DivulgaçãoNegociações sem licitação e assinadas pelo ex-diretor Roberto Dias não resistiriam a uma varredura

Roteiro conhecido

Contratos milionários celebrados pelo Ministério da Saúde seguem o modus operandi da negociação da Covaxin, com a presença de firmas em paraísos fiscais e atravessadores suspeitos sem experiência no setor
09.07.21

Desde o diagnóstico do primeiro caso de Covid-19 no país, em fevereiro do ano passado, o Ministério da Saúde já gastou mais de 56 bilhões de reais no combate à pandemia. Graças à legislação que permitiu a dispensa de licitação para a compra de bens, serviços e insumos, a pasta fechou contratos vultosos para a compra de itens como ventiladores pulmonares, seringas, máscaras, testes e vacinas. Nas últimas semanas, a CPI da Covid do Senado revelou como parte dessa bolada foi empenhada a partir de tratativas heterodoxas, com grandes indícios de irregularidades. A negociação para a compra de 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin envolve denúncias de propina e superfaturamento, por causa da atuação de atravessadores interessados em lucrar com altíssimas comissões e de políticos de olho no dinheiro do suborno.

Parlamentares e assessores da CPI se debruçaram sobre o contrato de 1,6 bilhão de reais firmado pelo Ministério da Saúde com a Precisa Medicamentos, temporariamente suspenso após a denúncia de irregularidades. Analisaram com lupa notas fiscais, e-mails trocados por servidores e empresários, além de dados bancários, fiscais e telefônicos dos envolvidos na negociata. Esse trabalho revelou as engrenagens do esquema, além do papel de militares, empresários, atravessadores e dos onipresentes políticos do Centrão – um modus operandi que o Tribunal de Contas da União e o Ministério Público Federal já haviam identificado e alertado em outras negociações feitas para o enfrentamento da pandemia. Crusoé elencou uma série de transações que estão na mira dos órgãos de controle e que envolvem o mesmo método adotado no contrato da Covaxin, como firmas em paraísos fiscais e intermediadores enrolados na Justiça ou sem experiência no ramo.

Alvo da CPI da Covid e acusado de cobrar propina de 1 dólar por dose de vacina, o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias, apadrinhado do Centrão, assinou boa parte das negociações com dispensa de licitação firmadas ao longo de 16 meses de pandemia.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéRoberto Dias assinou boa parte dos contratos com dispensa de licitação
Um dos contratos questionados que ainda não entraram na mira da CPI foi firmado com a empresa Life Technologies Brasil no valor de 133 milhões de reais e previa a entrega de 10 milhões de kits para a realização de testes de Covid. A formalização do acerto ocorreu em agosto do ano passado, mas a segunda colocada do certame questionou o processo, assim como a própria Diretoria de Integridade do ministério, que comunicou os órgãos de controle sobre os indícios de irregularidades nas tratativas. O entendimento é o de que a negociação não foi precedida de um levantamento capaz de apontar o quantitativo necessário de testes a ser adquirido pelo ministério. A forma de cotação também influenciou na escolha da vencedora. Apesar dos questionamentos, o Departamento de Logística, sob o comando de Roberto Dias, e a Secretaria de Vigilância em Saúde deram andamento ao contrato. Somente depois de questionamentos do TCU, o ministério acabou por anular parcialmente a negociação.

A Life Technologies, que negociou os kits para testes com o governo brasileiro, é representante comercial no Brasil de uma firma americana que integra o conglomerado Thermo Fisher, instalado no estado americano de Delaware, um conhecido paraíso fiscal. Com as suspeitas de irregularidades no contrato dos testes, Roberto Dias acabou não sendo indicado para uma diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A nomeação interessava ao líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, e a parlamentares do Centrão que, há nove meses, já viam o potencial de lucratividade da negociação de imunizantes e sonhavam em ter ingerência na Anvisa. Dias perdeu a vaga na agência reguladora, mas, a despeito das tratativas nebulosas de 133 milhões de reais, manteve o posto no Ministério da Saúde. Em depoimento à CPI na última quarta-feira, 7, ele garantiu que a indicação à Anvisa foi um pedido dele ao então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e não uma iniciativa de políticos. O ex-diretor de Logística disse que estava “cansado da rotina” na pasta e afirma que a denúncia envolvendo o contrato com a Life Technologies é um “fato extremamente mal explicado”.

Outro contrato milionário assinado por Roberto Dias e cercado de questionamentos foi fechado com a empresa Global Base Development HK Limited, sediada em Hong Kong. O negócio previa a entrega de 240 milhões de máscaras de proteção, ao custo total de 132 milhões de dólares. Cada equipamento custou, em média 55 centavos de dólar, o equivalente a 2,90 reais, em cotação da época do acerto. O valor é considerado acima do mercado até mesmo para abril de 2020, quando a negociação foi fechada. A empresa já recebeu mais de 700 milhões de reais – com exceção das negociações de vacinas, essa é a dispensa de licitação de valor mais alto entre as divulgadas pelo Ministério da Saúde. A Global Base escolheu como representante no Brasil a 356 Distribuidora, uma empresa do ramo de joias e bijuterias, segundo o registro na Receita Federal. O diretor da firma, Freddy Rabbat, atua no mercado de relógios de luxo. Mas o detalhe mais gritante é a qualidade dos produtos comprados: segundo a Anvisa, as máscaras não eram adequadas para uso hospitalar. A empresa atribui o questionamento da agência a uma falha de tradução: de acordo com a representante comercial, a expressão “non-medical” estampada na caixa dos produtos significa que eles não são indicados para uso em centros cirúrgicos, mas podem ser usados por profissionais de saúde.

DivulgaçãoDivulgação/Governo FederalIrregularidades foram apontadas por servidores do próprio Ministério da Saúde
“Os testes de Covid têm intermediário. A compra de respiradores tem intermediário. Nós precisamos olhar como esse governo opera. E ele só faz acontecer quando tem intermediário, geralmente alguma empresa em paraíso fiscal. A gente precisa prestar atenção porque é onde mora o risco da corrupção”, alertou o senador Rogério Carvalho, do PT, titular da CPI. Responsável por apontar nesta semana as suspeitas de falsificação em uma nota fiscal da Precisa Medicamentos, intermediária da Covaxin, a senadora Simone Tebet, do MDB, acredita que o modus operandi pode ter se repetido em outras negociações. “Ele (Roberto Dias) ficou lá quase três anos, então ainda há muita coisa a ser desvendada”, afirmou. “A CPI tem dificuldade de conseguir todos os contratos junto ao Ministério da Saúde e isso atrapalha”, acrescenta.

A falta de planejamento ficou patente em algumas tratativas da pasta durante a pandemia. A partir da negociação de vacinas, o ministério passou a buscar insumos necessários para garantir a imunização e incluiu na lista de compras aventais e luvas para os profissionais que aplicam as vacinas. A Diretoria de Integridade da pasta alertou, entretanto, que os itens são dispensáveis e que nem o CDC, dos Estados Unidos, classifica os produtos como necessários. O edital para a compra já estava pronto e, após a polêmica, os aventais e luvas foram retirados do certame. O resultado foi uma economia de 380 milhões de reais. A compra de seringas e agulhas também envolveu falta de dados precisos na definição da contratação. O ministério abriu o certame para a aquisição de 300 milhões de unidades do material, quando 11 estados informaram que já tinham iniciado o processo para a compra de 150 milhões de unidades dos mesmos itens. Seja por amadorismo ou por má fé – ou por um misto dos dois –, os erros daqueles que comandaram o Ministério da Saúde na pior crise sanitária da história têm que ser investigados e, seus responsáveis, punidos.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Não adiana esperar até 2022, a maioria do povo brasileiro não sabe votar. POVO NA RUA‼️, solicitando 1° ajuda das FFAA do bem - 2° Impeachment de JB - 3° fechamento dos STF e senado - 4° reconduzir Sérgio Moro à PJS, já que ele não tinha mais apoio de JB, envolvido c/familiares na jutiça, só lhe sobrando demissão. JB não prometeu lutar contra a corrupção?

  2. Não custa lembrar que foi o STF que abriu a porteira pra roubalheira ao dar autonomia a estados e municípios pra administrar a pandemia ao seu belprazer, logo por isonomia aos órgãos de compras federais, controlados por essa camarilha que é nosso parlamento e sem a qual ninguém governa esse país. Após fazer a merda nossos " supremos " trataram de tirar o corpo fora, como sempre. Bem escolhido esse senador petralha, pois de corrupção eles são especialistas com PHD.

    1. O q a autonomia governamental tem com a corrupção do governo federal??? 🐄🐄🐄. Essa falta de raciocinio do bozista sequelado só faz pé de igualdade com a vassalagem desmiolada dos mortadelas petistas. Outra coisa, já ficou claro q a corrupção genocida do Ministério da Saúde foi levada a diante pelos mitares aboletados naquela pasta por ordem e desejo do Presidente da República. Bovino idiota!

  3. Fato é que Moro estava certo ao dizer da interferência na PF, hoje vemos que o mesmo acontece com órgãos estratégicos. Assistindo ao filme " Como se tornar um Tirano" é possível identificar todas as estratégias que estão em curso por aqui. Bananália em risco...

  4. Com uma das verbas mais altas entre todos os Ministérios, a Saúde deveria ser tratada com mais responsabilidade, mas preferem deixar o SUS ruir.

  5. Se tudo for verdade sobre essa roubalheira no Ministério da Saúde, e se existir lá, também pode haver em outros ministérios e tudo com a anuência do PR da república, e se o Congresso não afastá-lo e nem os parlamentares corruptos forem punidos, data vênia, uma solução poderia ser o General Mourão e o Alto Comando prenderem todos em flagrante delito.

    1. Agora ele até tem militares bozistas para dar seguimento em seus esquemas lesa pátria. A verdade é gado pode mugir alto com delírios de febre aftosa, ainda assim, nada poderá tirar a alta parcela de culpa do Presidente da República nisso.

  6. Diante de tantas evidências de corrupções, quem poderá punir os responsáveis? Infelizmente, os órgãos de controle estão aparelhadas. O judiciário não podemos confiar. Enfim, é muito triste o que o país esta passando. No próximo ano, temos uma oportunidade de mudar o país. Espero a população acorde e tenha uma opção diferente do que é apresentada. Nem Lula, nem Bolsonaro.

  7. Paulo Roberto Costa, delator do petrolão já dizia/ “No Brasil não se coloca um paralelepípedo sem pagamento de propina” J Walter

    1. Falou e disse. Vai vender alho na avenida do seu bairro. Logo aparece o “dono dela” querendo te extorquir

  8. Os marginais cor RUPTOS indicados pelo centrão que apoia Bolsonaro ,já devem ter as cuecas e as contas no exterior recheadas .E O BRASIL COM 526 MIL MORTOS ,sem vacinas ,com milhares de brasileiros sem teto 🐀🐀

  9. Parabéns pela reportagem. Muito triste vivenciar o retrocesso das instituições brasileiras. A corrupção à solta sem freio. E o pior é que sabemos o funcionamento da máquina e os vilões livrer a reinar. Precisamos de uma terceira via com credibilidade urgente.

  10. A crusoe é nova mas seus donos são velhos conhecidos da Veja. passaram mais de 30 anos o Brasil sendo roubado e nada se disse, por isso chegamos a essa situação. HIPÓCRITAS.

    1. O pior são esses palpites sem pé nem cabeça. O cara escreve um sequencia de disparates assim, sem mais nem menos.. isso é dureza..

    2. William, o Diogo Mainardi foi embora do país por ser ameaçado devido denúncias semanais a respeito da corrupção desenfreada do PT na revista Veja

    3. A Jovem Pan é a Veja ao contrário, provavelmente você adora a JP principalmente Os Pingos nos Is, não é mesmo.....

    4. Acho que você não lia a coluna do Diogo. Semana sim, semana sim, ele abordava a corrupção lulista. Infelizmente era uma voz isolada naquela época.

  11. O estado brasileiro é uma mescla perfeita entre incompetência e corrupção. E há ainda quem queira mais estado pra nos deixar ainda mais reféns dessa corja.

  12. BOLSONARO = os EXEMPLOS EXCECRÁVEIS que uma SOCIEDADE tão CORRUPTA é capaz de produzir! São DEGENERADOS MORAIS que IMPEDEM o BRASIL de AVANÇAR! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

  13. Parabéns a Crusue e o antagonista,é uma vergonha o que estão fazendo com o nosso Brasil,cadê o TCU, será que vai ficar como está,ou alguém vai tomar providências contra esse governo fedorento.

    1. Ora viva.. um coments de verdade..

  14. Não existe um Estado ou Município sem casos de roubo. Se antes já roubavam, com a Pandemia perderam todo o pudor, se é que um dia tiveram. Prefeitos, Secretários de Saúde, Deputados...

    1. O Pais está fedendo,que classe é essa,o povo morrendo e ninguém toma providências

  15. Às vezes me dá impressão de que pelo tanto que se rouba e se prevarica, Brasília é uma capital que se mantém em pé às custas de esparadrapo e durex.

    1. Madame.. Brasilia, tem nada a ver com esses pulhas que ficam aqui 3 dias por semana. Nós, brasilenses, não temos culpa de hospedarmos essas quadrilhas de marginais que vem dos seus estados e suas cidades..só pra emporcalhar a nossa cidade, constituída de um povo ordeiro e trabalhador.

  16. Socorro!!Como pode tanta sujeira? Não é possível que saiam impunes.O Brasil é bum país gigantesco com 210.000.000 de habitantes que sofrem por causa de um punhado de bandidos???Como é possível?

    1. Marcia esses bandidos foram eleitos por pelo menos 120 milhões de eleitores, se eles são bandidos os que votaram neles são o quê? No mínimo cúmplices desses criminosos. Eles estão lá no Parlamento porque foram escolhidos por nós, povo e eleitores. Infelizmente nós escolhemos os bandidos que queremos que m os roubem. É isso ou não?

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO