KremlinA nada coreografada e espontânea recepção de Putin em Pyongyang

Putin e Kim Jong-Un selam aliança “à la Otan”

19.06.24 11:43

Agora, caso as potências ocidentais pensem em atacar uma potência nuclear como a Coreia do Norte, terá de se preocupar com uma resposta nuclear também da Rússia — e vice-versa. O acordo de assistência mútua, assinado por Vladimir Putin e por Kim Jong-Un nesta terça-feira, 19, ressuscita uma parceria da Guerra Fria e coloca ainda mais pressão em ações da Otan na Ucrânia, alvo da invasão russa desde 2022.

A primeira visita do ditador russo à Coreia do Norte, em quase 25 anos de governo, veio como retribuição à visita de Kim Jong-Un ao território russo, no ano passado. Desde então, os países selaram uma aliança estratégica para contornar as sanções que Estados Unidos e Europa aplicam a ambos.

A Rússia vende parte do seu combustível para Pyongyang, que está proibida de receber petróleo bruto. A Coreia do Norte envia armamentos para a máquina de guerra russa no front ucraniano.

Ambos os ditadores tiver uma reunião privada e, depois, um encontro ampliado com ministros. Kim Jong-Un, a terceira geração da única ditadura socialista hereditária do planeta, chamou Putin de “verdadeiro amigo”; o autocrata russo, no poder desde 1999, agradeceu o empenho de Pyongyang em dar “apoio consistente e constante” na política externa russa, incluindo a Ucrânia.

E é sobre a guerra na Europa que ecoa mais forte o “Tratado Abrangente de Parceria Estratégica”, como foi chamado o documento. Com o mesmo espírito da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), que prevê assistência de todo bloco a um atacado, a Rússia garantiu que um ataque a seu território por nações europeias poderá ser repelido não apenas com suas armas e soldados, mas com a nação mais militarizada do planeta. Isso inclui na equação os mísseis nucleares intercontinentais, capazes de alcançar a costa oeste dos Estados Unidos.

Sorte maior parece ter tido o governo da Coreia do Norte, que não chega a ter 1 % do tamanho do território russo— mas agora poderá contar com um dos maiores arsenais militares em casos críticos, incluindo mais bombas nucleares e uma frota de submarinos capazes de alcançar o mundo todo.

Leia mais em Crusoé: Rússia retira navios de guerra de Cuba após fim de exercício militar

 

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
Mais notícias
Assine agora
TOPO