Adriano Machado/Crusoé

O jogo de ganha-ganha de Arthur Lira

Como o candidato do governo ao comando da Câmara já se movimenta para escapar da Justiça valendo-se da parceria com Bolsonaro
18.12.20

Com promessas de emendas e cargos, conforme revelou Crusoé em sua última edição, o presidente Jair Bolsonaro mergulhou nas negociatas para interferir nas eleições da Câmara e alçar à presidência da casa o ínclito Arthur Lira, parlamentar e líder do Centrão acusado de integrar uma organização criminosa que causou prejuízos de 29 bilhões de reais aos cofres da Petrobras, de acordo com o Ministério Público Federal. Para alcançar o objetivo, o toma lá, dá cá, reprovado com veemência por Bolsonaro durante a campanha, virou prática corrente. Em vez de abolir os acordos espúrios, como prometeu antes de ser eleito, o presidente da República, no entanto, passou a comandá-los – não para garantir a governabilidade ou a aprovação de pautas relevantes, mas para guindar ao comando da Câmara um réu por corrupção. Em troca, Bolsonaro espera garantir a sua própria sobrevivência política. Leia-se blindagem contra o impeachment e eventuais CPIs.

Como num jogo de ganha-ganha, Arthur Lira também só tem a lucrar com essa parceria: investigado e denunciado em vários processos, o chefe do Centrão conta com a influência de Bolsonaro no Judiciário e no Ministério Público para se livrar de condenações. Desde que se acertou com o governo, ele já obteve pelo menos três importantes vitórias judiciais. Crusoé esmiuçou essas ações. Os três feitos foram alcançados graças à caneta da subprocuradora Lindôra Araújo, pessoa da estrita confiança de Augusto Aras no Ministério Público Federal e próxima do senador Flávio Bolsonaro, e dos ministros do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli e Gilmar Mendes, com quem o presidente da República articulou a indicação de Kassio Marques para a corte. Após os triunfos nos tribunais, Lira agora tenta emplacar a tese de que, se for eleito, não ficará fora da linha sucessória da Presidência da República, a despeito do entendimento do STF de que réus não podem assumir temporariamente o Executivo.

Sua maior ambição é sepultar definitivamente o processo relacionado ao chamado Quadrilhão do PP, que desde 2015 constrange toda a cúpula de seu partido. Assim como outros processos da Lava Jato, o caso está sob a relatoria do ministro Edson Fachin, conhecido como linha-dura e sem conexões com o Planalto. Mesmo assim, Lira está animado. O parlamentar conta com o lobby da ala do STF contrária à Lava Jato e, claro, com o prestimoso apoio do Palácio do Planalto. Desde que embarcou no barco governista, o comando do PP já conseguiu um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes, responsável por adiar a abertura da ação penal relacionada ao Quadrilhão. Em junho do ano passado, a 2ª Turma do STF votou pelo recebimento da denúncia contra vários integrantes do PP, como Lira, Ciro Nogueira e Aguinaldo Ribeiro. Durante o governo Lula, cargos como a cobiçada Diretoria de Abastecimento da Petrobras ficaram com o PP e, segundo o MPF, o domínio dessas vagas teria “o objetivo de arrecadar propina perante os empresários que se relacionavam com essas empresas e órgãos públicos”. Os procuradores apontam que o funcionamento do esquema criminoso ocorreu entre 2006 e 2015 e causou prejuízo de cerca de 29 bilhões de reais à Petrobras. Em agosto do ano passado, os acusados apresentaram embargos de declaração contra o recebimento da denúncia, mas o julgamento dos recursos ainda não foi concluído. Depois de sucessivos adiamentos, o processo entrou em pauta em maio deste ano, quando Fachin votou pela rejeição dos embargos e pela imediata reautuação do inquérito como ação penal. Como o ministro Gilmar Mendes pediu vista e, desde então, não devolveu os autos, o julgamento não foi retomado. Com a retenção do processo no gabinete de Gilmar, Arthur Lira, Ciro Nogueira e outros próceres do PP seguem em um limbo jurídico e, tecnicamente, não podem ser considerados réus no Quadrilhão do PP, ainda que a 2ª Turma do Supremo tenha recebido a denúncia. A demora providencial na conclusão do caso deu esperanças à trupe do PP, que se move no intuito de enterrar mais esse escândalo.

STFSTFGraças a um pedido de vista de Gilmar Mendes, Lira ficou em um limbo jurídico e acha que não pode ser considerado réu no esquema do Quadrilhão do PP
Principal aliada de Augusto Aras no MP, a subprocuradora Lindôra Araújo garantiu outra vitória judicial muito comemorada por Arthur Lira. Em junho, ela denunciou o deputado e outras quatro pessoas por corrupção passiva na Lava Jato. No documento, a representante do Ministério Público fez menção a repasses ilegais de 1,6 milhão de reais da Queiroz Galvão ao líder do Centrão e assegurou que, “acima de qualquer mínima dúvida e para muito além de meras palavras de colaboradores, Arthur Lira foi o destino da propina”. Os argumentos incisivos de Lindôra pareciam cheios de convicção, mas a própria subprocuradora voltou atrás e, poucos meses depois, pediu o arquivamento da denúncia envolvendo o neoaliado de Jair Bolsonaro. Na nova petição, a subprocuradora argumentou que “não há elementos nos autos que comprovem o elo entre o parlamentar e a Queiroz Galvão” – uma guinada de entendimento em curtíssimo espaço de tempo, algo não muito típico no MPF.

O terceiro êxito no Judiciário obtido pelo candidato de Bolsonaro para a presidência da Câmara ocorreu no mês passado. Em outro processo em tramitação no STF, Arthur Lira obteve triunfo semelhante ao registrado no caso do Quadrilhão do PP. Em outubro de 2019, a 1ª Turma da corte havia decidido, por unanimidade, receber uma denúncia de corrupção passiva contra o parlamentar pelo recebimento de 106 mil reais em propina. O caso narrado na acusação ocorreu em 2012 e envolveu a mais escrachada técnica de transporte de dinheiro ilegal. Um assessor de Lira foi preso com cédulas escondidas na roupa e, ao ser interrogado, revelou que a bolada pertencia ao chefe. Investigações do MPF mostraram que se tratava de propina paga pelo então presidente da Companhia Brasileira de Transportes Urbanos, em troca de apoio político para permanecer no cargo. Assim como no processo do Quadrilhão, a defesa apresentou recursos, que começaram a ser julgados em novembro. Quando já havia maioria para rejeitar os embargos declaratórios e confirmar a decisão que transformou Lira em réu, o ministro Dias Toffoli, um dos principais aliados do governo Bolsonaro no Supremo, pediu vista e adiou por tempo indeterminado o desfecho de mais um processo.

Divulgação/STFDivulgação/STFDias Toffoli adiou o desfecho de outro caso envolvendo o líder do Centrão: isso pode ajudá-lo a se manter na linha sucessória da Presidência
Essa indefinição nos processos em que o líder do Centrão virou réu, com inquéritos ainda não transformados oficialmente em ações penais, pode ser ótimo para o deputado caso ele conquiste o comando da Câmara. A Constituição estabelece que o presidente da Câmara é o primeiro da linha sucessória depois do vice-presidente da República. Em 2016, durante um julgamento controverso, que mobilizou o Brasil, o Supremo decidiu que réus podem ocupar o comando da Câmara e do Senado, mas ficam proibidos de assumir a Presidência, nos casos de ausência do chefe do Executivo e do vice. A tese foi fixada durante um debate sobre a situação de Renan Calheiros, àquela época recém-transformado em réu pela acusação de desvio de recursos da verba de gabinete. Com mudança de voto de Celso de Mello, manifestações no Supremo e muita pressão popular, a corte optou por um entendimento que deixa capenga a atribuição constitucional dos presidentes do Legislativo. Agora, Lira quer aproveitar a demora no julgamento dos embargos para integrar oficialmente a linha sucessória, uma vez eleito. Antes mesmo de alcançar os votos suficientes para se eleger presidente da Câmara, mas já contando com eles, Lira recebeu de sua equipe de advogados um memorial que sustenta não haver empecilhos para ele assumir a Presidência da República, se Bolsonaro e Mourão se ausentarem do posto. O documento foi repassado à reportagem pela assessoria de imprensa do próprio parlamentar. Em resumo: antes mesmo de ser eleito para comandar a Câmara, o notório Arthur Lira do Centrão já ambiciona assumir interinamente o país. “Nos dois casos (Quadrilhão do PP e denúncia de propina de 106 mil reais), a decisão de recebimento da denúncia ainda está pendente da análise de embargo de declaração, o que não o torna réu em definitivo”, argumenta o advogado Pierpaolo Bottini, que representa Lira nos casos em andamento no STF.

A aproximação entre o Planalto e o Centrão começou em abril, pouco após o início da pandemia. Acuado pelas sucessivas revelações do caso Queiroz e pela prisão dele, o presidente e seus aliados identificaram crescentes clamores por impeachment. A insatisfação popular, traduzida à época por panelaços diários, virou uma ameaça real para o governo. A solução encontrada estava na cartilha mais surrada da política brasileira: a troca de apoio por cargos. O Centrão era o parceiro ideal para esse acerto, já que os partidos fisiológicos do grupo historicamente apoiam todos os presidentes e, desde a posse de Bolsonaro, estavam de malas prontas, como sempre fazem, à espera de uma brecha para assumir o figurino governista. Todas as legendas e boa parte das lideranças do Centrão ganharam seus quinhões na Esplanada, mas a proximidade entre o presidente e Arthur Lira se destacou. O parlamentar passou a ser chamado de “filho 05” de Bolsonaro e se tornou líder informal da articulação política do Planalto. “Os partidos de centro, ou do Centrão, como queiram, do qual fazemos parte, sempre deram a qualquer governo, com muito equilíbrio, o sustentáculo às aprovações necessárias”, reconheceu Lira, em discurso no plenário da casa, logo após faturar órgãos estatais com orçamento bilionário, como a Secretaria Nacional de Mobilidade e o Departamento Nacional de Obras Contra Seca. Desse jogo de interesses mútuos, surgiu a candidatura do líder do Centrão, com as bençãos do Executivo.

A maioria da bancada bolsonarista aceita calada as determinações do Planalto, mas parte dos parlamentares governistas está constrangida com a ficha corrida do candidato escolhido pelo presidente da República, sobretudo em razão da bandeira anticorrupção erguida durante a campanha eleitoral. Os acenos de Lira à esquerda, que incluem promessas de flexibilização da Lei da Ficha Limpa e a recriação de um imposto sindical, também encabulam parlamentares da base. O deputado Paulo Eduardo Martins, do PSC, que é próximo do Planalto, classificou como “inadmissível” a volta do financiamento dos sindicatos e anunciou que não pretende votar no escolhido do presidente. Alguns bolsonaristas ainda pressionam Bolsonaro para que o governo lance um nome mais palatável à opinião pública – os ministros da Agricultura, Tereza Cristina, do DEM, e o das Comunicações, Fábio Faria, do PSD, são há meses citados como opções. Mas, depois de consolidada a articulação com o Centrão, abandonar o grupo equivaleria à implosão do governo. Uma traição a Arthur Lira, ao presidente do PP, Ciro Nogueira, e a outros partidos que estão na expectativa de ganhar espaços na cúpula do poder poderia inviabilizar a administração. Em Brasília, o que se comenta é que o Centrão até pode abandonar o governo, mas a recíproca não é mais verdadeira.

Agência SenadoAgência SenadoTereza Cristina é considerada uma candidata mais palatável, mas o presidente não pode trair o Centrão, sob risco de implodir o governo
Ao mesmo tempo que firma compromissos com siglas de esquerda, como o PT, dono de pautas progressistas, Lira faz juras aos parlamentares conservadores, como a promessa de votar projetos da chamada pauta de costumes. Os pactos aparentemente inconciliáveis denotam o esforço de Lira para sedimentar o caminho até o comando da Câmara. Afinal, além de ampliar seu poder político, o grande sonho do líder do Centrão é  escapar de processos ou empurrar ações e investigações rumo à prescrição. Ah…e é claro, remover os obstáculos jurídicos para que, na ausência de Bolsonaro e Mourão, ele assuma a Presidência do Brasil, por mais surreal que isso possa parecer.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Esperar o que disso tudo, que caso seja eleito trabalhe para que algo de bom aconteça. Tenho apenas a lamentar no que o Bolsonaro se transformou e para onde está nos levando. Está fazendo exatamente o contrário do prometeu em sua campanha. Mais uma decepção

  2. A Maquina da prescricao dentro do STF, STJ continua a todo vapor, ate o Guido Mantega escapou devido a morosidade proposital da justica.A decadas que esses advogados operam a venda de prescricao de pena, e fazem de tudo em combinado com juizes. A prescricao da pena eh a ferramenta principal da impunidade na justica brasileira e rende grandes fortunas aos envolvidos. Quando vao investigar os milhares de casos prescritos no STF e STJ todos os anos. Follow the Money e vai cair muita gente togada.

    1. Nao entendo como esse Gilmar tem tanto poder assim, sem ter tido um voto, alguem tem que deixar claro que ele nao representa a populacao brasileira, e que depois de rasgar a constituicao e o proprio dicionario da lingua portuguesa ficou claro que ele nao tem condicoes de ser um ministro do STF. Gilmar, Toffoli, Lewan, Kassio nao tem condicoes minimas para serem Ministro do Supremo. Temos que resolver isso logo,2022 esta chegando e vamos usar o nosso voto para arrumar a nossa patria amada Brasil.

  3. Essa reportagem comprova que, na verdade, tem o Quadrilhão do PP, mas tem também o do STF e o da PGR, onde os processos dos grandes dormem um sono tranquilo, para que eles continuem roubando.

  4. Chega uma hora em que a gente cai na real(principalmente se já passou dos 40): não tem jeito; o pior do Brasil é o brasileiro!

  5. Infelizmente aqui só com sangue, muito sangue. Desses vermes. Nossos Políticos e nossa justiça, são o lado sujo do crime organizado.

  6. Penso as vezes entrar na justiça por contra o boi 🐂 sonaro por propaganda enganosa. Nunca em minha vida , vi alguém mentir e sustentar a mentira como esse dejeto humano. Usou a lava jato para se eleger .Só existem três pessoas piores : beiçola , levandowiskye e o oligofrênico do advogado dios petralhas , reprovado em todos os concursos. Deus , tenha piedade de nós brasileiros!!!! Os três invejosos do Dr Moro irão dar um jeito de impugnar a candidatura dele .

  7. Graças aos “famigerados pedidos de vistas” dessa camarilha que domina o STF, esses indivíduos, tipo Arthur Lira, Renan Calheiros, Collor e outros permanecem impunes. Enquanto não se estabelecer um prazo máximo de 30 dias, para se concluirem esses “pedidos de vistas”, bandidos de colarinho branco continuarão livres, leves e soltos, da mesma forma como Lula está. UMA VERGONHA, esse indivíduo ficar na 2ª posição na linha de sucessão presidencial. Se isso prevalecer, a única saída seria o aeroporto

  8. Três nomes são fortes candidatos a derrotar Bolsonaro em 2022. Kassio Nunes. Arthur Lira e Flávio Bolsonaro, ao lado das vacinas é claro. Que Deus nos ilumine a todos e um abraço fraterno em agnósticos e ateus! Namastê!

  9. Toda essa situação é simplesmente deplorável. O país deminado por cobras e ervas daninhas. Rodrigo Maia poderia por fogo nesse parquinho. #Impeachmentjá

  10. Cruzoé, não se esqueça que quem elegeu essa canalhada a que vocês se referem no CN, é a mesma que assina suas edições, portanto m* por m* estamos empatados.

    1. O botafogo adoraria pautar o impeachment (pois isso o cacifaria para 2022), mas não pode. Sabe pq? Simples, tem um juiz sentado no seu processo e já mandou avisar q se tiver pautamento de impeachment o processo dele anda a passos largos. Para toda a bandidagem, da extrema esquerda até a extrema direita, o governo Bolsonaro é um Oasis de benesses. Todos estão ganhando com o MINTO, menos os brasileiros trabalhadores.

  11. A atuação do beiçola nefasto e do ptoffoli incompetente bi reprovado é extremamente danosa ao país, o pangaré só pensa em blindar a si e à famiglia, cabe ao congresso espúrio confirmar ou não o escroque preferido do pangaré à presidência da câmara.

  12. O Arthur Lira não será eleito Pres da Câmara. A votação será secreta e muitas surpresas virão. Não pra contar com ovo q a galinha não botou.

    1. Voto aberto fica a mercer de agradar ao eleitorado, que eh exatamente quem garante a boquinha deles no congresso ou no senado. Eles tem medo do povo, tem medo de nao se re-elegerem , e soh com o voto aberto temos a chance de participar democraticamente do direcionamento do pais. Voto secrteo eh uma conspiracao a democracia e um caminho para armacoes ocultas e danosas ao pais. 2022 vamos aproveitar e acabar com o voto secreto tambem, e trazer a Lava Jato 2.0 mais forte e ir para cima dos bandidos

    2. Voto secreto deveria ser proibido, a populacao tem que saber como seu representante politico se posiciona e se esse politico se posiciona contrario ao que o cidadao acredita ele tem que saber para que possa levar em consideracao essas posicoes na proxima eleicao, isso sim e democracia, outra coisa tem que acabar com essa de baba.quice de chamar politico e funcionario publico de excelencia. O patrao eh o povo do Brasileiro que banca essas castas sociais! ass,Vossa excelencia cidadao brasileiro.

    3. meu Deus! que tiro no pé ,foi eleger um charlatão um mentiroso o pior presidente que esse país já teve uma pessoa que só governa para os filhos e os amigos se tive amigo ! lena

  13. O politico com várias suspeitas de corrupção ,JAMAIS. poderia ter a pretensãoo se assumir a Presidência da,Câmara dos Deputados .

  14. Bom texto, MAS deve ser a milionésima, sexagésima nona matéria q leio na minha vida mostrando espúrias negociações por cargos/apoios nos últimos 7 mandatos presidenciais! Não está na hora da imprensa ir mais fundo na análise di pq isso ocorrer (e sem viés)? Já não tenho mais paciência p/ ouvir as mesmas histórias: é sempre igual (vocês não perceberam isso ainda?). No final, próprio texto há uma pista por onde vcs poderiam começar a pensar “Uma traição (...) poderia inviabilizar a administração“.

    1. Hoje no Brasil, a maior parte dos políticos e governantes não se elege para servir ao povo. Elege-se para se servir do povo!

  15. É um escárnio a manobra para reativar o núcleo duro da corrupção. O congresso precisa dar uma resposta ao País com a derrota desse cavalo de Tróia do governo.

  16. Se o STF fizesse sua parte esse bando já estaria preso! Inadmissível o Supremo se vender dessa forma!! Não podemos admitir essas manobras!! Basta Gilmar Mendes!!

  17. José Alfredo A jornalista afirmou que o PT apresenta para os candidatos à presidência da câmara, pautas " progressistas ". Que eu saiba, até agora o que eles querem é a reativação do imposto sindical, em boa hora liquidado pelo Presidente Temer. Não existe nada mais maléfico e retrógrado do que esse imposto.

  18. A jornalista afirmou que o PT é dono de pautas " progressistas". Que eu saiba até agora o que querem dos candidatos a presidente da Câmara é a reativação do imposto sindical que é a coisa mais retrógrada que existe é que, em boa hora, foi extinto pelo Presidente Temer.

    1. até quando os advogados do STF vão deixar isso acontecer os bandidos dominado todas estância desse país de bosta ! vergonha ! lena

  19. É duro admitir, mas o Bolsolixo bate com sobra as tramoias do Lulalixo e Dilmavento! O Brasil não vai suportar tanto deboche. Algo irá acontecer e não será bom...

  20. é o Brasil sempre no pior dos mundos , quando as quadrilhas conseguem um certo apoio do judiciário e país vai , não só voltando ao que era ruim , mais hoje piorando muito , e infelizmente Bolsonaro tem ajudado a acabar com a pouca esperança que tínhamos de um país mais justo e melhor , tristeza .

  21. Veja bem, assim como vcs esmiuçaram todo o Processo do Lira, que sim, é um tremendo pilantra, gostaria de ver essa prestigiosa revista fazer, exatamente o mesmo nos casos de corrupção que envolvem o atual presidente da câmara.

  22. JB vai ser lembrado como o maior estelionato eleitoral da historia do Brasil, se aliando ao Centrao e decepcionando a maior parte de seus eleitores de forma deploravel.

  23. Esse elemento será o 3o na linha sucessória se algo acontecer a Bolsonaro e Mourão. Quem votou em Bolsonaro-Mourão jamais suspeitou que um dia o país teria que conviver com essa arma apontada pra cabeça - Lira resume tudo que não queríamos!

    1. Pelo que pude perceber o articulista é aliado de Rodrigo Maia, destinando tudo que pode contra o Canditado do Bolsonaro. Agora uma pergunta? Quem tem processo no STF e Rodrigo Maia ou Bolssonaro.

  24. A banda podre 🤮 e corrupta do STF amancebada com o Centrão de Arthur Lira, sob as bençãos do governo bolsopetista estelionatário, estão destruindo o Brasil... SOCORRO!!!

    1. O Brasil já está destruído há mais de 30 anos e quem começou com essa politicalha foi a "múmia" Sarney e continuou com FHC, LULADRÃO, DILMANTA CATAVENTO, e TEMER o Mordomo. Bolsonaro tentou acabar com essa politicagem corrupta mas foi vencido pelo "sistema" comandado pelos ludetes do Congresso e do STF.

  25. O sistema se reinventou. Muda o inquilino do palácio, a ideologia e nada muda no mundo dos corruptos, o STF que deveria corrigir isso, faz o contrário protegendo os bandidos!

  26. Acho bom o presidente tomar cuidado. E nem pensar em viajar. Caso Lira ganhe e assuma interinamente a presidência, será capaz de pautar um impeachment e ficar com a vaga presidencial. Ficha corrida ele tem. Só tem bandido nessa turma.

  27. Parabéns pela excelente matéria! Lamentável que os bolsominions seguem cegos e mudos qdo se trata desses acordos espurios desse PR que é o maior estelionato eleitoral da República pós 85. Que parte dos congressistas cientes de sua obrigacao tomem atitudes pro Brasil não descambar mais ainda!

  28. E O BOLSONARO APOIANDO UM FICHA SUJA ,COM APOIO DOS LADROES E CORRUPTOS DA CÂMARA .TODOS PAGOS COM NOSSO DINHEIRO E COM FORO PRIVILEGIADO

  29. Dizem que os olhos são espelho da alma. Alhando os olhos desse deputado tive a impressão de estar no inferno. O Brasil só entrando no buraco negro. Triste país.

  30. Como a espinha dorsal do governo é a falsa bandeira conservadora, nada mais surpreende. No entanto, a falta de conhecimento do "ilustre" presidente sobre o meio político de Brasília assusta, pois é fato que quanto as condições de temperatura e pressão forem adequadas, no ambiente social e político, para o impeachment, o novo filho 05 poderá atender ao chamado republicado de sua futura função com a intenção de projetos mais ousados... quem sabe...

  31. Quando houve aquele movimento pelo fechamento do Congresso e o STF a gente percebeu que dá vontade dá. Lógicamente em respeito à Constituição os ânimos devem se arrefer. No entanto, o que esperar de um Artur Lira e sua caterva, Beiçola manipulando nos bastidores, processos com pedido de vistas sem prazo para devolução para beneficiar enrolados com a Justiça. Será que existe alguma solução para nossa república de bananas e maricas? Não temos a quem recorrer definitivamente. Só em 2022. Moro.

  32. Que país que cansa, enoja e revolta!!! Estamos sempre nas mãos de organizações criminosas. Quando os criminosos deixarão de dar as cartas na República das bananas?

  33. Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE” é nossa resposta ao ACORDÃO de BOLSONARO com o ESTABLISHMENT! Não seremos LUDIBRIADOS com o “velho plano de MELHORAS NA ECONOMIA!” Triunfaremos!

  34. Por tras desta macabra estratégia do Lira, está o plano de eliminação do Bolsonaro e do vice, via “acidente aéreo” em breve....

    1. Parabéns Helena Mader. Texto perfeito. Eu que fui um ativista contra o PT e sua bandeira LULA LIVRE, hoje tenho que tolerar o governo BOLSONARO e sua relação simbiótica com o Centrão (aliás isso só ocorreu na campanha para a presidência, quando o hipócrita Bolsonaro se fantasiou de candidato honesto que iria combater a corrupção). Resumindo, hoje temos o LULA CADA VEZ MAIS LIVRE, um governo sociopata e só nos resta espezinhar os poucos idiotas úteis que insistem em defender esse desgoverno.

    1. Helena Mader, com toda as narrativast que faz em seu trabalho de manter seus assinantes da Crozué por dentro da realidade que acontece na Câmara, no judiciário “dá” credibilidade a revista. Felizmente ainde temos repórteres que presta a contar a verdade. Temos alguns militantes, ainda que se presta a distorcerem os fatos. Enquanto tiver repórter que escreve a verdade, como H.Mader continuo a assimar esta Revista. Parabens Helena Mader

    2. com certeza esse povo que defender o bozopetista deve ganhar alguma coisa com isso , nesse dois anos de presidência o que foi que esse homem fez acabou com a lava jato , colocou só petista no governo e os bandidos do centrão junto com ele , foi realmente o maior cavalo de Tróia dessa eleição , que triste fim! # Fora Bolsonaro e sua cateva! lena

    3. Ô chapa.. Dobra essa língua. Falar em Pasqiim, não deves ter conhecido o hebdomadário mais interessante e engraçado desse país: o inimitável Pasquim. Grandes jornalistas, como Millor Fernandes, Paulo Francis, Ziraldo e tantos outros, de saudosíssima memória (Ziraldo ainda vivo, que bom). Crusoé já entrou pra história do Bom jornalismo tupiniquim. Dobra a língua "rapá" apscosta/df,

    4. Vergonha é AINDA existir pessoas sem caráter defendendo o bolsobosta

    5. Ao invés de ficar ofendendo, vá informar-se em outro lugar. Parabéns, Helena Mader

    6. VERGONHA são vcs,meia dúzia de idiotas,batendo palminhas pro ASNO 171....BOZO sempre foi bandido,aquele papinho de combater a corrupção,foi bem ensaiado.Mas acabou...Fora LIXO. Tenentezinho de MERDA,TRAIRĀO. Sujeito asqueroso.

    7. Parabéns Helena Mader. Seu texto, muito bem escrito, mais uma vez reforça o posionamento da Crusoé, jornalismo independente, crítico, contundente. Enfim o bastião do bom jornalismo Parabéns Helena Mader.

Mais notícias
Assine
TOPO