Adriano Machado/Crusoé

Compra-se um partido

Por que Jair Bolsonaro quer um partido para chamar de seu – e como está a corrida entre várias legendas nanicas para recebê-lo
12.03.21

Jair Bolsonaro deu mais uma demonstração de prepotência na última segunda-feira, 8, ao dizer que pretende “ser dono” de um partido. Sem filiação desde novembro de 2019, quando rompeu com o PSL por divergências quanto à administração da legenda, e incapaz de criar sua própria agremiação, o presidente agora busca abrigo para viabilizar seu projeto de reeleição. Os votos e a popularidade de Bolsonaro alimentam a cobiça de presidentes de siglas que sonham com a ampliação de suas bancadas e querem, por consequência, ter acesso aos polpudos repasses do fundo partidário e do fundão eleitoral. O que eles não querem, é claro, é o ônus de ter um “dono”, como partilhar as decisões sobre o destino de recursos ou entregar o controle dos diretórios regionais, uma exigência dos bolsonaristas. Para tentar viabilizar o plano de comandar um partido já consolidado, Bolsonaro agora foca nas tratativas com legendas nanicas. Na mira dele estão opções que mostram uma grande dose de incoerência das negociações. Com a ajuda de emissários, o presidente negocia com o PSC e com o Patriota, siglas conservadoras que poderiam abrigá-lo sem causar grande estranhamento, mas também com o Partido da Mulher Brasileira, uma agremiação que tem entre suas bandeiras a defesa da população LGBTI e não tem poupado ataques ao próprio Bolsonaro.

Parlamentares aliados do governo pressionam pela escolha de um partido consolidado, com estrutura, dinheiro e tempo de TV. A única opção no cenário que se enquadraria nesses requisitos é o PSL, a antiga casa de Bolsonaro. A ideia de um possível retorno, depois dos estrepitosos barracos com o grupo de Luciano Bivar, anima os governistas remanescentes na sigla, mas a pacificação é complexa. Quando Bolsonaro deixou o PSL atirando e anunciou seus planos de criar a Aliança pelo Brasil, a aposta era que ele conseguiria viabilizar a sigla antes das eleições de 2020. Dezesseis meses depois do lançamento, a Aliança tem apenas 77,6 mil assinaturas validadas pela Justiça Eleitoral, o que representa parcos 15% das 492 mil necessárias. Além das dificuldades impostas pela pandemia à coleta de apoios, uma das principais causas do naufrágio do projeto foi a falta de empenho do próprio presidente. À exceção de postagens feitas à época do lançamento do partido, ele jamais se engajou pessoalmente na empreitada. No final de 2020, Bolsonaro começou a reclamar da burocracia e reconheceu publicamente as dificuldades de criar a Aliança. Uma das primeiras opções analisadas foi um retorno ao Progressistas, partido ao qual foi filiado até 2015 – ele pediu a desfiliação depois que a agremiação anunciou apoio à reeleição de Dilma Rousseff. Cogitou ainda o PTB, do mensaleiro Roberto Jefferson, e o Republicanos, partido ligado à Igreja Universal que abrigou seus filhos. Nenhuma negociação com siglas grandes, entretanto, prosperou. Caciques partidários profissionais, como o presidente da Câmara, Arthur Lira, e o presidente do Progressistas, Ciro Nogueira, que sabem muito bem o valor do butim partidário, jamais aceitariam ingerências externas.

Entre as siglas menores, uma das primeiras que o presidente da República pôs em sua lista foi o Patriota. Criada em 2012 como Partido Ecológico Nacional (PEN), a legenda mudou de nome em abril de 2018, a pedido do próprio Bolsonaro. À época, o então pré-candidato ao Palácio do Planalto estava em busca de uma agremiação para participar das eleições e negociou com Adilson Barroso, líder do PEN, seu embarque. Gustavo Bebianno, o já falecido coordenador de campanha, foi quem convenceu Bolsonaro a escolher o PSL. “Agora, se der certo e ele finalmente vier para cá, seremos em breve o maior partido da pátria. Estamos aguardando e em oração”, diz Barroso, esperançoso, sobre a nova chance de filiação. O Patriota elegeu nove deputados federais em 2018 e, no ano passado, emplacou 49 prefeitos, com gastos de 35,1 milhões de reais do fundão eleitoral. Como boa parte dos partidos, a legenda é fonte de renda para a família de seu presidente: além de Adilson Barroso, seu irmão Aguinaldo e sua filha, Fabiana, também aparecem entre os beneficiados de pagamentos do partido na última prestação de contas apreciada pela Justiça Eleitoral. No ano passado, Fabiana foi eleita vice-prefeita da cidade paulista de Barrinha – toda a campanha do candidato a prefeito da chapa foi paga pelo Patriota, que também financiou os candidatos a vereador.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéO PMB é tão modesto hoje que funciona em uma sala comercial em Brasilia
Adilson Barroso acredita que Bolsonaro não conseguirá ser “dono” de nenhum partido já criado, mas está disposto a negociar para receber o presidente da República no Patriota, sobretudo com concessões nas decisões de montagem de chapas. “Não vejo partido nenhum dando controle total. Mas não tenho problema em dividir o doce de leite entre todos os irmãos que entrarem no projeto”, diz. Apesar da simpatia em relação a Bolsonaro e da disposição para negociar, nem o próprio Barroso tem controle total sobre a legenda. Em 2018, o Patriota se fundiu ao PRP, para cumprir a cláusula de barreira e manter os repasses do fundo partidário. Com isso, diretórios importantes entraram na negociação da fusão. A turma que veio do PRP não aceita entregar seus quinhões de bandeja a Bolsonaro.

Na última segunda-feira, o presidente reconheceu que há mais pretendentes na história. Ele disse estar “namorando” o Partido da Mulher Brasileira. A negociação beiraria o surrealismo, não estivéssemos no Brasil. A legenda que Bolsonaro cogita como opção tem posição declaradamente anti-Bolsonaro. Nas redes sociais do PMB, não faltam, por exemplo, memes que associam o notório Fabrício Queiroz a laranjas podres. Também há defesas enfáticas da defesa da criminalização da homofobia, assunto que suscita a ira do presidente da República e de seu entorno mais próximo. A atual “dona”do partido, Suêd Haidar, nasceu em um quilombo e, em sua atividade de militante, fundou um centro comunitário em uma favela, que depois foi batizado por ela própria de Creche Luiz Carlos Prestes, o mais célebre chefe comunista da história do Brasil – outro ponto que se choca com o discurso de Bolsonaro. Difícil imaginar, portanto, uma trajetória mais conflitante. Apesar de insólita, a parceria é viável porque o PMB é o único partido em que Bolsonaro teria de fato o controle que deseja. “Ele está realmente com um pé aqui dentro”, diz o advogado Jaime Fusco, fundador do PMB. Nesta semana, Fusco pediu a desfiliação da sigla por discordar das negociações. “A presidente do PMB (Suêd Haidar) acha que, sem isso, o partido acaba. Mas não dá para queimar a biografia dessa forma”, diz.

Se as tratativas prosperarem, Suêd deve entregar o comando político da agremiação a Bolsonaro e pode até permitir a mudança do nome do partido. Mas não pretende abrir totalmente mão do controle sobre as questões administrativas – o que inclui o caixa partidário. Há milhares de razões para isso. Na prestação de contas de 2018, último ano em que o partido teve acesso a recursos do fundo partidário, a sigla pagou 468 mil reais a Suêd Haidar. No ano passado, ela disputou a prefeitura do Rio e recebeu 341 mil reais de recursos do fundão eleitoral. Parentes dela também foram beneficiados. O filho de Suêd, Sidclei Bernardo, além de ter recebido pagamentos com dinheiro do fundo partidário até 2018, foi destinatário de 110 mil reais para disputar uma cadeira na Câmara de Vereadores. Suêd não quis falar com Crusoé. Na aproximação do PMB com Bolsonaro, nem tudo é 100% estranho. No Rio, o partido é intrinsicamente associado a milicianos. A vice da chapa de Suêd em 2020 foi Jéssica Natalino, filha do ex-deputado Natalino Guimarães, condenado por chefiar uma milícia na zona oeste. As duas, aliás, foram alvo de uma operação da Polícia Federal, deflagrada para investigar lavagem de dinheiro de milícias destinado a financiar campanhas eleitorais no Rio.

Nas redes do partido que Bolsonaro “namora”, não faltam ataques a… Bolsonaro
Jair Bolsonaro tem feito questão de dizer que tem várias opções de partido à mão. É uma forma, claro, de ampliar seu poder de barganha e tentar, assim, conseguir as melhores condições em seu plano de ser “dono” de um partido. Parte dessa postura não passa de blefe. A realidade é mais árdua daquela que o presidente faz transparecer. Os interlocutores de Bolsonaro têm recebido sucessivas negativas. Assim como o Patriota, o PSC, por exemplo, declara ter interesse na parceria com Jair Bolsonaro, mas também refuta qualquer possibilidade de entrega da estrutura de porteira fechada. “É óbvio que ele, como presidente da República, tem que ter poder no partido. Mas temos que verificar o que ele quis dizer com ‘ser dono’. É preciso bom senso, mas acho que tem tudo para dar certo, pode ter condições favoráveis de ambos os lados”, diz o líder do PSC na Câmara, deputado Aluísio Mendes. O Democracia Cristã, do folclórico José Maria Eymael, também foi assediado – e a resposta foi um sonoro “não” por uma razão um tanto prosaica. “Recebemos pessoas que se diziam apoiadores do presidente, perguntando se admitiríamos conversar com Bolsonaro. O DC admite conversar com todas as forças políticas, sem distinção de matizes ideológicas, mas já temos uma candidatura própria à Presidência”, afirma Eymael, que pretende de novo se lançar ao Planalto. “É uma coisa risível”, diz ele sobre a intenção do presidente de se apoderar de um partido já existente.  Tudo é risível nesse caso.

A ideia de Bolsonaro de ter um partido sob seu domínio remete às velhas práticas do sistema político brasileiro. A lógica é simples. O mais difícil, como mostra a experiência quase fracassada da Aliança pelo Brasil, é criar o partido. Uma vez resolvida a burocracia, se a legenda tem candidatos capazes de carrear votos — como é o caso do presidente – a sigla rapidamente ganha musculatura. Politicamente, quem controla uma legenda passa a manejar as articulações a seu bel-prazer. Mas há um outro aspecto tão ou mais importante: como o caixa partidário passa a receber repasses de dinheiro público na proporção de seu desempenho eleitoral, ter poderes sobre a administração do cofre pode ser determinante para o futuro de um grupo político. A passagem de Bolsonaro pelo PSL é um exemplo disso. Ao chegar à legenda, com chances reais de se eleger, ele exigiu ter o controle do partido. Bivar topou. Por um período, a estrutura nacional da legenda e boa parte dos diretórios regionais ficaram sob o domínio do estado-maior bolsonarista. A vitória na eleição presidencial mudou a história do partido. Na esteira da onda Bolsonaro, o partido elegeu 52 deputados federais – na eleição anterior, em 2014, tinha conseguido apenas uma das 513 cadeiras da Câmara. Sua participação no fundo eleitoral saltou de 9,2 milhões de reais para 199 milhões. No mesmo período, o naco do fundo partidário a que tinha direito saltou de 7,2 milhões para 98 milhões. Com o crescimento, vieram os percalços. Ao ver a sigla prosperar, logo Bivar reivindicou a retomada de ao menos uma parte de seus poderes. Foi então que veio o racha. Agora, ao desejar de novo um partido que tope lhe dar poderes de mando absolutos, Bolsonaro pretende repetir a estratégia – de preferência sem ter que devolver a legenda depois para seus donos originais.

As mudanças recentes no quadro político tornaram o plano presidencial ainda mais urgente. A volta de Luiz Inácio Lula da Silva para a corrida de 2022 fez com que parlamentares bolsonaristas passassem a defender com mais ênfase a filiação do presidente da República a um partido que já tenha estrutura e tempo de TV. Há um consenso de que com uma eleição polarizada será preciso ter mais recursos e espaço para propaganda. O PSL, onde Bolsonaro ainda tem um punhado de aliados, seria a opção mais prática. O vice-presidente do partido, o deputado Júnior Bozzella, reconhece a pressão da ala bolsonarista pela volta do presidente, mas rechaça a ideia de entregar, de novo, o comando do partido ao grupo de Bolsonaro. “Quem faz pressão (pela filiação do presidente ao PSL) são os deputados ligados a ele. O Bolsonaro não conseguiu finalizar a Aliança pelo Brasil e agora quer sequestrar algum partido para chamar de seu”, diz Bozzella.

Clara Gouvêa/UOL/FolhapressClara Gouvêa/UOL/FolhapressPara 2018, Bivar topou entregar o PSL, mas depois quis reaver o partido
No momento em que o presidente da República intensifica as negociações com várias siglas nanicas, muitas delas sem representação atualmente no Congresso, a Câmara dos Deputados se prepara para aprovar mudanças na legislação com o objetivo de beneficiar os chamados “partidos de aluguel”. A cláusula de barreira, aprovada em 2017 para restringir a atuação de agremiações que conquistam poucos votos, é um dos alvos dos parlamentares que, mais uma vez, querem esquartejar a lei eleitoral em benefício próprio. Segundo especialistas, as exigências de desempenho criadas há quase quatro anos, e que ainda estão em implantação, foram avanços importantes para começar a moralizar e enxugar o sistema partidário brasileiro. As inovações, entretanto, correm risco diante das articulações em defesa de um novo retrocesso. Logo depois de tomar posse, o presidente da Câmara, Arthur Lira, montou um grupo de trabalho para revisar a lei eleitoral. Entre as mudanças prioritárias para os aliados de Lira, estão o fim da cláusula de barreira e a volta das coligações nas eleições proporcionais. “Essa discussão na Câmara pode acabar com importantes avanços. A julgar pelo histórico das últimas reformas, aprovadas a toque de caixa, é uma grande preocupação”, diz o cientista político Marcelo Issa, presidente da organização Transparência Partidária. “O Brasil criou uma estrutura de incentivo à proliferação de partidos sem propostas, o que é prejudicial ao amadurecimento da democracia. O eleitor não identifica com clareza as plataformas de cada agremiação. E os partidos têm comportamento extremamente volátil, não se movem por essas plataformas, mas pelo fisiologismo, pelo acesso a recursos”, acrescenta Issa. O presidente Bolsonaro, também nessa frente, tem preferido o modelo antigo de se fazer política.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Felipe Moura Brasil, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Proliferação de partidos políticos, aí está o câncer dessa nação. Não temos homens de caráter nos conduzindo, a pátria fica em segundo plano, o que importa mesmo são seus interesses. O povo desinformado como um rebanho sem comando caminha para um precipício. Alguém terá de intervir, uma intervenção?

  2. O texto começa dizendo que o Presidente deu mais um sinal de sua prepotência... Como a informação aqui nesse canal está imparcial!!! Arrependido de assinar.

  3. Os interessados têm que procurar esse PAPEL na Bolsa de Valores de São Paulo, onde após um reunião de cúpula do Governo um investidor comprou ações da Petrobras e lucrou apensa 18 milhões e poucas horas.

  4. Odete615.03.2021 09:03 Os vampiros: papai-rachid e a famíglia de morcegos hematófagos.... 》》》》》》》》 https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2021/03/15/interna_politica,1246726/rachadinha-assessores-de-bolsonaro-sacaram-mais-de-meio-milhao-de-reais.shtml?utm_source=onesignal&utm_medium=push

  5. jair JUDAS é aquela mulher de 40 anos com quatro filhos e dois divorcios , que ainda assim acredita que esta disputando ALPHA MALES com renda miLHionarias . ALGUEM TEM TEM QUE AVISA-LA QUE O MOMENTO PASSOU.

  6. Os caciques donos de partidos, seja lá quais forem nessa constelação ignóbil, preferem manter a atual situação ou voltar ao passado que mais lhes favorece, e continuar com a estratégia de fazer o povo pagar pra votar nessa choldra e ainda se contentar com essa "democracia" de araque.

  7. Muitos pensam ,equivocadamente, valendo-se do nome, que o Parlamentarismo seria um Sistema de Governo que dá mais poderes aos deputados e por isso discordam de sua implantação no Brasil. Ledo engano! A o contrário, é o único sistema no qual a transparência é inevitável, a prestação de contas obrigatória e o governante demissível ad nutum. Será a nossa salvação ante a tragédia que se avizinha numa disputa entre Bolsonaro e Lula à Presidência. Deus nos ilumine. Namastê!

  8. na minha opinião o fundo partidário não deveria existir, os partidos deveriam sobreviver com recursos oriundos dos filiados e de campanhas de arrecadação e,g, jantares, festejos de ruas, shows. etc. só poderiam receber os recursos para campanha e com muita fiscalização,

  9. O imposto sindical devia ser para os partidos políticos, na hora da eleição o eleitor elegeria o partido e o político, que se beneficiaria, 50/50, esse séria o fundo partidário, o leitor votaria por o programa de governo, do partido de sua preferência. Repique

  10. Parabéns pela ótima matéria! Porém, de estrangeiro que sou, da vômito saber como funciona a maioria (ou todos) dos partidos políticos aqui no Brasil. Verdadeiras posses personais, empresas familiares, grupos mafiosos e agregação de bandidos. Triste!

    1. Concordo. Dá "engulhos" como fizemos no interior ler a matéria e entender, explicitamente, como funcionam os partidos no Brasil.

    1. Que tal uma matérias sobre as benesses que o judiciário vem recebendo a exemplo da Portaria PGR/MPU 29 de 11/3/2021

  11. Sonhei com Brasil sem corrupção, o filho compra uma mansão subfaturada, sonhei com um Brasil saudável morrem mais de 2300 pessoa sem vacina e leito. Sonhei com uma economia de mercado basta um caminhoneiro mandar um WhatsApp ameaçando greve e cai o presidente da Petrobrás. Sonhei com um congresso diferente o centrão está lá forme e forte, sonhei com a justiça Lula pode ser candidato. sonhei com IRPF tabela de descontos corrigidas nada aconteceu. ACORDEI !!!! " A VERDADE ME LIBERTOU "

  12. Acabaram com a contribuição sindical obrigatória e acabaram se is mais de 15 mil sindicatos com o próprio sindicato dos trabalhadores dos sindicatos. 30 partilhas nada mais são que a fila da cobiça das benesses que o fundão partidário permite aos seus aseclas fazerem o que bem aplicarem para seus bolsos, como comprar locadoras, helicópteros e o que mais for necessário para prevaricar em benefício do bolso próprio, acobertados pela eterna complacência da impune Justiça desde bordel.

  13. É um país sem rumo, infelizmente não se vê mais como um país do futuro, mas como um país governado por mercenários. Então podemos dizer quê no momento é um país sem futuro a vista !

  14. Absurda essa confederação partidária! Mais de 30 partidos que não representam ninguém, nada fazem pela população e só assaltam esse maldito fundo criado com o nosso dinheiro suado! Reforma Política Já! Menos partidos, menos cadeiras na Câmara e no Senado, zero auxílio, zero apartamento funcional, pro bonos compatíveis com a nossa realidade, zero aposentadoria!

  15. Qual o problema do JB querer ser dono de partido ¿ já ouvi dizer que até ministro do STF tem dono. Sem contar prefeitos, governadores, deputados, senadores, etc Esse é nosso Brasil. Estados fidos

    1. O problema é q isso é um completo absurdo. O fato de ser algo normal em nossa politica podre não significa ser o certo a se fazer. Só mostra q nossos politicos tão cagando para ideologia, promessas de campanha e que a real intenção é ter sob seu domínio os milhões da fatia do fundo partidário. Bolsonaro só mostra o q sempre foi, um político da velha política q só pensa em si mesmo enquanto joga migalhas para seu rebanho idiotizado. Bolsonaro e Lula são as duas faces de uma mesma moeda.

  16. Essa cambada de vagabundos pra por a mão no FUNDO PARTIDÁRIO sempre se unem. O Brasil só vai melhorar quando acabar com essa pouca vergonha.

  17. parece facil para alguns politicos. Quem dá emprego para politico é o eleitor, assim como dá...pode demitir atravésdo foto. O lula assim como bolsonaro , os dois no maximo vão ter 35 a 40% dos votos validos. Sobra 60 a 65% dos eleitores. Não tem essa estória de jogo jogado.

  18. Em um país onde, apenas, 27 congressistas foram eleitos com seus próprios votos, e o restante eleito com votos de coligações, o que se poderia esperar que iria acontecer. Eles vão fazer de tudo para acabar com a cláusula de barreira, e retornar com as coligações, que são o que os sustenta.

  19. Mentalidade tacanha, exatamente como a dos velhos ""coronéis"", que gostavam, e achavam ser, donos de currais eleitorais institucionalizados. Beeeerrrrrkkkk....

  20. Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” O Brasil finalmente terá Um Governo Fundado no “IMPÉRIO DA LEI!” Não seremos LUDIBRIADOS com o “Velho Plano de MELHORAS na ECONOMIA!” Triunfaremos! Sir Claiton

  21. ... o Mito Dilmo à cada dia, à cada decisão, à cada vez que abre a boca, só confirma a pobreza de espírito do homem, do chefe de família, e a podridão de um político que viveu a vida inteira mamando no bolso do Governo. É nossa a responsabilidade de tê-lo colocado no poder, como será nossa a responsabilidade de tirá-lo, o que acontecerá em 2022. Politicamente quando morrer, será enterrado como um indigente!

  22. jair JUDAS foi o cara que deu 2 BILHOES para o fundo dos partidos e que sacramentou o pagamento de advogados com o FUNDO PARTIDARIO.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO