Divulgação

PF mira juízes mineiros que cobravam propina em processos de falência

24.11.20 08:50

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira, 24, a Operação Iniquidade e cumpre 26 mandados de busca e apreensão em cinco municípios de Minas Gerais e em duas cidades do Espírito Santo. A ação mira os crimes de peculato, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Segundo a corporação, dois juízes estariam envolvidos em um esquema de cobrança de propina em processos judiciais de falência.

Os mandados são cumpridos em residências, empresas e escritórios de advocacia. A Justiça decretou ainda 18 medidas cautelares contra os acusados, entre elas, a proibição de fazer contato com outros investigados e de sair do país.

A operação cumpre ainda a determinação para bloqueio de bens que somam 65 milhões de reais, entre valores em contas bancárias, sequestro de imóveis e indisponibilidade de veículos.

As investigações identificaram indícios de crimes praticados durante a tramitação de processos de falência de duas empresas. Um empresário mineiro acusou um juiz pela suposta cobrança de propina para acelerar o processo de decretação de falência.

Durante as apurações, os policiais identificaram outro magistrado que atuaria da mesma forma. Um deles foi aposentado compulsoriamente em razão dos fatos investigados pela Polícia Federal. Advogados teriam atuado em conluio com os juízes, segundo indicam as apurações.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Infelizmente práticas comuns no judiciário brasileiro pois enquanto não houver punições rigorosas a estes juízes isso nunca vai parar

    1. A punicao mais dura pra juiz corrupto é a aposentadoria compulsória. Este país não é mesmo pra amadores

  2. É preciso derrubar aposentadoria compulsória definitivamente. É mais uma vergonha que temos que carregar, como brasileiros. Já passou da hora do Judiciário corrupto ser expulso da parcela honesta. Pq os honestos se omitem?

  3. Aposentadoria compulsória é premio, o togado recebe seus venctos integrais sem trabalhar. Que porra de lei é esta senhores deputados, como moralizar esta aberração aprovada pelo congresso. Lugar de togado corrupto é na cadeia, simples assim.

    1. Aki Pilatos seria o ministro da justiça “lavar as mãos”. Os políticos fazem as leis ( eles estudaram ou eh só uma kestao de votos ???). Os do judiciário as executam de acordo com os políticos, somente para lhes retribuir e garantir suas benesses. Então pra q estudar ??? Se os q nao estudam fazem leis e os q estudaram só os corroboram com a injustiça. Isso é normal ??? Qdo vamos ser cidadãos e deixarmos de ser apenas expectadores ???

    2. Como acreditar na justiça do nosso País? Isto é uma vergonha. O Juiz comete um crime, na minha opinião, grave, e é aposentado. Meu Deus...

  4. Aposentadoria compulsória para juiz bandido é excelente prêmio para o corrupto. Assim não não dá para se pedir respeito ao Judiciário.

  5. Falência deveria ser um processo expresso: listagem dos bens e direitos, listagem dos passivos, divisão de acordo com a lei e encerramento. No Brasil nunca funcionou, e ainda “criaram” mais um estágio de escoamento de recursos e fraude a credores: recuperação judicial, no lugar da antiga concordata. A lei no Brasil, em vez de proteger os credores, diz que protege “a função social” da empresa enquanto na verdade serve é para blindar os acionistas acionistas. Ao fim: juros altos tb para os bons.

Mais notícias
Assine
TOPO