Adriano Machado/CrusoéO futuro vice lê piada no celular antes da entrevista a Crusoé na tarde desta quarta-feira, em Brasília: "Eu estou tranquilo"

Exclusivo: Mourão revela novas ameaças a Bolsonaro e fala em “atiradores”, “carros-bomba” e “grupos terroristas”

12.12.18 20:07

O general Hamilton Mourão ri. Gargalha. Em sua sala na sede do governo de transição, a poucos metros do gabinete ocupado por Jair Bolsonaro, ele pede o celular a um assessor para reler uma piada que recebera do filho por WhatsApp. Era sobre o atentado na catedral em Campinas e o rumoroso caso do médium João de Deus. “Aqui ó: tá complicado. Se a gente vai na igreja, morre baleado. Se vai procurar um tratamento espiritual, comem a gente. O negócio é ficar no bar”, lê, entre risos. Do lado de fora, um amontoado de gente, entre parlamentares e outros interessados em assuntos do governo, aguarda no corredor à espera de reuniões com os futuros ministros, que também despacham ali. Apesar da segurança reforçada e dos detectores de metal pelos quais todos precisam passar, o quartel-general do governo eleito parece um salão de festas. Ou o plenário do Congresso Nacional em dia de grande movimento. Ao receber Crusoé, Mourão aponta para fora, onde está o corredor movimentado, para falar das demandas que chegam aos montes todos os dias para Bolsonaro. O vice afirma que até hoje não conversou direito com o futuro presidente para saber que funções terá no governo. Esforça-se para tirar por menos o fato de uma conversa dessa importância não ter ocorrido ainda. E repisa, apesar dos rumores em contrário, que sua relação com Bolsonaro vai muito bem.

O vice faz questão, contudo, de demarcar sua independência em relação a alguns assuntos candentes. Por exemplo: defende investigação sobre o caso do ex-funcionário de Flávio Bolsonaro que movimentou 1,2 milhão de reais, doa a quem doer: “Se chegarem à conclusão de que houve alguma ilicitude, puna-se a quem tiver que ser punido”. Mourão diz que, se era uma caixinha no gabinete do filho de Jair Bolsonaro, trata-se de uma “burrice ao cubo” porque algumas das transações eram feitas por meio de transferências bancárias. O vice surpreende ao dizer que, quando os filhos de Bolsonaro falam (refere-se ao tuíte em que um deles afirmou que pessoas próximas estariam interessadas na morte do presidente eleito), é Bolsonaro quem está falando. Surpreende mais ainda ao falar a razão pela qual procurou ignorar a tal afirmação de Carlos Bolsonaro sobre aliados que desejariam a morte do pai: “Eu não passo recibo”. O burburinho do lado de fora prossegue. Mourão continua falante. Indagado se o presidente eleito realmente está sob ameaça, diz que sim: “Grave ameaça”. E revela que informes dos serviços de inteligência apontam que haveria planos, com participação inclusive de grupos terroristas estrangeiros, para matar Bolsonaro com atiradores de elite e carros-bomba. Mesmo assim, entre piadas e gargalhadas, o general se diz tranquilo. “Eu não sou o alvo. O alvo é Bolsonaro.” A seguir, a entrevista concedida por Hamilton Mourão a Crusoé na tarde desta quarta-feira.

Qual a expectativa do sr. em relação ao novo governo?
A melhor possível. O presidente foi eleito numa votação bem expressiva, cristalizando uma onda de mudança que a população queria. O Bolsonaro soube como ninguém encarnar isso. A gente anda na rua aí e vê. Eu tenho andado direto, eu não estou na situação dele, né, que é alvo, viajo em avião de carreira, vou à praia, vou à academia, vou a bar, vou a restaurante, vou ao shopping. Tenho as liberdades que ele não tem, né? Infelizmente o coitado não consegue mais essa situação. Então, em todo lugar é a manifestação de carinho, apoio e esperança das pessoas.

O sr. não é importunado?
O importúnio é o pessoal que quer tirar foto. Vêm um, dois, três, quatro, isso é que é o maior problema.

Como está a relação do sr. com o presidente eleito?
Muito boa, tranquila.

Há rumores, dentro da própria equipe, de que não está boa.
Não, minha relação com o presidente é tranquila. Eu não procuro atrapalhar, o presidente sofre pressões pela questão da escolha do ministério, pressões normais já da integração com o Congresso. Eu não quero ser fonte de problema para ele. Pelo contrário. Quero ser solução para quando ele precisar.

Mas o que exatamente o sr. tem evitado para não ser fonte de problemas para Bolsonaro?
Evitar demanda, uma porção de gente vem aqui me pedir coisa. Eu mato no peito aqui no meu nível, né? Não vou lá para ele para ficar perturbando, e dizendo: “Tem que ver isso para fulano, isso aqui para sicrano”. Não. Mato a bola aqui e fica aqui comigo. Eu já sei que tem muita gente pressionando ele. Quanto menos eu for motivo para isso…

E o sr. acompanha essas pressões?
Muita coisa vem acontecendo. A gente nota, né? Não preciso estar ali. Eu converso com ele aqui, todo dia de manhã, 30 minutos. A gente conversa entre 9 e 9 e meia, quando nenhum dos dois tem agenda. É a hora que a gente tem de ter uma conversa mais calma e tranquila.

Todos os dias?
Todo dia, todo dia, todo dia.

E ele atualiza o sr. sobre essas demandas?
É, (diz) o que ele vai fazer, o que não vai fazer, né? O que ele tem de importante no dia, se tem alguma coisa que ele acha que eu tenho que estar com ele. É mais ou menos assim que a gente tem trabalhado.

Na primeira entrevista coletiva após a vitória, Bolsonaro afirmou que não sabia onde o sr. estava e que não conversava muito com o sr.
Não, mas eu acho que ele não falou isso. A primeira entrevista após a vitória foi ali no dia 29, que eu tinha vindo votar em Brasília, meu voo foi cancelado e fui chegar na casa dele depois que ele concedeu a entrevista. Mas não desse jeito.

Ele disse: “Tenho pouco contato com o Mourão”. Foi quando ele falou que o convite a Sergio Moro não foi feito durante a campanha, ao contrário do que o sr. havia dito.
Acho que ele não se deu conta disso aí.

A relação é boa, então?
Tranquila. A relação é tranquila.

Como tem avaliado as atitudes dos filhos do presidente eleito, que têm falado em nome do governo e tocado em assuntos sensíveis? Um deles chegou a dizer que gente do entorno do próprio Bolsonaro quer vê-lo morto.
Olha, a questão dos filhos, rapaz… Filho é filho, né? Os filhos do Bolsonaro são pessoas que eu considero bem-sucedidas. Acho que você ter três filhos homens, vamos colocar os mais velhos, do primeiro casamento, os três seguiram na esteira do pai na política. Tá bom, mas podem ter sido eleitos porque tiveram o apoio do pai. Mas todos tiveram votações expressivas. Acho que é um orgulho para um pai, os filhos nessa situação. E é uma família, eles são unidos, têm uma relação muito próxima, enfrentaram aí ao longo da vida deles uma série de problemas. O último aí, a questão do atentado que ele sofreu. Isso tende a fazer o núcleo familiar mais unido. Eu acho que ele tem muita confiança no trabalho desses rapazes, e acho natural que algumas vezes eles se expressem, sejam ali o porta-voz do pai, vamos dizer o porta-voz não oficial do pai. Acho isso normal. Não vejo problema nisso aí, não.

Quando eles falam, o sr. entende que é o pai que fala?
Na maioria das vezes, sim, né? Eu acho que em vez de chegar o pai logo e ter de dar o primeiro combate, ele deixa que o filho dê o primeiro combate.

Recentemente, causou polêmica o tal post no Twitter de Carlos Bolsonaro dizendo que há pessoas do entorno do presidente eleito que querem vê-lo morto para assumir o poder. E pessoas do entorno dizem que ele se referia ao sr. Como o sr. recebeu essa manifestação do filho?
Olha, eu não interpretei dessa forma, né? Porque eu não passo recibo nas coisas. Já me perguntaram isso. Eu digo: “Tem que perguntar para o Carlos”. Ele é que escreveu, ele é que tem que explicar. Eu não dei nem bola para isso aí. É como eu te disse. Não passo recibo.

E o sr. conversou com Bolsonaro sobre essa afirmação?
Eu não, eu não. Para que eu vou conversar? Estaria passando recibo também. Então, não tem o que dizer a esse respeito.

Se ele acha que o sr. quer assumir no lugar do pai, eu pergunto: o sr. quer ser o presidente do Brasil no lugar de Jair Bolsonaro?
Acho que eu já respondi esse troço outras vezes. Eu disse: “Se eu quisesse ser o presidente, eu tinha concorrido a presidente”. Vamos lembrar o seguinte. Qual era o meu propósito? O Bolsonaro conversou comigo por muito tempo, e disse: “Pô, você tem que ser candidato a Senado, governador”. Eu, não, não vou ser candidato a Senado. Eu vou ser presidente do Clube Militar. Era o que eu queria. Estaria lá no Rio de Janeiro, tranquilo. No último minuto, ele precisou de mim. Essa foi a realidade.

Nos seus pensamentos mais íntimos, o sr. considera a possibilidade de eventualmente ter que assumir a cadeira presidencial?
Não. Não penso nisso. Não tenho a mínima visão de ter que assumir a Presidência. Assumirei naqueles afastamentos eventuais do presidente, conforme está previsto na Constituição. Não tenho essa visão.

O sr. já tem planos para esses dias em que Bolsonaro ficará afastado por causa da cirurgia?
Há uma coisa que no Exército é muito clara. Quando o subcomandante assume temporariamente, cumpram-se as ordens em vigor. É exatamente o que eu vou fazer. Cumprir as ordens em vigor. Não vou fazer que nem o cara que pegou o avião e foi para Mombaça, né?

Fernando Haddad afirmou que o sr. é um jogador no banco de reserva em aquecimento antes do jogo. E Renan Calheiros declarou que a maior pedra no caminho no Brasil é um conflito entre o presidente eleito e o vice-presidente eleito. Eles estão certos?
Eu vou repetir: não há conflito nenhum, esses dois são de oposição. O que interessa à oposição? Criar o conflito. Então eles declaram o que eles quiserem. Eu não vou responder, nem para o Haddad. Aliás o Haddad está sendo processado por mim, pelas declarações dele durante a campanha eleitoral. E o Renan… Não vou nem tocar nesse assunto.

Quanto ao caso relevado pelo relatório do Coaf sobre as transações do ex-assessor de Flávio Bolsonaro, é algo que o sr. entende que precisa ser esclarecido, considerando que o futuro governo chegou ao poder levantando a bandeira anticorrupção?
Eu acho que tem que ser investigado. Obviamente está sendo investigado, o Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro está trabalhando nisso aí, e se chegarem à conclusão de que houve alguma ilicitude, puna-se a quem tiver que ser punido.

Até o filho do presidente, se for preciso?
Não sei se ele está envolvido.

Até o presidente?
Não, eu não sei, né? Não sei quem é que está envolvido, né? Vamos aguardar a evolução dos acontecimentos. Eu não posso chegar e… Seria leviano da minha parte eu chegar e emitir um juízo de valor sobre algo que eu não sei.

Pela sua experiência, o que o sr. acredita que é aquilo ali?
Não sei. Sinceramente, não sei. Até porque eu nunca me deparei com casos dessa natureza na minha vida. E acho até, por exemplo, o seguinte: quando há ilicitude, o cara não faz por meio de transferência bancária, né? Você vê ali aquele troço que está colocado, os funcionários depositavam dinheiro na conta do cara. Pô, por que o cara não entregava o dinheiro em espécie? Quando há ilicitude, o dinheiro é entregue em espécie. A partir do momento que você coloca a conta bancária, você está passando recibo, né?

Quem entende dos meandros de parlamentos em geral, assembleias estaduais diz que…
(O vice interrompe a pergunta e antecipa a resposta) É, o cara cobra uma caixinha, né? Mas eu vejo que se eu fosse cobrar caixinha, vamos colocar aqui, sou eu o cara que estou planejando esse ilícito aí. Tu é meu funcionário, o Eduardo é meu funcionário. Eu digo assim: “Ó, todo início de mês, tu vem e traz 2 mil, mas cash aqui pra mim”. Era isso o que eu faria, pô. Agora, mandar: “Não, bota na minha conta aqui”.

Se foi isso, foi burrice?
Porra! Burrice? Burrice ao cubo! Ao cubo.

CrusoéCrusoéO burburinho no espaço contíguo aos gabinetes de Bolsonaro, Mourão e dos futuros ministros
O sr. vai sair do prédio anexo da Vice-Presidência e despachar ao lado do gabinete presidencial. Que conselho daria nesse caso que envolve o filho do presidente?
Por enquanto eu não tenho, como eu vou dizer, elementos para emitir um juízo de valor nisso daí. Eu não sei até que ponto o Flávio tinha conhecimento. Porque, presta atenção, o dono da bola se chama Queiroz (refere-se a Fabrício Queiroz, o PM que era assessor do filho de Bolsonaro). Ele é o dono da bola. É o dono da bola. Esse cara tem que vir a público e dizer. Ou ele diz: “Não, isso era um esquema meu, que eu arrumei emprego para esse povo todo aqui e eles me pagaram”, ou ele diz que a culpa é do Flávio.

Isso vai acontecer?
Ele vai ter que vir a público, né? Porque tem uma…

Ele vai assumir a responsabilidade?
Não sei.

Não está demorando, general?
(O assessor de Mourão interrompe a entrevista para dizer que o caso do Coaf é um assunto que “não é da cadeira do vice-presidente.”)

Ainda sobre este assunto. Esse será um problema para o ministro Moro?
Não. É uma investigação do Ministério Público Estadual.

Se eventualmente evoluir, virar uma investigação federal.
Por que vai virar?

Se se houver envolvimento de alguém com foro privilegiado, por exemplo.
Tem que ver. O ilícito foi cometido quando? Se houve o ilícito, né? Tem que ver todas as questões jurídicas. E o moro não é o xerife da República. Não é representante do Judiciário. Ele é ministro da Justiça. Não se pode confundir ministro da Justiça com advogado do governo. Isso era comum no tempo do PT, né?

Qual será exatamente o papel do sr. no futuro governo?
O papel é o que está definido no artigo 79 da Constituição. Ele coloca lá que o vice-presidente, além das missões definidas em lei complementar, e existem três paradas no Congresso que nunca foram votadas, são aquelas missões que o presidente da República lhe designar. Estou aguardando que o presidente chegue pra mim e diga: “Olha, vou precisar que você coordene isso, vou precisar que você me represente junto aos fóruns internacionais”. Estou aguardando.

Isso não aconteceu ainda?
Por enquanto, ainda não. Vai acontecer em algum momento. Ele vai chegar e vai definir a manobra dele.

Já não deveria ter havido essa conversa?
Eu estou aguardando que ele… Vocês têm que entender que o presidente sobreviveu a um atentado em que ele não morreu por milímetros. Ele ainda está traumatizado desse atentado. O cara tem que organizar governo. Esse estresse que ele vive, o cara não tem vida. Quem conhece a pessoa dinâmica que é o Bolsonaro, que gostava de caminhar na praia, fazer a corrida dele, ele não pode fazer mais nada. Olha a situação do cara.

Mas ele tem tido tempo para falar com bancadas, com aliados. Não é estranho que não tenha falado com o sr. ainda sobre isso?
Depois que ele tiver a ideia completa de como construir isso aí ele vai chegar e dizer.

Os analistas políticos repetem que o ministro Onyx não terá relacionamento suficiente com o Congresso para aprovar reformas e outras propostas do governo.
O ministro Onyx é um parlamentar em terceiro ou quarto mandato. Ele tem a experiência dele. Vamos aguardar, né? Ele está montando a equipe dele para poder fazer a ligação com o Congresso. Que eu saiba, está pegando alguns parlamentares que não foram reeleitos. Ele vai ter que ter essas pontas de lança dele lá dentro. O próprio presidente está fazendo esse trabalho, a partir do momento em que ele está reunindo as bancadas dos partidos, e eu acho que ele tem capacidade para fazer isso, porque é um cara que vem de lá de dentro.

No Congresso há quem entenda que o futuro governo vai mobilizar seus apoiadores, por meio da internet, contra os parlamentares quando não conseguir aprovar suas propostas. É algo que está no cenário?
Eu não estou vendo as coisas dessa forma. A nossa relação com o Congresso tem que ser feita de forma muito clara, muito limpa, mostrando aos congressistas as necessidades do país. Eles têm que entender as necessidades do país. Se o cara ficar preso naquele mundinho dele, o país vai se desfazer. Eles (os parlamentares) sabem que, se não fizermos nada, se não conseguirmos produzir alguma coisa, em 2022 o governo fecha. Vai ficar pior do que o governo do estado do Rio de Janeiro, do que o estado do Rio Grande do Sul. O Congresso terá que entender isso. Até porque isso afeta os estados da federação, que estão em situação similar, e é de onde vêm os congressistas. Se eles não entenderem isso… E nós temos que comunicar para a população, terá que entender as medidas que serão tomadas, como reforma da Previdência, reforma tributária, desvinculação de receitas. Essas coisas têm que ser bem trabalhadas em conversas com o Congresso, de uma forma honesta e franca.

O governo vai conseguir aprovar as reformas?
O governo vai fazer todo o esforço, possível e impossível, para que essas reformas sejam aprovadas. Porque, se não forem aprovadas, é o que estou falando: nós vamos marcar passo e vamos estagnar o país.

Qual será o papel dos militares no governo?
Artigo 142 da Constituição, nada a mais do que aquilo. Não passa disso aí: defesa da pátria, garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer um desses, defesa da lei e da ordem.

E o dos militares que estarão no governo?
São cidadãos que foram militares. São cidadãos que estão no governo. Somos oficiais da reserva. Nosso tempo de Exército passou. Nós somos história no Exército, retrato na parede.

Mas os senhores têm conceitos, o de proteção à soberania, que em algumas áreas se chocam com o ultraliberalismo pregado por Paulo Guedes. Como lidar com isso?
Acho que não há dicomotia entre o que o Paulo Guedes está pregando e a nossa soberania.

Nas privatizações, por exemplo.
Privatizar não é entregar a soberania. Entregar a soberania é permitir que outro exército esteja aqui dentro do país. Isso é entregar a soberania.

Mas qual é o limite das privatizações?
O presidente já colocou isso. Ele acha que a Petrobras, a Caixa Econômica e o Banco do Brasil não devem ser privatizados. O resto está exposto ao sol.

E o sr. está de acordo?
Plenamente.

Quanto ao resto…
O resto está ao sol aí. Você tem várias linhas de ação para o resto. Tem empresas que é melhor fechar, fechar essa porcaria porque isso não funciona. Tem outras que você pode fazer um IPO (sigla em inglês para oferta pública de ações), ficando com uma golden share na mão do governo, e outras que você passa nos cobres mesmo, vende e acabou, não tem saída.

Em que medida Jair Bolsonaro ainda está sob ameaça? Há ameaças graves contra ele?
Há ameaças graves.

Por exemplo?
Existem ameaças transmitidas pelos serviços de inteligência. Desde atirador a carro-bomba, tem de tudo.

Vindas de onde?
Aí eu não posso dizer porque são dados de inteligência.

Mas seriam de facções criminosas?
É, de facções criminosas em associação com grupos terroristas do exterior.

Que grupos?
Não vou falar.

Essas ameaças são atuais?
São atuais.

Envolvem algum evento específico? A cerimônia de posse, por exemplo?
A posse, ainda existe (risco). Estão sendo analisadas todas (as possibilidades). É aquilo que a gente chama de jogo de guerra: o que o inimigo pode?

E por que grupos terroristas internacionais estariam interessados em alvejar Bolsonaro?
Não sei. Por que as facções estariam interessadas? Vamos ver. Tem que esmiuçar isso aí, né?

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéMourão em seu gabinete, no QG da transição: “Seria péssimo para o Brasil que acontecesse alguma coisa”
A PF investiga um suposto patrocínio do PCC no atentado de setembro.
Eu tenho a minha suspeita. Pode ter sido oriundo de uma facção dessa natureza. Depois tivemos aquele incidente lá no sul de Minas Gerais, aquela troca de tiros com os caras conduzindo dinheiro vivo… O que que era aquilo ali? Até hoje não está esclarecido.

O sr. também se considera ameaçado?
Não. Eu não sou alvo. Bolsonaro é que é o alvo.

E em que medida isso preocupa o sr.?
Me preocupa porque seria péssimo para o Brasil que acontecesse alguma coisa. Vamos lembrar que a população elegeu ele presidente da República. Seria muito ruim para o país, além de romper com uma cultura nossa, porque onde se mata presidente é nos Estados Unidos, não é aqui.

As agências de inteligência estrangeiras estão cooperando com informações sobre essas supostas ameaças?
Acredito que haja troca de informações entre os serviços de inteligência dos países com que temos afinidade.

Há no cenário dos senhores a perspectiva de que o Brasil, agora, passará a ser alvo do terrorismo internacional?
Existem indícios, há muito tempo, de que aquela região da Tríplice Fronteira é área de homizio e de, vamos colocar assim, atividades econômicas dos grupos terroristas islâmicos. Lá eles levam o cara para dar uma esfriada e, ali, pelo comércio, eles produzem recursos que são mandados para o exterior. Disso aí os indícios são grandes.

É grave o que o sr. disse a respeito de informações de inteligência sobre um possível novo atentado contra Bolsonaro. O que mais o sr. sabe?
Os dados que eu tenho são esses. Eu não tenho detalhes….

Isso aconteceria em Brasília, no Rio? Onde seria? O que dizem esses informes?
Não está dito assim: “Tal dia, tal hora, vamos fazer isso”. O que existem são as ameaças, né? Que têm sido, vamos dizer assim, verificadas aí, por interceptação telefônica, por esses programas que fazem o trabalho da deep web, então você pega dado daqui, dado dali e vai montando. É um trabalho de inteligência normal.

Alguém já foi preso nessas investigações?
Não.

Já houve alguma ação concreta no sentido de combater esses supostos planos?
Não. Não tem ninguém preso. A ação está em cima da proteção que está sendo dada a ele. Você pode notar que é uma proteção muito acima da normal que um presidente da República recebe.

Diante dessa situação, será possível uma posse nos moldes tradicionais?
A única coisa que está em discussão é o desfile em carro aberto, né? Ainda vai ser definido, ele vai decidir isso aí.

Vai ter discurso no parlatório, subida da rampa do Planalto?
Vai, vai, tudo vai ter. Com os devidos cuidados.

Seu futuro vizinho de Planalto, ministro Onyx Lorenzoni, enfrenta suspeita de caixa dois. O sr. põe a mão no fogo por Onyx?
Pô, foi uma pergunta do caceta, né? Eu não ponho a mão no fogo nem por mim.

Não?
É brincadeira.

E por Flávio Bolsonaro?
A coisa é a seguinte: tem o indício. Então, que se investigue. O próprio Onyx falou que a investigação irá libertá-lo do peso do que pode ter acontecido. Então ele está tranquilo. O próprio ministro Moro disse que está bem, está tranquilo. Segue o baile.

O sr. também está tranquilo quanto a esses casos?
Estou tranquilaço. Não me afeta. Não tenho nada. Durmo tranquilamente todas as noites.

O sr. comandava tropas na Amazônia até tempos atrás. Passava por sua que um dia o sr. chegaria a esse lugar?
Nunca! Nem nos meus sonhos mais selvagens, pô. Jamais, jamais. Meu negócio era estar no Rio de Janeiro, tranquilamente. Pô, essa hora, o que foi? Faltam 25 para as 5 (da tarde), estaria quase terminando o expediente no clube.

Depois da posse, vai manter a rotina de vôlei e montaria todas as manhãs?
Lógico. Chopp no Resenha (bar da Asa Sul, em Brasília), cavalo, tudo. Nada vai mudar.

Vai ser um vice-presidente bastante ativo, então.
Ativo nesse sentido (risos).

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. ESSE GENERAL FALANDO DE "ATIRADORES", "CARRO-BOMBA", "TERRORISTA", PRESTIGIA, PREVINE E INCENTIVA O INIMIGO. NÃO DEVE SER DIVULGADA, A NÃO SER DEPOIS DE VENCIDA A BATALHA . POR EXEMPLO, A EXTRADIÇÃO DO BATTISTI SÓ DEVERIA SER DIVULGADA DEPOIS DE ELE ESTAR NA CADEIA. AGORA É TARDE.

  2. A revista precisa mostrar que não está defendendo cegamente o Bolsonaro e aí entram nesse clima de botar pressão , é claro que a revista precisa ser neutra politicamente e fazer uma trajetória de imparcialidade mas ficar extrapolando aí pega mal demais.

  3. Péssimo trabalho dos entrevistadores. Forçaram demais a barra para constranger o vice e colocá- contra o presidente. Parece até que os jornalistas são petistas. Ridículo

  4. Que entrevista cansativa. O jornalista ficou um tempão forçando a barra na mesma pergunta, sobre a relação do vice e o presidente. Tem que ter muita paciência com jornalista mala. Eu não teria. Mourão é tão inteligente,com um conhecimento acima da média, e ficaram só especulando sobre o caso Flávio, Onix, que já está maçante na imprensa. Nada novo. Entrevista chata. Pelas perguntas, acho que até eu poderia ser jornalista...rsrsrsr

    1. Concordo. O jornalista perguntou a mesma coisa, sobre a relação com o Bolsonaro e a suposta desonestidade do filho, mil vezes. Rendeu pouco esta entrevista, infelizmente. O Mourão é um cara inteligente e preparado

    1. Regular entrevista. O jornalista ficou forçando a barra sobre a relação do vice com o presidente, sobre Flávio, e Onix, que já está esgotado na imprensa. Mourão é inteligente, com amplo conhecimento, que foi ignorado pelo entrevistador. As perguntas eram mais para constranger o general. O jornalista fez de tudo para tirar uma resposta que confirmasse que Bolsonaro e Mourão tem conflito. Chato!!!

    1. Concordo plenamente. Muitos questionamentos em assuntos já muito debatido. Achei que o entrevistador ficou forçando a barra mo mesmo assunto.

  5. Gostei, acho o General um cara culto e muito inteligente e ainda tem a vantagem de ser muito transparente, sinal de honestidade. A entrevista é muito oportuna e esclarecedora. Parabens a Crusoé.

  6. Perguntas tendenciosas, que buscaram fomentar um embate entre JB e Mourão. Tanta coisa poderia ser perguntado, assim como estão as investigações sobre o marginal que esfaqueou o JB e assim por diante.

    1. Concordo. Entrevista cansativa. Forçando a barra no mesmo assunto.

  7. Mourão aceitou a missão e, bom soldado que é, permanece alerta e fiel ao objetivo de recolocar o Brasil nos trilhos. Ninguém "vira" General por acaso. A mídia precisa se acostumar com entrevistados inteligentes!

    1. Ótima entrevista não foi mesmo. O entrevistador ficou insistindo no mesmo assunto. General teve paciência.

    2. De fato, cada um entende de sua profissão, mas elogios e críticas fazem parte do jogo e a Crusoé precisa se acostumar a ser criticada porque senão voltamos ao mesmo cenário do monólogo da imprensa petista. Críticas costumam ajudar a melhorar a qualidade.

  8. Karaaaaaiiii !! Duas hienas tentando morder o Leão a todo momento ... Os caras só perguntaram sobre intrigas e desavenças. Chamam isso de jornalismo de alto nível ?? E o pior é que estou pagando para ler essas baixarias !!!!

    1. Concordo. Muitos questionamentos em assuntos já muito debatido. O entrevistador ficou forçando a barra no mesmo assunto. Objetivo constranger o general, e tentar tirar uma resposta que comprovasse um conflito. O general teve paciência. Eu não teria.

    2. Foi minha impressão também. Perguntas persistentes, repetitivas. Achei pouco inteligentes os questionamentos. Embora o General tenha tenha demonstrado esforço em responder educadamente, detestei a entrevista.

    3. Realmente um lixo de conteúdo. Papo retardado de espectador de Big Brother.

  9. Nosso vice é TOP, sábio. Sabemos que o País esta no abismo, boa parte dos brasileiros sabe disso, basta mostrar a realidade sem a matemática criativa. Parabéns pela matéria, quero ver a tv aberta convida-lo em horário nobre, e apresenta-lo aos brasileiros sem oportunidade de um sinal wi-fi.

  10. Alguém deve lembrar o Mourão que valores abaixo de R$ 10 mil não são rastreados pelo Coaf e que o Flávio e sua turma foi encontrada por acaso, no pente fino da Coaf. Outra coisa, peçam para o filho dele ficar em alguma bar da periferia das grande cidades para ver o que acontece. Osasco é um ótimo exemplo.

  11. Li alguns comentários. Concordo com a maioria. A entrevista toda parecia uma pegadinha. Não estavam atrás de respostas objetivas, mas de colocar o entrevistado em saia justa. Muito triste com essa entrevista. Esperava mais da Crusoé.

    1. A imprensa, inclusive, a Crusoé, vai ter que se acostumar com as críticas, que são higienizantes para o ambiente, especialmente, o da imprensa atual. Não adianta, o seu Diogo vir depois reclamar e atacar os leitores ou tratá-los com risadinhas e piadas. Procurem melhorar sempre a qualidade das entrevistas e notícias e, Diogo e Mário, aceitem as críticas como forma construtiva, sempre existe quem concorda e quem discorda, senão voltamos ao ambiente intelectual petralha.

  12. Tendenciosa, inoportuna, mal intensionada!!! Entrevista de folhetim barato e anarquista. Deu a entender que o reporte é oriundo de uma universidade patrocinada pela Ursal. Não esta diferente da folha de São Paulo e não esta valendo os reais que investi em informações.

  13. É bom saber que temos um vice bastante inteligente, com pensamento ágil, bem humorado, capaz de suportar esse interrogatório sem perder a linha.

  14. São OS LIBANESES QUE AMEAÇAM O BR E BOLSONARO!! LEIAM LIVRO "LUCROS DE SANGUE" . NO BRAS, ST EFIGÊNIA E 3FRONTEIRA LAVAM DINHEIRO, TRAFICAM DROGAS E CONTRABANDO PARAGUAI SUSTENTAR LÍBANO E GUERRA NA SÍRIA TEMER LIBANÊS DEU 1 BILHÃO BNDES P/ ELES COMOPRAREM ARMAS

  15. Realmente, muito fraca a entrevista, por conta do entrevistador. Parecia alguém disperso em observar irrelevâncias. O resumo inicial foi distante do que foi conversado. Enfim, o Crusoé está se mostrando tão alienado como o restante da mídia tradicional.

  16. Melhorem as perguntas nas próximas entrevistas. Procurem não participar do assassinato ao jornalismo brasileiro. Esse nível de reportagem está medonho.

    1. De fato, o resumo não condiz com a entrevista e o entrevistador ficou disperso em coisas irrelevantes. Preparem-se para estas oportunidades de entrevistas.

  17. PARABÉNS pela entrevista, é isso q esperamos da Crusoé. Qdo o trabalho é bem feito merecem elogios, mas tb aceitem as críticas qdo escorregam na banana (não preciso dizer q a banana foi publicar vazamento na quinta e cair no palco da protagonista-vazadora na sexta, isso é o q os concorrentes desacreditados têm feito. Publiquem, denunciem SEMPRE Q NECESSÁRIO sem cair no oportunismo, vcs não precisam disso).

  18. Esse general é muito gozado! Mas ao mesmo tempo, super antenado, sério onde deve ser. Tem toda uma prática dos militares e a "linguagem carioca".

    1. Bolsonaro cair, ser afastado, só sendo petralha, não acredito que um bolsonarista autêntico fale uma merda desta! Vai tirar 8 anos de mandato, sem nenhum percalço o, a não ser enfrentar as perseguições desarrozoadas da mídia, criadora de factoides!

    2. hahahaha até parece. O congresso prefere Bolsonaro que o Mourão. Pode acreditar. E quem foi eleito com 58% de votos foi Jair Bolsonaro. Mourão está muito longe do apoio e do carinho popular. Quem conquistou a eleição foi o capitão, de forma fenomenal.

    3. Até parece. hahahaha Com 58% de eleitores é bem difícil. E o Congresso preferem Bolsonaro que o general, pode acreditar.

  19. Essa entrevista pareceu mais entrevista da veja. Quanto insistência em determinados assuntos. Esses jornalistas são tão cansativos, eu sinceramente espera um nível bem superior, não quero ler Folha de São Paulo e muito menos Veja.

  20. Como um aspirante à repórter consegue credencial para entrevistar um vice presidente? Este é o retrato de como preparamos mal nossos "profissionais". Péssima entrevista.

  21. Os reporteres mudaram o veícuki mas insistentes perguntas cretinas e tentativas de colocar o entrevistado em má situação contibuam. Usaram maldosamente a piada recebida e mostrada num momento de descontraçao antes da entrevista. Cretinice pura, atitude desnecessária.

    1. Insistiram maldosamente em ridicularizar. Para que isso? Acham que não estamos acostumados a ver idiotas relevando pelo em ovo?

  22. Que repórteres chatos e tendenciosos, loucos para arrumar fofoquinha. Ainda bem que o Mourão é safo e não caiu nas cascas de banana que eles jogaram. Entrevista cansativa.

    1. kkkkkkkkkkkkkkkk aqui tem uns intervencionista, pode escrever.... kkkkkk. Difícil viu, tirar um presidente com 58% de votos, de apoio popular. Aliás, o Congresso prefere Bolsonaro que o Mourão , pode acreditar.

  23. As ameaças são reais, o governo Bolsonaro deveria pedir ajuda e treinamento a mesma equipe que protege o presidente dos EUA.

  24. Fez o papel dele de Vice-Presidente! Falou do que é da competência de qualquer Você E as preocupações que todos nós temos com a saúde e integridade física do nosso Presidente. Nem mais nem menos

  25. Caros Eduardo Barreto e Rodrigo Rangel, qual é o significado do rótulo de "Ultraliberal" que vocês afirmam que o Paulo Guedes assim o é!?

  26. Achei louvável aproveitar o bom humor do General, entretanto, poderiam ampliar os temas em vez de insistir em perguntas descabidas.

  27. Caramba! O nível das perguntas foi baixo até pra um folhetim de fofoca. Acho que CRUSOÉ pode ser muito mais que essa mesmice medonha da nossa mídia, com analfabetos portando diploma de jornalismo fazendo perguntinhas de 5ª série, né não!? Alô Diogo! Alô Mario! Abram o olho pra não caírem no 'lugar comum' da grande mídia: a irrelevância!

    1. Idem. Se fosse para ler isto, teria continuado no O Globo.

    2. Nossa!!! Leu meu pensamento!!! O Morão tava prontinho pra falar, era só ter sagacidade pra perguntar!!!

    1. Crusoé, infelizmente, globalizou-se, caíu no lugar-comum, a insistência nesse caso do flávio, ou melhor, do ex-assessor do flávio, eu pensei que fosse obsessão só da globo e folha, mas infelizmente, chegou aqui na crusoé, algo pobre e sem nenhuma relevância, estou decepcionado. Parabéns pela paciência do General.

    2. Muito fraco: perguntas repetitivas e respostas descompromissadas.

    3. Que isso? Foi pra Caras essa entrevista? Minha gente, parem de fofoca e vamos a questões importantes pro país! vocês conseguiram esse tempo de Mourão pra perguntar isso? Se eu quisesse saber disso, ia ler a Globo, Folha! aff

  28. Poxa, introdução tendenciosa, me parecendo com intuito de desmoralizar o entrevistado. Ao longo da entrevista muitas perguntas forçadas e nada inteligentes, querendo forjar respostas. Não foi por isso que assinamos a Crusoé, mas sim para ter um jornalismo imparcial e que não distorça informações colocando fora de contexto, como na introdução. Não tentem nos enganar com falsas polêmicas.

    1. Concordo, Israel. Entrada maliciosa para não dizer perversa. Aos referidos jornalistas, afirmo: estamos vigilantes!

    2. Total! Parem de colocar disse me disse que isso é conversa de janela e de cadeira no portão de cidade pequena! Assinei isso aqui pra isso?

  29. A introdução da matéria é completamente sem noção. Nem se a entrevista fosse numa mesa de bar. A entrevista bastante longa com insistências incabíveis em determinados assuntos. De resto, o general foi de uma paciência ímpar para chegar ao fim da conversa.

  30. Quase desisti de ler a reportagem, diante do conteúdo da introdução. Contudo, dispus-me lê-la até o final e constatei que que o tom sarcástico e irresponsável acerca do atentado à faca de outrora, mencionado com deboche e falsa interpretação, impõe-se aos jornalistas que assinaram a matéria, não ao General em foco, cujas respostas às indagações que lhe foram dirigidas demonstram o contrário. A Crusoé - com as contumazes deturpações - continua decepcionando, na busca desesperada por mais espaço.

  31. O nosso Vice-presidente o General Mourão é uma figura ímpar no Nosso EB e será uma grata surpresa para a política nacional seguindo a tradição do Exército de Caxias O Pacificador e será sempre Justo e Perfeito nas ações como o "Guardião de Ferro" da missão Constitucional da Vice-presidência e da Presidência da República!

  32. Sequer senti entusiasmo de ler a entrevista....... começa o assunto narrando uma piada sobre recente tragédia ?!!!! .......tenho senso de humor, mas também tenho senso de limites, de respeito........senhor general, recate-se !!!

    1. Também me ocorreu isso. Ainda assim, propus-me a ler até o final a reportagem e constatei que o tom sarcástico e irresponsável acerca do atentado à faca, deveu-se à falsa interpretação dos jornalistas que escreveram a matéria e deram o tom debochado, supostamente atribuído ao General. Entretanto, as respostas às indagações não demonstraram nada disso. A Crusoé - com as contumazes deturpações - continua decepcionando, na sua busca desesperada por mais espaço jornalístico. Uma lástima...

  33. Realmente, uma entrevista com detalhes repetidos duas ou três vezes. O entrevistador me pareceu meio despreparado, querendo obter respostas a todo custo. Considero grave a informação do Gal sobre os riscos a que está sujeito o JB, melhor seria guardar sigilo. Aliás, um dos pontos fracos da equipe toda do JB, considero que é falar demais. Me desculpe o Gal, eu o admiro por outros aspectos. Tanto ele, quanto os filhos do JB, quanto a Joyce, falam demais. Criam situações que poderiam ser evitadas.

  34. Entrevista boa dentro dos seus limites. Muitas perguntas para as quais só cabia uma resposta, e muita insistência nelas (adorei essa pergunta dos pensamentos mais íntimo). Mas eram perguntas que precisavam ser feitas e esgotadas. nem que fosse para registro. Poderiam ter perguntado mais sobre a visão do vice-presidente eleito sobre temas como segurança pública, educação etc., mas aí talvez extrapolasse o tempo disponibilizado.

  35. Incrível a cara de pau do entrevistador que esqueceu de propósito que a futura primeira dama recebeu um cheque de 24 mil!!!!!! E duvido totalmente dessas supostas ameaças. Deve ser tudo mentira, factóides!

    1. O que esperar de um comentário de um petralha. "o entrevistador esqueceu de propósito" , como se 24 mil fosse relevante. kkkkkkk Aff!!! ela não recebeu nada, querido, apenas depositou o cheque do marido na sua conta, à pedido do próprio. Aliás, o primeiro nome da lista do COAF é de um petista que recebeu 49 milhões.

    2. Carlos, seus pais conceberam você. Sabe tudo de factoide.

    3. Deve sim, tão factoide quanto a facada que levou, tão mais, ainda, quanto o factoide das condenações do criminoso Lula e seus apaniguados.

  36. O cara cai deixar o anexo da Vice-presidência e trabalhar ao lado do gabinete presidencial. Aí o entrevistador pergunta: "que papel o sr terá?". Ora bolas, está claro como o sol que o papel será o de governar lado a lado com presidente. Tolinha a insistência na questão. Outra bobagem foi perguntar onde é quando seria o atentado contra o Bolsonaro... Ahahahahaha!

    1. nível crítico das perguntas e muito mais das respostas, será melhor o vice ficar calado.

  37. Pelo amor de Deus, CrusoÉ!!! Não foi pra isso que larguei Veja há 10 anos e abandonei a revista Época ano passado. Parece perguntinha de delegado de polícia que tá torturando preso por uma confissão de um crime que o cara não cometeu!: repetição de pergunta, repetição de pergunta...

  38. A entrevista não acrescenta nada de relevante e as perguntas são repetitivas e muitas vezes resvalam para a fofoca. Bem abaixo do padrão da Crusoé.

    1. Foi o que eu percebi também! Cheguei a pensar que se tratava de um repórter da Globo News.

  39. Lixo de entrevista. O jornalista é péssimo. Pareceu-me estar lendo um daqueles blogs financiados pelo PT... Aff... Não sei como o Gen aguentou.

  40. Ele será a sombra do presidente, sabe tudo e não dá mole, nem para entrevistas com perguntas capciosas. o General sabe onde está pisando!

  41. É, os órgãos de inteligencia têm que estar atentos e, se der tempo, ou houver oportunidade, desmantelar essas ameaças e seus agentes.

    1. Livingstone ! Chatos, concordo, mas inteligentes? hahahah Não estão a altura do entrevistado. repetitivos, e assuntos já muito explorados pela imprensa. Péssima entrevista. Forçar uma barra de conflito entre Bolsonaro e Mourão, foi ridícula. Bolsonaro com apoio popular 75%. E depois querem que acreditamos que haddad teve 45%? hahahah Bolsonaro o fenômeno eleitoral. Chora petezada!!!

    2. Tem! Mas tem mesmo. Aguentar dois caras "chatos e inteligentes" que dão a volta na pergunta para tentar obter uma resposta, só com paciência de Jó e saco de filó!

    3. Parabéns general, adorei a entrevista, mas, fiquei mais preocupada com nosso presidente. Acho que anda arriscando muito, varias vezes desce do carro no meio do povo Não seria mais prudente se preservar, precisamos de Bolsonaro VIVO!

  42. O trabalho que vcs fazem no O Antagonista e Crusoé, é fantástico. Estive no Teatro Net naquela tarde memorável!!! Parabéns. Amo vcs. 👏👏👏🙏🙏🙏🎄🎄🎄

    1. Tenho muita curiosidade em saber o que rolou no Teatro Net.

    1. Para mim pareceu que o jornalista estava tentando criar uma saia justa entre o vice e o presidente. O cara já disse que o assunto deve ser investigado e os culpados punidos. Fim. Se ele tivesse dito algo mais forte o jornalista certamente usaria para criar um mal estar. E o assunto das ameaças sequer foi desenvolvido, não interessou ao jornalista.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO