Adriano Machado/Crusoé

Pazuello nega que tenha defendido tratamento precoce e admite que só a vacinação pode ‘segurar a pandemia’

18.01.21 17:12

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello (foto), reconheceu nesta segunda-feira, 18, a possibilidade de a grave situação de Manaus, no Amazonas, se repetir em outras cidades do país. A capital manauara vivencia o recrudescimento do número de casos de Covid-19 e o consequente colapso do sistema de saúde, com falta de cilindros de oxigênio e de leitos para o atendimento da população.

O general classificou a vacinação em massa como a principal “ação efetiva” planejada pelo governo federal para conter o avanço da pandemia. “Isso [crise], sim, pode se replicar agora para outras cidades do Norte e do Nordeste ao longo do ano e pode se replicar quando chegarmos mais perto do inverno para a região centro-sul. Como vamos combater isso? Com a vacina. É por isso que nós estamos tão ávidos por receber as vacinas, distribuir e imunizar a população brasileira. Essa é a grande ação efetiva para segurar a pandemia“, disse.

Apesar da urgência, Pazuello afirmou que o ministério não trabalha com uma data exata para a coleta do estoque de 2 milhões de doses da vacina de Oxford cujo uso emergencial e temporário foi avalizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa. Os imunizantes, fabricados pelo Instituto Serum, estão na Índia.

Todos os dias nós temos tido reuniões diplomáticas com a Índia. O fuso horário é muito complicado. Estamos recebendo a sinalização de que isso deverá ser resolvido nos próximos dias da semana. Eu não tenho a resposta positiva até agora“, declarou o ministro. “Estamos contando com essas 2 milhões de doses para que a gente possa atender mais ainda a população“, completou.

Em nome da contenção da crise sanitária, Pazuello ainda defendeu a preservação das estruturas criadas para o atendimento de pacientes infectados pelo novo coronavírus e dos leitos habilitados para o tratamento dos enfermos “nas regiões que poderão sofrer o impacto“.

O ministro disse também ser necessário o uso da “técnica do atendimento precoce“, alegando, falsamente, jamais ter recomendado o “tratamento precoce“, com a designação de medicamentos específicos. “Nós temos que difundir isso todos os dias em todos os meios de comunicação, para que a gente possa permitir que as pessoas tenham chance de não agravar. Vários remédios deram algum tipo de resultado e os médicos sabem o que deve ser prescrito para os pacientes“, argumentou.

Apesar do conselho do general, especialistas e a Anvisa alertam que não existe, por ora, medicamentos com eficácia científica comprovada para o tratamento da Covid-19. Indagado se o governo vai dar continuação à distribuição de hidroxicloroquina, usualmente propagandeada por Jair Bolsonaro, Pazuello alegou que o ministério o fará “quando solicitado por estados e municípios“, acrescentando jamais ter autorizado a pasta “a fazer protocolos indicando medicamentos“.

A fala do ministro não condiz com a realidade. Ao assumir o posto, Pazuello deu aval a um protocolo de uso da cloroquina e da hidroxicloroquina para pacientes com Covid-19. O documento orienta a utilização do medicamento desde os sintomas leves da doença, combinado ao antibiótico azitromicina.

A secretária de Gestão do Trabalho e da Educação da Saúde, Mayra Pinheiro, inclusive, chegou a enviar um ofício à prefeitura de Manaus para cobrar a prescrição de cloroquina a pacientes com Covid na capital amazonense.

Questionado se, em meio ao aumento de infecções, a pasta reforçaria o estímulo ao distanciamento social e ao uso de máscaras de proteção social, em contraposição ao presidente Jair Bolsonaro, que protesta contra o isolamento, Pazuello não deu uma resposta concreta.

As medidas são todas de nível estadual e municipal. Se essa ou aquela medida está de acordo ou não com alguém do Executivo, isso é uma posição individual, que temos que respeitar. O que é importante? A economia não pode parar. Ponto. Porque, se a economia parar, nós vamos acelerar a quarta onda. Vocês sabem o que é a quarta onda? É o choque no emocional das pessoas, a depressão, a automutilação, o suicídio, todos causados pela queda da capacidade de manter a própria família“.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Felipe Moura Brasil, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Olha só o que o Bolsonaro está fazendo com o valoroso Exército brasileiro! Sr.General Pazuello: Tenha solidariedade com o povo,com as Forças Armadas e com Vossa família e peça demissão. Bolsonaro está manipulando-o com maldade e sem piedade

  2. General, ou melhor, Sargento Garcia. Se depender de Vossa excelência no comando da logística numa invasão do mais fraco inimigo possível, tamo fud... Deixa de ser pau mandado, honre sua farda! Pede prá sair!

  3. Coitado !! Quando está perto do Bolsonaro fala da cloroquina . Quando está longe nega !!! E muito fraco este General !! Estamos na mão deste idiota !!

  4. Vamos lá, bunda mole, mentiroso, cagalhão, covarde, pau mandado, etc, etc...Qual se aplica melhor ao Sgt. Garcia? Quer dizer, Gal. Pazuello.

  5. Só o fato desse camarada ter chegado a general mostra que o Brasil precisava de uma guerra: para a soldadesca aprender o que é disciplina, para o oficialato aprender o que é lealdade e para o povo brasileiro aprender o que é coragem.

  6. Defender o protocolo da Cloroquina e recomendá-lo a todas as secretarias de saúde do país foi a primeira coisa que esse ministro fez quando assumiu! Mais respeito à memória da população, viu?

    1. Suzane — Ele não respeita nem ele mesmo, imagine os outros! General de quarta categoria!

  7. Bah!!! Até que enfim alguém jogou a toalha. Só que o mandatário esta só na torcida prá ter algum óbito com a vacina, só para dizer aí, não falei! Acho que tem muita gente torcendo também, principalmente os fanáticos.

  8. Pazuello, não se tem, obrigatoriamente, que concordar com tudo que um chefe fala. Nem sempre ele está certo. Principalmente quando se trata de um estelionatário eleitoral.

    1. Tem foto desse mentiroso em Manaus co n médicos defensores do kit fake cloroquina! Idiota útil do Bozo Mentiroso mor.

  9. Kkkkkkkkkkkk. Ele desmentiu o Bozo. Se até o ministro teleguiado do Bozo já jogou a toalha, imaginem o resto. Gente, acho que o Bozo renunciará ou será renunciado. É tudo uma questão de tempo. Com um pouquinho mais de pressão o governo desmorona! Vamos nos livrar do genocida necrófilo!

    1. A renúncia do Bozo a coisa mais positiva que pode acontecer no Brasil. Por isso Bozistas, vocês terão que continuar zurrando. Zurra bozista. Zurre. O zurro de vocês é música para os meus ouvidos!

    2. SO FALA MERDA, IDIOTA!!!!! SE RECICLE, e poste alguma coisa positiva......

  10. Quando estes despreparados vão entender que não existe tratamento precoce? Isto deixa as pessoas serem enganadas com a sensação de segurança. Só há uma solução: Bolsonaro parar de dizer asneiras e cuidarmos da vacinação

  11. Assistir a fala do general Pazzuelo é um exercício de paciência. Eu tenho uma memória privilegiada, então fico contando as mentiras e incongruências. Para quem como eu, exerce cargo de gestão, fica claro que ele é um profissional preguiçoso. Foi para Manaus, ficou lá observando a situação, não conseguindo identificar o risco de ter uma ruptura no oxigênio. Veja o cenário apresentado. Aumento exponencial de casos de covid, estrutura hospitalar precária e apenas um fornecedor de oxigênio.

    1. Finalizando o raciocinio. Tanto o general Pazzuelo, quanto o governador Wilson Lima são preguiçosos. E a preguiça deles na minha análise foi criminosa. Por isso um se sustenta no outro, se defendendo mutuamente. E um cair, o outro também cai. Em tempo. A questão do fuso horário com a Índia é só não dormir. O governo federal se colocou nessa posição de pedinte. Então, se tiver que pedir de madrugada, que seja.

    2. Continuando o meu raciocínio. Qualquer gestor diante desse cenário se aprofundaria na análise e faria a seguinte pergunta. Dada a questão logística peculiar de Manaus, se o crescimento for muito grande, a empresa que fornece oxigênio, poderá suprir até quanto? Se ultrapassarmos o limite dessa empresa, quais alternativas temos? Eu lido com questões pecuniárias. O general Pazzuelo e o governador do Amazonas, lidam com decisões, que podem acarretar a morte de pessoas. como infelizmente ocorreu.

    1. Façam ao menos um único gesto decente: deixem o General HAMILTON MOURÃO terminar esse ""malndato""!!!!

    2. Vá pra casa, pazuêle.... vá calçar uma pantufa e tomar ""suco de laranja"".....

    3. Quais seriam os critérios para um cara desses chegar a general.... imagine se o BRASIL (e todos ""deuses""nos livrem disso para sempre!!!! ) dependesse desse """exímio estrategista""" no caso de um conflito com outro país!!!! Qualquer país!!!!.... 🤭🤭🤭🤭🤭🤭🤭🤭🤭🤭🤭🤭..... E, em acréscimo, teleguiado pelo """capitinho""" broncossauro ""a coisa""!!!!!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO