Adriano Machado/Crusoé

Governo pede a Kátia Abreu prioridade a acordos assinados com Trump

06.03.21 14:08

O Ministério da Economia entregou nesta semana à senadora Kátia Abreu, do PP, recém-eleita presidente da Comissão de Relações Exteriores, uma lista de prioridades da equipe econômica do governo na área internacional. O primeiro item da pauta é o protocolo comercial assinado pelo Brasil com o governo de Donald Trump em outubro do ano passado.

Três acordos fazem parte do protocolo, tratando de normas de combate à corrupção, facilitação do comércio e harmonização de práticas regulatórias dos dois governos sobre o setor privado. “Trata-se de pacote comercial de alto nível, moderno, e que promoverá comércio e desenvolvimento econômico para ambos países”, escreve Roberto Fendt, secretário de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia.

A carta enviada por Fendt não menciona dois pontos tidos como prioritários por Kátia Abreu: a ampliação do comércio com a China e a União Europeia. “A maior parte do que exportamos hoje vai para a Ásia, a direção é a China. Entre todos os países do Ocidente, o que tem o maior superávit com a China somos nós, mais que os EUA, mais que a Europa; nosso superávit é bem maior. A China planeja, nos próximos 15 anos, aumentar seu PIB em alguns trilhões de dólares. O Brasil representa 4% do que a China compra”, defendeu a senadora, ao tomar posse como presidente da comissão. Ela é um dos expoentes da bancada ruralista, interessada em vender mais produtos do agronegócio ao gigante asiático.

Outros cinco textos fazem parte da pauta encaminhada pelo secretário ao Senado: um protocolo de comércio com o Chile, acordos de facilitação de investimentos com a Índia e os Emirados Árabes Unidos, um protocolo de compras públicas do Mercosul – que abre a empresas brasileiras a possibilidade de participar de licitações nos países vizinhos – e um convênio que cria um fundo para financiar projetos em zonas de fronteiras da região do Mercosul e na Bolívia.

Já é assinante?
Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Assine a Crusoé

*válido até 30/06/2021

Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Alguém DEVERIA explicar para esta senhora q, da mesma forma que Ângela Merkel deseja negociar com AMBOS os blocos (americanos ou sino-russo), o Brasil TAMBÉM não deseja ficar à mercê da China. Investidores brasucas querem olhar pro cenário mundial pra entender o mercado, e NÃO somente pra China. É preciso DIVERSIFICAR. E ISTO é com Ernesto, meu rapaz. É um absurdo pensar que a Europa seja auto-suficiente. E.U.A e U.E já manifestaramn repúdio à China (repressão/minorias) e estão atacando a Rússia

  2. este governo realmente é um escarnio para quem esperava mudança. conta com apoio de quem LAMBIA AS BOTAS DO PT e agora sem a menor vergonha na cara estão dentro KATIA E RICARDO BARROS duas vergonhas para quem quer um pais civilizado.

  3. Ela, pelo menos, entende de agronegócio. E o bananinha, indicado para embaixador nos EEUU, do que entende? Sabe como fritar hambúrgeres. Hahaha!

  4. kkkkk como o governo Bolsonaro pode falar em combate a corrupção.o pai e os filhos que ficaram milionários com rachadinhas e outros tipos de enriquecimento ilicito

    1. Kkkkk qualquer ameba medíocre ainda é melhor, por exemplo, do q o nosso jurássico Ernesto.

    2. Pois é. Teve um tal presidente que queria nomear o filho hamburgueiro embaixador. Alguém lembra disso?

  5. Vi ali as palavras combate à corrupção, em um acordo Brasil/EUA, hilário, um Governo que destruiu a anticorrupção falando em combate à corrupção.

    1. Hilario mesmo! Essas declarações do sirvem de pasto para nosso gado estabulado, capado e idiota! Vai que não cola mais!!!!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO