Presidencia UruguayLacalle Pou reverteu a política do governo anterior: 2 mil foram presos desde então

O acerto uruguaio

Recorrendo a medidas simples, o novo governo de Luis Lacalle Pou acabou com a onda de criminalidade
15.10.21

O Uruguai foi pego de surpresa por uma onda de criminalidade pouco antes da pandemia de Covid. O país pacato e rural, que por décadas registrou de 6 a 8 homicídios para cada 100 mil habitantes por ano, de repente viu essa taxa quase dobrar. Ainda que abaixo dos números brasileiros (hoje o Brasil amarga 21 homicídios por 100 mil habitantes, o dobro do máximo aceitável internacionalmente), ocorreu um abalo na sociedade uruguaia, que também se viu desafiada pela elevação de vários outros crimes. Houve, por exemplo, um aumento de 54% dos roubos à mão armada, de 26% dos furtos e de 40% dos roubos de carro entre 2017 e 2018.

O tema da segurança pública dominou a campanha presidencial de 2019 e foi o principal fator a impedir a vitória do candidato ligado ao governo de Tabaré Vázquez, da coalizão esquerdista Frente Ampla. Quem ganhou a corrida foi Luis Lacalle Pou, que encabeçou uma união de grupos de centro e de direita. Hoje, a onda de violência foi dissipada. Somente 16% dos uruguaios acham que esse é o maior problema do país, índice que há dois anos bateu nos 44%. A população também está mais otimista: para 70%, a situação nas ruas deve melhorar nos próximos meses.

A explicação para o sucesso uruguaio se mistura com a chegada da pandemia, mas não se resume a ela. Lacalle Pou assumiu o governo no dia 1º de março de 2020. Apenas duas semanas depois, ele baixou o decreto de emergência sanitária. Lugares públicos e centros turísticos foram fechados. Medidas duras foram ditadas para evitar a aglomeração de pessoas. A exemplo de outros países, a redução na mobilidade diminuiu a incidência de vários crimes, como os assaltos. Com a volta à normalidade – 75% da população do Uruguai está totalmente vacinada –, a ocorrência de delitos seguiu em trajetória de queda. “Os dados que coletamos mostram que a pandemia ajudou a reduzir os delitos, principalmente em Montevidéu, mas também indicam que políticas públicas tiveram o seu efeito”, diz o economista uruguaio Carlos Díaz, que fez um estudo sobre crimes no mundo durante o surto de Covid.

ReproduçãoReproduçãoResultado de operação antidrogas no Uruguai
No primeiro semestre deste ano, os homicídios no Uruguai caíram 26% em relação ao mesmo período de 2020. Furtos tiveram queda de 10%. Roubos à mão armada diminuíram 17%. A taxa de homicídios agora está em 9,5/100 mil habitantes. Neste ano, a expectativa é que caia para 8/100 mil, patamar mais próximo do histórico do país. Estatísticas de violência doméstica, que subiram durante a pandemia em vários países, estão em declínio no Uruguai. No primeiro semestre deste ano, o número de ocorrências policiais foi 12% menor do que no mesmo período do ano passado. Os casos de roubo de gado, um crime típico no país, exportador de carne, tiveram queda de 43%.

Duas políticas públicas adotadas pelo governo de Lacalle Pou são apontadas como as principais responsáveis pela redução dos crimes. A primeira delas foi a suspensão de diversos dispositivos do novo Código de Processo Penal, que entrou em vigor em novembro de 2017. Quando foi instituído, com amplo apoio entre os partidos, o código embutia uma boa intenção. O quadro nas prisões uruguaias era calamitoso e muitos detentos estavam no sistema prisional sem nem sequer terem sido condenados. Para evitar a superlotação, a mudança na lei permitiu que promotores e advogados de defesa combinassem uma pena alternativa, que podia ser a realização de trabalhos para a comunidade ou participar de programas de reeducação e tratamento vícios.O resultado foi que milhares de pessoas passaram a cumprir penas alternativas, mas apenas 20 estavam responsáveis por controlá-las. Em geral, os criminosos continuaram cometendo seus delitos”, diz o cientista político uruguaio Diego Sanjurjo, coordenador de estratégias de prevenção no Ministério do Interior do Uruguai.

Ao assumir, o novo governo deixou de aplicar na totalidade o Código de Processo Penal e voltou a prender. Em pouco mais de um ano, 2 mil pessoas deram entrada nas cadeias. Outra ação foi aumentar as ações policiais contra as bocas de fumo, algo que, no Brasil, nem sempre é possível – nesta semana, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, usou as redes sociais para reclamar de uma decisão judicial que impede as forças policiais de exercerem o monopólio da força em territórios controlados pelo tráfico. No Uruguai, até o ano passado, o número de operações anuais para desarticular os pontos de venda de drogas não passou de 652. Nos primeiros doze meses do novo governo, 1.182 bocas foram fechadas.

A estratégia da polícia uruguaia não foi a de abrir guerra com os traficantes, mas de impedir que eles dominassem áreas. Normalmente, depois de uma batida policial, os vendedores de entorpecentes retornam em outra esquina. Mas o fato de serem obrigados a mudar constantemente de lugar os impede de extorquir dinheiro de moradores e de criar estratégias para impedir a entrada da polícia ou enfrentar outros grupos.

ReproduçãoReproduçãoNo Rio, polícia agora tem limites para atuar em áreas controladas por milícias e traficantes: STF impôs trava em razão dos excessos que levam a tragédias
Ao desarticular os pontos de venda de drogas (como a maconha no país é legalizada, a violência ligada ao narcotráfico normalmente está associada ao comércio de drogas como cocaína e heroína), o Uruguai tenta evitar justamente uma situação como a do Rio. Um estudo feito pelo instituto Fogo Cruzado e por outras entidades aponta que, hoje, nada menos que 98% do território da capital fluminense está sob controle de milícias, do Comando Vermelho, do Terceiro Comando, dos Amigos dos Amigos ou em disputa entre facções. “O tráfico de drogas geralmente está circunscrito a favelas e conjuntos habitacionais, enquanto as milícias podem dominar bairros inteiros. A polícia atua de variadas formas nessas áreas, seja realizando patrulhamento, investigações ou enfrentando esses grupos”, diz Cecília Olliveira, diretora executiva do Instituto Fogo Cruzado. Mas a forma é atabalhoada.

A inação do estado que abre caminho para o domínio dos criminosos sobre o território acaba tornando mais arriscada qualquer iniciativa destinada a retomá-lo. Uma vez que as facções estão estabelecidas, as ações policiais tornam-se mais arriscadas e mais letais. Em junho de 2020, em resposta a uma ação violenta da polícia que resultou na morte de um adolescente, o ministro Edson Fachin do STF concedeu uma liminar que limita ações armadas durante a pandemia – é justamente a ordem judicial da qual o prefeito Paes se queixa. Em agosto, o plenário da corte confirmou a decisão, que passou a restringir operações sem planejamento em áreas densamente povoadas.

Agora otimistas com o quadro de calmaria na segurança pública, os uruguaios têm uma preocupação de outra ordem: com mais gente dentro das prisões, eles temem que se repita por lá o fenômeno brasileiro que deu origem a facções como o PCC, o Primeiro Comando da Capital. “Não podemos nos esquecer que foi dentro das prisões brasileiras que surgiram as grandes organizações criminosas. Então, precisamos cuidar para que o Uruguai não siga o mesmo caminho”, diz Sanjurjo, do Ministério do Interior. A vantagem é que, por lá, ao menos do lado de fora das prisões, a situação está sob controle, graças à crença de que é melhor manter os criminosos na cadeia do que deixar a sociedade refém deles.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. A reportagem compara desafortunadamente o Uruguai ao Brasil em vários aspectos. Isso porque esqueceu de mencionar que o país vizinho tem apenas 4 milhões de habitantes. É a mesma população da Paraíba. Há um abismo populacional e de complexidade entre os países que impede esta comparação.

  2. Parabéns, reportagem corrente e realista, sem partidarismo, os cariocas agora são reféns das facções com o aval do STF.

  3. E’ triste sermos a referência negativa pra quase td - corrupção, drogas, negacionismo etc. Ou mudamos td isso ou as alternativas serão o galeão ou Guarulhos. Q venha Moro22 pra nós tirar desse mar de lama.

    1. Nem Moro nem Jesus Cristo darão jeito nisso. De qualquer forma quero SÉRGIO MORO PRESIDENTE, DELTAN DALAGNOL MINISTRO DA JUSTIÇA e demais integrantes da LAVA JATO COMO MINISTRO S

  4. William, eu tive um grande alívio em ouvir sua opinião. Quando vejo mulheres paupérrimas, miseráveis, com um filho no colo, no corpo, outros de 3, 4 anos ao lado, me indigna, que ninguém tenha coragem de regulamentar isso, como na China e outros países, já que não há consciência própria de colocar 4,5,6 filhos na miséria.

  5. Mtos brasileiros venderam e continuam vendendo suas casas de veraneio em PdE por roubos e arrombamento,teem alta desconfiança das empresas de segurança q parecem ser coniventes c os meliantes,pois alarmes bem tecnológicos,”não funcionaram na hora do roubo”

  6. cheguei a conclusão que não adianta legalizar nada. legalizou a maconha, tem a cocaína, legalizou esta, tem o crack. Legaliza tudo vira um país de zumbis.

    1. Que morra quem quer morrer. Eu lutando para viver mais e saudável, outros destruindo o benefício da vida. Que paguem caro por isso, o purgatório ou o umbral que os recebam de braços abertos.

  7. Simples. Com a covid, o Uruguai fechou suas fronteiras, 1ue estão até hoje fechadas, evitando seus vizinhos latino-americanos...

  8. O caminho é planejamento familiar... tem gente demais nascendo... e sem condições sociais e financeiras

  9. O imbeci lizado Osmar Terra deveria explicar como caíram todos os índices com a ma conha ainda legalizada. Não era esse o principal problema do Uruguai?

  10. Uruguai é menor que o estado do Paraná, isso já tinha que ter ocorrido, mas, vale sempre como iniciativa, a criminalidade vem da corrupção

  11. Projeto de poder dos esquerdopatas, a impunidade dos bandidos, o controle da sociedade por minorias com o caos social, o cerceamento da liberdade de ir e vir, tivemos uma pequena amostra do vírus chinês o que é o socialismo. Vamos dizer não nas urnas em 2022. O Brasil é conservador.

  12. O juiz Sérgio Moro havia tomado medidas duras contra o crime organizado no seu primeiro ano como Ministro. Os índices demonstravam que ele estava no caminho certo. Infelizmente deu no que deu…

    1. A manchete do Globo hj é Renan vai imputar 11 crimes a Bolsonaro . Parece a guerra de facções criminosas no Rio, legalizada …..

  13. O problema no Rio de janeiro e que já se expande pelo país é a participação governamental nesses crimes. Narcotráfico e Governantes se abraçam. Infelizmente para a população.

  14. A questão é que o crime no Brasil é organizado em uma estrutura complexa. Há 40 anos, governos e sociedade foram lenientes (Leonel Brizola é um exemplo) com as frentes do crime, entre eles o jogo do bicho e o tráfico de entorpecentes, que ganharam poder armado e permeiam todo o tecido social. Enquanto a impunidade for mantida, não haverá solução para isso. O projeto anticrime do juiz Moro foi totalmente desfigurado em benefício do crime, que cada vez mais se torna poderoso

    1. O Rio de Janeiro está pagando pela exaltação da malandragem. O.tal do malandro carioca divulgado com pompa em músicas, filmes, novelas, etc. E agora está ai. Malandro dominando tudo, do sinal da internet á política.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO