Reprodução

OMS pede para que países atrasem terceira dose; Chile já admite ‘dose de reforço’

04.08.21 19:13

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus (foto), pediu nesta quarta, 4, que os países mais ricos não comecem a dar uma terceira dose das vacinas contra a Covid para a população até o final de setembro.

Ele alega que 80% das doses produzidas até hoje foram compradas por países ricos, e que o mais importante no momento é assegurar que as vacinas cheguem às nações mais pobres.

Entendo a preocupação de todos os governos em proteger seus cidadãos da variante Delta, mas não podemos aceitar que os países que usaram a maior parte do estoque produzido de vacinas ainda usem mais vacinas, enquanto as pessoas mais vulneráveis ​​em outras partes do mundo ainda estão desprotegidas“, disse Ghebreyesus .

Israel, Turquia, Bahrein e Emirados Árabes já começaram a dar a terceira dose para a população.

Esta semana, o Uruguai abriu o agendamento para pessoas que tomaram a Coronavac ou a AstraZeneca e querem uma terceira dose, desta vez da Pfizer.

O ministro da Saúde do Chile, Enrique Paris, admitiu nesta quarta, 4, que grupos específicos da população com resposta imunológica mais fraca receberão uma dose de reforço. Ainda não se sabe quando essa dose começará a ser administrada.

Em julho, a Anvisa autorizou um estudo no Brasil com a terceira dose da AstraZeneca.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
    1. Não se trata de negacionismo amigo. O fato concreto é que ninguém no mundo estará efetivamente protegido enquanto novas e perigosas variantes puderem proliferar a partir de países menos desenvolvidos. A OMS enfatiza que o combate à pandemia é uma responsabilidade global, de todos em favor de todos. Exclusivismo neste momento não ajuda.

  1. Qual é a bússola de moralidade e justiça dos líderes de países ricos? E mais, qual é a lógica em dar a 3a dose para os seus cidadãos, em detrimento dos cidadãos de países pobres, numa pandemia? ISSO É INSENSIBILIDADE COM O SOFRIMENTO ALHEIO, E BURRICE AO MESMO TEMPO. Vivemos o advento do mundo globalizado. Uma variante surgindo na África ou em qualquer outro país, pode ter o potencial de desencadear um nova onda de contágio no mundo todo. Cuidar do outro numa pandemia, é se cuidar.

  2. A OMS está certa. Precisamos pensar nos países pobres que não possuem dinheiro para comprar vacinas. Bem diferente do Brasil, um país rico que tem um presidente genocida que preferiu matar mais de 540 mil pessoas ao invés de comprar vacinas com antecedência.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO