Pela família

28.08.20

Recém-convidado para assumir um posto graduado na gigante PepsiCo, o embaixador brasileiro Roberto Azevêdo, atual diretor-geral da Organização Mundial do Comércio, não quer deixar a Suiça rumo aos Estados Unidos sem levar a família. Ele é casado com a embaixadora Maria Nazareth Farani, a “Lelé”, representante do Brasil junto a organismos da ONU na Suíça, como o Conselho de Direitos Humanos. Enquanto Azevêdo se aposentou da carreira diplomática, Lelé segue na ativa. Nos bastidores, o casal vem se articulando para que ela possa acompanhá-lo na mudança para Nova York. Com a bênção de Brasília, a embaixadora pode assumir em breve o Consulado-Geral na cidade. Não faz muito tempo, Lelé, que foi chefe de gabinete do chanceler petista Celso Amorim, ganhou pontos com o clã Bolsonaro ao bater boca com o ex-deputado Jean Wyllis durante uma reunião em Genebra no qual o psolista fazia críticas ao presidente.

UNUNLelé: ela era próxima do petismo, mas se aproximou do bolsonarismo

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Diplomata, por definição, tem a função de servir ao governo ao qual pertence. Não importa se PT, PSDB, sem partido, etc. Se o governo for atacado o diplomata tem a obrigação de fazer a defesa, obrigação funcional.

    1. Certo, João. Os comentários abaixo estão na categoria dos "sem noção"

  2. Isso (negociar transferência) também acontece em empresas multinacionais privadas para cargos altos... para mim... nada demais, até porque ela é funcionária de carreira. O problema seria arrumar uma boquinha para alguém que nem é do ramo...

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO