Reprodução

Os desafios do latino que comandará a política de imigração dos EUA

24.11.20 12:45

O presidente eleito Joe Biden anuncia oficialmente nesta terça-feira, 24, a composição de seu gabinete para os temas de política externa e segurança nacional. O cubano-americano Alejandro Mayorkas (foto) ficará responsável pelo Departamento de Segurança Interna. Será o primeiro latino a ocupar o cargo.

Em parte, Mayorkas deve recuperar algo da política imigratória do governo de Barack Obama, quando ele desempenhou o segundo posto na hierarquia do Departamento de Segurança Interna. “Os governos de George W. Bush e Obama deportaram muita gente em condição ilegal nos Estados Unidos. Ao mesmo tempo, eles ampliaram as vias para a imigração legal, oferecendo mais vistos de trabalho”, diz o sociólogo mexicano Agustín Escobar Latapí, do Centro de Investigações e Estudos Superiores em Antropologia Social, na Cidade do México.

Entre as medidas adotadas pelo governo Obama e lideradas por Mayorkas estava o Daca, que impediu a deportação de pessoas que chegaram ainda crianças nos Estados Unidos. O programa foi lançado em 2012 e ajudou cerca de 800 mil jovens. Como já se passaram oito anos, muitos deles podem ter hoje 28 anos de idade. Se Biden tentar regularizar a situação dos jovens favorecidos pelo Daca, Mayorkas poderá criar atritos com os republicanos. “Caso esses jovens ganhem o direito de permanecer nos Estados Unidos, muito provavelmente eles se tornarão eleitores do Partido Democrata”, diz Latapí.

Mayorkas também terá de lidar com um cenário muito difícil de antecipar. Com a pandemia, o número de pessoas tentando cruzar a fronteira diminuiu consideravelmente. Acordos feitos com o governo mexicano, que aumentou a vigilância na sua fronteira ao sul e permitiu que os imigrantes aguardassem o visto em seu território, poderão ser desfeitos. Se a Covid for controlada e os acordos com o México rasgados, não se sabe o que poderá acontecer. “Há atualmente dezenas de milhares de migrantes centro-americanos e africanos esperando o visto no México. Biden prometeu que eles poderão processar seus pedidos dentro dos Estados Unidos. Se essa decisão for tomada, será um desafio logístico enorme”, diz Latapí.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. A primeira coisa que o Alejandro fará é deportar todos os brasileiros que votaram e fizeram campanha para o bozotrumpismo. Como o Brasil não aceita estes néscios de volta, eles terão que ir para a Venezuela ou para. Coreia do Norte, o únicos paises que estão aceitando gente que gosta de ditador maluco.

  2. É preciso reconhecer a importância dos latinos na economia americana. Na verdade, os ilegais são mantidos nessa condição pq são mão de obra barata. Espero que realmente ocorram mudanças na sociedade americana, em sua base. É possível, pois esta mesma sociedade se uniu para tirar o pior presidente americano da casa branca. Adeus, Trump. Leve o Bostanauro com vc!

Mais notícias
Assine
TOPO