Adriano Machado/CrusoéBolsonaro com Ricardo Salles: mudança apenas no discurso não vai colar

Pressão verde

Não é só a Casa Branca de Biden: telegramas obtidos por Crusoé revelam a ação de grandes companhias americanas para convencer o Brasil a adotar medidas duras contra a destruição da Amazônia
16.04.21

A reunião de cúpula marcada por Joe Biden para a próxima semana é vista pela Europa e pelos Estados Unidos como uma oportunidade de ouro — para não dizer ultimato — para fazer com que o governo brasileiro contenha o desmatamento ilegal na Amazônia. Pressionado, Jair Bolsonaro pretende levar ao encontro, virtual em razão da pandemia, a mensagem de que os compromissos com o clima terão, nos próximos anos, ações concretas. A comunidade internacional, porém, quer mais – e exigirá garantias de que, de fato, as promessas serão cumpridas pelo Brasil.

A pressão para que o governo reduza sensivelmente os índices de desmatamento e adote uma postura clara em favor da agenda climática não se limita ao campo da diplomacia. A elite empresarial dos Estados Unidos, juntamente com associações que fazem a gestão de fundos de investimento na área ambiental, colocaram o pé na porta para pressionar Brasília a reembicar o discurso e as ações na área ambiental.

A preocupação dos empresários, que representam uma gorda fatia do PIB mundial, está registrada em um lote de telegramas encaminhados ao Itamaraty pelo embaixador do Brasil em Washington, Nestor Forster, ao longo dos primeiros meses deste ano. As mensagens, obtidas por Crusoé, demonstram que Forster, um diplomata declaradamente olavista, precisou calibrar seu lado mais ideológico e passou a participar de extensas agendas com os investidores estrangeiros que cobram providências do governo brasileiro.

Adam Schultz/The White HouseAdam Schultz/The White HouseBiden: aperto nas cobranças por medidas concretas
A ampliação da pressão coincide com a eleição de Biden, mas também com a divulgação, por órgãos oficiais, de dados que mostram que o desmatamento na Amazônia aumentou em 30% em 2020, na comparação com o ano anterior. Em um evento organizado pelo Conselho Empresarial Brasil-EUA em 22 de fevereiro, representantes de mais de 90 empresas, entre elas American Express, Amazon, Apple, Bayer, Boeing, Citibank e Disney, levaram a Foster suas preocupações. O embaixador justificou, no evento, que o Brasil quer ter com os Estados Unidos “iniciativas conjuntas de combate ao desmatamento e de promoção de oportunidades econômicas para a população da região amazônica”. Em fevereiro, Forster participou em Washington de outro encontro, com 460 diplomatas, economistas e representantes de corporações de 27 países. De novo, teve de deixar a agenda ideológica do governo Bolsonaro para se curvar aos apelos. “Ressaltei que o Brasil, inclusive à luz de sua atuação na promoção do conceito de desenvolvimento sustentável, está aberto a maior cooperação com os EUA na área ambiental, considerada prioritária pela Casa Branca”, escreveu Forster, ao relatar a Brasília sua participação.

Cada compromisso do representante brasileiro nos Estados Unidos sobre a área ambiental tem gerado um relatório. O encontro mais duro foi com fundos de investimento e organizações ambientais, em 22 de janeiro. As organizações listaram medidas que o Brasil deveria adotar, inclusive para “melhorar sua imagem em mercados externos”. Entre os tópicos elencados, estavam a necessidade de o setor agrícola brasileiro se preparar para oferecer ao mercado internacional commodities agrícolas com emissão zero de gases de efeito estufa e a criação de programas de reflorestamento e recuperação de áreas degradadas. Forster resumiu assim sua participação: “Avalio que a reunião foi particularmente útil em função do grau de representatividade e credibilidade dos interlocutores presentes”.

A preocupação das grandes companhias americanas se deve ao fato de a Amazônia estar no centro das discussões mundiais sobre o clima. O Brasil, visto cada vez mais como um pária na área ambiental, ainda não deu sinais efetivos, aos olhos de investidores e governos estrangeiros, de que conseguirá reduzir as queimadas e o desmatamento ilegal a índices minimamente aceitáveis. A avaliação é de que, em 2019, primeiro ano de governo de Bolsonaro, ainda não era possível fazer uma cobrança mais dura porque o presidente havia acabado de assumir. Mas com ele já no terceiro ano de governo, é possível fazer as cobranças de maneira mais incisiva.

André Cran/FolhapressAndré Cran/FolhapressQueimada na Amazônia: a destruição da floresta aumentou sob Bolsonaro
Ao convidar Bolsonaro para a cúpula da semana que vem, Biden deu um recado claro do que espera do Brasil. “Esperamos ver compromissos de seu governo no aumento da ambição climática, em antecipação da Cúpula dos Líderes do Clima que sediarei em 22 de abril de 2021, ao mesmo tempo que trabalhamos para proteger nossos recursos naturais e retirar milhões de pessoas da pobreza de maneira sustentável”, escreveu o presidente americano. Às vésperas da Cúpula do Clima, a Casa Branca enviou mais um recado, no início desta semana, por meio de um porta-voz que, à Folha de S.Paulo, disse esperar de Bolsonaro um “compromisso muito claro de acabar com o desmatamento ilegal, com medidas tangíveis para punir os desmatadores e uma sinalização política de que desmatamento ilegal e invasões de terra não serão tolerados”.

Em carta enviada a Biden nesta semana, Bolsonaro reconheceu o aumento das taxas de desmatamento e a necessidade de aperfeiçoar o combate aos crimes ambientes no país. Para o embaixador Roberto Abdenur, do Centro Brasileiro de Relações Internacionais, o Cebri, a postura na carta do presidente, apesar de positiva, não se sustenta porque está em franca contradição com o que tem acontecido na prática. Um dos quadros mais experientes da diplomacia brasileira, Abdenur critica a ênfase dada por Bolsonaro e pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, na necessidade de obter recursos do exterior antes de partir para as ações concretas.

“Quase que se condiciona a tomada de ações mais efetivas, com metas e ações, a recursos externos”, diz Abdenur. “Não se esqueça de uma frase do presidente da República, de que as ONGS são um ‘câncer que ele não consegue extirpar’. O governo Bolsonaro fez questão de ser hostil ao meio ambiente. Agora, ele dá uma guinada e se dispõe a dialogar até com os índios”, prossegue. “Condicionar a entrada de recursos à redução do desmatamento vai ser considerado pouco”, faz coro o também embaixador Rubens Barbosa, que preside o Conselho Superior de Comércio Exterior da Federação das Indústrias de São Paulo, a Fiesp. Para ele, o que americanos e europeus estão pedindo é que o Brasil apenas cumpra a legislação. “Nada mais que isso”, diz.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Sowell falou que as escolas “adultizam” as crianças e “infantilizam” os adultos. “Elitezinha” medíocre! Medíocre porque, infantilizada, não pensa, só repete slogans e discursos de colegiais e acha que está pensando e que fantasias simplistas “marqueteiras” são verdadeiras soluções! Prendam 10 “desmatadores” e aparecem 15!! Parem de repetir “desenvolvimento sustentável” como papagaios e vão lá fazer. Qual produto explorar, como explorar, processar e escoar; como desenvolver mercados, etc.

    1. E isso sem falar na infraestrutura. Seja lá qual o tipo de economia (agropecuária, florestal, mineral, indústria limpa, indústria 4.0, bioeconomia, turismo, etc.), há necessidade de infraestrutura! Estradas, ferrovias, aeroportos, energia, gasodutos, CDs, comunicações, etc. Por fim, a pergunta: o q o povo deve fazer? Ficar sentado olhando para o horizonte a esperar Godot (desenvolvimento sustentável)? Ao invés de tentar convencer com discurso, provem a tese: vão lá, façam e salvem a Amazônia!

  2. Derrepente Biden e empresários americanos querem compromissos para "trabalhar protegendo nossos recursos naturais e tirar milhões de pessoas da pobreza de maneira sustentável". Esse discurso de panfleto com objetivos claros para se apoderarem da nossa floresta amazônica para fins lucrativos e perpetuarem no mercado negro de exportação de madeira da própria amazônia para EUA e Europa.

    1. Leandro, vc acredita que realmente EUA e Europa querem proteger nossa floresta? Se eles lutam tanto por proteção ambiental como falam em seus discursos panfletários, por que não vão bater na porta da China ( país que mais polui no mundo) ? As queimadas no Brasil acontecem tanto como nos EUA e Austrália... e o mercado negro de exportação de madeira para esses países agravam ainda mais o desmatamento da nossa floresta...

    2. Se apoderarem da nossa floresta amazônica!!!? Q coisa mais insana. Para de ler esses caras de extrema esquerda ou direita. Tds tem um monte dessas loucuras de q um país vai tomar nossa floresta. Enquanto isso, desmatamos nas mãos de madeireiros ilegais, grileiros e garimpeiros. Temos q admitir q erramos e aceitar trabalhar pra acabar com a destruição da Amazônia. Assista o documentário - RIOS Q VOOAM. Vc vão gostar. Na boa.

  3. Há uma grande e generalizada omissão de uma informaçâo básica. Quanto % do desmatamento da amazônia é perfeitamente legal? Há, sim, possibilidade de desmatar até 20% dos imóveis contidos no bioma amazônico sem infringir a lei. Porém todas as estatísticas englobam tudo como "aumento do desmatamento". Deve haver a separação, nem que seja para embasar a necessidade de possível mudança na legislação.

    1. Excelente comentário! Sempre bato nesta “tecla”. E acrescento: se é para usar só 20% do imóvel e preservar 80%, VENDAM TODA A AMAZÔNIA! Passem tudo para a iniciativa privada! Se todos os imóveis preservarem 80%, o resultado final é preservação de 80%!!!

  4. Primeiro - É preciso exonerar sumariamente esse ministrinho do MMA, que falou com todas as letras para aproveitar a pandemia e PASSAR A BOIADA. Essa demissão do Ricardo Salles, advogado das toras da Amazônia, precisa ser feita antes da Cúpula do Clima, se o PR quiser que algum país participante o leve sério. Segundo - Pedir dos outros países, providências no sentido de impedir que os empresários de lá importem madeiras do Brasil.

  5. Ricardo Salles precisa ser demitido já! Bolsonaro precisa sair da presidência da República já. Eles são a vergonha nacional na saúde, na preservação do meio ambiente, na economia, na Justiça, na administração pública. nada fazem de positivo, são 2 parasitas indolentes, ignorantes e desinformados. Basta! A CPI precisa começar depressa e com muito foco no Impeachment destes 2 parasitas. Cada dia perdido são bilhões de reais de prejuízo.

  6. O primeiro sinal que o governo Bolsonaro, deveria mostrar para USA era a demissão de Ricardo Sales. Um ministro que não está preocupado com o meio ambiente, a mando do presidente da república. A política de Bolsonaro, e mesmo de Trump, o recado será dada nas próximas eleições.

    1. Amigo, o problema é que o próprio presidente é o responsável pela política ambiental predatória do governo; ele sequer sabe se preservar e transferir responsabilidades aos ministros, pois no governo, como cansou de dizer: “quem manda sou eu”.

    1. vc quer em pouco tempo passar de avião sobre a Amazônia e ver o mesmo? um erro não justifica outro.

    2. votei no presidente pra derrotar o PT. Tipico discurso fake idiota

    3. Pena que não tem como mandar uma foto. A natureza do Alasca no norte dos EUA é belíssima e tem sim muuuita árvore ali.

    4. Deixa de burrice...!! Os EStados Unidos nunca tiveram uma floresta com o tamanho e as características da nossa Amazônia... votei no presidente para derrotar o PT mas ele estragou tudo com suas políticas sectárias e ideologicamente burras ao governar para uma minoria de extrema direita. Perdeu a chance de consolidar sua liderança com base no que Rui Barbosa dizia ser direito do povo: “o bom governo”.

  7. Demitir está figura ilustrativa de Ricardo Sales seria já um bom começo . Ele só olha para o seu bolado e amigo dos filhos simplesmente .

  8. Coitado do pessoal do Norte do Brasil! Se eu fosse da Região começaria a pautar a diminuição do combate à poluição mundial na diminuição dos voos turísticos para Paris!Que desnecessário! Milhares de aeronaves empesteando o planeta, se a torre Eifell pode ser vista pela internet. Ah! E fechar pizzarias a lenha na cidade de SO . Pensa!!!! Quanta fumaça desnecessária!!! Cansada dessa esquizofrenia mundial! E desse Bozolulopetismo idiotizante!!!

  9. Graças à DESGOVERNOS anteriores, a Amazonia teve muito desmatamento! Mas, a Amazonia é visada por razões muito superiores à conversa do clima e, só mesmo a tamanha ignorância faz alguns crerem que pressionam o Brasil porque querem um ar puro! O ministro Sales, agora na mira dos que querem mandar no que é do Brasil. Há muitos anos, a wwf , “ vendia” pedaços de terra da Amazonia para os inocentes uteis que criam estar pagando para protege- la! Quanta ingenuidade! E, vejo que nada mudou!

  10. Biden vai esperar sentado o comprometimento brasileiro. Há quantos anos instituições lutam pela Amazônia e as coisas só pioram? O x da questão eh saber para qual ralo esses investimentos estão indo.

  11. vcs negam que existem ONGs que gastam mais de 50% dos recursos em salários a " ambientalistas" e aluguéis caros na Vila Madalena??

    1. À exceção de bancos, qualquer instituição, pública ou privada, gasta mais do que 50% da receita com salários. O ativo mais caro e mais importante é a mão-de-obra. Nenhuma novidade. Errado seria se os ambientalistas ganhassem para ficar jogando sinuca no bar da esquina. Ou se a ONG usasse 50% dos recursos para comprar uísque, filé mignon e leite condensado. É cada uma que leio aqui.

  12. Habita a terra, atualmente, uma população que chega aos 7,5 bilhões de pessoas. Para se ter uma ideia da dimensão, colocada esta população enfileirada, na base de 2 pessoas por metro, resultariam 20 fileiras daqui até à lua. A lua está a uma distância média de 340.000 km da terra. Se colocada em volta da terra, no nível do equador, resultariam em 170 voltas. A circunferência da terra é de aproximadamente 40 mil km. E a população não para de crescer.

  13. É, mesmo, VERGONHOSO o que está acontecendo, no governo do presidente Bolsonaro, em relação à preservação do meio-ambiente, especialmente o da região amazônica!

  14. É impossível conciliar crescimento populacional com preservação das florestas. É possível retardar a destruição da Amazônia, mas para deixa-la preservada para sempre é necessário retirar toda a população que lá habita e, destruir a maior parte das estradas já construídas. Quando Cabral chegou ao Brasil, era tudo mata, hoje, quase intacta, só resta a floresta amazônica. Quando meus pais chegaram numa região do leste de Minas, era 70% de matas, hoje, pouco mais do que 0 %.

  15. Concordo plenamente com a redução do desmatamento da Amazônia e da preservação da floresta, porém a agricultura brasileira é altamente sustentável e nada tem a ver com o desmatamento daquela floresta. Concordo também com a desmistificação da farsa do efeito estufa que só existe na cabeça dos ativistas do clima que nada entendem de ciência. Consultem nossos climatologistas Ricardo Augusto Felício e Luiz Carlos Molion entre outros.

  16. DEPOIS DA MAIS NOVA VERSÃO DO CINISMO DESTE MELIANTE CLARO QUE JÁ TOMARAM CONHECIMENTO DO QUE ESTÁ ACONTECENDO NO AMAZONAS COM O SUPERINTENDENTE DA PF. VAI SER DIFÍCIL ENROLAR A CÚPULA DO CLIMA COM TANTA INFORMAÇÃO NEGATIVA QUE RECEBEM DIARIAMENTE.🚔⚔🔪☠

  17. Baseado na postura do Ministro Ricardo Salles, e na recente demissão do Superintendente da PF do Amazonas, a forma que o Presidente irá usar para acabar com o desmatamento ilegal, é legalizando todo desmatamento hoje existente...

    1. E isto estaria maia certo do que sua mente doutrinada pode sequer cogitar...

  18. Exigir retorno de recursos externos como condicionante para implementar o controle ambiental é de uma primariedade bem típica do desgoverno . Em nome do que ? Toda gestão ou falta dela condena drasticamente Bolsonaro e o Ministério do Meio Ambiente . O discurso sem projetos , sem envolver gente especializada , que são perseguidos, é piada . Ninguém vai embarcar nesta . Não com este governo . Aguardemos o papelão do desacreditado país, nos próximos encontros da agenda verde internacional! VEXAME

  19. ELES TEM QUE SE PREOCUPAR COM A IMIGRAÇÃO ILEGAL E COM AS CRIANÇAS QUE ELES SEPARAM DOS PAIS. TEM OS NEGROS TAMBEM, QUE ELES MATAM. ESTÃO PREOCUPADOS COM A FLORESTA? SEI?

  20. ou ato ato contraditório recente ,foi a retirado do superintende da PF após a queixa crime contra o Ministro do MA facilitando o contrabando de uma grande quantidade de madeiras, sem QQ disfarce para encobrir seus atos criminosos.

  21. BOLSONARO = os EXEMPLOS EXCECRÁVEIS que uma SOCIEDADE tão CORRUPTA é capaz de produzir! São DEGENERADOS MORAIS que IMPEDEM o BRASIL de AVANÇAR! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

    1. Viva Moro ... Bolsonaro tirou Moro para deixar livre o caminho para acabarem com a lava jato e em consequência libertar Lula 🦑 . Que vcs querem mais deste homem ? E um traidor ou não o que acham vcs ?

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO