSICO DE PESSOA COM BAIXÍSSIMO NÍVEL INTELECTUAL. Até o Bolsonaro não fala mais nas urnas eletrônicas, pois não conseguiu provar nada do que disse. Junte milhões de Rauls e se elege um político com narrativas falsas. Moro 🇧🇷

  13. Simples de resolver esse assunto. Não pode haver anonimato na internet. Que cada um assuma publicamente suas mensagens. Em caso de crime, sejam presos. Apps que não garantam isso devem ser banidos

    1. não há anonimato na Internet na realidade .. é feito cadastramento por e-mail que identifica pelo CPF e pelo IP de cada um .. só idiotas se imaginam impunes nas redes sociais .. ah e breverente vamos ter que dar o CU Cadastro Único kkkkk.

  14. BOLSONARO: os EXEMPLOS EXECRÁVEIS que uma SOCIEDADE tão CORRUPTA é capaz de produzir! São DEGENERADOS MORAIS que IMPEDEM o BRASIL de AVANÇAR! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

    1. Aliciar otários não é liberdade de expressão. É sim um ataque à democracia. Moro Presidente 🇧🇷

  15. Ele está no lugar certo: o paraíso dos deliquentes, criminosos, assassinos, fraudadores, estelionatários, etc. Ou seja, todos que fogem da justiça. É o Messias que foge da luz para as trevas, e com ele muitos.

  16. SÓ O ART 142 DA CF SALVA O PAÍS ... bem mais perigoso é Crusoé a GloboLIXO e porcarias corrompidas acovardadas que sequer noticiaram declarações públicas do ministro Toffoli na Europa admitindo a TUTELA CRIMINOSA do STF ao Estado Brasileiro sem que os violados reajam à altura . assim PREVI e ALERTO que as eleições de 2022 podem descambar no ápice da guerra suja contra a nação MAS ainda temos a lei salvadora . fora dela podemos ter um bando de sangue que os homens de bem ainda tentam evitar.

  17. o brasil é o país do gerundio , o stf esta investigando as fake news, o pgr está investigando o relatorio da cpi, a PF está investigando a interferencia, na economia o país esta crescendo. Resultado ? aí é pedir demais né seu zé "

  18. O Telegram já provou que não tem segurança nenhuma (haja vista o que fizeram com os membros da Lava-jato), tampouco qualquer ética ou responsabilidade. Fico admirada que personalidades e pessoas do bem ainda queiram usar essa plataforma russa (tinha que ser...).

    1. O TicToc chinês é igual; como as redes sociais americanas também. Tudo passa pelos filtros da NSA e seus congêneres russo, chinês, israelense, cubano, venezuelano e, lógico, pelos nossos arapongas também. Não tem virgem na zona! (Peço escusas a quem lá trabalha).

    1. Não importa o local. Importa a trama para tomar o poder e enganar a todos com novas ilusões.Fiquemos atentos. Não existe nada de graça, algo será tomado em troca. Como sempre…

    2. O que estão tramando em Lisboa? kkkkk

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO