ReproduçãoValdetário Monteiro com Ibaneis Rocha: amizade até nos piores momentos

Um buraco (e dinheiro vivo) no caminho

A curiosa história de uma bolada encontrada, acidentalmente, no carro do homem de confiança do governador de Brasília
08.01.21

Os maços de dinheiro vivo teimam em seguir fazendo parte da cena de Brasília. Era noite de 17 de abril de 2020. Uma equipe de policiais militares fazia o patrulhamento de rotina em uma via da Asa Sul, um dos principais bairros da cidade. Passava das 22 horas quando eles viram um sedan de luxo da marca japonesa Lexus parado no meio da pista. Ao chegarem mais perto, perceberam que o carro estava ligado, com as portas abertas e sem ninguém a bordo. Estranharam. Um dos pneus dianteiros estava rasgado.

Ao vasculharem os bancos e o porta-malas, os policiais encontraram 50 mil reais em notas de 50 e várias caixas de cloroquina, aquele remédio ineficaz receitado por Jair Bolsonaro como solução para os males da Covid-19. Em um primeiro momento, a consulta da placa do veículo nos sistemas da polícia restou infrutífera. A chapa era fria. Os PMs ainda faziam a vistoria quando o porteiro de um prédio próximo se aproximou e disse ter chamado um táxi para o motorista do carro, que já tinha ido embora sem dar maiores explicações. A história ficaria ainda melhor a partir dali.

O motorista era ninguém menos que o então chefe da Casa Civil do governo do Distrito Federal, Valdetário Monteiro, homem de confiança do governador emedebista Ibaneis Rocha. Quando aconteceu o incidente, o então secretário tinha acabado de sair do trabalho, no Palácio do Buriti, a sede do governo local — ao menos é isso que ele conta. Como o pneu estourou no caminho, depois de supostamente bater em um buraco, resolveu ir embora e deixar tudo para trás – inclusive o dinheiro –, sem nem sequer desligar o carro.

Marcelo Camargo/Agência BrasilMarcelo Camargo/Agência BrasilEquipe da Polícia Civil de Brasília em operação: a corporação confirmou que a apuração sobre o caso do ex-secretário foi arquivada
Irmão de um ex-deputado federal pelo Ceará, Valdetário é amigo de longa data de Ibaneis Rocha. A relação se estreitou no mundo da advocacia, onde o governador fez fortuna antes de entrar para a política. Entre 2013 e 2015, Ibaneis era presidente da OAB em Brasília e Valdetário comandava a seccional cearense. Ambos foram conselheiros federais da entidade. Em 2019, quando o emedebista se elegeu governador, convidou o amigo, que àquela altura integrava o Conselho Nacional de Justiça, para assumir a Casa Civil.

A passagem de Valdetário pelo governo terminaria em 17 junho de 2020, dois meses depois do episódio com o carro. As razões da saída nunca ficaram muito claras. Nos bastidores da política local, diz-se que ele teve um desentendimento com o governador. Publicamente, porém, Valdetário sempre se derreteu em elogios ao amigo. Até na carta de demissão ele fez questão de prestar homenagens a Ibaneis.

O advogado cearense viria a ser alvo, três meses depois, de uma operação do Ministério Público local destinada a apurar fraudes na compra de merenda escolar pelo governo. O caso corre em segredo de Justiça. A história do dinheiro, por sua vez, ficou restrita a um inquérito que acabou arquivado sumariamente pela Polícia Civil. Embora Valdetário Monteiro fosse secretário à altura do acontecimento, o MP nem sequer foi avisado.

Nesta semana, Crusoé procurou o amigo do governador para entender o ocorrido. As explicações dele são, no mínimo, curiosas. Valdetário conta que resolveu abandonar o veículo às pressas por medo de violência – o que não é, convenhamos, um problema naquela região de Brasília onde ocorreu o incidente. “Eu venho de uma terra que é muito violenta. Furou o pneu, você pega um táxi e vai embora”, afirmou, sem explicar por que largou o dinheiro para trás.

Lúcio Bernardo Jr/Agência BrasíliaLúcio Bernardo Jr/Agência BrasíliaA sede do governo local: era lá que Valdetário despachava com Ibaneis
Quanto à existência da bolada a bordo, ele disse tratar-se de algo comum em razão de problemas de saúde da mulher: “A minha esposa tem lúpus, que é uma doença autoimune. Ela já teve um AVC por conta da lúpus e foi um Deus nos acuda na época. Então a gente sempre tem essa reserva para contratar uma UTI, se for o caso”. “Além disso, sempre que tinha uma prestação, uma conta a pagar, eu autorizava ela própria e o motorista a irem sacar. Ele ia no banco e sacava. De mil, de dois, de três, de cinco. O que fosse preciso. Tiramos todo o dinheiro de casa. Foi colocado em uma mochila, no porta-malas do carro”, emendou.

Em nota, a Polícia Civil afirmou que “o fato foi devidamente apurado pela delegacia da área e não se verificou nenhuma irregularidade, haja vista a comprovação, à época, da origem e lastro do dinheiro apresentado“. O MP do Distrito Federal, por sua vez, confirmou que nunca foi notificado sobre a ocorrência e informou que requisitará as informações para avaliar se é o caso de abrir uma investigação.

Depois de deixar o governo, Valdetário Monteiro tornou-se sócio do escritório de advocacia de Ibaneis Rocha, onde está até hoje.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. “... cloroquina, aquele remédio ineficaz receitado por Jair Bolsonaro...”: comentário ABSOLUTAMENTE desnecessário à matéria. Desnecessário e ignorante, pois (1) vc não é cientista para dar veredito e (2) se fosse cientista não seria tão assertivo sobre tratamentos de uma doença quase nada estudada (ainda vai se estudar muito o corona, e o veredito final sobre cloroquina e afins ainda demorará muito para ser conhecido). Depois reclamam da perda de confiança junto ao público...

  2. Onde tem "adevogado" no poder , a coisa sempre cheira mal.Parece que nos cursos que eles frequentaram não aprenderam sobre ética. Brasilia é o lugar onde as bancadas mais caras tem suas ramificações.

  3. Não sei porque o pessoal no Brasil fica desconfiado quando um advogado fala a verdade e a polícia confirma...aqui não temos problemas com gente desonesta!

    1. Infelizmente , pois como os Juízes deveriam ser homens em que poderíamos confiar!

    1. Fuja, leve as malas e esqueça uma bolsa com míseros 50 mil. Ou esse cara acha que somos otários ou estava cheio de cocaina na veia. Não é possível. Ah, é que o cara tem dinheiro sobrando. Aí, tá nem aí pra 50 milzinhos. Brasil, mostra a sua cara...

  4. Interessante como tudo acaba envolvendo advogados. Por isso querem se blindarem ainda mais. E nossa republiqueta cada vez mais legalizando o câncer desse país.

  5. Rindo até agora. Esse cara é uma verdadeira comédia da corrupção nacional. Se o Woody Allen fizesse um filme baseado na corrupção na política da República Bananeira esse cara aí forneceria o roteiro vencedor...kkk

  6. Ele não sabia do dinheiro, não responde por ele Não sabia da placa fria, não é crime dele Não sabia dirigir carro automático, então pegou um táxi. Tudo explicado. Nada como ter costas quentes, Delegados e procuradores também não sabem e não viram. Intriga da imprensa e oposição.

    1. A impunidade, além da corrupção e a falta de caráter são males de nossa sociedade. Mudar isso é uma tarefa que vai do plano individual ao coletivo, da educação dos pais a seus filhos, do ensino e discussão nas escolas sobre ética , moral e civismo, uma tarefa para os líderes religiosos em seus púlpitos, nas novelas e nos jornais e na escolha dos legisladores e governantes. Em resumo: começar a mudança e não mais denunciar apenas e acharmos que isso é o Brasil.

  7. A imbecilidade destas pessoas é assustadora. Será que acreditam que alguém vai engolir uma história desta? Às vezes imagino que só a guilhotina daria jeito nestes bandidos.

    1. Quem são os imbecis, eles que levam vantagem sempre ou nós que bovinamente pagamos a conta ?

    1. Ele abandonou tudo porque viu a viatura. Como explicaria toda essa grana?

  8. Bandido reconhece um dos seus até pelo cheiro. E o que não falta no Brasil é bandidagem de todas as cores, origens, forma, disformes e infames.

  9. Se precisar dizer que foi um ET que deixou a grana lá este tipo de gente fala na cara dura! Não há o que temer. No poder estão as extensões destas figuras dissimuladas para dar o aval à eles. Triste a nossa realidade!

  10. A solução é acabar com o dinheiro de papel moeda. Resolveria muitos problemas no país. Não haveria assalto a banco, carro-forte, sonegação. Mas os políticos querem???

  11. Luís, o Vassalo que orna seu nome, com todos os significados de alguém subserviente, capacho, ordinário, mentiroso, vendilhão das próprias letras, estafeta dos $eu$ Senhore$ - os cifrões não são erros de digitação -, aproveita uma matéria para expor a sua ignorância. Davi Uip tomou hidroxicloroquina, Roberto Kalil, diversas outras " personalidades ". VC teve Covid 19, Luís? Eu tive e no Hospital público que me atendeu, perguntei sobre a hidroxicloroquina. Ouvi um " pois é " revelador da médica.

    1. Certamente, tomou ozônio por via retal também. Uma amiga da minha tia me contou que o uso contínuo causa vontade puxar saco, acreditar em mentiras e, principalmente, exacerba um tipo de agressividade infantilóide.

    2. Eu fico pensando o que leva um Lourival escrever o que escreveu!! É ser muito bolsominio, não é? Nada haver com nada!,,

    3. Meu Deus cure esses bolsopetistas, pois infelizmente não existe vacina contra a estupidez!

    4. Para os minions precisa desenvolver HCQ em supositorios

  12. Aí tem... mas com esses STJ e STF toda prova é falsa. Quem deve acabar preso são os policiais que foram xeretar no carro alheio. Aguardemos...

  13. Esses corruptos sempre tem uma história pronta para explicar o inexplicável. E mais uma vez a OAB revelando talentos nacionais.

    1. E pensar que a OAB ja foi um local que contávamos para nos defender. Que triste, que vergonha!

    2. Interessante sua lembrança, Manoel, realmente a OAB tem-se revelado uma usina de personagens "espertas"

Mais notícias
Assine
TOPO