XinhuaEmbarque de equipamentos na China: até 40 voos para o Brasil

Cada um por si

O temor do agravamento da pandemia leva a uma concorrência global predatória por respiradores, máscaras e outros produtos de primeira necessidade no combate ao vírus
10.04.20

No final de abril, chegará ao Brasil o primeiro voo da megaoperação coordenada pelo Ministério da Infraestrutura para trazer equipamentos médicos do aeroporto de Guangzhou, na China. O pedido total inclui 240 milhões de máscaras — mais de uma por brasileiro — e será enviado em até 40 voos ao longo de várias semanas. O trajeto dos aviões está sendo definido cuidadosamente pelo Itamaraty porque é preciso evitar aeroportos dos Estados Unidos e da Europa, onde os materiais correm o risco de serem confiscados. Assim, as aeronaves devem reabastecer nos Emirados Árabes, em Israel ou na Nova Zelândia.

Com a explosão da demanda por máscaras, luvas, reagentes e respiradores artificiais por causa da pandemia do coronavírus, as cargas de insumos usados no combate à doença passaram a ser frequentemente surrupiadas e desviadas para outros destinos. É a pirataria moderna que deixa sempre um comprador em um canto do mundo a ver navios – ou a esperar aviões. “Mesmo pagando adiantado, ninguém hoje tem segurança de que vai receber o produto combinado”, diz a advogada Mérces Nunes, especialista em direito médico.

A polícia de Berlim, na Alemanha, adquiriu 200 mil máscaras de uma empresa chinesa e pagou tudo antecipadamente. Ao fazer escala em um aeroporto de Bangcoc, na Tailândia, a carga foi desviada para os Estados Unidos. Os governos da Bahia e do Ceará adquiriram 600 respiradores de uma companhia chinesa. No aeroporto de Miami, eles foram retidos e tiveram outro destino. Governadores franceses reclamaram que americanos estavam tentando comprar suas cargas em aeroportos da China. As negociações, segundo eles, ocorriam nas pistas de decolagem, em cenas dignas de filmes. Uma remessa de máscaras que seguia para a Espanha foi apreendida na Turquia. O governo do país entendeu que era melhor usá-las para distribuí-las a seus infectados. Uma empresa francesa, a Valmy SAS, mandou equipamentos de proteção para o Reino Unido, mas o material foi bloqueado em uma alfândega na costa francesa.

XinhuaXinhuaLinha de produção de máscaras: fabricantes quebram contratos
Nessa caça ao tesouro planetária, o governo dos Estados Unidos foi atacado como o mais vil dos corsários. Mas uma ação tão ampla vai além da capacidade de Donald Trump. O que mais tem provocado frustração entre os compradores são decisões empresariais privadas. Ao receber propostas de compra por valores muito superiores, os fabricantes refazem os cálculos. “Muitos produtores podem achar financeiramente interessante quebrar um contrato para aceitar outro, mesmo que isso gere custos judiciais depois”, diz o advogado Mauro Berenholc, especialista em comércio internacional e direito aduaneiro. Os países ricos podem pagar valores mais altos e, com isso, conseguem mais facilmente o que querem. Governos de nações pobres, por sua vez, têm recorrido a organizações multilaterais, como a ONU.

Governos nacionais têm maior liberdade de ação quando as cargas atravessam seus territórios. Trump começou neste mês a fazer uso do Ato de Produção de Defesa (DPA, na sigla em inglês), uma medida que já tinha sido pedida pelos opositores democratas. Com ele, oficiais americanos podem confiscar qualquer material dentro de suas fronteiras. Além disso, o DPA permite obrigar empresas nacionais a adaptar linhas de montagem e cancelar a exportação de bens. A fabricante americana 3M recebeu uma ordem para que respiradores não fossem exportados para o Canadá e para a América Latina. Dias depois, a empresa fez um acordo com o governo para elevar a produção e, assim, seguir exportando.

Além dos Estados Unidos, vários países baixaram normas para tentar atender a própria população. Alemanha e França proibiram a exportação de máscaras. No Brasil, uma lei permite que o governo requisite bens e serviços de pessoas físicas e jurídicas. O texto só diz que o confiscado deve receber uma indenização justa depois. É praticamente uma desapropriação. Desde março, fabricantes nacionais de equipamentos usados na guerra contra o coronavírus são obrigados a solicitar uma licença especial para exportar.

A fabricação nacional, contudo, é limitada. A maior parte dos equipamentos de proteção individual é produzida no exterior. Estados Unidos, Alemanha e China eram os maiores exportadores até o início da pandemia. Desses três, os fabricantes chineses são os que melhor conseguiram escalar a produção para exportar. Como é impossível conseguir que os contratos de importação fiquem em sigilo, uma vez que há fiscalização rigorosa em portos e aeroportos, a opção tem sido buscar os materiais diretamente na fonte, tomando todos os cuidados necessários na volta.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O que acontece no mundo nesse trágico momento, é mais do que nunca um chocante espetáculo de antropofagia pura! Um calamitoso retrocesso da civilidade, com o cometimento de graves crimes contra a Humanidade.

  2. A inveja doentia e os interesses pessoais do do pr venceram, por enquanto. Mas isso terá um altíssimo preço para ele e os seus. O DR. LUIZ HENRIQUE MANDETTA ficará muito bem. Nós, para variar, nos "ferramos" porém, "ferraremos" também quem nos fez uma tal perversidade nas próximas eleições.

  3. Precisamos desenvolver e diversificar nossa indústria. É um absurdo que precisemos importar máscaras e respiradores, justamente dos culpados pela propagação do vírus comunista, abrindo brecha para os corruptos de plantão, que têm todo o interesse em eternizar esta situação de medo e pavor, para tirar proveito dela.

  4. [email protected] Este é o EMail pra solicitar cancelamento de assinatura, ou cancelamento de renovação automática da assinatura. Infelizmente, tive que cancelar. Não aguento tanta parcialidade e valorização de gente desonesta. Além de uma perseguição desproporcional ao Presidente da República. Crusoe, fica com o Dória, Rodrigo Maia, Alcolumbre, Xi Jinping, ONGS, etc... ADEUS.

  5. Lula reconheceu a China como economia de mercado na esperança se uma vaga no Conselho de Segurança da ONU. resultado: quebrou meio mundo.

  6. Se estes produtos chegarem sem adulteração, parabens. Existem relatos de que os Estados Unidos e a Itália devolveram máscaras que não vedam nada...

  7. Jose Carlos aproveitando o seu comentário e chamando para a reflexão o Brasil que era um pais que nos ogulavamos de ser um pais onde se produzia de agulha a avião a Jato o que aconteceu que não se produz uma simples mascara protetora, tem que vor da China?, quais foram os governos que provocaram a desendustrialização do pais , como fizeram isso sabemos, 1º foi a paridade cambial forçada pra baixa durante muitos anos quebrando as industrias nacionais, uma carga tributaria exagerada .

  8. Me pergunto como é possível os EUA,Alemanha,Itália,França dentre outros tantos não conseguirem produzir uma simples máscara?É tão difícil assim?O Brasil não tem capacidade para produzir máscaras?Como o ocidente pode chegar numa situação dessas?Entregaram durante anos suas produções de bens dos mais variados à China,causando desempregos em seus próprios países.Espero que de agora em diante a situação mude.Temos que apoiar as empresas nacionais sim.Porque comprar uma simples camiseta da China?

    1. Porque o custo de produção lá é mais barato devido à ditadura, mão de obra barata. Não gostamos da ditadura mas que nos aproveitamos dela nos aproveitamos...

  9. A Crusoé adora uma fofoquinha que possa prejudicar Bolsonaro, mas não falou nada sobre as manifestações em São Paulo contra o Dória. Assinarei a Revista Oeste, onde Ana Paula Henkel escreve depois de deixar a Crusoé. É uma revista com proposta de defesa do Capitalismo e do Conservadorismo.

    1. Socialista Fabiano. Esse já passou pelo túmulo e não entrou.

  10. Em primeiro lugar não podemos deixar de recordar qual governo Brasileiro que provocou a desindustrialização brasileira ,e por quais os motivos que isso ocorreu,paridade cambial fora da realidade por muitos anos,carga tributária aviltante para produzir,leis trabalhista fora da realidade mundial,e agora fazer o que ???,continuar na dependência ,ou arrumar a situação ????

  11. Porra, nao tem uma reportagem suave. Só política política política, covid covid covid. Não aguento mais, já sai do jornal O GLOBO e não assisto mais Globonews. Venho para a Crusoé e é só essa merda . Mudem um pouco de assunto

    1. Com esse sotaque de gaúcho, a revista caras tá mais pra ti do que pra mmim guri.

    2. Olha meu chapa.. é melhor pra ti renovares a assinatura de Caras.. ta dentro do teu perfil de leitor..correto? Apscosta

  12. Vamos continuar construindo estádios, fomentando o carnaval, vendendo nossas commodities a preço de banana, preservando os corruptos em nossa sociedade que tudo ficará bem...

  13. CHINA está LUCRANDO bilhões com o vírus chinês, metendo a faca nos preço da EPIs e RESPIRADORES, amigo do Povo Brasileiro não é. Abramos os olhos nosso bem não querem só Dinheiro e nossa matéria prima

  14. “Uma ação como essa vai além da capacidade de Donald Trump”. Toma vergonha nessa cara, Duda Teixeira! Esse ideólogo disfarçado de jornalista esconde tudo que Trump faz de ruim e quando não dá mais para ocultar a verdade, mente descaradamente. Trump resistiu o quanto pode em usar o DPA, e só o está usando para fazer pirataria. O papo de forçar a indústria a produzir materiais médicos é só gogó. Quando Trump bota a mão no butim, privilegia quem lhe puxa o saco (republicanos) ou empresas privadas.

  15. Aderbal vc tá coberto de razão, destruíram a indústria nacional, talvez agora governos do mundo abram os olhos e voltem a investir em seus próprios parques indústrias.

  16. Preço que pagamos pela nossa incompetência de matar a indústria nacional. Hoje produzir no Brasil com a insegurança jurídica é inviável

    1. No campo existe a “propriedade familiar” no comércio existe o “trabalho com minha família pra servir a sua” e na indústria existe a peq med e gde. Destruíram o País dando as multinacionais o direito de acabar com nossas indústrias e mandar remessas multimilionárias e dividendos para os cotistas lá fora. Hj somos dependentes de nossa Agropecuária - pois essa para alguns gestores (as) não valia nada - para Salvar nossa balança comercial. E a indústria, não temos, pois entregamos básico pra eles.

    2. Produzir na China foi uma decisão estratégica das empresas para lucrar com a mão-de-obra semi-escravizada de lá. Culpa dos capitalistas, dos Conservadores, dos Liberais...

    3. Coberto de razão, talvez agora o mundo abram os olhos.

  17. Isso demonstra que se faz urgência estudos sobre armas nuclear. Teríamos que desenvolver urgentemente. Ou fazer como a China, desenvolver vírus pra acabar com a humanidade. E comprar o mundo.

    1. Já está provado que o vírus não foi fabricado por ninguém. E esses lunáticos insistem nesse papo. Haja saco!

    2. Sr André, lendo e interpretando sua missiva, imagino até seu pijama ser vermelho, mesmo sem o perceber!

  18. O vírus chinês provocou todo esse holocausto, a ONU teria por obrigação fazer a China ressarcir toda a humanidade. Não fosse a ONU comunista. Pior que o estado islâmico, que o Bin Aladim, os porcos comunistas chineses, vão sair ilesos da maior tragédia provocada por um regime. O bestial Presidente francês, que se revoltou com a queimada na Amazônia, nada fala agora, vendo seus compatriotas sendo queimados pelo vírus chinês aos milhares? Por muito menos o Japão levou 2 bombas atômicas.

    1. Fauna: cães amestrados que só falam e fazem o que lhes mandam fazer, hienas e corvos , animais que querem a morte do inimigo, que torcem por uma tragédia brasileira.

    2. Outro detalhe: a fauna vira as costas para a terrível realidade da rede hospitalar do país, sucateada nestes últimos 20, 30 anos. O lugar comum que deve sempre ser lembrado: preferiram gastar bilhões erguendo estádios a construir hospitais. Hoje não estaríamos mendigando equipamentos e materiais aos chineses.

    3. Duda mostra que a rapinagem atinge todos, exceto os americanos. Alemães e franceses estão aí, dizendo-se vítimas da pirataria. Bom pra ver que fauna inimiga (cães amestrados, corvos, hienas) engana-se em querer atribuir ao governo culpa pela falta de máscaras e respiradores. Nem mesmo a cartinha de Lula para o presidente chinês impediu que a compra do governo da Bahia, coincidentemente petista, fosse cancelada de última hora pelos chineses.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO