CrusoéTenda de candidata chavista: apenas apoiadores do governo fazem campanha na rua

Eleição de faz de conta

Maduro tenta dar ares de legalidade às eleições legislativas na Venezuela, mas segue o receituário de controlar totalmente a máquina pública e eleitoral e, desse modo, eliminar o espaço que ainda resta para a oposição
04.12.20

Às vésperas da eleição legislativa marcada para domingo, 6, as ruas de Caracas continuam vazias. Sem gasolina, com medo da criminalidade e da pandemia, poucos se aventuram a sair de casa. O fluxo de gente é maior no centro da capital, onde estão localizados os prédios governamentais. Nessa região, muros foram pintados com os nomes de candidatos chavistas – o dos opositores foram estrategicamente cobertos com tinta. Em algumas tendas na rua, apoiadores da ditadura trajando camisetas coloridas tentam distribuir folhetos, mas quase ninguém se aproxima. Ao fundo de uma rua, é possível ouvir um carro de som tocando músicas lançadas pelo ditador Nicolás Maduro para tecer loas ao ex-presidente Hugo Chávez. “Uh, ah, Chávez não se vá”, diz uma delas. Sem argumentos para animar os eleitores, optou-se por recorrer ao falecido ditador.

A falta de esperança e o desânimo são generalizados. As pessoas que aceitaram conversar com a reportagem de Crusoé – temendo sanções da ditadura, a maioria dos moradores de Caracas evita a imprensa – afirmaram que não iriam comparecer às urnas no dia 6. “Não farei isso porque já sabemos o resultado. Essas são as eleições mais tristes que já tivemos na nossa história e isso não é por culpa da pandemia. Não temos dinheiro para comprar comida”, diz Margarita Alzuru, que era secretária e agora trabalha como diarista, aos 59 anos.

Maduro na TV: comparecimento na eleição deve ser de 30%
Pesquisas de opinião indicam que o comparecimento deve ficar em torno de 30%, um índice semelhante ao de 2005, quando a oposição ao chavismo desistiu do pleito alegando fraude. Desta vez, 37 partidos políticos, liderados pelo autoproclamado presidente interino Juan Guaidó, anunciaram que não irão participar da farsa de Maduro. Apenas um pequeno grupo de supostos dissidentes do chavismo, que os opositores acreditam estar recebendo benesses do governo, se dispôs a concorrer.

A recusa da oposição ocorreu após uma série de investidas da ditadura. Um a um, os sete principais partidos políticos, como Copei, Vontade Popular, Ação Democrática e Primeiro Justiça, foram impedidos de concorrer ou tiveram suas diretorias tomadas por políticos governistas. O Conselho Nacional Eleitoral, que organiza as votações, teve todos os seus membros substituídos de forma irregular pelo Tribunal Supremo de Justiça, obediente a Maduro. Segundo a Constituição, contudo, seus membros deveriam ter sido indicados pela Assembleia Nacional, de maioria oposicionista. Para completar o quadro de desolação, Diosdado Cabello, líder da Assembleia Nacional Constituinte, criada para ofuscar a Assembleia legítima, ameaçou os venezuelanos que não saírem para votar no dia 6 de dezembro. “Para quem não votar, não vai ter comida. Vai ficar de quarentena sem comer”, disse Cabello, o bom camarada, durante um comício.

CrusoéCrusoéMuro com nomes de candidatos chavistas em Caracas
Sem os partidos de oposição e suas principais lideranças, muitas das quais no exílio, os venezuelanos ficaram entre os candidatos de Maduro e uma mescla de representantes de sindicatos, bairros e organizações civis. Em um país sem democracia e com 96% da população na pobreza, esses candidatos apenas tangenciam os temas principais, criticam as elites e afirmam sentir saudades de Hugo Chávez. Para liquidar totalmente com os atuais deputados de oposição, o chavismo ainda ampliou em 65% o número de cadeiras na Assembleia Nacional, que passará a contar com 277 parlamentares. A medida, segundo a Constituição de 1999, deveria acompanhar o aumento populacional. O que aconteceu foi o contrário. Nos últimos anos, cerca de 5 milhões dos 30 milhões de venezuelanos deixaram o país.

Quando Maduro entrar com seus 277 deputados na Assembleia Nacional no início de janeiro, o contraste com a atual legislatura será enorme. Os membros atuais conquistaram seus espaços em 2015 durante uma eleição com comparecimento de 74%. Mesmo sem receber salários, eles resistiram à perseguição governamental, coordenaram ações com outros países e conseguiram o envio de remédios e alimentos para os venezuelanos. Em janeiro de 2019, o líder da Assembleia, Juan Guaidó, foi reconhecido como presidente interino por mais de 50 países. É verdade que Maduro manteve-se em seu posto, abusando da violência, cooptando os generais e contando com ajuda cubana. Mesmo assim, Guaidó obteve espaço para atrair atenção para a crise humanitária da Venezuela. A partir do próximo ano, será difícil que uma força consiga agrupar as vozes da oposição, sem o amparo da Assembleia Nacional. Em seus salões, chavistas e supostos dissidentes seguirão bovinamente o governo. Maduro trabalha para estar no domínio de tudo – e as eleições legislativas deste domingo, 6, são parte da estratégia.

 A reportagem foi escrita com ajuda de uma correspondente na Venezuela. Por motivos de segurança, o nome da jornalista foi omitido 

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Excelente, Duda. Jogou luz sobre as trevas venezuelanas e de maneira muito clara nos mostrou a sentença de morte da democracia no país. Acompanho sempre os seus artigos sobre o panorama internacional e gosto bastante. Meus parabéns e um abraço.

  2. Eu acabei de ler “Tempos ásperos”: Guatemala, década de 50. Os EUA lançam uma campanha para desacreditar um governo que estava mudando o país, implementando uma Reforma agrária, cobrando impostos de companhias americanas instaladas no país. Conseguem seu intento, destroem a Guatemala com a ajuda de militares que a eles Aliaram-se. ...

  3. Ditaduras militares são todas iguais. Vocês se lembram da ditadura aqui? Na época somente a Arena ganhava. Quando a oposição ganhava, as regras eram trocadas. Ainda havia uma regra de ouro: onde a arena vai mal, um time no nacional! Aqui a ditadura gerou os ploto os mais corruptos da história do país. O que gerará o chavomadurismo?

    1. Pelo comentário, certamente lsb reconhece a democracia atual de Maduro, mortadela no ar.

    2. Vc provavelmente não tem culhão nem para contrariar sua mulher...

  4. E ainda teve muita gente votando em Manuela Dávila , Boulos etc , se os brasileiros imaginarem o que a esquerda fez em 1 ano na Argentina, nunca votariam na esquerda, Puerto Iguazu, ao lado de foz , fronteira fechada, população passa fome, pq vive do turismo, enquanto lado brasileiro e paraguaio, sobrevivem , votar em esquerda, só pra idiota!!

  5. A gestação desse regime teve início no foro de São Paulo, aqui os esquerdopatas e ratazana Mor Lula não teve sucesso graças as Forças Armadas fiéis a constituição, o general Villas Boas disse não a Dilma uma terrorista que chegou ao poder, não podemos esquecer da história para saber o presente, pois a nossa democracia está sendo ameaçada com o retorno dos quadrilheiros ao poder, eles estão em silêncio, mas tivemos uma pequena amostra da ideologia defendida do vírus chinês que

    1. Para responder a esta pergunta, fiquemos atentos ao Judiciário (STF) e as Forças Armadas. Independente de quem estiver na Presidência, sem o apoio do Poder Judiciário e das FAs é bastante improvável que viremos uma Venezuela! Com um STF dividido, e que assim permaneça, pendendo para o lado da Constituição e FAs defensoras desta, não acredito nessa hipótese. Não baseiem as FAs por generais que hj se encontram no governo. Infelizmente são homens que aparentemente perderam o senso crítico!

    2. Não tenho dúvidas! Extremismos de direita ou esquerda são faces da mesma moeda. Nela se manipulam pensamentos, se forjam provas, criam leis, manipulam notícias, compram a imprensa, juízes e políticos! Extremistas corrompem caráter e minam mentes frágeis e estúpidas!

    3. PERIGO A VISTA , BRASIL FIQUE DE OLHOS BEM ABERTOS .....

    4. Tínhamos esse receio durante o governo Dilma, especialmente pela péssima condução da economia. Atualmente o receio pode estar de volta, mesmo que não tão grande como antes, mas por outros motivos. Aqui, uma ignóbil e atual alegação do Executivo, questionando a lisura do processo eleitoral, pode nos levar aonde se encontra a Venezuela: à instabilidade política, para dizer o mínimo!

Mais notícias
Assine
TOPO