Cortesia imprópria

28.06.19

Subordinada ao ministro Osmar Terra, a secretária nacional de Assistência Social, Mariana Neris, viajou de Brasília a Curitiba no feriado de Corpus Christi para participar de um evento organizado pela Convenção Batista Paranaense, uma espécie de associação que coordena as igrejas batistas do estado. As passagens e hospedagens da secretária foram custeadas pela entidade. À primeira vista, poderia até parecer um bom negócio para o governo, que não teve de gastar com a viagem. Mas a aparente economia para os cofres públicos é, na verdade, um sério problema de ordem ética: a secretaria comandada por Mariana Neris é responsável por conceder uma certificação que dá isenção fiscal às igrejas — e sobre a mesa dela há pelo menos um processo de interesse de uma das igrejas afiliadas à entidade que pagou as despesas da viagem. Um decreto de 2002 proíbe funcionários públicos de receberem agrados de partes interessadas em assuntos relacionados ao cargo que ocupam.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéO ministro Osmar Terra: subordinada fora da linha

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
    1. Espero que o ministro seja rigoroso na advertência! Não dá!

  1. Vindo a público e tomando-se as medidas necessárias contra a funcionária pública, esse é o Brasil que combate corrupção e almejamos. E vamos rever imediatamente as isenções fiscais, princ em MG onde Pimentel, em benefício próprio, escolhendo a dedo seus parceiros do mensalão particular, conseguiu afastar empresas que nos dão orgulho, como a Atacadista MARTINS, que rapou fora de MG. E FLOR DE LIZ? Li q tem 51 filhos adotivos a parideira, recebendo 5 SM p c marmanjao. Q a lei do PT s extinta.

  2. Taí um decreto respeitado. O Lula emitiu até MP para beneficiar empresas automobilísticas e vcs estão reclamando de uma passagem e uma hospedagem.

  3. Esse é um problema que as igrejas institucionais perpetuam, com organização registrada em cartório e CNPJ que as transforma em entidades com direito público. Não faltam políticos e funcionários de alto escalão que servem como despachantes delas. Melhor quando era igreja primitiva: sofria perseguição ao invés de sustentação, não tinha mídia, mas era aprovada pelo Senhor.

  4. Todos da mesma fossa negra. Sai um, entra outro. Doar o que pertence aos pagadores de impostos, como é fácil!! Sentir nojo é pouco.

    1. Não existe julgamento se não houver manifestação de alguém. Então vamos esperar até o dia do Juízo Final.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO