Agência Brasil

Governadores estimam perda de R$ 24 bilhões com projeto da Câmara sobre combustíveis

15.10.21 13:19

Um estudo realizado pelo Conselho dos Secretários Estaduais de Fazenda estima em 24,1 bilhões de reais as perdas dos governos estaduais com o projeto aprovado pela Câmara dos Deputados que define um valor fixo para o ICMS sobre combustíveis. Governadores pressionam o Senado para barrar a proposta e articulam um questionamento no Supremo Tribunal Federal, caso as medidas virem leis.

“É claro que se nós, governadores, soubéssemos que a proposta da Câmara resolveria o problema do combustível, até aceitaríamos o sacrifício, mas sejamos sinceros, é uma enganação, e muita gente boa entrou na onda”, afirmou nesta sexta-feira, 15, o governador do Piauí, Wellington Dias. “Por isso, queremos negociar com o Senado para que a gente possa ter um entendimento. A solução emergencial é a capitalização do fundo de equalização do combustível”, acrescentou o governador. Segundo ele, essa medida poderia reduzir o preço do litro da gasolina a 4,50 reais.

A proposta aprovada pela Câmara, com articulação do presidente da casa, Arthur Lira, prevê um valor fixo para o ICMS. As unidades da federação poderão estabelecer um valor anualmente para as alíquotas. Atualmente, o imposto é calculado a partir de um valor de referência, revisto periodicamente a partir da flutuação do preço do combustível nos postos.

O relator do projeto, deputado Dr. Jaziel, garante que as mudanças devem levar a uma queda de até 8% no preço da gasolina para o consumidor final. O texto não traz, entretanto, formas de compensação das perdas de arrecadação dos estados.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Solução já existe , mas preferem fazer gambiarra, era só criar o CBS no nível federal que substituiria o PIS, Cofins, parte do IPI e CIDE, criaria o imposto do pecado no lugar do IPI que seria para jogos, jogos de azar, bebidas gaseificadas e alcoólicas, cigarro onde iria para os fundos municipais e estaduais para compensar perdas arrecadatórias. No nível estadual criaria o IVA que seria composto pelo ICMS e ISS onde o estado iria ser responsável por dividir com os municípios de origem.

    1. verdade Giovanni mas é bem mais fácil meter as patas sujas nos bolsos do povo suas vítimas.

  2. mentirosos cínicos que só enxergam seus bolsos . o projeto é ruim pois não mexe na estrutura de custos superelevados pois a BR extrai petróleo que pertence ao povo a 5 e nos enfia rabo arriba por 70 dólares e este é o problema maior . o povo paga a roubalheira de mais de trinta anos de forma imoral e criminosa já que desgovernos ladravazes faliram a BR já recuperada por lucros estratosféricos esta a verdade.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO