Marcos Corrêa/PRBolsonaro com Anderson Torres, o novo ministro da Justiça: "alinhamento político"

A PF dominada

O presidente Jair Bolsonaro dá mais um passo importante para concretizar seu desejo de ter a Polícia Federal sob controle
09.04.21

O movimento custou a queda de seu ministro mais popular, além de um inquérito no Supremo, mas Jair Bolsonaro parece ter aprendido que pressionar integrantes do governo publicamente só atrapalha seu plano de interferir nas instituições que lhe são mais estratégicas. A obsessão do presidente pelo controle da Polícia Federal extrapolou os limites republicanos na fatídica reunião ministerial de abril do ano passado, aquela que culminou com a saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça. Na ocasião, o desejo explícito de “intervir” na PF para proteger a “família” frustrou a manobra para colocar um nome íntimo do clã presidencial, o delegado Alexandre Ramagem, no comando da corporação.

Quase um ano depois, Bolsonaro demonstrou que a solução encontrada naquele momento, com a ida de seu fiel advogado-geral da União, André Mendonça, para o lugar de Moro e a indicação de um quadro técnico ligado a Ramagem para a PF, ainda não satisfazia seus anseios. Era preciso dar mais um passo para o presidente ter, de fato, uma polícia para chamar de sua. A solução foi construída politicamente nesta semana, quando ele conseguiu colocar no posto de diretor-geral um delegado essencialmente político e acostumado a lidar com as vontades de seus chefes.

Bolsonaro aproveitou a barulhenta mudança no comando do Ministério da Defesa e das Forças Armadas na semana passada para consolidar, agora de forma bem mais discreta, o desejado alinhamento da PF aos interesses do Planalto. Se na caserna a reação dos generais o impediu de criar o seu Exército, como mostrou a última edição de Crusoé, o mesmo não se pode dizer da nova “PF de Bolsonaro”.

As nomeações do delegado Anderson Torres para o Ministério da Justiça e do delegado Paulo Gustavo Maiurino para o comando da Polícia Federal simbolizam uma guinada política nos setores de inteligência policial e de combate ao crime organizado no momento em que não apenas Bolsonaro, mas também seus filhos 01, 02, 03 e 04 são alvos de investigações envolvendo desde tráfico de influência a lavagem de dinheiro e corrupção.

Tanto Torres quanto Maiurino estão afastados há anos das atividades operacionais da PF e passaram as últimas temporadas ocupando cargos políticos, seja como secretários de governo, seja como assessores parlamentares. Foi nos corredores da Câmara dos Deputados, aliás, que as trajetórias de Bolsonaro, do novo ministro da Justiça e do novo diretor-geral da PF se cruzaram.

Delegado da PF desde 1998, Paulo Maiurino passou por alguns postos de comando na polícia. Chefiou a delegacia da PF no Chuí, na fronteira com o Uruguai, o escritório da Interpol em Brasília e foi corregedor do Departamento Penitenciário Nacional, o Depen, antes de ocupar cargos mais políticos. Entre os casos mais rumorosos que carrega no currículo, estão participações na investigação do mensalão petista e do mensalão tucano. Sua ascensão dentro da PF ocorreu na gestão do diretor-geral Luiz Fernando Correa (2007-2011), com quem Maiurino trabalhou no início da carreira no Rio Grande do Sul. Já seu distanciamento do dia a dia da corporação se deu por desentendimentos com o outro chefe gaúcho — desde a gestão de Leandro Daiello, em 2011, o novo diretor da PF não atuava efetivamente dentro de seu órgão de origem.

Em Brasília, Maiurino chegou a ser assessor especial na Secretaria de Segurança no governo do petista Agnelo Queiroz, em 2014, no Distrito Federal, antes de mudar seu endereço profissional para o Congresso, uma passagem que ele prefere omitir do currículo oficial. Por pouco mais de um ano, entre março de 2015 e maio de 2016, o delegado foi assessor parlamentar do primo, o ex-deputado Marcelo Squassoni, do Republicanos de São Paulo. Três anos depois, em 2019, Squassoni foi preso pela PF em uma operação contra um esquema de corrupção no Porto de Santos. O primo e ex-chefe de Maiurino foi acusado de receber mesada de até 60 mil reais de empresários interessados em fraudar contratos com a estatal portuária.

Assembleia Legislativa de São PauloAssembleia Legislativa de São PauloO delegado Maiurino, nomeado como diretor-geral da PF, chegou a atuar no “inquérito do fim do mundo”
A convivência com deputados nos mesmos corredores frequentados pelo então deputado Jair Bolsonaro e pelo então assessor Anderson Torres rendeu a Maiurino uma inusitada indicação do Republicanos para o governo de Geraldo Alckmin, do PSDB, em São Paulo. Em junho de 2016, o delegado federal virou secretário de Esporte, Lazer e Juventude do tucano, em um loteamento político costurado pelo primo Squassoni e pelo deputado Marcos Pereira, aliado de Bolsonaro e presidente do partido que abriga hoje o senador Flávio Bolsonaro e o vereador Carlos Bolsonaro, os filhos 01 e 02 do presidente.

À época, o governador tucano disse que manteria o espaço do Republicanos no seu governo desde que o indicado não fosse pastor da Igreja Universal. O jeito afável e o jogo de cintura de Maiurino cativaram em pouco tempo aqueles que duvidavam do traquejo político do delegado. Quem trabalhou com ele no governo lembra de seu ótimo trânsito com deputados da bancada evangélica. Maiurino recebia prefeitos e parlamentares interessados em gastar verbas de emendas em projetos da pasta nos seus redutos eleitorais e era presença constante em inaugurações.

A desenvoltura garantiu ao delegado uma sobrevida no governo paulista, quando Márcio França assumiu o comando do estado e entregou a secretaria a outro partido. De maio até o final de 2018, Maiurino passou a responder como subsecretário de Segurança. O rebaixamento de cargo e de salário foi recompensado com um jeton de 6 mil reais por mês que ele passou a receber como conselheiro da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, controlada pelo governo paulista.

As conexões políticas do novo diretor-geral da PF o levaram para o Rio de Janeiro em 2019, como membro do Conselho de Segurança do então governador Wilson Witzel, do PSC, ex-aliado de Bolsonaro. Mas foi a recente atuação de Maiurino nos tribunais superiores de Brasília que deram a ele a principal credencial para ocupar o cargo – a certeza de que não teria o mesmo destino de Alexandre Ramagem, cuja nomeação foi suspensa por liminar pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF. Em outubro de 2019, o delegado foi convidado pelo então presidente do Supremo, Dias Toffoli, para chefiar a secretaria de segurança institucional do tribunal. Pesou na escolha de Toffoli o fato de Maiurino ter nascido em Marília, a terra natal do ministro, no interior paulista.

A nomeação de Maiurino para o cargo no STF ocorreu logo depois que Rodrigo Janot, ex-procurador-geral da República, afirmou ter ido armado a uma sessão do Supremo com a intenção de matar o ministro Gilmar Mendes. Mas a atuação do delegado em defesa dos magistrados foi além disso. Recentemente, Alexandre de Moraes contou a um interlocutor que o delegado também o auxiliou no inquérito das fake news, aquele aberto por Toffoli em 2019 para investigar supostas ofensas e ameaças aos magistrados e que resultou na censuraCrusoé. Oficialmente, contudo, o nome do delegado não aparece nos apensos da investigação que já vieram a público.

O novo diretor-geral da PF também atuou em outro inquérito polêmico, aberto pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins, para investigar procuradores da extinta força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, por suposta tentativa de investigar clandestinamente ministros da corte. O inquérito, instaurado com base nas mensagens que hackers roubaram de telefones dos integrantes da operação, seguia a mesma narrativa que embasou o inquérito do STF, mas acabou suspenso pela ministra Rosa Weber, do Supremo. Paulo Maiurino atuava desde setembro do ano passado como assessor especial de segurança do Conselho de Justiça Federal, também presidido por Humberto Martins. Foi lá que ele ganhou a confiança do ministro, a ponto de ser convidado para tocar o inquérito contra os procuradores.

Embora conheça Maiurino desde os tempos de Câmara, onde ficou por quatro anos como chefe de gabinete do ex-deputado Delegado Francischini, do PSL do Paraná, o ministro Anderson Torres se aproximou do novo diretor-geral nos dois últimos anos, quando ele foi secretário de Segurança do governo de Ibaneis Rocha, no Distrito Federal. Além do componente político, a decisão de colocar Maiurino no lugar de Rolando Souza também tem um elemento pessoal. Torres não queria deixar no segundo cargo mais importante da sua pasta um nome ligado a Alexandre Ramagem, com quem não se entende desde a disputa pela chefia da Polícia Federal em abril do ano passado. Agora, o diretor da Abin e amigo pessoal dos filhos de Bolsonaro perde influência na PF, mas Torres prometeu ao presidente uma atuação da corporação ainda mais alinhada aos interesses políticos do Planalto.

Marcos Corrêa/PRMarcos Corrêa/PRNa reunião de abril de 2020, Bolsonaro escancarou seu plano de controlar a PF
O acerto ficou patente na rápida e discreta cerimônia de posse de Anderson Torres, na última terça-feira. Citando o “medo de crises maiores decorrentes da fome e do desemprego” por causa da pandemia, ele defendeu que a “força da segurança publica” tem de “garantir a todos um ir e vir sereno e pacífico” e enfatizou que “as pessoas precisam voltar a trabalhar” – exatamente como prega Bolsonaro. Torres também prometeu resgatar a segurança pública como bandeira eleitoral do presidente. De todos as atribuições atinentes ao ministério, Bolsonaro concentrou sua fala de dois minutos, é claro, na PF. “Quis o momento que houvesse uma troca no Ministério da Justiça”, disse, fazendo questão de lembrar que, abaixo de Torres, “diretamente subordinada”, está a Polícia Federal.

A indicação de Anderson Torres foi muito bem recebida no meio político, especialmente pelo Centrão e pela bancada da bala, de quem ele é próximo. Já a escolha para o comando da PF surpreendeu as vozes mais experientes da corporação e deixou apreensivos delegados e agentes que estão na linha de frente das investigações. Como o momento atual impõe uma espécie de mordaça aos profissionais, publicamente os delegados se manifestaram apenas de forma cordial por meio de suas entidades representativas, desejando sucesso ao novo diretor-geral, mas alertando que as frequentes mudanças administrativas impostas pelo Planalto – é a terceira em pouco mais de dois anos – geram instabilidade e ameaçam a continuidade de projetos e até investigações.

“Qualquer instituição fica prejudicada com essa instabilidade. Muda o diretor-geral, a gente sabe que em seguida mudam alguns postos de diretoria e as superintendências regionais. O delegado que está trabalhando lá na ponta sente o impacto, fica um clima péssimo”, afirma a delegada Tânia Prado, presidente da Federação Nacional dos Delegados da Polícia Federal. A categoria defende a aprovação de uma proposta de emenda constitucional que está parada no Congresso e prevê mandato fixo de três anos para diretor-geral, o que daria maior autonomia à corporação. “Isso é muito importante para que o delegado não fique sujeito a pressões e ingerências de quem quer que seja”, emenda a delegada.

As “mudanças naturais” na PF anunciadas por Bolsonaro na posse de Anderson Torres já estão a caminho. O novo diretor-geral da PF, Paulo Maiurino, já convidou o delegado Luiz Flávio Zampronha para assumir a função de diretor de Investigação e Combate ao Crime Organizado. Trata-se da posição mais importante dentro da estrutura da PF, depois da de diretor-geral, porque é de lá que são comandadas as operações e as investigações mais sensíveis, entre elas as que envolvem políticos.

Zampronha atuou na linha de frente do inquérito que investigou o mensalão do PT, período em que conheceu Maiurino, e mais recentemente conduziu a Operação Spoofing, que prendeu os hackers que invadiram os celulares dos procuradores da Lava Jato de outros agentes públicos, no ano passado. Após a troca na cúpula em Brasília, Maiurino deve anunciar mudanças nas superintendências nos estados.

Se a atual conjuntura política, com o acordão de Bolsonaro com o velho establishment político, já destruiu a Lava Jato, a tendência com o novo comando da Polícia Federal é de que o cerco aos investigadores pouco alinhados à cúpula da corporação se aperte. Ações da PF como a busca e apreensão feita nesta semana contra um agente da Abin acusado de vazar dados da agência a jornalistas e a investigação contra o suposto “aparato” que quebra sigilos dentro do Conselho de Controle de Atividades Financeiras, o Coaf, devem ficar ainda mais frequentes.

Nessas duas frentes, curiosamente a ação da PF está focada não nas questões de fundo, mas na tentativa de identificar o ponto onde os investigadores ousaram desafiar os poderosos de plantão. Ou seja: a ideia central, assim como nos inquéritos do STF e do STJ, é investigar os investigadores que incomodam o poder. No primeiro caso, o da Abin, a apuração caminha para produzir um atestado de inocência para Alexandre Ramagem, o diretor da agência, apontado como responsável pela produção de relatórios para defender Flávio Bolsonaro. O segundo, o do Coaf, deu palco na semana passada para Frederick Wassef, advogado do clã presidencial, desfiar durante horas sua narrativa de que o órgão responsável por monitorar suspeitas de lavagem de dinheiro passou a atuar como uma central de espionagem – justamente a narrativa que favorece a tese de defesa do filho 01 do presidente.

Cada vez mais, tudo está dominado.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Será bem difícil qualquer delegado agradar o atual PR, pois até mesmo um pau-mandado não pode tudo, pelo menos é o que se espera de uma corporação que possua coluna vertebral.

  2. Deve-se ao Ministro Celso de Mello ter determinado a abertura do áudio daquela reunião fatídica do Presidente e seus Ministros , o que seria perfeitamente dispensável por não interessar ao processo entre PGR / SergioMoro ! Que malefício esse Ministro Celso prestou ao país !!!!!

    1. Ótimo comentário Sônia. Um comentário perfeito sem paixões políticas. Parabéns.

  3. Vamos aguardar. A Corporação da PF é forte e unida ! Não julguemos , por enquanto ! Todos estamos de olho !!

  4. Está lembrando outros líderes fracos e doentios, sobre efeitos de remédios, que tomaram decisões que levaram nações a morte, desgraças e vergonha internacional. As pessoas de bem devem se afastar, ou serão julgadas como cúmplices. A história se repete

  5. Bolsonaro tem razão ,nenhum presidente vai nomear para cargo estratégico, alguém que não seja de sua confiança . Deixa de hipocrisia Crusoe.

    1. Eri, vc tá certo. Por isso é chamado "cargo de confiança". Quem ele deveria nomear? José Dirceu? Vamos parar de babaquice.

    2. Ok, mas tem que ser comprometido com a instituição e não com interesses pessoais do presidente. Captou ¿

  6. Para de palhaçada, Crusoe. Queria o quê? Que se mantivesse indefinidamente o aparelhamento dessas instituições pelo PT-PSDB? Até o STF tá dominado por essa corja de lazarentos.

    1. Leia-se Valderes e não Valéria. Desculpe-me pela falha Valderes.

    2. Até que enfim um comentário lúcido. Parabéns Valéria. A Cruzoé e a Antagonista infelizmente "se aver melharam" depois que sofreu que sofreram censuras do STF. Diogo Mainardi, diretor dessas revistas, anda de braços dados com DitaDória, o Pinochio do Morumbi. Dá pra entender m?

    3. Cada chefão escolhe a sua quadrilha. A vez agora é desse mentiroso.

  7. Bolsonaro é isso. Talvez o Brasil seja isso. Difícil mesmo e um país prosperar quando a prioridade é encobrir as falcatruas da família.

  8. Aqui os comentários são maioria esmagadora de função.publicos, professores, assessores de políticos. MST,. ONGs, PSOL, petralhas, mídia canalha, universidades etc. São improdutivos, mamadores da teta do governo, corruptos, aposentados q nunca contribuíram. Etc. Gente q não valem de nada , com raras excessões! Fizeram alguma coisa pelo Brasil(criar empregos) renda e impostos! Só bosta mesmo!

    1. Caro Ricardo se prepare que os asnos e jumentos vermelhos da esquerdalha psicopata vão te detonar. Aguarde.

  9. Sem dúvida houve um retrocesso tremendo desde a saída de Moro! Todo o avanço conseguido para extirpar a corrupção e a bandidagem foi por água abaixo! É preciso libertar o país de populistas nefastos como Lula e Bolsonaro nas próximas eleições. Não podemos mais continuar a conviver com as famosas “tenebrosas transações”, vendo o dinheiro suado dos nossos impostos se perder nas cuecas e maletas dos quadrilheiros de Brasília!! Lula, Bolsonaro e suas gangues nos fazem mal, são tóxicos! Basta!!

  10. Esses desmandos só poderiam parar com o impeachment do Bozo que não deve acontecer. Então é aumentar a casca da resiliência e rezar para que os brasileiros queiram acordar desse pesadelo nas urnas.

    1. Tá de brincadeira Kedma, chamar essa porcaria, fofóca de 5a. categoria, de matéria jornalista. Fábio Leite vá procurar o que fazer e pare de fazer fofóca. E pensar que essa revista já foi ótima que pena.

  11. Há muito tempo que o Jair se revelou um político oportunista interessado em proteger o seu clã e amigos investigações sobre movimentações financeiras suspeitas de prevaricação, ao tempo em que libera a aquisição legal de armas para a população, armas estas que poderão chegar facilmente nas mãos de organizações criminosas para agirem livremente nos rincões pobres e desprotegidos do país. Ter o controle do aparato policial federal e das Forças Armadas é parte desse plano diabólico de Poder.

    1. Max, vote no LULADRÃO ou no poste que ele te indicar. Aí se não der certo você vai reclamar pro Maduro ou Raul Castro, porque Fidel Castro já morreu e foi pros quinto dos infernos com chifre e tudo a que tem direito.

    2. infelizmente temos culpa, fico pensando como fomos ingênuos em acredita em uma pessoa com bolsonaro que durante trinta anos não fez nada pelo país, ele e os filhos são profissionais da política ,temos que mudar o jeito de eleger esse povo que viver eternamente de política.eu vivo na angustiada com esse cara na presidência # Fora bolsonaro e sua cateva. lena

    1. Esse projeto é fo LULADRÃO ou do CangaCiro Gomes?

  12. Estão destruindo essa nação no pouco que existia na autonomia de algumas instituições, como Receita Federal, Policia Federal, M. Público etc. Os resultados dessas desastradas ações do cara que acha que é dono do país e não Presidente, vão ter consequências aos piores possíveis para nossa sociedade. A primeira já é visível, somente os idiotas igual ao PR, não enxergaram, é o empobrecimento de forma acelerada do país. Em 2 anos saímos da 8ª para a 12ª economia do mundo, e, hoje já somos a 15ª.

  13. A ser verdade tudo isso e s.m.j., demonstrado fica um grande enredo anti-republicano da atuação do governo que tende a enfraquecer a autonomia da Polícia Federal como instituição de Estado. Não obstante, os rastros deixados para o favorecimento podem ser visíveis e gerar responsabilidade futura aos beneficiados e seus patrocinadores, na esferas administrativa, penal e política.

  14. Os cidadãos de bem deste País esperam que a extraordinária e competente corporação da Polícia Federal não abaixe a cabeça para essa tentativa de dominá-la.

  15. Ja estava tudo Planejado lá atrás , qdo Moro foi convidado para Ministro que o fim era tirar o Moro do jogo para depois destruir a lava jato . Porque senãoos filhinhos do papai poderiam sim ir presos e quem sabe né sobrar algo para o paizão ai

    1. Maria, em 2022 vote no LULADRÃO ou no poste que ele indicar. vocês se merecem, depois vai reclamar na Venezuela ou em Cuba. Ahahahahah.

  16. Eu vou achar legal mesmo é quando a PF estiver na frente da porta desse sujeito de 5a categoria, o levando de pijama e chinelo para depor em alguma de suas delegacias. Tomara que não demore!

  17. É muito pouco para nós democratas o nosso Presidente Bolsonaro ter “dominado” a PF, quando os corruptos têm uma corte de justiça que não respeita a Constituição e uma mídia podre que só divulga mentiras a troco de grana! O dinheiro que paguei pela assinatura desse folhetim foi simplesmente jogado no lixo! Estou contando os dias para que a minha assinatura se encerre.

    1. Excelente comentário Tarcila. A narrativa dessa esquerdalha, inclusive dessa revista, é atribuir a culpa aos outros daquilo que eles fazem. Exemplo prático é o STF, extremamente dominado por indicações "vermelhas" e veja o que esse STF está fazendo contra os outros poderes.

    1. Moro foi forçado a pedir demissão , esto sim . Foi uma traição feroz a Moro . Peor que a roubalheira do PT . Nos traicionan sim ou sim não tem jeito para este nosso Brasil se Moro nao candidatar a presidente .

  18. Lula não e Bolsonaro muito menos para 2022. Terceira via sim... o país está dominado pelo clã, seus amigos, STF e STJ... lamentável 😞

  19. Para quem se acostumou com a PF dos tempos da Lava-Jato, é um horror ver o destino da PF e outros órgãos de Estado se transformarem em antagonistas dos defensores da justiça. No mais, viramos uma Venezuela !!!

  20. Lamentável, muito lamentável. Será que, com a instalação da CPI da covid, o PR esquece questões pessoais e comece, realmente, a governar?

  21. Afinal de contas, quem tem direito de nomeação, pelo que está determinado na constituição? Quem nomeia? É a oposição? É o Congresso? O STF? A mídia extrema? Quem tem as prerrogativas? Se não me falhab a memória, é o presidente, certo? Ora, vocês querem que ele nomeie quem? Algum indicado pela oposição? Só porque vocês querem... Quando Lula escolheu, houve essa celeuma? Ah se tivessem cuidado desse bandido, porque é bandido sim, o país não teria sido saqueado. Quem mandou matar Bolsonaro????

    1. De pleno acordo com seu excelente comentário. Parabéns pela coragem de dizer tudo o que disse.

    2. A pergunta do GADO qdo a coisa aperta para o Geno cida é quem mandou matar Bolsonaro...hahaha

    3. Caro Sergio, vc sabe o significado de órgão de estado? acredito que não. A PF, Forças Armadas, PGR, STF, STJ não podem ser utilizados pelo presidente para satisfazer seus desejos ou proteger a familia. Simples assim.

  22. BOLSONARO = os EXEMPLOS EXCECRÁVEIS que uma SOCIEDADE tão CORRUPTA é capaz de produzir! São DEGENERADOS MORAIS que IMPEDEM o BRASIL de AVANÇAR! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

  23. A PF JÁ FOI SINÔNIMO DE EFICIÊNCIA NO COMBATE À CORRUPÇÃO SISTÊMICA E AO CRIME ORGANIZADO. HOJE ESTÁ A SERVIÇO DESSAS ORGANIZAÇÕES..ESSA É A FACE CRIMINOSA DO PALHAÇO BOZO. BANDIDOS🚔⚔🗡☠

  24. Aliás, que fim levaram o inquérito aberto por Augusto Aras para intimidar o ex Ministro Sergio Moro e a operação Spoofing, que não identificou os mandantes do crime - encomendado por Lula numa entrevista ao mesmo Verdevaldo 19 dias antes da divulgação do material obtido por hackers?

  25. Parabéns Sr. Fabio Leite, belíssima matéria a sua, digna para concorrer a algum prêmio jornalístico. Gostaria que fizesse uma matéria com a mesma qualidade dessa, falando sobre os crimes cometidos pelo ex-presidiario, porém sem parcialidade ( como fez na de hoje ) ou então, sobre a investigação do Adélio Bispo, no qual não se chegou aos mentores do crime cometido por ele. De novo, parabéns Sr. Fábio.

    1. Só se for a um prêmio de artigos de ficção! Tudo baseado em meras suposições. Vá escrever um romance de terror, cara! Pode ser que vc faça mais sucesso!

  26. desgraça, bolsonaro é pior do que luladrão, porque depois de tudo ainda tem a prepotência e o dna de sociopata e manter TUDO oque é mais ABOMINÁVEL; é o ESTELIONATARIO SOCIOPATA.

  27. No final das contas todos os ratos ficaram alegres e felizes com o bombeiro federal. Ninguém quer um ambiente instável e incômodo como era com Sergio Moro, Brasilia gosta mesmo é da calmaria do lago Paranoá, se bem que de vez em quando aparece um corpo boiando.

  28. Excelente reportagem investigativa sobre a nossa triste realidade. Bolsonaro parece ainda mais competente do que o PT na arte de aparelhar as instituições para garantir a impunidade de sua família e de seus comparsas corruptos. A morte da Lava Jato é uma repetição do que aconteceu con a operação Mãos Limpas. Lamentável.

  29. O que falta no Brasil, é educação descente para o povo, sistemáticamente minada pelos corruptos no poder, a fim de manipular a grande massa dos votantes e assegurar a reeleição dos já empossados, ainda que o voto no Brasil é obrigatório, o que facilita a manipulação. Moro como PR! Os que se candidataram até até agora são todos incompetentes e/ou corruptos.

  30. O que falta no Brasil, é educação descente para o povo, sistemáticamente minada pelos corruptos no poder, a fim de manipular a grande massa dos votantes e assegurar a reeleição dos já empossados, ainda que o voto no Brasil é obrigatório, o que facilita a manipulação. Moro como PR! Os que se candidataram até até agora são todos incompetentes e/ou corruptos.

  31. O Paulo Maiurino, segundo esta reportagem, é o 'aio' de todos. É o cachorrinho obediente e esmoleiro que faz qualquer negócio para subir na vida. Que vergonha!

    1. Até que enfim! Hoje eu me arrependo de ter visto inúmeros vídeos do Mainardi. Perda de tempo. Eu não imaginava que ele fosse tão apegado a grana. Eu o achava um jornalista sério. Que decepção!

    2. Então, né? É tudo uma connection mamata... não necessariamente nessa ordem....

    1. Nada silêncio total! Só umas desculpas esfarrapadas!

    2. Paulo muje aí sobre as manobras do seu minto. Está bgostando do desmoronamento do combate aà corrupção? Que tipo de idiota é você?

    3. Paulo, com essa grana dá viver mais uns dois anos na Itália.

    1. Na época da grande corrupção petista tinha governo? Onde?

  32. Parece que os gambás já são maioria a cuidar do galinheiro, vamos muito mal, descendo a ladeira, esse está ganhando do ex-presidiário nos mal feitos.

  33. Pronto. Está garantido o sossego do Huguinho, Zezinho e Luizinho e, agora, também, do Piu Piu, Bolsonaro terá tempo de tramar contra todos, que ousem tirá-lo da presidência.

    1. Edvaldo, o certo é respeitar a fila, ou seja, primeiramente tirar o sossego dos filhos do Conde'Nado, aí então partir para a segunda fase.

    1. José , você deveria ser processado pelo jornalista, que é um profissional sério, e que já fez matérias de vários políticos de diferentes partidos.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO