Isac Nóbrega/PR

Bolsonaro ilhado

Os ativos políticos que ajudaram na ascensão do presidente se esfarelaram. E agora só restam a ele o Centrão e o velho recurso do populismo barato
20.11.20

Em dois anos, os ativos políticos responsáveis pela eleição de Jair Bolsonaro em 2018 se esfacelaram. A bandeira anticorrupção já desbotada foi largada, o que custou ao presidente o apoio dos defensores da Lava Jato. Com a agenda econômica liberal patinando, quem “votou no Paulo Guedes” nas eleições presidenciais não esconde a decepção com as privatizações emperradas e as reformas que não deslancham. Até a militância mais ideológica, que sempre lhe devotou fidelidade quase canina, não apoia o chefe do Planalto com o mesmo vigor de antes e pede, sem sucesso, a volta do presidente radical do início do mandato, que criticava o Congresso e o Supremo Tribunal Federal e se dedicava a alimentar cotidianamente a “guerra cultural” nas redes. Enquanto isso, num movimento contrário em nome da sobrevivência, Bolsonaro se aninha cada vez mais no colo do establishment político que sempre criticou.

As eleições municipais de domingo, 15, reforçaram o derretimento do capital bolsonarista, no que constituiu mais um elemento de uma sequência de infortúnios. Orientado por aliados a ficar bem longe da disputa, o presidente preferiu não abdicar dos holofotes, o que o levou a pedir votos de forma mambembe para quase seis dezenas de candidatos, muitos deles sem nenhuma relevância política, como a caricata Wal do Açaí, suspeita de ter sido funcionária fantasma de seu próprio gabinete na Câmara. As cenas em que Bolsonaro, instalado na biblioteca do Palácio da Alvorada, aparecia erguendo cartazes rudimentares com as fotos de seus escolhidos durante lives, deixaram a derrota ainda mais vexatória. Só quatro candidatos a prefeito apoiados por ele foram eleitos. A pecha de perdedor colou de maneira indelével. Além disso, o tal recado das urnas é o de que a sociedade, aos poucos, vai se cansando do extremismo do qual o presidente é, ao lado dos petistas, uma das mais fiéis expressões.

A margem de Bolsonaro vai se estreitando. A popularidade turbinada artificialmente pelo coronavoucher tem data e hora para acabar. Com o cenário externo de isolamento, a China distante e os Estados Unidos agora encarados como um país situado na trincheira oposta, pouco restou para o presidente, além da aliança com o Centrão, cada vez mais primordial para o governo. Caso ele resolva prorrogar o auxílio emergencial, terão lhe sobrado dois ‘ismos’, o fisiologismo e o populismo. O risco da tentação populista é colocar em xeque o equilíbrio fiscal. Já o risco embutido no fisiologismo é o da volta desenfreada dos escândalos de corrupção: os partidos do Centrão, que ganharão cada vez mais e mais poder e dividirão o butim na Esplanada, são useiros e vezeiros em desvios que, cedo ou tarde, podem vir à tona.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéPartidos do Centrão já estão de olho na possível vaga de Ricardo Salles
As agremiações que compõem o bloco versado na prática de apoiar governos em troca de cargos com orçamentos bilionários não estão nem nunca estiveram preocupadas com o decoro e as consequências da falta dele. As siglas, na verdade, experimentam o melhor dos mundos: ganharam força política com a conquista de mais mandatos municipais e enxergam na fragilidade do governo uma oportunidade para tornar o preço da sustentação no Congresso ainda mais salgado. Em maio, Bolsonaro já havia promovido um feirão de cargos para o grupo. Entregou a próceres do Centrão, por exemplo, o valioso Departamento Nacional de Obras Contra as Secas, a Fundação Nacional de Saúde, com orçamento superior a 3 bilhões de reais, e o igualmente bilionário Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação.

O enfraquecimento político do presidente representa uma perspectiva real de ampliação ainda maior do poder do Centrão já no início do próximo ano. Com a vitória de Joe Biden na eleição dos Estados Unidos, cresceu a expectativa de que os ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, sejam apeados da Esplanada em uma reforma ministerial. A saída de Araújo poderia atenuar o que em Brasília se convencionou chamar de “diplomacia de conflitos”, hoje uma marca de sua gestão, apesar de a participação de Jair Bolsonaro na cúpula virtual do Brics ter servido para que ele renovasse os sinais de que o Brasil pós-Trump persistirá no isolacionismo, distante dos organismos multilaterais.

As costuras para que a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, volte à Câmara para disputar a presidência da casa pode abrir mais uma vaga ao Centrão. Outra pasta é alvo da cobiça das siglas fisiológicas. Em outubro, Bolsonaro negou peremptoriamente a possibilidade de recriação do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, para abrigar Marcos Pereira, presidente do Republicanos. A nova conjuntura, entretanto, não permite mais certezas. Além de vagas extras na Esplanada, poderá haver ainda mais espaços para os novos aliados do governo em autarquias e empresas estatais, algumas delas com orçamentos mais robustos do que os de ministérios.

Reprodução/TwitterReprodução/TwitterO assessor Filipe Martins reconhece a derrota eleitoral e fala em autocrítica
O cacife da turma anda alto: os partidos do bloco elegeram cerca de 2 mil prefeitos nas eleições municipais, o que se traduzirá em aumento do poder de barganha. O PSD, do ex-ministro Gilberto Kassab, é um dos partidos do Centrão que ganharão mais estatura a partir de janeiro. A sigla elegeu quase 40% dos candidatos a prefeito que lançou. Hoje, o PSD tem 539 municípios e, a partir de janeiro, comandará 650 – um aumento de 20%. O partido elegeu ainda 5,6 mil vereadores, o que equivale a uma média de um representante para cada município brasileiro. Outro destaque das eleições, o Republicanos registrou um crescimento vertiginoso. O partido, ligado à Igreja Universal do Reino de Deus e que integra a base aliada do governo, saltou de 105 para 208 prefeituras, um aumento de quase 100%. Já o Progressistas, comandado pelo senador Ciro Nogueira, conta com 495 prefeitos e passará a comandar 682 cidades no ano que vem. O desempenho foi assombroso: o antigo PP elegeu mais de 45% de todos os candidatos a prefeito que lançou. O partido levou em primeiro turno a administração de duas capitais – Marquinhos Trad ganhou em Campo Grande; Alexandre Kalil, em Belo Horizonte – e segue na disputa do segundo turno em Goiânia, com o senador Vanderlan Cardoso.

O bom desempenho do Progressistas é um chamariz para atrair o próprio presidente da República, que, há um ano sem partido, tem flertado nos últimos dias com a legenda, espertamente interessada em abrigá-lo. O PL e o Republicanos também surgem como opções. No entorno do presidente, todos estão convencidos de que Bolsonaro precisará de uma nova casa arrumada, estruturada e com capilaridade nacional se quiser ter algum êxito em 2022. Ou seja, o político “outsider” e “antissistema” de 2018 precisará mais do que nunca da fina flor do sistema se quiser se reeleger. Quem costura a refiliação do presidente ao antigo PP é Arthur Lira, líder do partido e candidato do coração de Bolsonaro à presidência da Câmara – Lira é chamado pelo presidente de “meu malvado favorito”.

Enquanto o martelo sobre a futura sigla não é batido, aliados de Bolsonaro se esforçam para disseminar uma narrativa rósea, diametralmente oposta ao atual cenário de debacle política. “Em 2018, o presidente Bolsonaro se elegeu contra tudo e contra todos. Não há maior exemplo de força política do que essa”, argumentou o ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos. “A esquerda perdeu muito espaço no cenário político. Além disso, os partidos aliados às pautas e ideais do governo Bolsonaro saíram vitoriosos”, acrescentou o integrante do primeiro escalão bolsonarista. A avaliação de Ramos embute erros factuais e de interpretação. A maioria das legendas da base não é leal ao ideário do presidente, se é que ele existe – a fidelidade está baseada em trocas de cargos e, portanto, são politicamente frágeis. Em 2016, esses mesmos partidos franqueavam apoio ao governo Dilma Rousseff e abandonaram a petista sem hesitação quando sua popularidade despencou e a pressão popular pelo impeachment recrudesceu. Mais: a despeito do encolhimento do PT, não é possível afirmar que a esquerda sumiu do mapa político. O que houve, na verdade, é que os votos petistas acabaram migrando para outras legendas, como o PSOL, o PSB e o PCdoB. Para quem queria polarizar com o PT e com Lula em 2022, como Bolsonaro, é uma péssima notícia.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéGuedes descarta furar o teto, mas Bolsonaro quer um programa assistencial para chamar de seu
Integrante da ala radical e olavista de carteirinha, o assessor internacional da Presidência, Filipe Martins, fez uma leitura menos apaixonada e mais assentada na realidade do quadro político. “Muitos se perguntam por que candidatos apoiados por cabos eleitorais de peso foram derrotados. A resposta é simples: perderam porque eleição municipal é base, é construção, não é improviso. Não adianta chegar às vésperas da eleição e dar carteirada nem tentar levar no grito”, afirmou. “Com uma abstenção elevada, a constância da mobilização esquerdista falou mais alto. A esquerda ressuscitou, a motivação permanente ($$$) dos partidos fisiológicos se impôs mais uma vez e permitiu que eles voltassem a crescer”, escreveu nas redes sociais o pupilo de Olavo de Carvalho. Ele também defendeu uma “autocrítica” – nesse caso específico, pairam dúvidas sobre suas reais intenções. Há quem diga no governo que, por trás da “autocrítica”, existe o interesse da ala ideológica em puxar Bolsonaro de volta para o radicalismo, privilegiando a “guerra cultural” em detrimento dos acordos pragmáticos com os integrantes da velha política e dos acertos de coxia com os militares, alvos recorrentes da turma.

Os próprios militares, no entanto, não andam lá muito satisfeitos com o governo. Eles ajudaram o presidente a chegar ao Planalto, ocupam postos estratégicos na máquina administrativa federal e têm recebido incontáveis benesses, como reajustes e gratificações, mas o constrangimento na caserna diante de declarações intempestivas do chefe do Planalto, como a risível ameaça de reagir com “pólvora” contra supostos avanços dos Estados Unidos sobre a Amazônia, cresceu a ponto de a situação exigir uma rara declaração pública do comandante do Exército, Edson Pujol. O general afirmou em duas ocasiões que a política não deveria “entrar nos quartéis”. O timing não deixou dúvidas de que se tratava de uma indireta bem direta para o presidente.

Ilhado, Bolsonaro flerta novamente com o populismo. Foi sintomático que até o ministro da Economia, Paulo Guedes, tenha afirmado que, diante de uma nova onda da pandemia, a prorrogação do auxílio emergencial não é uma possibilidade, mas “uma certeza”. O presidente da República quer um programa assistencial para chamar de seu, que o ajude a recuperar a popularidade nos rincões do país, mas não há dinheiro em caixa. O cenário preocupa, uma vez que Bolsonaro já deu fartas demonstrações de que não é muito cioso da responsabilidade fiscal. Recentemente, por exemplo, discutiu-se no governo a possibilidade de estender o chamado Orçamento de Guerra e o estado de calamidade pública para 2021. A medida abriria caminho para furar o teto de gastos. Paulo Guedes garantiu durante a semana que o governo não irá buscar essa “saída fácil”, mas, como é possível notar, atualmente, o único teto com que Bolsonaro realmente se importa é o da sua popularidade – segundo o Ibope, 54% já reprovam seu governo em São Paulo, o principal colégio eleitoral do país.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Felipe Moura Brasil, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Em Sao Paulo, Guilherme Boulos agradece sua vaga no segundo turno ao apoio dado pelo presidente a Celso Russonanno. Arrasou com a candidatura do aliado!

  2. O que resta à Crusoe é só falar mal de quem foi eleito legitimamente pelo povo. Gostaria de saber da Crusoe, em um regime democrático, como se governa sem aliados. Governar como Ditador seria muito fácil. Agora se aliar aos interesses dos “Marinho” não tem problema, Crusoe e trupe ? . Isso nunca foi jornalismo.

  3. As guinadas que são verificadas quase diariamente, sem nenhum constrangimento, lógica ou explicação, me fazem lembrar de “1984” (o livro).

  4. Bolsonaro está totalmente dominado pela tropa de ocupação. Com seus novos aliados, faz no governo o que seus governados fazem na latrina.

  5. Excelente texto, Helena! 2022 está às portas, com expectativas diferentes. Há tanta aversão aos Brucutus da Esquerda quanto aos Brutukus da Direita. Amantes do Quadrilhão Central, são considerados farinha do mesmo saco (Birds of a feather flock together). O combate à corrupção não constitui bandeira de Brutucus (quem se esqueceria de Mensalão,Petrolão, Estupro de fundos de pensão e Transformação de estatais e paraestatais em vacas leiteiras?) nem dos Brutukus das Rachadinhas e Voleibol Sinistro.

    1. Dariam em nada tentativas de projetar um sistema eleitoral maniqueu, dualista, integrado só por Brucutus e Brutukus. Dialética baldia num Brasil em que imperam o nepotismo como instrumento de seleção de lideranças e o fisiologismo como ideologia nacional. Tristes Pântanos, onde as escolhas se regem pelo mínimo denominador comum e pelo quid pro quo, sem pejo ou mel poejo! Quarta Via, predica Janaína Paschoal -- bem longe dos Brutucus, Brutukus e tuxauas do fisiologismo, que atravancam o País!

  6. É um governo que já acabou. Seu chefe nunca foi talhado para liderar nada. O Espantalho está com a faixa presidencial por ora. Mas um Impeachment em 2021 não é sonho de uma noite de verão da oposição: está no forno, em banho-maria. Vamos ver se a lenha vai continuar queimando.

  7. O Brasil é, sempre foi e, ao que parece, sempre será comandado pelo poder supremo, que não consta de nossa Carta Magna, a CORRUPÇÃO!

  8. Não é mais necessário se preocupar com Bolsonaro, ele foi comido pelo centrão. Só não se sabe o momento e a hora que o CENTRÃO vai expelir esse excremento. Com certeza, seu descartar vai ser antes da eleição presidencial!!

    1. Ele não ganhou de ninguém no segundo turno !!!!😎😎😎😎😎😎

  9. Até agora , zero denúncia de corrupção. Não se pode menosprezar a inteligência do trabalhador independente, empreendedor. Parcela da população que sabe ler e interpretar as notícias.

  10. Este carroceiro lembra-me outro: Severino Cavalcante no comando da Câmara. Ambos parvos e caricaturas toscas de si mesmos. Bolsonaro continua sendo o que sempre foi: patético, rude e estúpido. Um jumento com iniciativa, que avacalha com a Presidência e com o país. Esta aberração já deveria ter sido expelida da Presidência. Bolsonaro é um barril de fézes, cheio até a tampa. É no que dá o voto útil. Essa desgraça tem que ser expulsa, antes que nos destrua de vez. Ele está doido para furar o teto.

    1. Verdade .Não há maneiras mais realista para classificar este presidente ,sim com p minúsculo que cada vez mais decifre a função maior.

    2. Só assim, prorrogando o auxílio emergencial via Orçamento da União 2021 (mas sem o teto), ele se manteria no cargo. A Medida Provisória de Calamidade Pública encerra -se em 31/12/2020, e não será prorrogada. Que fonte sustentará o auxílio? Cai fora, presidente pateta.

  11. Todos articulista atacando o Pres. Não conseguem outros assuntos? Arrependido de assinar. (Foi no começo) pensei que era jornalismo imparcial.

  12. Paulo Guedes é o que ainda segura esse governo. Triste porque a falta TOTAL DE HABILIDADE de comunicação é gritante no presidente. Claramente agr em defesa da família e obviamente isso foi percebido por seus eleitores. Eleitores não querem."ídolos" populista e extremista que mal sabe se expressar. Queremos liderança e AÇÕES. Coisa que ele não sabe fazer. Aparvalhado, fala cada bobagem. Se comporta como se estivesse num boteco com amigos falando porcaria. Falta postura.

  13. é engraçado imaginar jair linguinha presa barriguinha estufada arrotanto e mijando nas sandalias raiders no alvorada. com disfunção erétil (ereção meia bomba) arrotanto valentias com seus cabelos "acaju viking", pergunto: onde estão os humoristas ??

  14. O estelionato eleitoral cada vez mais evidente com a negação do combate à corrupção, somando-se uma enorme incompetência e a incontinência verbal que coleciona um rol de imbecilidades e mentiras, o pangaré pode esquecer 2022 e parar de prejudicar o país se ainda quiser fazer algo de útil.

  15. As atitudes erráticas de Bolsonaro estão levando o país a um campo minado. Vai ser difícil corrigir o rumo, o tempo é curto e o saldo de acertos até agora é quase nenhum! Se compararmos a lista de promessas iniciais com a lista de conquistas reais até o presente momento, a frustração é total...

    1. 😭 Triste demais mesmo. E o autor nem citou a frustração gigante gerada c/ a entrega, aos Gomes, Toffoli, Gilmar e afins, de 1 dos cargos mais importantes - a cadeira vitalícia do STF. Desperdiçada, de forma súbita e na surdina, a tão esperada possibilidade de renovação do Sugestivo Tribunal Federal. Até o polêmico "terrivelmente evangélico" foi prontamente abandonado diante, talvez, da expectativa de salvação da prole. Sem renovação no STF, sem combate à corrupção, sem anti establishment... 😭

  16. Nenhum homem vai conseguir governar essa merda de país, democraticamente. Os abutres que se apoderaram do poder desde a república, não vão deixar mudar jamais. Só Com sangue, com muito sangue pra sermos respeitados por esses vermes que vivem as custas da sub-raça maldita. Não será um Bolsonaro, pai de bandidos, que mudará essa merda ele país.

  17. Se a Cruzoé quer um pouco de credibilidade, demitam essa colunista, é uma completa débil mental esquerdista; vou acabar com minha assinatura por causa desses péssimos exemplos de jornalistas "independentes".

    1. Alguém deixou o curral dos jumentos Bozistas aberto. Alguém pode fazer o favor de colocar a récua de volta ao lugar dela?

    2. Nossa, de onde saíram tantos bolsominions? Joguem fora as viseiras e comprem óculos de grau, pois a realidade nua e crua é esta! Eu também votei em Bolsonaro, mas enxergo muito bem!

    3. Não entendi , a popularidade do presidente só aumenta 41% hoje 17/11/20 Será que a colunista está falando de outra pessoa ??????

    4. A assinatura vale por um ano. O cancelamento da assinatura só gera efeito após completar um ano do contrato. Aí, nosso $$ vai embora. Tudo igual às outras revistas.

    5. Olha aí Antônio às "viúvas" do lulupetismo chutando o balde e soltando os cachorros pra cima de você.....kkkkkkkkk..... e esta jornalistazinha heim? Faça-me o favor, que matéria mais chula. Esse tipo de jornalismo denigri a imagem da Revista.

    6. Já devia ter cancelado essa assinatura. Por que não o fez ainda? Já vai tarde.

    7. Ótimo, saia daqui mesmo. Você não merece a qualidade da revista.

  18. Parabéns pela reportagem Mader. Texto inteligível, fácil compreensão, irretocável. Faz parte do timaço da Crusué. A derrocada deste traste da presidência PR Bolsonaro está marcada para 2021. Impeachment nele!!!

    1. Sonhos de uma noite de verão, ou de bebedeira minha cara, espere sentada pq em pé tu vai se cansar.

  19. Conselho ao Presidente: Deixe de lado o radicalismo e as falas controversas. Não coloque o dever de mudar o mundo nos seus ombros. Baixe a cabeça e faça o seu trabalho no que é possível e na medida do possível. Após isto, se tudo der certo, seja reeleito em 2022 ou saia com a cabeça erguida por ter feito a sua parte. É assim que construímos um mundo melhor, aos poucos e com a colaboração dos outros.

  20. É inacreditável o distanciamento da realidade de Crusoe!! Vcs já viram o resultado da pesquisa Exame desta semana?? Bolsonaro tem aprovação de 69% dos entrevistados. Somente 31% são contrários à ele!! Acorda jornalismo chimfrim!! Se fossem jornalistas meus empregados, já estariam todos demitidos por incompetência!!

    1. Dizer que 69% aprovam é exagero, a pesquisa diz que os que aprovam são 41%

  21. A cada quatro anos sofremos de uma irresistível esperança, elegeremos sempre um presidente que pode desejar realizar maravilhas, mas quanto toma posse, descobre que quem manda democraticamente nos destinos do país é o Centrão.

    1. Exatamente! E o PP é tão descarado que aceita Bolsonaro de volta, mesmo depois de ele repetir tanto que ele era o único político honesto do PP, segundo Joaquim Barbosa! Então, ambos confessam a falta gritante de caráter...

  22. Bolsonaro pegou o país quebrado , fez um ótimo trabalho no primeiro ano mas pegou a pandemia na cabeça e mesmo assim vem trabalhando duro , como Guedes e Tarciso tirando leite de pedra até aqui . O país está encaixado mostrando melhoras e boas perspectivas para os próximos dois anos . No próximo mandato do nosso presidente vamos prosperar muito , vai ser mais tranquilo com certeza .

    1. Pelo nível de esquizofrenia, esse aí se desinforma diariamente no canal "Foco do Brasil" e nos Panos nos Is... Só pode!

  23. É só esperar a vacina chegar e todos verão as manifestações contra esse ser asqueroso e nefasto tomar as ruas. Esperem e verão!

  24. Lamentável as atitudes do PR. E os Generais das FFAA se recusando (ou acovardados?) a defenderem os direitos do povo explorado, por um sistema político/judiciário corrupto. Nem se empenham a restabelecer a constituição deturpada por ministros mal intencionados do STF. Ainda resta solução? Sim! Sérgio Moro como Presidente da Reüpública!

  25. Infelizmente o Brasil passa por uma pobreza de boas lideranças políticas , não tem material humano aproveitável nessas eleições em curso e não há nada de bom chegando .

    1. tenho a esperança que ele seja caçado no ano que vem,

  26. Sou completamente contra esse nome "Centrão". Esse apelido seria aplicável a um grupo de políticos que tivesse uma ideologia intermediária entre a direita e a esquerda. Na verdade, esse amontoado não tem qualquer ideologia. Tem, sim, uma estratégia comum muito bem definida: o roubo através do fisiologismo. Eles não tem qualquer simpatia pela esquerda ou pela direita; apenas por quem está no poder no momento. Assim, um apelido mais correto para o "Centrão" seria o de "Fisiologisão"

    1. Concordo plenamente,esse CENTRÃO,reúne o q há de pior em nossa "POLITICA",Um monte de VERMES,cagando pra esquerda pra direita,O intuito dessas RATAZANAS é ROUBAR,apoiam qq um,desde q possam ROUBAR os cofres públicos.BOZONARO é a bola da vez.Apesar de nunca ter descolado dessa ralé. CAPITÃO 171.

    1. Que o diabo o leve,bem depressa,pras profundas do INFERNO. FAMILIA MALDITA....Vão arder no braseiro do CAPETA....

  27. "Políticos" como Lula, Bolsonaro, Calheiros e cia tem que sumirem do mapa. Que em 2022 tenhamos nomes melhores para votarmos!

    1. Um presidente sem partido, sem apoio, que nunca teve na prática, dos Yankees, sem bases nos municípios. o que sobrou: fisiologismo na câmara e no Senado e populismo. É uma enrascada difícil de sair mas que Deus proteja o presidente!

    2. Não são "políticos". Nosso país está nas mãos do crime organizado.

  28. Em vez de ficarmos destilando ódio contra bolsonaro, devemos evidenciar os motivos pelos quais ele foi eleito: Chamar de ladrão os ladrões, em vez de fica em cima do muro, agenda anticorrupção, passado honesto, armas para os honestos e não apenas para os bandidos, etc. Além disso temos que mostrar que, se as promessas são abandonadas, não se reelege. Mas precisamos de outro candidato com as agendas acima.

  29. Aqui jaz um eleitor desse canalha! Esse chefe de rachadinha e milicianos! Meu voto é para ele ser preso depois que deixar o poder em janeiro de 2023!

    1. Como Boa RATAZANA,que sempre foi,não me espanta nada o TRAIRĂO voltar,descaradamente,ao bueiro que sempre habitou....Tua hora vai chegar CAPITÃO 171.

  30. A minha torcida é que o #ForaBolsonaro se fortaleça em 2021 e se Deus esta acima de todos que tire este flibusteiro do poder para o Brasil ter paz e seguir o caminho virtuoso do progresso e da Democracia o Brasil não merece ficar entre dois desastres contratados Bolsonaro e LUla é o caminho do desastre anunciado portanto Fora Bolsonaro e já .

    1. Jorge, a vida não se resume a Bolsonaro ou volta da esquerda. São ambas opções ruins...

    2. Descontentes, tratem de arrumar logo um candidato melhor que o Presidente para 22. , ou querem a volta da esquerda ? Não sejam tolos !

  31. O PR me faz lembrar CR7 no início da carreira. Fazia uma jogada e ficava se olhando no telão, certas vezes até ajeitava o cabelo. Este PR eleito, não pode ficar longe de holofotes. Ao invés de se preservar, visto estar em queda vertiginosa, preferiu aparecer. Foi empurrado mais pra baixo. Haja centrão pra tira-lo do buraco.

  32. O sociopata Messias tem que fazer malabarismos com os pratos sujos que ergueu. Sua irresponsabilidade, falta de bom senso, ignorância extremada, e em última análise, a falta de caráter vai cobrar o seu preço. Rachadinhas, subserviência incondicional ao Trump, falta de zelo pela questão ambiental, adesão ao centrão, humilhação de militares e o mais nefasto, as mortes na pandemia. O que mais se vislumbra, é um presidente que demonstrou ser um sociopata, por questões psiquiátricas ser afastado.

  33. Nada a se estranhar. Quem achou que podia lapidar uma pedra e transformá-la em diamante, deu com os burros n'água. Altamente previsível.

  34. O asno não terminará o mandato. As investigações sobre o esquema de desvio de dinheiro público da famiglia continuarão; a vacina contra o covid ficará pronta possibilitando o povo a ir de novo para as ruas. E iremos. O impeachment ou a cadeia, eis o destino do bufão.

  35. Se houvesse impeachment por idiotice e radicalismo este PR já estaria fora há muito tempo! Infelizmente este país ainda terá que amargar mais dois anos para se livrar dele!

  36. O maior erro estratégico de Bolsonaro foi não constituir um partido tão logo saiu do PSL para lhe dar capilaridade em nível nacional. 2o. erro: proteger o filho 01 quando deveria faze-lo renunciar, assumir a culpa e pagar o eventual desvio. 3o erro: nomear Kassio Nunes para o STF. Não lhe restou opção a não ser, cair nas garras do Centrão, naturalmente, seu 4o (necessârio) erro!

  37. Análise exata! Mas Bolsonaro ainda tem dois anos. Se quisesse, daria para se recuperar. Mas não quer e não vai. Se não houver um impeachment, o Brasil terá de margar mais dois anos de instabilidade.

  38. Ilhado com tubarões do Centrão famintos pelos belos nacos da corrupção! Ilhado pela demência , pelo oportunismo e pela burrice. Simples assim!

  39. O comentário é inchado de falsas conclusões, permeadas por rancor e baseado na querer e não na verdade dos fatos. Enfim, os Antas tucanos ignorando o bom é isento jornalismo.

    1. Sinto muito pena de você Jairo. Idiota não consegue sair da caverna e enxergar a realidade que este governo se tornou. Sugiro que tome a pílula vermelha, não a pílula do PT, mais a que lhe permitirá sair da Matrix.

  40. Parabéns, Helena Mader. Sua didática, clareza e objetividade fazem seu texto se tornar compreensivo e de fácil.entendimento. Parabéns também à Crusoé por msnter em seus quadros uma analista de gabarito.

  41. PSDB, partido dessa revista, perdeu 302 prefeituras sendo oposição ao presidente. PP apoiando o presidente ganhou 177 prefeituras a mais que na última eleição e é o segundo partido com mais prefeituras. Realmente esfarelou o apoio. kkkk

    1. Comemorar vitórias do PP realmente é muito auspicioso. Rsss.

    1. Num guento mais ler essas antas comentando aqui.. o saco explodiu..

    2. Rachadinha é prática legal? Corrupção é corrupção. Não da para relativizar. A maioria dos eleitores quiseram o sociopata Messias ao PT. Agora, depois de constatar que os fatos mudarão, não querem nem ele é nem o PT. Sejam ratos gordos, ou ratos magros loucos, o que se analisa é a natureza do rato, é sendo o rato louco mais pérfido, não queremos ratos nenhum.

  42. Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE” é nossa resposta ao ACORDÃO de BOLSONARO com o ESTABLISHMENT! Não seremos LUDIBRIADOS com o “velho plano de MELHORAS NA ECONOMIA!” Triunfaremos!

  43. Quanto arrependimento de ter votado nesse paspalhão. Agora Milícia , PCC, família bolsonaro, centrão , STF, STJ com seus filhotes formam um bloco só.

    1. Com certeza! Foi um Estelionato Eleitoral deste mentiroso desqualificado!!!

  44. jair MENTECAPTO , é apenas um velho no alvorada mijando no pés e com disfunção erétil , BOQUIRROTO. vociferando valentias e o pais inteiro vendo o TRAIDOR da nação envergonhar a tudo e a todos.

  45. O que importa é que que Ele tem "qualidades masculinas inquestionáveis". Putin não esqueceu as lições da KGB de como seduzir opositores manipuláveis, estúpidos e vaidosos.

    1. Vc acha mesmo ?olha que ideia fixa neste quesito ... dá margem a a muitas indagações !! Quem é macho macho não carece de afirmação a toda hora !

    2. As qualidades masculinas..... . (testosterona) talvez sejam as únicas qualidades que o Minto possua. Putin acertou em Cheio ao exalta las

  46. O pouco apreço da população pelo voto explica tanto a eleição de Bolsonaro quanto a vitória do Centrão nas eleições municipais. Não é possível separar essas duas faces da mesma moeda.

  47. Ele terá o troco que merece, traidor incompetente, agora está com cara de apavorado, está mais aparvalhado do que nunca, sugestao: a renúncia!

  48. Esta ilhado porque não faz conchado com a quadrilha que esta instalada nesse país a anos ,ele pode ter todos defeitos mais não é bandido como vários caciques da política brasileira o próprio STF aparelhado pela esquerda quer derrubar ele..a verdade é essa..

    1. O país só anda prá frente por causa de RETARDADOS como esse. Seguidor de pessoas.Gado! Triste a falta de leitura, de crítica, de tudo. Esse Bolsonaro que você endeusado, Wellington, é corrupto (peculato/rachadinha), mentiroso, MANDRIÃO, só engana débil mental. Mas o dele está guardado e será em 2022!!! MORO 2022!!!!!

    2. Caracas,Alexandre,tu é cego ou tá tirando uma onda?Abraçar as velhas RATAZANAS,indicar um plagiador pro STFed,acabar com a LAVA JATO,ter filhos LADRÕES etc etc.Se isso não é ser bandido...Fernandinho Beira mar perto do TRAIRĀO é SANTO.

    3. >> Fez conchavo com toda a corja. ... Mas você não consegue divisar ...

  49. Que queime no inferno esse desgraçado, responsável pela regresso dos avanços obtidos pelo país. Deveria ir a julgamento internacional por crimes contra a humanidade.

    1. Concordo plenamente!!! São mais de 170 mil mortos pelo Corona na conta desse negacionista vagabundo!!!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO