Alan Santos/PR

O ministro fiel

A decisão sobre quem será o substituto de Marco Aurélio Mello no STF já está praticamente tomada. E uma coisa é certa: ele terá de fazer valer o acordão vigente em Brasília
18.06.21

Quando prometeu nomear um ministro “terrivelmente evangélico” para o Supremo Tribunal Federal, há dois anos, Jair Bolsonaro ainda vivia aquela lua de mel com o eleitor típica de início de mandatos. De lá para cá, sua aprovação foi encolhendo significativamente, visto que uma parcela considerável de seus apoiadores foi se sentindo desapontada com a guinada na direção da velha política e dos costumes que ele prometia combater. A aliança com os pastores ficou abalada quando o presidente escolheu o católico Kassio Marques para a vaga de Celso de Mello, em outubro passado. O notório Silas Malafaia foi quem mais vociferou. Bolsonaro retrucou dizendo que a opção pelo nome patrocinado pelo Progressistas de Ciro Nogueira e Arthur Lira, próceres do Centrão, era “crucial” para a estabilidade de seu governo.

Agora, na iminência de preencher a segunda vaga no STF no presente mandato, os papéis se inverteram. Cumprir a promessa feita aos pastores em 2019 passou a ser algo essencial para Bolsonaro contar com o disputado voto evangélico na busca pela reeleição. Mas, além da Bíblia, o escolhido para suceder Marco Aurélio Mello, que se aposenta em julho, terá de rezar na cartilha do acordão vigente em Brasília. O atual advogado-geral da União, André Mendonça, é o franco favorito por representar a “dupla fidelidade” que Bolsonaro espera do futuro integrante da corte – a defesa de valores religiosos e a defesa dos interesses próprios do bolsonarismo.

Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, André Mendonça já demonstrou devoção às duas causas tanto como advogado-geral, cargo a partir do qual defendeu enfaticamente a abertura de templos religiosos durante a pandemia, quanto como ministro da Justiça e Segurança Pública, quando determinou a abertura de inquéritos pela Polícia Federal contra críticos do presidente, com base na Lei de Segurança Nacional. É por essas credencias que Mendonça é o nome preferido do próprio presidente e também da primeira-dama Michelle Bolsonaro, que já frequentou os cultos dirigidos por ele em uma igreja em Brasília. O ministro também conta com a simpatia dos mais influentes políticos e líderes evangélicos.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéDias Toffoli trabalha nos bastidores para que o advogado-geral da União seja o próximo ministro do STF
Entre os seus principais cabos eleitorais está Silas Malafaia, que reatou com Bolsonaro depois que o presidente lhe garantiu que a promessa de escolher alguém “terrivelmente evangélico” para o Supremo estava mantida. Em público, as lideranças evangélicas afirmam que emplacar na corte um fiel comprometido com os princípios defendidos pelas igrejas seria uma maneira de atenuar o “desequilíbrio religioso” na atual composição – dos onze atuais, oito se declaram católicos e dois, judeus. “Cerca de 40% da população brasileira é evangélica e quantos ministros evangélicos nós temos lá e quantos são católicos? É só fazer essa conta. Mas quem decide é o presidente”, diz o deputado Cezinha de Madureira, do PSD de São Paulo, presidente da Frente Parlamentar Evangélica na Câmara — o índice, na verdade, é uma projeção feita por um pesquisador para 2032, quando o número de evangélicos no país deve superar o de católicos (segundo o Datafolha, o Brasil tem hoje 50% de católicos e 31% de evangélicos).

O lobby por um ministro evangélico é reforçado pela Igreja Universal, aliada de Bolsonaro que chegou a colocar o nome do deputado e bispo licenciado Marcos Pereira, formado em direito, como opção. Hoje, Pereira, que é presidente do Republicanos, o partido da Universal, também tem defendido o nome de André Mendonça.

Políticos evangélicos afirmam que colocar um dos seus em uma cadeira do Supremo é extremamente importante para garantir a defesa das pautas das igrejas que costumam desaguar com frequência na corte. Entre os casos que eles costumam mencionar, está o julgamento ocorrido em abril do ano passado no qual o tribunal considerou inconstitucional, por unanimidade, uma lei da cidade goiana de Novo Gama que proibia a discussão de gênero nas escolas era inconstitucional. Em seu voto, que foi acompanhado pelos demais ministros, o relator Alexandre de Moraes afirmou que o veto municipal à chamada “ideologia de gênero”, amplamente combatida pelas correntes evangélicas, era uma forma de “censura” que contribuía para a “manutenção da discriminação com base na orientação sexual”.

Em um caso mais recente, em abril deste ano, os evangélicos sofreram outra derrota no STF, quando o plenário rejeitou, por 9 votos a 2, um pedido do PSD para derrubar um decreto estadual de São Paulo que proibiu cultos e missas presenciais em templos religiosos para tentar conter a propagação do coronavírus. Foi nesse julgamento, aliás, que André Mendonça conquistou de vez o apoio evangélico para sua indicação ao defender efusivamente, como advogado-geral da União, a reabertura das igrejas.

Joel Rodrigues/FolhapressJoel Rodrigues/FolhapressAté o ex-presidiário Valdemar da Costa Neto já foi procurado por Mendonça
A defesa de um ministro evangélico no Supremo ganhou ainda mais força nas hostes bolsonaristas diante da possibilidade de o PT voltar ao poder em 2023, com Lula. Políticos da bancada religiosa ouvidos por Crusoé acreditam que pautas mais progressistas, como legalização das drogas ou do aborto, voltarão com força num eventual governo de esquerda, e que por isso é preciso colocar no STF alguém que se disponha a defender os valores das igrejas.

Além do perfil religioso, que virou um compromisso crucial para seu projeto eleitoral, Bolsonaro já deixou claro que a amizade continua sendo um critério importante na escolha do indicado. “Primeiro pré-requisito: tem que ser evangélico, ‘terrivelmente evangélico’. Segundo pré-requisito: tem que tomar tubaína comigo, pô”, disse o presidente, ao comentar a sucessão de Marco Aurélio. O critério da tubaína foi usado, segundo o próprio presidente, para a escolha de Kassio Marques, então desembargador federal apadrinhado pelo Centrão e apoiado pelo senador Flávio Bolsonaro, seu filho 01, com uma mãozinha do notório Frederick Wassef.

Defensores do nome de André Mendonça afirmam, nos bastidores, que o advogado-geral da União será mais fiel a Bolsonaro no Supremo do que qualquer outro quadro evangélico egresso do Judiciário e citam como exemplos os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli, que ocuparam a cadeira de advogado-geral da União nos governos do PSDB e do PT, respectivamente, antes de serem indicados para o STF. Por outro lado, o vínculo estreito de Mendonça com Bolsonaro tem gerado forte rejeição ao seu nome dentro do Senado, onde a nomeação para o Supremo precisa ser aprovada em plenário por ao menos 41 dos 81 senadores.

Em busca de apoio, o favorito do presidente para a vaga  iniciou o tradicional périplo pelos gabinetes antes mesmo da confirmação de sua indicação. O primeiro a ser visitado, no início de maio, foi Nelsinho Trad, líder do PSD, partido cuja bancada soma onze parlamentares, a segunda maior da casa. “Foi uma visita de apresentação, em que ele apresentou o currículo de forma muito humilde. Fiquei com uma impressão melhor do que quando ele entrou”, disse Trad. Álvaro Dias, líder do Podemos, que tem nove senadores, também recebeu a visita de Mendonça nas últimas semanas. A operação beija-mãos mira até votos do grupo de senadores próximos a Renan Calheiros, que virou um dos principais alvos da militância bolsonarista por sua atuação como relator da CPI da Covid. Nessa frente, Mendonça passou a contar com a ajuda de Bruno Dantas, ministro do Tribunal de Contas da União que é ligado ao senador alagoano. Atendendo a um pedido de Dias Toffoli, maior entusiasta da indicação de Mendonça ao STF, Dantas busca convencer Renan a não criar obstáculos caso se confirme a indicação do atual advogado-geral da União.

Nelson Jr./SCO/STFNelson Jr./SCO/STFFux pediu a Bolsonaro para anunciar o escolhido só depois que Marco Aurélio oficializar aposentadoria
Os 14 votos da bancada evangélica no Senado estão longe de ser suficientes e André Mendonça sabe que é importante rezar na cartilha do acordão também para angariar mais apoios. E não apenas por Bolsonaro, o maior padrinho da velha ordem que voltou a vigorar em Brasília. Recentemente, Mendonça conversou com o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, um dos caciques que tem ganhado cada vez mais espaço no governo em troca de apoio no Congresso, e com o ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre, que tem dito ao presidente que ele não teria ainda o estofo necessário para defender a classe política nos casos que chegam ao STF em que há forte pressão contrária da opinião pública.

Esse, aliás, é um argumento também utilizado por Flávio Bolsonaro para tentar convencer o pai a escolher o presidente do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins, fiel da Igreja Adventista. Nome mais palatável ao Centrão e até à oposição por apresentar como cartão de visitas duas investigações abertas no STJ contra procuradores da Lava Jato, Martins segue esperançoso. O ministro alagoano caiu nas graças de Flávio por causa da amizade que o filho 01 de Bolsonaro tem com seu filho, o advogado Eduardo Martins. Pesa contra ele, porém, o fato de ter chegado a Brasília pelas mãos de Renan Calheiros.

Embora a indicação de André Mendonça esteja cada vez mais cristalizada, o plano de Bolsonaro, segundo uma fonte que participa das articulações, é anunciar o nome apenas em agosto, depois do recesso do Judiciário. O presidente acolheu um pedido do presidente do STF, Luiz Fux, para aguardar Marco Aurélio formalizar sua aposentadoria. Em paralelo, o adiamento do anúncio contribui para que o nome do escolhido não fique tanto tempo exposto a críticas. Esse é o quadro de momento. Mas, como alertam até os aliados mais próximos do presidente, em se tratando de Jair Bolsonaro tudo pode mudar na undécima hora.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Mais um energúmeno espertalhão, capacho miserável do dono e parasita do erário entre outras canalhices, pra engrossar a corvolândia e degradar ainda mais uma Instituição do Estado!!!! QUANTA CRIMINALIDADE, QUANTA INDECÊNCIA!!!!

  2. Sai um juiz do trabalho especialista em CLT, entra um pastor evangélico especialista em bíblia, e a constituição fica com o teufel...grande supremo esse.

  3. É preciso mudar esse processo de escolha, pelo presidente de plantão, de membros do STF/STJ/PGR, para juízes e procuradores de carreira, antes que a malandragem, os corruptos e as quadrilhas destruam as instituições do país.

    1. Isso já está bastante evidente, evangélicos corruptos, uma pastora suspeita de assassinato do marido, tudo em nome de Deus….

  4. Enquanto não houver alteração no critério de escolha em prol destino conhecimento jurídico, será sempre assim! Indicar advogado é sempre uma tragédia. A mente povo está sempre voltava para a defesa de criminoso. Se existir algum lugar cujos integrantes não têm saber jurídico nem conduta ilibada, é esse lamentável órgão chamado stf, assim mesmo, com letras minúsculas. Estamos submetidos à uma ditadura da ignorância. O império da lei passar hoje desse lugar fedorento.

  5. Estou decepcionado. Como sempre o Coronavaro treita seus amigos. Seu fiel escudeiro do Augusto Aras do MPF não foi nem lembrado!

  6. Minha Nossa, mais uma péssima escolha do pr pra o STF! E, o pior, cargo vitalício, onde o provável indicado votará a favor das pautas mais retrógradas para o país, enfim um retrocesso total.

  7. Precisamos mudar a escolha , saber jurídico não importa quando se trata de montar quadrilha. Precisamos de concursados, juízes de carreira no STF, sem interferência e indicação , só assim o STF vai atuar em prol da sociedade.

  8. Para Bolsonaro ganhar as próximas eleições ele precisa indicar Sérgio Moro para essa vaga. Que sonho ver Moro duelando elegantemente com o desequilibrado Gilmar Mendes. Sonhar ainda e possível.

  9. A nomeação de um ministro simplesmente por ser diabolicamente evangélico e propenso a apoiar a politicalha corrupta, é o início do retorno ao obscurantismo da Idade Média. Daí a queimar hereges na fogueira, é um pequeno passo.

  10. Coitado dos brasileiros. Quando vejo nomes como Malafaia, Edir Macedo entre outros “evangélicos” envolvidos com a política tenho ânsias de vômito....

  11. E o pior de tudo isso, quem dançamos somos nós brasileiros com essas escolhas que os PR fazem infelizmente isso é o nosso Brasil…😒😒😒😒😒😒😒😒

  12. O Mendonça é AGU RAIZ, tem competência. É só ver o currículo. Tofolli e Gilmar Mendes eram meros puxa-sacos do Lula e FHC respectivamente.

    1. Deixa de ser burro. O Mendonça é AGU, passou no concurso. Já o Toffoli, bem, estudou com vc pelo "método Paulo Freire"...

  13. Mendonça diferentemente de tofolli e gilmarmendes, é AGU RAIZ. Portanto tem conhecimento e competência para estar no STF. E ser cristão não é defeito.

  14. O critério de “notável saber jurídico” da lei foi para o lixo… nem experiência de magistrado, nem títulos de pós graduação valem alguma coisa nessa política adesista e interesseira de senadores, aprovando indicados do chefe de poder, na medida adequada da cambada esperta e seus rabos de palha… ACORDA BRASIL 🇧🇷

  15. Terrivelmente bandido, terrivelmente corrupto, terrivelmente safado, terrivelmente vendido, terrivelmente pecador, terrivelmente crehtino, terrivelmente traidor do povo, terrivelmente hipócrita, terrivelmente contra o povo. Essa criatura não tem família?Filhos? Pai? Mãe? Não sente vergonha perante a família? A igreja que fiz q pertence vê age em nome do papai Noel? É muita cretinice né!?!?Será mesmo que meia dúzia, ou melhor, o país todo será prejudicado por uma única quadrilha?

  16. Interessante! Os mesmos que detonavam a indicação de ministros do STF por vias políticas presidenciais, agora o fazem sem o menor constrangimento. As promessas do "FIM DA VELHA POLÍTICA" ruíram diante dos "interésses" bolsonaristas e de seus aliados de ocasião. Pobre Brasil!

  17. Nunca vi tanto idiota dando opinião errada! Vão trabalhar vagabundos e parem de perseguir nosso presidente! Se colocar Jesus vocês vão criticar. Cambada de vagabundos!

    1. O gado ARDO precisa urgentemente ser vacinado com OUROVAC AFTOSA gado saudável e carrapaticida para coceira. Este animal, que me perdoe os animais foi dominado por uma lavagem cerebral profunda. Deve estar recebendo a ração do MINTO de R$ 170,00.

    2. Falou o GADO TELEGUIADO, seguidor do gabinete do ódio, propagador de FAKE NEWS......

  18. Ultimamente a composição do STF, infelizmente, tem se pautado mais pelo famigerado QI do que pelas credenciais dos candidatos, os quais devam ser dotados de notável saber jurídico e reputação ilibada (Art.101, CF). Não é isso que temos observado, infelizmente, bastando apenas o pretedente seja amigo do rei, o que é lamentável. A sabatina submetida pelos canditados no Senado Federal, smj, é para inglês ver, ou seja, faz de conta, apenas pro-forma. Pelo que sei até hoje ninguem foi reprovado.

    1. Tá reclamando do Mendonça? Gosta fe um Gilmar, um Toffoli, né fio?

  19. Veremos a VERGONHA, o fraudador, o incompetente, o imoral-vendido da vez, pra engordar a corvolândia e degradar ainda mais o stfinho.

    1. E a câmarazinha que poderia LIBERTAR O BRASIL desse psicopata genocida e o senadozinho que poderia SANEAR o stfinho.... CALADOS, IMÓVEIS, PROSTITUÍDOS!!!!!!

  20. os EXEMPLOS EXCECRÁVEIS que uma SOCIEDADE tão CORRUPTA é capaz de produzir! São DEGENERADOS MORAIS que IMPEDEM o BRASIL de AVANÇAR! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

  21. Ser terrivelmente evangélico, é o requisito n° 2. Ser terrivelmente cretino com os brasileiros, é o requisito n° 1. Parte dos evangélicos do Brasil são tratados como gado, se comportam como gado, então acho que não resta dúvida, que são realmente gado político.

    1. Concordo com Paulo. Além do mais a igreja de Cristo não precisa de ministro no STF nem em lugar nenhum. A igreja de Cristo é conduzida pelo poder do Espírito Santo. Agora a religião precisa.

  22. Gostaria de fazer um esclarecimento: a igreja adventista do 7º dia não pode ser considerada evangélica, embora muitos pensem isso. Evangélicos são os que seguem a Bíblia, e apenas a Bíblia. Portanto, são evangélicos os pentecostais, batistas, metodistas, presbiterianos e luteranos. Qualquer religião que aceite livros e doutrinas extrabíblicas, não é evangélica. Este é o caso da igrejas adventista, testemunhas de Jeová e dos santos do últimos dias (mórmon).

    1. @Ana: valores cristãos não envolvem perseguir outros, pois se Jesus estivesse na terra hj, estaria em meio àqueles considerados os maiores pecadores e os rejeitados pela sociedade. É hipócrita todo aquele que aponta o dedo para o outro e o condena, pois se olhar para o espelho, verá outro pecador. Quem persegue homoafetivos, condena viciados, adúlteros etc e se considera cristão, ou não entendeu a mensagem de Jesus, ou ainda não alcançou maturidade na fé. Jesus é amor. Amor incondicional.

    2. O que é valor cristão? Perseguir pessoas homoafetivos, mas liberar 3, 4 casamento, como o MINTO?

    3. Apesar de ser evangélica, não me agrada a indicação de Mendonça ao cargo. Me interessam, sim, os valores cristãos em uma sociedade, mas para ocupar o cargo de ministro do STF, é imperativo que seja o melhor advogado do país; que seja, comprovadamente, imparcial e honesto, independentemente de sua religião. Kassio Marques, por exemplo, ensina ao brasileiro que um não precisa ser aquilo que professa; que fazer uso de meios escusos pode levá-lo à mais alta posição do país em seu campo de atuação.

  23. Sou católico, mas me enoja ver as igrejas, todas elas, envolvida desta forma com politica. Deviam cuidar somente da fé, da alma, do espirito de seus fieis. Mas isso não existe, querem saber só de estar cada vez mais ricas com seus caciques vivendo em alto luxo e seus fieis cada vez mais na miséria. Neste aspecto nada evoluímos.

    1. Tem que acabar a indicação Temos que fazer concursos superior tribunal e supremo só por concurso

  24. Lamentável. Escolher por critério da religião que o indicado segue?? Voltamos a era do obscurantismo no Brasil.

  25. A decisão que deveria ser tomada, levando em consideração um juiz , que defendesse estritamente a constituição nunca acontece, é só interesses e acordos espúrios , e com isso o judiciário ficou completamente aparelhado justamente onde não poderia , e com o congresso aprovando leis que blindam a corrupção e ainda incentiva , viramos a terra de malandros e da impunidade a sociedade hoje percebe que por aqui o corrupção vale a pena .

    1. Antônio, a diferença e que os EUA é um país de 1° mundo e nós somos uma república bananeira de 3° mundo. É isso, infelizmente.😧

  26. Pior do que ter que aguardar o fim do mandato de um péssimo governante é saber que uma indicação desse terá impacto no país por muitos anos, até que indicado se aposente. Não tem como uma democracia dessas dar certo.

  27. É por isso que tanto me bato por uma cruzada nacional junto ao Congresso Nacional para alterar a configuração e os critérios de acesso do STF para 27 membros, um por cada Unidade Federativa, eleitos por Colégio Eleitoral para mandato de 10 anos. Os que lá estiverem poderão permanecer pelo tempo que faltar ao cumprimento deste prazo. Ademais aumentariam as chances naturais de apareceram espíritas, umbandistas, Teosofistas etc. Deus nos ilumine e um abraço fraterno em agnósticos e ateus! Namastê!

    1. Falou José! Mais um nessa corrente. Um abraço fraterno!

    2. Caro Vidal, gostei da vossa proposta, primeiro pela paridade de representatividade dos Estados, oportunizando àqueles menos expressivos terem voz na Suprema Corte, além de que um mandato com tempo definido tira dos Ministros o ar de "deuses" vitalícios, e a ideia do Colégio Eleitoral é ótima, devendo apenas fazer constar a devida proporcionalidade da população local no escrutínio, ou até mesmo que seja um Colégio Eleitoral composto apenas de membros do Poder Judiciário de cada Estado...

  28. Qualquer escolha do Bolsonaro só fará piorar ainda mais o STF. Mendonça é incompetente e oportunista. Humberto Martins é o corrupto mor do STJ, que direciona as melhore$ ações em andamento no País para os escritórios de filhos (as) e esposas de seus membros.

    1. Concordo plenamente com o seu comentário João, este bandido Humberto Martins é da mesma corja do corrupto mor Renan Calheiros.

  29. Ministro do STF não deveria ser cargo político. Se é representante do poder judiciário, deveria ser indicado pelo judiciário.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO