Gabriel Salvia/Cadal

Historiador cubano tem livros apreendidos em aeroporto

08.04.19 18:28

O historiador cubano Manuel Cuesta Morúa teve cinco livros confiscados ao passar pelo aeroporto de Havana na manhã desta segunda-feira, 8 de abril.

Morúa esteve viajando pela Argentina, pelo Brasil e pelo Chile para proferir palestras a convite da organização civil argentina Cadal. Na Fundação Fernando Henrique Cardoso (foto), em São Paulo, recebeu do ex-presidente brasileiro um exemplar com dedicatória do livro “Crise e Reinvenção da Política no Brasil”.

A obra acabou ficando com os agentes de segurança do aeroporto. Entre os demais livros confiscados estavam o “Guia Politicamente Incorreto da América Latina”, de Leandro Narloch e Duda Teixeira (ambos da Crusoé), “Cuba, Viagem ao Fim da Revolução”, do escritor chileno Patricio Fernández, “Tempos de Memória”, de Ricardo Brodsky e “Um Desafio Coletivo”, do falecido ex-presidente chileno Patricio Aylwin.

“O regime totalitário insiste no erro: acredita que as ideias possam ser detidas na alfândega”, escreveu Morúa no Twitter.

Já é assinante?
Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Assine a Crusoé

*válido até 30/06/2021

Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
    1. Lula também está escrevendo um, mas em libras, este vc vai gostar.

  1. OS GÊMEOS: Fico imaginando como deve ser frustante, até a alma, viver em Cuba e, pior, tentar ser um acadêmico com luz própria. A prisão da consciência é horrível, para quem deseja pensar ao menos um pouco por si mesmo. Nisso eu vejo uma relação próxima do pensamento de Olavo de Carvalho, que força suas ideias-pensamentos como camisas-de-força ideológicas de direita xiita. O totalitarismo é o mesmo, apenas muda o discurso de esquerda para a direita. Olavo de Carvalho = José Dirceu.

  2. Que pena, justamente o livro em que FHC conta TUDO que o PSDB fez quando estava no poder kkklkkk, além de declinar o motivo que ficou bem caladinho acerca disto TUDO. Kkkkkkkkk.

  3. Aguardo os comentários dos comuno-socialistas que veneram o país dos Castro. Entretanto, presumo que nada dirão a respeito da censura alfandegária. Meros TRAIDORES do Brasil, uma súcia de beócios farsantes e oportunistas. Adoram o socialismo, "amam" pobres, mas preferem Miami e Paris, ao invés de passarem férias no paraíso cubano ou no éden bolivariano. Covardes, parasitas e fracassados, que sequer têm coragem de serem coerentes com a ideologia nefasta que defendem. DÃO-ME ASCO.

  4. Insistem no erro?! Erro para quem? Se tem uma coisa que este lixo humano marxista sabe fazer é controlar uma sociedade, é massacrar o espírito humano! Qual destas ditaduras já caiu? Elas se adaptam a tudo, prendem e matam quem for preciso, mas não largam o poder nunca!

    1. Alguém aí abaixo tem razão. Ao menos a retenção do livro do FHC foi por motivo sanitário. Não deixar merda alienígena entrar em Cuba.

  5. A esquerda não consegue aprimorar seus métodos de propaganda. Foi a melhor maneira do regime comunista cubano dar uma mãozinha para colocar is holofotes da mídia sobre o socialista Morúa. Ainda de quebra ajudou a divulgar o livro FHC. Se a moda pega, outros escritores irão para Cuba com livros "reacionários" na mala. E Morúa todo mês irá dar um passeio fora de Cuba. E voltar com livros na mala...

  6. Decepcionada com este jornal. Nenhuma palavra sobre a manifestação de ontem pelo Brasil!! Igual aos outros jornais... Estamos sem uma fon te de informações isenta. Não vou renovar minha assinatura.

    1. Pois é, Helene,mas ela não ofereceu, no caso, uma notícia de capital importância no momento atual. Uma manifestação de milhares de pessoas, contra uma suprema corte repleta de irregularidades que saltam aos olhos e que se constituem numa traição ao país. Entretanto preocupa-se com cada vírgula que o Presidente diz ou com um ministro que caminha 100 metros a pé em Brasília e coisas assim.

    2. Procure julgar a revista pelo que ela oferece e não, pela falta - é impossível escrever e mostrar tudo, sempre dependeremos da escolha do que vai ser publicado...

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO