RuyGoiaba

Disque M para Salim Mattar

14.08.20

Parem as máquinas: descobriram que o governo de Jair Bolsonaro não é liberal! E isso anteontem, depois que Salim Mattar e Paulo Uebel pediram os respectivos bonés. Quem poderia imaginar que um milico sindicalista —ou seja, o pior de dois mundos—, que passou a vida defendendo pautas corporativas no Congresso e votando contra reformas, que ama aquele regime superliberal implantado pelos generais em 1964, faria uma coisa dessas? E agora? Quem vai contar a verdade pra esse pessoal sobre Papai Noel e o coelhinho da Páscoa?

Ah, ele se converteu em 2018: foi Paulo Guedes que operou o milagre e fez Bolsonaro ver a luz do Deus liberal na estrada para Damasco. Então vocês acreditaram no Guedes, esse misto de Eike Batista com vendedor de carro usado que chefia o Ministério da Economia? Aquele que, em fevereiro deste ano, prometeu enviar a reforma tributária ao Congresso “daqui a duas semanas” e mandou só a proposta de unificação de PIS e Cofins —em julho? Aquele para quem tudo “rende trilhão”? (Meu palpite é que o ministro só digita “1 trilhão de reais em…” e deixa o teclado concluir a frase.) Não há NENHUMA diferença significativa entre o Guedes pessoa física e o “Paulo Guedes bot” do Twitter emitindo sentenças aleatórias como “a adoção do feng shui pelo Ministério da Economia pode gerar um impacto adicional de 7 trilhões em cinco anos”.

Diga-se que Salim Disque M para Mattar (matar aquela vontade louca de vender uma estatalzinha, certamente) aprendeu com o chefe: jurou que na sua gestão “desinvestimentos e privatizações” alcançaram 150 bilhões de reais, cifra que ninguém sabe exatamente de onde saiu, e ainda afirmou a O Globo que Bolsonaro “é privatista, mas elegante; não se envolve”. Se não foi ironia, é a primeiríssima vez que as palavras “Bolsonaro” e “elegante” são usadas a sério na mesma frase. Afinal, assim como prudência e sofisticação, “elegância” é coisa de veado, talquei?

Sei que corro o risco de ser acusado de usar, em favor do liberalismo, a “falácia do verdadeiro escocês”, à qual alguns fanboys de Stálin e companhia vivem recorrendo —você diz que os regimes comunistas não deram certo e eles respondem que aquilo ainda não era o VERDADEIRO comunismo. Mas o fato é que “liberalismo brasileiro” já pode entrar para a lista dos mitos e lendas do nosso folclore: é o cara de camisa polo, gel no cabelo e sapatênis, ali ao lado do Boto, do Curupira e da Mula sem Cabeça, dizendo “deixa que o mercado cuida”. Não custa lembrar que Roberto Campos e Octavio Gouvêa de Bulhões serviram ao general Castello Branco e Mário Henrique Simonsen foi ministro de Ernesto Geisel, alma gêmea de Dilma Rousseff naquele amor pelo “Estado indutor”.

A parceria entre Guedes e Bolsonaro é apenas mais um capítulo da sempre renovada facilidade com que essa turma autoproclamada liberal adere gostosamente a governos autoritários. Deve ser para ficar mais fácil passar a mão invisível do mercado na bunda de todo mundo. Sou mais o único liberalismo que dá certo no país, aquele da frase “casal liberal topa tudo” —inclusive porque a passada de mão é visível e consentida, diferentemente do liberal brasileiro típico, que só curte liberalismo se for no canal de aplicação de ozônio dos outros.

*

O Globo noticia que, em apenas quatro dias, o Brasileirão —que, se vivêssemos em um país sério, nem teria começado— já registrou 40 casos de Covid-19 entre jogadores. Como disse um amigo, é a volta do mata-mata. Literal.

***

A GOIABICE DA SEMANA

A prefeitura de Florianópolis lançou nas redes uma campanha em que defende evitar expressões que denotem preconceito: por exemplo, usar “autista” como se fosse um termo pejorativo. Até aí, tudo muito bem. Só que o tuíte da prefeitura, depois apagado, também condenava o uso de frases como “estou meio down”.

Por Deus, quem foi o gênio que enxergou nesse “meio down” —cujo significado óbvio é “para baixo” ou “deprimido”— alguma relação com os portadores da síndrome? Seremos obrigados a reinterpretar radicalmente aquela música de Rita Lee em que o ser humano “está cada vez mais down no high society”. Ou Kleiton & Kledir cantando “quando eu ando assim, meio down, vou pra Porto e bah, trilegal”. É ofensivo à dupla e a Porto Alegre, que vira uma espécie de destino ideal de gente como os personagens de “Debi e Loide”. Mas bah!

Reprodução/redes sociaisReprodução/redes sociaisKleiton e Kledir quando ficam ‘meio down’, segundo a prefeitura de Florianópolis

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Como funcionário público federal e petista, dou meus parabéns ao Goiaba. Desta vez, tenho que concordar com ele. Essa história de querer privatizar Correios, Eletrobrás, etc. é só pretexto para vender o patrimônio do povo. Fora com esses privatistas vendidos.

  2. Mais um ente público intencionado em impor a cultura do cancelamento aos cidadãos do município e, em um momento cujo foco integral deveria ser o combate às consequências da pandemia. Além disso, a adoção de atos pelo governo federal tipicamente populistas, despreocupados com o teto de gastos, contribuem para ficarmos completamente down, inclusive em relação às recomendações de cancelamento pela Prefeitura.

  3. É tudo verdade nesse bilete kkkk acreditamos no tosco q falava ser contra o stablishment,a meu favor sempre desconfiei,mas fui trouxa por desespero resolvi acreditar de coração q seria possível...tomamos e não foi ozônio,mas o BolsoPetismo 😷 gritando "pegadinha do malandro"🤡🤡

  4. nossa... limpa minha alma.. É mto bom ler algo engraçado e inteligente. Estou me repetindo.. já disse isso semana passada.. mas não é mto fácil reunir essas duas características e mais ainda num texto recheado de info e atualidades do politiquismo brazuca. Qto ao down.. isso de ficarem guilhotinando o idioma.. não vi melhorar em nada a maldade das pessoas, até hoje.

  5. Sou Pai de um menino autista, criança alegre que se esforça diariamente pra se encaixar nas convenções sociais estabelecidas. Não é fácil pra ele, nem para os Pais, mas seguimos nossa luta em prol da causa e da conscientização das pessoas sobre o que significa estar no espectro autista. Apoiamos a prefeitura de Floripa na campanha da conscientização sobre o tema e o cuidado de não usar o tema pejorativamente. Um país precisa de educação e informação, notamos que o autismo merece mais respeito.

    1. Por curiosidade, se chamar alguém com com autismo de autista é preconceito, qual seria a forma menos preconceituosa?

  6. Guava roja, você acredita que eu caí na conversa fiada que o Bolsonero teria mudado e virado um liberal raíz? Como eu penso e repenso o pensado e evoluo rapidamente, fui generosa e achei que o homem tinha aprimorado as idéias. E lá jumento tem idéias? Deu ruim para mim.

  7. Tem uma tirinha do Dilbert em que ele diz: descobri a causa de nossos problemas. As pessoas são idiotas. Ultimamente não passo um dia sequer sem lembrar dela.

  8. Goiaba, a goiabice da semana poderia ter empatado com a reserva de quadrados na praia do Rio de Janeiro. Achei injusto com o prefeito Crivella.

  9. Goiaba vc estava inspirado dessa vez. Melhor assim do que o meio down das outras. A mistura de “Eike Batista com vendedor de carro usado” vai fazer o mercado rever o conceito de liberalismo dos Chicago boys. Ri o suficiente pra sair do down depois de ler as matérias acima. Valeu!

  10. Pragmatismo, resiliência e determinação são valores necessários nesse mundo político do Brasil. Desistir e pedir para sair é fácil.

    1. Oi Lu.. "e daí?"..como já dizia o Jair.. o que é que a (o) goiaba tem a ver com a tua renúncia aos textos crusoéticos? És uma piada pronta. Quaquaquaqua.. apscosta/df

  11. A globonews-lixo saiu "voando" em busca de uma entrevista com o Salim, na esperança que ele detonasse o PR. Chegando lá, o Salim só tinha elegios para com o PR e o Min. Guedes. Depois dessa, a globoChinanews nunca mais vão convidar o velho e bom Salim, homem de caráter. .. kkk!

    1. Calada PTralha! Jumenta não fala, não pensa, somente zurra. MITO 2022 no primeiro turno para economizar conversa e tempo.

    2. E vc que adora chafurdar no lixo, não saiu de lá pra ver o que, segundo seu ponto de vista, foi um chute na Globo. Acorda cara. Se estava tão bom esse governinho pq o cara saiu? E ele é besta mesmo e dizer o que pensa francamente desse desgoverno?

  12. Como sempre certeiro Goiaba: liberalismo no Brasil passa longe da tradição liberal inglesa. Aqui não passa de um "bordão" para um corporativista virar presidente e mandar uma banana para aqueles que acreditavam que o pós-PT seria diferente

  13. Loucura, insanidade e estupidez? Ruy Goiaba, faço parte do grupo que nunca votou no PT e jamais votaria num sujeito como Bolsonaro. Acredito muito mais no Papai Noel... o que fazer da vida? Se não sou nem Bozonarista, nem petista? Será q sou brasileira? É uma intensa crise de identidade...

    1. Boa boa esta da goabice de Rui Goiaba de usar o canal para aplicar ozônio, 😱, mas no canal de outros Vamos ao q/interessa por que o resto não tem pressa, interessante como de forma "figurada" o Goiaba expressa tudo que o leitor gastaria de ouvir Tai, goste de ler a coluna de Goiaba 👏👏👏

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO