Um presidente petista e o
“Estelionato Necessário”

24.08.18

O título desta coluna faz referência à “Ruptura Necessária”, expressão utilizada para caracterizar o documento “Concepção e Diretrizes do Programa de Governo do PT para o Brasil”, lançado em 2002. Hoje, o mantra econômico petista é novamente o da “Ruptura”.

É bom trazer isso à tona. Caso resulte vitorioso na eleição que se avizinha, o presidente petista, dada a situação do país, terá de realizar um cavalo-de-pau completo nas posições defendidas pelo partido para a gestão cotidiana da economia e sua relação com o exterior. E, ao contrário de 2002, ninguém mais comprará uma “Carta ao Povo Brasilleiro 2.0” pelo valor de face.

Vencer as eleições, mesmo para um candidato petista, exigirá ajustes fiscais e reformas estruturais. Para aqueles que remeterem o PT ao Planalto na ilusão de que “um outro mundo é possível”, o que lhes aguarda é uma rápida deterioração de fundamentos e perspectivas. Ou, então, uma inescapável ortodoxia.

Nesse caso, uma administração petista já começaria irmã siamesa do segundo mandato de Dilma. Confrontada à dura matemática, a promessa da “Ruptura” nada mais é do que um novo estelionato eleitoral.

Recordemos que, em 2002, a “Carta” endossava a tese da “Ruptura”, ma non troppo. No documento, o PT defendia “reforma tributária que desonere a produção”. Indicava a importância da “reforma previdenciária, da reforma trabalhista”. Defendia a “redução de nossa vulnerabilidade externa”. Nenhuma das aspas acima é inventada. Todas reproduzem fidedignamente os termos da “Carta”.

Com a “Carta”, Lula e PT ganharam crédito da comunidade financeira internacional, do empresariado e da opinião pública. Prometeram aderir à responsabilidade fiscal e às metas de inflação. Contratos seriam honrados; as dívidas do país, pagas. E, durante boa parte de seu período no Planalto, Lula terceirizou parcela importante da gestão macroeconômica, com posições-chave ocupadas por nomes como Henrique Meirelles e Joaquim Levy.

No entanto, muitas das medidas econômicas e sociais implementadas por Lula e Dilma, na contramão do que pregava a “Carta”, pareciam dar resultado. O Brasil beneficiou-se com o “boom” mundial de commodities. Alguns empresários refestelaram-se com linhas de crédito oferecidas por bancos oficiais para promover empresas “campeãs nacionais”.

Fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) transcorreram intensamente — nem sempre pelas melhores razões — para estabelecer produção local e, assim, tirar proveito de um mercado interno superprotegido. Incentivos fiscais para fabricantes de automóveis ou eletrodomésticos hipertrofiaram-se.

Diante desse quadro, as reformas estruturais foram esquecidas. O modelo econômico adotado por Lula-Dilma foi se distanciando da “Carta” e ficando mais parecido com a “Ruptura”.

Privilegiar consumo em vez de investimentos, políticas setoriais em vez de horizontais e mercado interno em vez de comércio global não produziu mil maravilhas. O “nacional-desenvolvimentismo” manteve o país intocado na armadilha da renda média.

Passar os olhos pela “Carta” de 2002 e compará-la aos resultados de 13 anos do PT na Presidência ou à atual pregação do partido é estarrecedor. As reformas estruturais, à época concebidas como imprescindíveis, hoje são combatidas pelo PT como parte de uma agenda golpista.

A “Carta” defendia crescimento, mas em 2015, último ano inteiro do PT no poder, a fatia que o PIB brasileiro representava na economia mundial mantinha-se igual à de 2002: apenas cerca de 2,9%. Quanto à “vulnerabilidade externa”, o legado da prática petista é uma indústria brasileira mais acanhada, pouco competitiva e, destaque-se, mais desnacionalizada.

Ao contrário do imaginado projeto “soberano” de expansão econômica e inserção global, uma “neodependência” é o que nos foi entregue pelos princípios da “Ruptura Necessária” que continuam a compor o ferramental econômico do PT.

Numa repisada crítica ao “neoliberalismo” (o que quer que isso signifique), propõe-se agora, em linha com a “Ruptura”, uma gestão econômica filiada ao “desenvolvimentismo”. Isso permitiria ao Brasil contornar ajustes recessivos e irrigar a economia com crédito. O PT atenuaria o aperto fiscal e retomaria o crescimento a partir de uma função empreendedora de bancos oficiais e companhias estatais.

Tais medidas se dariam em contraponto à soberania do “deus-mercado” e a muitos dos princípios contidos na lista de diretrizes razoáveis que, desafortunadamente, recebeu a inconveniente denominação “Consenso de Washington”.

Aliás, certa vez Gustavo Franco disse que, se tal conjunto de recomendações formulado nos anos 1990 fosse chamado de “Consenso de Aracaju”, a sua adoção na América Latina seria menos problemática.

Um exame minimamente criterioso da experiência de crescimento recente dos “mercados emergentes” mostra que muitos rótulos postados são de tal forma superficiais ou generalistas que não carregam nenhum valor explicativo.

Desenvolvimentistas teoricamente favorecem a presença de um Estado forte na economia. Ora, dá para pensar num país em que o Estado seja mais forte do que nos EUA?

O robusto orçamento das forças armadas americanas cria uma “montanha de demanda” por tecnologias inovadoras (o que nos anos 1980 John Kenneth Galbraith chamava de “keynesianismo militar”). Isso faz dos EUA “desenvolvimentistas”? Ou o rótulo não cabe, já que, nos EUA, praticamente inexistem empresas estatais?

Países “neoliberais” são grandes receptores de IEDs. Permitem que mais famílias e empresas ocupem maior fatia da riqueza mediante peso comparativamente pequeno de impostos. Apresentam maior grau de internacionalização de sua economia. Seria assim a China — maior destino de investimento do mundo, onde a carga tributária representa 19% do PIB e cujas estruturas produtivas se encontram conectadas ao mundo — um país “neoliberal”?

 

Os possíveis “planos de voo” em economia para o próximo presidente não comportam muitas variações. Caso o PT se eleja e promova uma recaída intervencionista e o retrofit da danosa “nova matriz econômica”, o que nos aguarda é o derretimento da riqueza — uma versão exponencial dos estragos ao país durante a era Lula-Dilma.

O problema dos princípios esposados na “Ruptura” — todos reverberados pela atual discurso econômico petista — e em grande medida transformados em política pública pela “ nova matriz” não é que sejam desenvolvimentistas. São apenas simples e irresponsavelmente errados. Um ajuste macroeconômico é neoliberal? Não, por vezes é imposição do mais básico bom senso.

Mas nada disso basta. O Brasil só se recupera quando abandonar superficialidades e mexer para valer em sua economia política. Ou seja, quando adotar modelo (cujo rótulo pouco importa) menos baseado em consumo e mais alimentado por poupança e investimento; menos centrado no governo e mais na iniciativa privada; quando direcionar mais recursos à inovação e facilitar a vida dos empreendedores.

Perante a dose de sacrifício, visão e estratégia que tal inflexão implica, termos como “desenvolvimentista”, “neoliberal”, “progressista” não querem dizer absolutamente nada.

Além das dificuldades entre distância de discurso de campanha e condução da economia — o que em si já configura um engodo eleitoral —, o PT também terá um problema nada desprezível: recursos humanos.

Em 2019, e à luz da experiência dos que se aproximaram da gestão econômica petista de 2003 a 2016, alguém do “mercado” aceitaria assumir o Ministério da Fazenda ou o Banco Central? O que farão, vão “chamar o Meirelles”?

Uma vitória do PT em outubro demandará do novo presidente um “Estelionato Necessário”. E não haverá nem gente de qualidade que tope fazê-lo.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O artigo me fez refletir sem ideias pré concebidas, sem paixões... istó é uma possibilidade real é palpável. O voto é meu instrumento de mudança. Obrigado por clarificar mais ainda minha escolha.

  2. Perfeito o seu pensamento. Acrescentaria apenas as intenções PTralhas descritas no site da maior organização criminosa. É incrível como esses pulhas “criam” um “economês” para explicar o inexplicável, sem base de conhecimento e disformidade irracional. Tenho muito nojo desses crápulas.

  3. São artigos como este que me animam em saber que existe uma parcela de gente honesta e inteligente e que traduz a tragédia petista, e seu risco de repetição, com tanta clareza.

  4. Lula, Dilma e Eduardo Suplicy tem reais chances de voltarem a mostrar que a esquerda latino-americana é o desejo do eleitor nordestino, mineiro e paulista. Lideram as pesquisas com folga surpreendente por eleitores que não vão às ruas, mas irão às urnas. O povo tem sempre uma porcaria de governo porque elege seus semelhantes. Lula é o maior representante do eleitor brasileiro. Azar de vcs.

    1. Esta previsão se espatifou. Virou cacossssss. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  5. Não existe gente honesta no PT e no lulopetismo. Assim como não existe vida inteligente na esquerda. A conduta ética e a responsabilidade moral foram deformadas nos movimentos sindicais e sociais, valorizando as mentiras e criminalizando as verdades. Jamais entenderão uma linha sequer do artigo escrito pelo articulista porque seus cérebros são cegos e suas almas há muito foram vendidas. Todo povo tem o governo que merece. E que elegeu.

    1. Nunca existiu um código de ética nos movimentos sindicais. Neles prevalece a máxima do "pagou - levou" e o trabalhador que se f... Totalmente de acordo com seu texto.

  6. Só que não. Se o PT chegar ao poder, irá completar o aparelhamento do STF, haverá mais controle e censura explícita da imprensa, armará suas milícias (MST e MTST) e vai aparelhar também as forças armadas (já criticaram a Dilma por não ter feito). São as etapas que faltam para completar os 20 anos necessários para mudar o Brasil, como o capo prometeu na 1ª posse(=Venezuela). Será ditadura como nunca vimos antes! A economia, para esta gente, é só um detalhe a ser manipulado para chegar e ficar lá!

    1. Se os esquerdopatas voltar vai aumentar o número de 100 milhões de de vítimas do comunismo pra 120 ou 130 milhões de mortes.

    2. Na mosca! A tese do Marcos e a sua Marcos. Entendo da mesma forma. Infelizmente este é o quadro. Mas não podemos concluir estas estratégias sem considerarmos o vetor do movimento político internacional. Para visualizarmos o conteúdo. Grupos de poder internacional influenciam e manipulam as agendas sempre a favor dos ventos das necessidades reais ou criadas por Tavistock. Some-se a isto a subliminar ação da Igreja Católica na América Latina e o "desastre ideológico" assimilado da TL.

  7. O PT sempre foi um vendedor de sonhos e de ilusão e a população comprou tanto que estaendividada e a maioria ainda sonha com o país que o presídiario criou não ilha da fantasia dos gastos públicos e da farra com o dinheiro público aproveitaram um momento em que a economia mundial foi favorável e essa ilusão está na cabeça dos menos esclarecidos achando que o presídiario e deus e pode fazer chover dinheiro,e a única coisa que a esquerda sabe produzir é miséria e pobreza e roubar

  8. Nada disso. O projeto do PT, caso volte ao poder, é o modelo Venezuela: destruição da economia para forçar a subserviência do povo através da fome (é uma velha arma comunista, vide a grande fome da Russia e Ucrania na década de 30). Mas para os arrogantes e ignorantes jornalistas, o comunismo acabou e quando alguém diz que os petistas são comunistas, eles respondem com um risinho desdenhoso de superioridade.

    1. É por aí. Mais uns exemplos do padrão de limpeza social, fome, genocídio e migração: China, Camboja, Polônia, Alemanha, Hungria, Tchecoslováquia, Iugoslávia,etc. Aqui por perto: Cuba, Venezuela e Nicarágua (estas duas agora ao vivo pela internet). Na China a estimativa, só no "grande salto à frente"do Mao (1959), é em torno de 35 milhões de mortos (fome). Sendo um país grande, como o Brasil, bom lembrar, não tinham como fugir. Na Rússia, só o Stalin matou 35 milhões (mais que na 2ª guerra).

  9. Há tempos não leio algo tão inteligente. Sou seu ouvinte na Jovem Pan, mas agora sou também seu leitor. Parabéns!

    1. PT pouco se lixando para tanto jargão econômico. Eles sabem para onde querem ir: para as benesses do poder e o povo para uma vala comum. O que eles mais sabem e inventar novos vocábulos e enganar a maioria enquanto os experta ficam na expectativa.

  10. Que artigo! Culto, alto nível de informação e numa linguagem acessível. Um genuíno e verdadeiro “tour de force”. Parabéns

  11. Laura Carvalho cinge as críticas à má dosagem keynesiana do período petista - tese convenientemente encampada pela ex-presidente. Alexandre Schwartsman chama aquilo de keynesianismo de quermesse, englobando, pois, outras tantas variáveis pejorativas ao modelo econômico de ‘nova matriz’. O artigo de Troyjo coloca em bons termos toda a questão. O que menos importa é a predileção ideológica. Seja qualquer desses espectros, incompetência e má fé política nunca deveriam admitir verniz.

    1. O melhor receituário não é sempre o da complementariedade entre os dois sistemas - keynesiano e liberal - desprendido de preconceitos político-ideológicos? Suspeito que todo esse purismo e apego a um objeto fixo seja um ranço científico - acentuado no Brasil - de considerar o sistema newtoniano incompatível com o atômico.

  12. Qualquer um que vencer será um estelionatário. Aqueles que querem surfar na impopularidade do governo Temer prometendo o oposto das reformas por ele encampadas terão de realizar parcialmente as reformas (mas sem ofender as corporações). Os que prometem liberar tudo e lutar contra as corporações farão as mesmas reformas e preservarão muitos privilégios para se manter no poder. Não é que não exista diferença entre os candidatos, mas a diferença será muito menor que as bravatas de cada lado.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO